sábado, 4 de abril de 2015

"Velozes e Furiosos 7" esbanja adrenalina e se despede de Paul Walker

Maristela Bretas


Pense num filme prá lá de sacado, com carros possantes que voam ou atravessam prédios gigantescos, um festival de porrada entre dois grandes lutadores do cinema, muitos tiros e explosões e um final com uma bela homenagem a um dos principais atores. Junte tudo e você terá "Velozes e Furiosos 7" ("Furious 7"), que entra em cartaz nesta quinta-feira. 

E o exagero, que sempre marcou os filmes da franquia, não é pouco. Mas vai agradar bastante aos amantes de carros belos e possantes e dos filmes de ação. Vin Diesel (Dominic Toretto), novamente um dos produtores, continua usando frases curtas - falar demais não é a praia dele. Mas seu personagem sabe como entrar numa boa briga e dirigir um carro de corrida, mesmo que seja para destruí-lo depois. 


Para que a ação não parasse em momento algum, foi chamado outro da turma do "arrasa quarteirão", Jason Statham (no papel de Deckard Shaw), que nos últimos tempos tem aproveitado sua grande habilidade em artes marciais em filmes de muita briga. Ele deixa de ser mocinho com cara de mal e passa a vilão (sem mudar a expressão). E é responsável pelas ótimas cenas de luta, contra Vin Diesel e o também lutador Dwayne Johnson, que volta como o agente Luke Hobbs, do FBI.

Mas a grande estrela, com imagens atuais e do passado, é Paul Walker, que faz o papel de Brian, fiel companheiro e cunhado de Dominic. Se a franquia fez sucesso entre os fãs, ele foi um dos responsáveis e garante ótimas cenas de ação, principalmente a do ônibus caindo no precipício. Teria continuado a fazer sucesso se a morte não tivesse chegado tão cedo, aos 40 anos, ironicamente num acidente de carro, como carona, em setembro de 2013, pouco antes do final das filmagens.

Para encerrar o filme, a produção precisou usar os irmãos de Walker que são dublês. Dá para perceber quando eles estão no papel, apesar da direção evitar closes. A homenagem no final emociona, sem perder o estilo do filme e deixando aberta a porta para "Velozes e Furiosos 8", agora desfalcado, que terá Nova York como cenário, segundo Diesel anunciou recentemente.

O restante do grupo é mantido, exceto o japonês Han (Sung Kang) morto no filme anterior, que acaba sendo um dos motivos para o enredo deste. Tyrese Gibson (Roman), Ludacris (Tej), Michelle Rodriguez (Letty) e Jordana Brewster (Mia) cumprem seus papéis não muito diferentes das outras produções. 


Mas não escapam dos tiroteios e perseguições, que desta contam com o apoio de novas tecnologias de destruição, como drones e um dispositivo de rastreamento (do tipo usado na série de TV "Person of Interest"). Ele faz a expressão "procurar agulha num palheiro" cair no esquecimento. Adeus privacidade.

Em "Velozes e Furiosos 7", Dominic e sua "família" terão de enfrentar Ian Shaw, um ex-agente e assassino profissional que quer se vingar do grupo pela morte do irmão em Londres. Ian é o responsável pela morte de Han e jura caçar cada um dos corredores. Para pegar o "caçador", Dominic vai se unir a um velho amigo, Hobbs, e ao agente da CIA, conhecido como Sr. Ninguém (Kurt Russell). E contar com a ajuda de uma hacker que vai deixar Tej e Roman de queijo caído.



Ação do início ao fim, pura adrenalina e talvez o melhor de todos da franquia. Podem até ser exageradas, mas as cenas dos carros caindo de paraquedas, de Paul Walker conseguindo pular de um ônibus à beira de um precipício e de Vin Diesel pulando com um carro de luxo de um dos prédios mais altos de Abu Dhabi são um show de efeitos especiais e trabalho de dublês. Com certeza, a produção vai agradar aos fãs dos filmes de ação, que poderão também se despedir de Paul Walker, o belo corredor dos olhos azuis.

Ficha técnica:
Direção: James Wan
Distribuição: Universal Pictures
Duração: 2h17
Gênero: Ação
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)

Tags: Velozes e Furiosos 7; Vin Diesel; Jason Statham; Paul Walker; Dwayne Johnson; ação; Universal Pictures; Cinema no Escurinho