quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Depois de Mad Max, Charlize Theron volta brutal e "Atômica"

Produção esbanja cenas de violência, tiros, perseguições e muita luta do início ao fim, em história passada no ano da queda do Muro de Berlim  (Fotos: Universal Pictures)

Maristela Bretas


Charlize Theron não se contentou em apenas fazer uma ótima interpretação e apanhar muito de seus inimigos russos (e aliados). Também participa como produtora do brutal e envolvente "Atômica" ("Atomic Blonde"), que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. O filme é dinâmico, com muita ação, perseguições e violência, para quem gosta do estilo 007 de Daniel Craig. Só que a espionagem agora loira, usa saia, é extremamente bonita, sensual e mortal.

Essa é Lorraine Broughton, papel de Charlize que supera muitos agentes secretos, da Guerra Fria e de outros tempos. A espiã britânica do MI6 bate muito, não tem medo de apanhar e ficar com o corpo coberto de marcas e feridas, o cabelo despenteado, a maquiagem borrada, mas sem descer do salto ou perder a classe. Para ficar com o corpo ideal para o filme a atriz recebeu treinamento e aulas de luta de oito personal trainers para dispensar a dublê e fazer as próprias cenas de ação. No final da produção estava com dois dentes quebrados. CLIQUE AQUI  para ver os bastidores do treino de para o papel.

"Atômica" ganha agilidade desde os primeiros minutos, com a história sendo contada a partir de um depoimento de Lorraine. A partir daí são muitas cenas de violência, tiros, porrada, explosões e muito sangue, que chega a espirrar na lente da câmera. Para intensificar as cenas de pancadaria, nada como o misterioso espião americano infiltrado na Alemanha Oriental, David Percival, outra grande interpretação de James McAvoy, que fez todo o filme com a mão direita quebrada, resultado de sua atuação em "Fragmentado" (2016), outro de seus sucessos.

Destaque também para a atuação de Sofia Boutella, que volta em mais um filme e espionagem (também participou de "Kingsman - Serviço Secreto, de 2014). Ela é a agente francesa Delphine, que será determinante na trama. Completando o bom elenco de apoio estão o experiente John Goodman, como chefão da CIA, Emmet Kurzfeld; Eddie Marsan, como o agente duplo Spyglass; Bill Skarsgärd, como o revolucionário Merkel (nome bem sugestivo); Toby Jones, como Gray um interrogador britânico, e James Faulkner, o chefão "C" (outra "semelhança" com Bond, que tem a chefona "M").

Enquanto o povo luta na rua pela união dos dois países, por trás da trincheira, as articulações aconteciam num ambiente sombrio e sórdido em busca do poder. Mas tudo colocado de uma forma muito rápida, ficando o destaque para as cenas de ação e a presença marcante de Charlize Theron. Conhecida por sua frieza e determinação, a espiã Lorraine Broughton é convocada por seus superiores a ir a Berlim onde deverá resgatar um dossiê que coloca em risco a identidade de centenas de agentes secretos de várias nacionalidades se cair em mãos erradas.

Na cidade, o parceiro será David Percival, que joga as cartas da espionagem de uma forma muito diferente das usadas pela britânica, e vai colocá-la em situações constantes de confrontos com as forças militares e os soviéticos da KGB. Como pano de fundo, os protestos nas ruas e a insatisfação da Alemanha, dividida em duas pelo Muro de Berlim e a Guerra Fria, contada através dos noticiários de TV no ano de 1989.

E se já bastasse tudo isso, a trilha sonora ainda vem com repertório invejável dos anos 80, com sucessos como "Sweet Dreams", do Eurythmics, "Father Figure", de George Michael; as versões remasterizadas de "Under Pressure", da parceria entre Queen e David Bowie (2011) e "Hungry Like The Wolf", do Duran Duran (2009), além de outros 31 cantores e bandas. CONFIRA AQUI a playlist do filme disponibilizada pelo canal oficial da Universal e Spotify.

"Atômica" é uma mistura de James Bond, Jason Bourne e John Wick, tanto na violência quanto nas cenas tórridas, mesmo que pequenas. Estas por sinal, poderiam servir de modelo para os próximos filmes da franquia "Cinquenta Tons de Cinza". A produção é baseada na série de quadrinhos “The Coldest City”, de Antony Johnston, ilustrado por Sam Hart.

Pode até ser considerado um longa-metragem com história previsível, recheada de lutas que desviam a atenção do espectador, principalmente nas cenas em plano sequência, mas "Atômica" prende do início ao fim e vale a pena ser assistido.



Ficha técnica:
Direção: David Leitch
Produção: Focus Features
Distribuição: Universal Pictures
Duração: 1h55
Gêneros: Ação / Espionagem
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4,3  (0 a 5)

Tags: #Atomica #AtomicBlonde #CharlizeTheron #JamesMcAvoy #SofiaBoutella #JohnGoodman #Berlim #GuerraFria #espionagem #acao #LorraineBroughton #FocusFeature #UniversalPictures #CinemanoEscurinho

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

"O Acampamento" explora a brutalidade humana e o desejo de sobrevivência


O que parecia ser um acampamento tranquilo de fim de semana acaba se tornando um inferno para um jovem casal (Fotos: Cineart Filmes/Divulgação)
  

Maristela Bretas


Inspirado nos clássicos thrillers de sobrevivência dos anos 1970, o diretor e roteirista Damien Power apostou numa história com final aparentemente previsível para criar o suspense "O Acampamento" ("Killing Ground"), que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. O início pode parecer monótono, explorando o visual da mata onde toda a trama se passa, com cenas quase paradas, num cenário de pouca vida e um silêncio que chega a incomodar. Ao longo da narrativa, a escolha do local vai se justificando, além a própria fotografia, um dos pontos fortes do filme.

A história é simples e até previsível, mas os momentos de tensão são bem conduzidos e devem agradar aos fãs do suspense. Até mesmo o final, mesmo sem grandes surpresas. O destaque fica para a atuação dos vilões, em especial a do ator Aaron Glenane, no papel do psicopata Chook. Aaron Pedersen, que faz o violento parceiro German, também entrega uma boa interpretação.

Um fim de semana que era para ser de descanso do casal Ian (Ian Meadows) e Samantha (Harriet Dyer) num parque florestal acaba se tornando um pesadelo. Esperando ficarem sozinhos, eles se surpreendem com um carro abandonado e uma barraca vazia no local onde iriam acampar. À medida que o dia passa os vizinhos não aparecem e coisas estranhas começam a acontecer na mata.

A situação se torna mais tensa quando um bebê aparece com escoriações vagando pela floresta, sem identificação ou sinal dos pais. O casal tenta socorrer a criança, mas vai descobrir que seus problemas estão apenas começando. E que os três vão se tornar o alvo de uma caçada de loucos violentos.

"O Acampamento" é uma produção australiana que mereceu destaque no Festival de Sundance, nos EUA. O longa assusta pelas cenas de brutalidade, e perturba pela forma como aborda as relações e comportamentos, tanto da dupla violenta Chook e German quanto do jovem casal, cujo amor é posto à prova quando o desejo de sobrevivência fala mais alto. O longa apresenta os fatos em dois tempos - antes e depois da chegada de Ian e Sam à floresta, caminhando até o ponto onde as histórias se cruzam e o desfecho da trama. Vale a pena ser conferido.


Ficha técnica:
Direção e roteiro: Damien Power
Produção: Cineart Filmes
Distribuição: Cineart Filmes
Duração: 1h28
Gênero: Suspense
País: Austrália
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #OAcampamento #DamienPower #AaronGlenane #IanMeadows #HarrietDyer #AaronPedersen #FestivaldeSundance #suspense #CineartFilmes #CinemanoEscurinho

domingo, 27 de agosto de 2017

"Bingo - O Rei das Manhãs" comove e homenageia o mito do palhaço triste

Inspirado na vida do ator Arlindo Barreto, o "Bozo", filme tem como seu destaque a atuação de Vladimir Brichta como o protagonista (Fotos: Luiz Maximiniano/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Cansado de fazer pornochanchadas para sobreviver, um ator fracassado é aprovado meio por acaso num teste no qual nem ele acreditava e consegue o emprego de apresentador de um programa infantil numa emissora de TV. Mas há uma ressalva: ele só pode trabalhar mascarado. E, por contrato, jamais pode revelar sua identidade. 

O personagem vira sucesso nacional, seu programa torna-se campeão de audiência, ele enriquece, mas é obrigado a permanecer no anonimato. Apenas esses dados já seriam suficientes para se contar uma boa história. Mas se esse personagem é um palhaço maluco e drogado, se ele tem um filho afetuoso que o adora, e ainda por cima a narrativa é baseada em fatos reais, aí sim é que os ingredientes se completam.

Residem aí, nesses detalhes, 80% do acerto de "Bingo - o Rei das Manhãs", filme de Daniel Rezende (premiado montador de “Tropa de Elite 2”) que conta a trajetória de Arlindo Barreto (no filme ele recebe o nome de Augusto Mendes), que fez sucesso como o palhaço Bozo no SBT. Os outros 20% da riqueza do filme ficam por conta da contundente atuação de Vladimir Brichta, que faz um palhaço tão emocionante quanto rebelde, tão amoroso quanto atrevido, tão talentoso quanto irresponsável.

Perfeitas também são as atuações de Leandra Leal como Lúcia, a diretora careta e evangélica do programa, por quem ele se apaixona; Ana Lúcia Torres como Marta, a mãe atriz; Tainá Muller como Angélica, ex-mulher do palhaço; Augusto Madeira como o hilário câmera Vasconcelos; Emanuelle Araújo como a bailarina Gretchen que ele leva pra rebolar para as crianças e com a qual tem um caso; e o menino Cauã Martins, que enternece pelo olhar carente e desprotegido.


De quebra, tem uma aparição relâmpago de Domingos Montagner, que representa os palhaços aos quais Bingo recorreu para tentar aprender seu novo ofício. E Pedro Bial, como o diretor de uma grande emissora de TV que recusou dar um trabalho melhor ao ator. Devido a questões autorais, além de Bozo, os nomes das emissoras foram trocados - a Globo é chamada de Mundial, o SBT de TVP.

Para temperar ainda mais essa história que nem parece real, o ator fracassado Augusto Mendes é filho de uma atriz em fim de carreira e tem, com ela, uma relação forte e tempestuosa. Para quem não sabe, Arlindo Barreto, o Bozo real, é filho de Márcia de Windsor, que se tornou conhecida como a boazinha do júri dos programas de calouro. Mais tempero? O filme se passa nos coloridos e extravagantes anos de 1980, marcados não apenas por ombreiras gigantes, mas também pelas discotecas, a cocaína e a loucura.

Com uma boa dose de atrevimento, somado a pitadas de emoção, Daniel Rezende alterna humor e ternura, conta uma bela história de superação sem nenhum pieguismo e ainda faz uma homenagem à figura mítica do palhaço no seu ofício mágico de fazer rir, mesmo com o coração aos pedaços e a vida em frangalhos. Classificação: 16 anos



Tags: #BingoOReidasManhas #Bozo #palhaço #VladimirBrichta #DanielRezende #ArlindoBarreto #AnaLuciaTorres #TaináMuller #AugustoMadeira #CauaMartins #LeandraLeal #GullaneFilmes #drama #biografia #Cineart #EspaçoZ #WarnerBrosPictures #CinemanoEscurinho

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Melhor que o primeiro, "Annabelle 2 - A Criação do Mal" é terror assustadoramente bom

Filme conta a origem da temida boneca do mal que aterroriza os moradores de uma casa (Fotos: Warner Bros. Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Muito melhor que o primeiro, até mesmo nas cenas de terror previsíveis. "Annabelle 2 - A Criação do Mal" ("Annabelle: Creation") explica como surgiu a famosa boneca demoníaca que aterrorizou três filmes - "Invocação do Mal", "Invocação do Mal 2" (2016) e "Annabelle" (2014). Este último veio na rabeira do sucesso dos outros dois e acabou faturando US$ 257 milhões nas bilheterias de todo o mundo, mas continuou deixando no ar a origem da personagem que dá medo de tanta feiura.

Foi preciso um segundo filme, produzido por James Wan ("Invocação do Mal 2") e bem dirigido por David F. Sandberg (o mesmo de "Quando as Luzes se Apagam") para que Annabelle tivesse finalmente sua história contada. O filme tem clichês, claro, como todos do gênero terror. Mas vi muito marmanjo dando pulo na cadeira do cinema e fingindo de bobo.


A boneca Annabelle é o centro das atenções, e o diretor usa e abusa de sua cara medonha para criar os momentos mais tensos e violentos do filme. A tensão causada pela expectativa de seu aparecimento nas mais diversas situações domina a trama e envolve todos os demais personagens, que estão à sua mercê.

Muitos vão dizer que "Annabelle 2 - A Criação do Mal" é somente mais um filme de terror, sem grandes novidades. Não é bem assim. O enredo prende do início ao fim, os sustos são constantes e o que não faltam são aquelas situações que dá vontade de bater nos personagens por serem tão burros e entrarem sempre onde não deve. Não tenha vergonha de adivinhar algumas cenas bem clichês - são nelas que acontecem os melhores sustos.

Uma tragédia ocorrida há 12 anos faz um casal abrir sua casa para abrigar a freira Charlotte (Stephahie Sigman, da série "Narcos") e seis meninas desalojadas de um orfanato - Janice (Talitha Bateman, de “A 5ª Onda”), Linda (Lulu Wilson, de “Livrai-nos do Mal”), Nancy (Philippa Coulthard, de “Jogos do Apocalipse”), Carol (Grace Fulton, de “Badland”), Tierney (Lou Lou Safran, de “A Escolha”) e Kate (Tayler Buck, da série "American Crime Story").


O pai Samuel Mullins (Anthony La Paglia, da série "Without a Trace"), um habilidoso artesão de bonecas agora é um homem de pouca conversa e a esposa Esther (Miranda Otto, de "Homeland") sempre está trancada em seu quarto. O que as novas moradoras não sabem é que eles escondem um terrível segredo do passado que vai colocar suas vidas em perigo. Esse segredo tem nome e uma cara ameaçadora e se chama Annabelle, uma boneca criada por Samuel.

Sem dúvida, muito melhor que o primeiro. Um terror de verdade, que foca na boneca demoníaca, dispensando a necessidade de atores caros - a maioria é conhecida por trabalhos em séries de TV americanas. Além do produtor e do diretor, diversos integrantes da equipe estão familiarizados com o gênero, o que garante o ótimo resultado. Destaque para o roteiro, escrito por Gary Dauberman, responsável pela nova versão de "It - A Coisa", que estreia em breve.

O filme utiliza poucos e ótimos efeitos visuais e explora bem os "cantos escuros" da casa e dos medos dos personagens, garantindo muita tensão, bons sustos e cenas de arrepiar. Sem risco de decepção por quem curte o gênero terror, "Annabelle 2" merece ser visto.



Ficha técnica:
Direção: David F. Sandberg
Produção: New Line Cinema / Atomic Monster / Safran Company
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 1h50
Gênero: Terror
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #Annabelle2ACriacaodoMal #AnnabelleCreation #DavidFSandberg #JamesWan #InvocacaodoMal #Annnabelle #StephaneSigman #AnthonyLaPaglia #MirandaOtto #terror #EspaçoZ #Cineart #WarnerBorsPictures #NewLineCinema #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Com elenco impecável e roteiro enxuto, Sofia Coppola surpreende com "O Estranho que Nós Amamos"

Diretora cria um clima de suspense, sensualidade e tensão em remake com montagem feminina (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Quem viu a primeira versão, de 1971, de Don Siegel, pode estranhar "O Estranho que Nós Amamos" ("The Beguiled"), agora sob direção de Sofia Coppola. Mais delicada e sutil, a montagem atual é feminina, talvez até politicamente mais correta, embora mantenha com convicção o clima de tensão e, claro, de desejo, que faz da história um filme de drama e suspense. Tudo emoldurado por uma fotografia e figurinos impecáveis. 

Em 1864, em algum lugar da Virgínia, sul dos Estados unidos, uma das alunas da escola feminina da Sra. Martha encontra por acaso, no bosque onde colhia cogumelos, um homem ferido. Em plena guerra civil, esse soldado inimigo que fazia parte dos confederados, foi acolhido naquela espécie de pensionato onde viviam duas professoras e cinco alunas. Atraídas e carentes, elas não hesitam em construir desculpas para manter o ferido na casa enquanto ele se recupera. E é essa presença masculina que gera os conflitos e fortalece a tensão, brilhantemente criados com poucos diálogos e muitos olhares.


Os que assistiram à montagem anterior podem dizer, com propriedade, que Clint Eastwood foi um hóspede mais másculo, talvez até mais atrevido e com mais testosterona do que Colin Farrell, que faz o cabo John McBurney agora. Mas não se pode negar que Colin não decepciona e dá seu recado ao imprimir um sotaque mais galanteador do que garanhão ao personagem. 

Outros destaques são Nicole Kidman como a Sra. Martha, que comanda a escola com rigor e disciplina, e sua ajudante, a romântica Edwina, muito bem interpretada por Kirsten Dunst, cujo olhar, apesar de recatado, não consegue esconder o tesão. Estão ainda no elenco Angourie Rice, Elle Fanning, Emma Howard e Oona Laurence, que carregam, com elegância e a discrição que a época exigia, os fantásticos figurinos de época da produção.

Merecidamente, Sofia Copolla já ganhou um prêmio de direção em Cannes por essa bela versão de "O Estranho que Nós Amamos". Já tem gente falando que ela merece o Oscar por surpreender com um roteiro enxuto e de poucas locações, deixando o espectador, em alguns momentos, completamente paralisado. Classificação: 14 anos




Tags: #OEstranhoQueNosAmamos #TheBeguiled #SofiaCopolla #NicoleKidman #KirstenDunst #ColinFarrell #AngourieRice #ElleFanning #EmmaHoward #OonaLaurence #drama #suspense #UniversalPictures #EspaçoZ #CinemanoEscurinho

sábado, 12 de agosto de 2017

“O Acampamento”, da Cineart Filmes, estreia dia 31 de agosto em todo o país



Dirigido e roteirizado por Damien Power, "O Acampamento" ("Killing Ground"), inspirado nos clássicos thrillers de sobrevivência dos anos 1970, foi destaque no Festival de Sundance, nos EUA. O filme conta o pesadelo vivido por Ian (Ian Meadows) e Samantha (Harriet Dyer) durante um fim de semana.

O casal encontra um acampamento isolado com apenas um carro e uma barraca vazia. 1À medida que anoitece e ninguém retorna, os dois passam a se preocupar. E quando descobrem uma criança vagando pela floresta, uma série de acontecimentos estranhos vão tentando seus limites. Em breve, crítica no blog Cinema no Escurinho.



Tags: #oacampamento #DamienPower #IanMeadows #HarrietDyer #FestivaldeSundance #suspense #thriller #CineartFilmes #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Longo e sem enredo, "Transformers - O Último Cavaleiro" deveria ter ficado no trailer estendido

Como nos outros filmes da franquia, efeitos visuais são ponto alto do filme (Fotos: Paramount Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Michael Bay exagerou na duração, errou no roteiro (ou na falta dele) mas acertou pelo menos nos efeitos visuais de "Transformers - O Último Cavaleiro" ("Transformers: The Last Knight"), que são gigantescos, bem ao estilo do diretor. Mark Wahlberg está fraco, a história não se sustenta, cheia de furos, confusa, com mudanças bruscas e constantes de cenas que chegam a dar tonteira. 

Parece que o diretor quis aproveitar todo o potencial do sistema IMAX de uma vez, por sinal, o ponto alto do filme, e jogou tudo numa panela, Virou um grande mexidão, misturando Rei Arthur, os Cavaleiros da Távola Redonda, mago Merlin e Transformers dragões. O resultado não foi o esperado após a sessão do trailer estendido apresentada em abril deste ano, muito mais interessante que o filme completo.

O resultado não foi dos melhores, personagens dos filmes anteriores, como John Turturro e Josh Duhamel, voltam a participar mas sem expressão e até os robôs, que sempre foram o centro das histórias, ficaram perdidos. Bumblebee monta e desmonta como se fosse um brinquedo da Lego. Optimus Prime muda do bonzinho para o vilão sem que ninguém entenda direito o que foi que aconteceu - se está hipnotizado, se mexeram na caixa de marchas dele ou se é só o efeito do espaço em seu motor. A vilã é bem fraquinha, deveria deixar essa parte para Megatron, que também perdeu seu poder de fogo e convencimento.

Uma jovem de 15 anos, Izabella (Isabela Moner) entra na vida de rebelde de Cade Yeager (Mark Wahlberg), que a trata como filha. Novamente solteiro, está com o coração livre parra a entrada de uma nova não tão mocinha, a pesquisadora Vivian Wembley (Laura Haddock). Difícil foi ver Anthony Hopkins num papel muito aquém de sua capacidade de interpretação, como o herdeiro de um segredo milenar de família envolvendo os primeiros Transformers a chegarem à Terra.

Só para tentar entender: os humanos estão em guerra com os Transformers, que vivem se escondendo das forças militares sob a proteção de Cade Yeager. Eles moram em um ferro-velho desde que Optimus Prime deixou a Terra em busca de seu planeta-natal Cybertron, que foi destruído. Num dos confrontos com humanos, Cade adota Izabella, uma adolescente de 15 anos que luta para proteger um pequeno robô defeituoso.

Na Terra, Megatron volta a ser uma ameaça e prepara um novo retorno com seu grupo de Decepticons, prometendo acabar com humanos e Transformers. Enquanto isso, Optimus Prime descobre que foi responsável por destruir Cybertron e precisa retornar à Terra para recuperar um artefato que pode trazer o planeta de volta à vida.

Achou confuso? Pois fica ainda mais quando você tenta acompanhar a história e as cenas são trocadas freneticamente. Conselho: não sente nas cadeiras da frente no cinema, é enjoo na certa se a versão for 3D. Aí você fala, mas não tem nada de bom em "Transformers - O Último Guerreiro"? Claro que tem. Michael Bay se supera nos efeitos visuais, as lutas são bacanas, Os robôs estão mais bonitos, principalmente Optimus, mas nem isso salva o filme. Acho que vale para quem, como eu, quiser fechar o ciclo da franquia Transformers. Porque depois desta produção, o diretor precisa pensar melhor se deve apostar alto novamente em um novo filme.



Ficha técnica:
Direção: Michael Bay
Produção: Paramount Pictures
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 2h29
Gêneros: Ação / Ficção Científica
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: #TransformersOUltimoCavaleiro #MarkWahlberg #Transformers #LauraHaddock #AnthonyHopkins #Megatron #OptimusPrime, #Bumblebee #Cybertron #MichaelBay #IMAX #EspaçoZ #Cineart #ParamountPictures #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

"Planeta dos Macacos - A Guerra" aposta em primatas, grandes efeitos e fortes emoções

Último filme da trilogia peca apenas na batalha final que deixa muito a desejar (Fotos: Fox Film do Brasil/Divulgação)

Maristela Bretas


Entrei no cinema para uma sessão 3D com a expectativa de assistir o maior conflito entre humanos e macacos desde o filme anterior da saga. Por quase duas horas aguardei a tal batalha que aconteceria a qualquer momento e qual não foi minha surpresa quando pouco antes do final ela finalmente eclodiu. Bem fraca, ao contrário do que propunha o título de "Planeta dos Macacos - A Guerra" ("Planet of the Apes - The War"). No filme anterior, "Planeta dos Macacos - O Confronto" (2014), os combates foram bem mais fortes, frequentes e consistentes.


Mas a guerra é só um detalhe. O que importa é que o terceiro filme da franquia "Planeta dos Macacos" ficou excelente ao explorar as emoções de ambos os lados da disputa e colocar os macacos como o centro da história, preocupados com a preservação de sua espécie, defendendo suas famílias e princípios. Sentimentos como ódio, raiva, perda, vingança, preconceito, amor e orgulho se misturam e tomam conta dos personagens humanos e símios. O diretor Matt Reeves e o roteirista Mark Bombarck souberam usar bem isso, além de o filme apresentar uma fotografia e locações maravilhosas, que enchem os olhos.


O ator britânico Andy Serkis, que esteve no Brasil esta semana fazendo a divulgação de "Planeta dos Macacos - A Guerra" e enlouqueceu os fãs por onde passou, está novamente impecável como Cesar, o líder dos macacos, e reina único e absoluto. É de impressionar a evolução nos efeitos da tecnologia de captura de movimentos. Cesar está quase humano, com um olhar penetrante que transmite claramente os sentimentos que está vivendo a cada momento. Grande atuação de Serkis, que vem melhorando sua atuação desde 2011 quando a franquia foi relançada com "A Origem", seguido por "O Confronto" três anos depois.  Digno de ganhar um Oscar.


Os demais primatas, principalmente Maurice (interpretado pela atriz Karin Konoval), Lake (Sara Canning), Macaco Mau (Steve Zahn), Rocket (Terry Notary) e Luca (Michael Adamthwaite) completam a grande atuação deste filme proporcionada pelos símios. Os sentimentos afloram a todo instante, em demonstrações de fúria, de amor e respeito. Afinal "Apes together strongs" (Macacos unidos fortes) é o lema deles. Macaco Mau, responsável pelos momentos engraçados do filme, parece uma mistura de Dobby (personagem da franquia "Harry Potter") com Gollum (da saga "Senhor dos Anéis") que por sinal foi interpretado por Serkis.


Os humanos tiveram pouco destaque desta vez. Woody Harrelson faz o papel do coronel MC Cullough, um militar meio psicopata, sem piedade, que vê os macacos apenas como inimigos que transmitem o vírus que dizimou a maior parte da população humana. Cheio de paranoias, ele escolhe Cesar como seu principal alvo a ser eliminado. Algumas tomadas feitas de cima mostram a formação do exército do coronel semelhante a uma tropa nazista idolatrando seu líder. Perde em poder no entanto para Cesar, que tem menos armas mas conta com a união e a confiança de seu grupo.


Chama atenção a atuação da linda adolescente Amiah Miller, que ficou conhecida por sua participação no terror "Quando as Luzes se Apagam" (2016). Ela é a doce Nova, que não consegue falar e acaba sendo adotada pelo bando de Cesar. A jovem passa uma imagem convincente de menina abandonada que assimilou bem sua nova família.


"Planeta dos Macacos - A Guerra" dá sequência ao conflito entre humanos e símios, após a extinção de boa parte da população por um vírus transmitido pelos animais. Escondidos na floresta, eles são constantemente caçados e precisam sempre buscar novos esconderijos. Cesar é o líder respeitado e admirado por todos, tem sua família e tenta viver em paz, mas os humanos não vão permitir isso, principalmente o coronel. 



Uma tragédia faz Cesar abandonar o grupo e inverter os papéis, elegendo o chefe do exército humano seu objetivo de vingança e colocando a própria vida em perigo. Os amigos mais fiéis, como Maurice, Rocket e Luca, vão tentar evitar que ele vá até o fim em seu propósito. Durante a jornada, o grupo ganhará aliados importantes - Nova e Macaco Mau - que vão mudar a vida de todos.



A trilogia "Planeta dos Macacos" é bem concluída neste último filme ao reunir com precisão belas imagens, boa trilha sonora, ótimas interpretações e tecnologia sofisticada empregada de maneira correta, completando o ótimo roteiro. Os efeitos visuais não aparecem mais que a história, como acontece com muitos blockbusters de ação. Merece ser visto pela ação e pela abordagem que apresenta.



Ficha técnica:
Direção: Matt Reeves
Produção: 20th Century Fox / Chernin Entertainment (CE)
Distribuição: Fox Film do Brasil
Duração: 2h20 
Gêneros: Ficção científica / Ação 
País: EUA  
Classificação: 14 anos 
Nota: 4,7 (0 a 5)

Tags: #PlanetadosMacacosaGuerra #PlanetoftheApesthewar #Cesar #PlanetadosMacacos #AndySerkis #WoodyHarrelson #AmiahMiller #KarinKonoval #SaraCanning #MacacoMau #SteveZahn #ação #ficção #FoxFilmdoBrasil #EspaçoZ #CinemanoEscurinho