domingo, 29 de abril de 2018

"Gringo - Vivo ou Morto" - Mais do mesmo recheado de clichês

David Oyelowo se envolve com uma quadrilha de tráfico de drogas graças a Charlize Theron e Joel Edgerton (Foto: Diamond Films/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


O gênero é misto, entre a comédia e a ação, temperado com uma pitada de lição de vida. Assim é "Gringo - Vivo ou Morto", diretor estreante Nash Edgerton que é irmão de Joel Edgerton, que faz um dos principais papéis no filme, o empresário Richard Rusk, exatamente o contraponto do - digamos - mocinho Harold Soyinka, interpretado pelo inglês David Oyelowo ("Selma", "O Mordomo da Casa Branca", entre outros). Estão ainda no elenco a loiríssima Charlize Theron como a suspeitíssima namorada de Rusk, Elaine Markinson; Thandie Newton como Bonnie, a também suspeita mulher de  Harold, e a boa gente Sunny, feita por Amanda Seyfried.

A história é mirabolante e mistura duas ou três tramas que, obviamente, se encontram e se encaixam em algum momento. Harold é um típico funcionário exemplar de uma empresa de medicamentos. É apaixonado pela esposa Bonnie, que de certa forma o explora financeiramente, e o deixa mal das pernas. Pensa ser amigo do chefe, o empresário Richard Rusk que, além de namorador inveterado, não prima exatamente pela honestidade. Uma de suas amantes é Elaine Markinson, parceira de falcatruas, numa interpretação meio exagerada e quase caricata de loira fatal e vulgar. 

Tudo começa quando o poderoso casal manda o inocente Harold para o México a trabalho e é lá que ele descobre as reais atividades da dupla, entre elas o tráfico de drogas, e terá que fazer de tudo para sobreviver à situação cada vez mais perigosa.

A partir daí, o filme não foge à regra e a trama não decepciona quem espera mais do mesmo quando se trata de uma comédia de ação. São clichês atrás de clichês, com direito a chefe do tráfico cujo nome é Pantera Negra, estereótipos de mexicanos violentos e mercenários, muitas perseguições de carros, muito tiroteio, muita confusão e algumas coincidências para acabar de amarrar a história. Nada, absolutamente nada de novo, nem mesmo para os apreciadores do gênero.



Ficha técnica:
Direção: Nash Edgerton
Produção: Amazon Studios
Distribuição: Diamond Films Brasil
Duração: 1h50
Gêneros: Comédia / Ação
Países: EUA/ Austrália
Classificação: 14 anos

Tags: #GringoVivoOuMorto, #Gringo, #DavidOyelowo, #JoelEdgerton, #CharlizeTheron, #AmandaSeyfried, #comedia, #acao, DiamonfFilmsBrasil, #AmazonStudios, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

terça-feira, 24 de abril de 2018

Rede Cineart realiza sessão especial de cinema para crianças com câncer

Convidados são crianças beneficiadas pela Casa de Acolhida Padre Eustáquio (CAPE) e suas famílias (Foto: Rede Cineart/Divulgação)


Nesta quarta-feira (25), a Rede Cineart promove sessão de cinema exclusiva às 9 horas, no Cineart Boulevard Shopping para crianças com câncer e suas famílias beneficiadas pela Casa de Acolhida Padre Eustáquio (Cape) e lança a nova forma de arrecadar fundos para a instituição. Além da doação de parte dos recursos da comercialização do Kit Sorriso Cineart, o público poderá doar o troco das compras feitas nas bilheterias e bombonieres da rede de cinema, por meio da campanha Troco Cape. O repasse é feito por sistema automatizado, direto para a conta corrente da Cape.

A parceria firmada entre a Rede Cineart e a Cape teve início em 2016, com o objetivo de arrecadar fundos que viabilizem a manutenção dos atendimentos prestados gratuitamente a mais de 200 crianças, entre 0 e 18 anos, vítimas do câncer e outras doenças não infecciosas. Na Casa de Acolhida Padre Eustáquio, a infraestrutura parece a de uma escola moderna, com acolhimento em tempo integral, e direito a suítes de hospedagem, lavanderia industrial, brinquedoteca e playground.

“Queremos manter o nosso compromisso em apoiar projetos sociais, porque entendemos que este também é o nosso papel. Esta nova campanha, do ‘Troco Cape’, amplia não só o repasse de recursos, mas as oportunidades de ajudar dezenas de famílias do nosso Estado. Nossa expectativa é que o valor ajude não só a manter, mas diversificar ainda mais os serviços oferecidos pela Casa”, explica o gerente da Rede Cineart, Lúcio Ottoni. 

Entre as novas demandas apresentadas pela CAPE estão: aquisição de nova van para ampliar o serviço de transporte, reforma das dependências e ampliação do atendimento multidisciplinar para as crianças, adolescentes e seus familiares. Atualmente, a infraestrutura da CAPE comporta 30 suítes para hospedagem, cinco refeições diárias, transporte, brinquedoteca e playground, além da oferta de atendimento com psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, acupunturistas, fonoaudiólogos e nutricionistas. Palestras mensais, oficinas de artesanato e recreação também compõem a grade.


Kit Sorriso

O Kit Sorriso Cineart consiste em um baldão de pipoca mais dois refrigerantes, “somados à alegria de muitas crianças”. A campanha foi desenvolvida pela agência Uhuru, levando em consideração a alegria que se revela no sorriso – tanto das crianças auxiliadas e dos seus familiares, quanto das pessoas que tomam a decisão de ajudar, em um momento e lugar em que estão se divertindo. No baldão estão estampadas diversas carinhas sorridentes.

Tags: #RedeCineart, #KitSorrisoCineart, #Cape, #CasadeAcolhidaPadreEustáquio, #TrocoCape, #CinemanoEscurinho

sexta-feira, 20 de abril de 2018

O que mais intriga em "Arábia" é o incômodo que ele provoca

Filme independente trata com intimidade com o tema dos despossuídos (Fotos: Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Ao acompanhar a saga de um típico brasileiro pobre em busca de um rumo na vida, o espectador se vê diante de uma verdade que machuca e dói. A forma como os diretores mostram essa trajetória em "Arábia", de um jeito quase doméstico de tão simples, parece aproximar mais ainda o público da realidade: é assim que o Brasil trata seus jovens.


É assim, a esmo e sem eira nem beira, que vivem os que não tiveram a sorte de nascer no mínimo, numa família classe média. João Dumans e Affonso Uchoa, os diretores e roteiristas, são de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. E ao contarem, de forma corajosa e quase desajeitada, a história de Cristiano (Aristides de Souza), colocam o dedo na ferida e mostram intimidade com o tema dos despossuídos. Nenhum charme, nada de Hollywood.


Para assoprar uma certa leveza, o filme é todo permeado por canções icônicas que ajudam a contar essa história triste. Apresentados ora pelos próprios atores em seus raros momentos de lazer e descanso, ora por seus intérpretes profissionais, estão lá recados de Raul Seixas, Noel Rosa, Dorival Caymmi, Renato Teixeira. "Amanhecer é uma lição do universo/que nos ensina que é preciso renascer..." Viva o cinema independente.

Arábia ainda pode (e deve) ser conferido nas salas 3 do Belas (sessões de 14h e 17h20) e 7 do Cineart Contagem (18h40). Classificação: 16 anos // Duração: 1h37



Tags: #Arabiaofilme, #AristidesdeSouza, #AffonsoUchoa, #JoaoDumans, #drama, #KatasiaFilmes, #VastoMundo, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

quarta-feira, 18 de abril de 2018

"7 Dias em Entebbe" - Mais um (bom) filme de Hollywood

Daniel Brühl e Rosamund Pike formam o casal que sequestrou  um avião de passageiros em 1976 (Fotos: Diamond Films/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Talvez se possa dizer que, com "7 Dias em Entebbe", o brasileiro José Padilha tenha se rendido definitivamente ao chamado cinemão. Esse seu mais recente longa, sobre o sequestro de um avião entre Tel-Aviv e Paris, na década de 1970, coloca o profissional no rol dos diretores assumidamente comerciais.

Isso não significa que o filme seja ruim. Pelo contrário: estão lá todos os elementos esperados em um entretenimento bem feito: muita ação bem distribuída, suspense, política - correta e equilibrada - emoção e até um certo didatismo para quem quiser saber mais sobre o eterno conflito entre Palestina e Israel. 

O voo 139 da Air France foi desviado por um grupo de jovens revolucionários pró-palestina em junho de 1976, pousando em Entebbe, na Uganda de Idi Amin, onde permaneceu uma semana. As tentativas de negociações com o governo israelense, pouco afeito a abrir precedentes, as condições precárias do lugar onde os quase 200 passageiros e tripulantes ficam e as inevitáveis desavenças entre os sequestradores, a maioria jovens e despreparados, vão envolvendo o espectador.

Tudo indica que Padilha teve o cuidado de não tomar partido. No início, o conflito entre árabes e judeus é cuidadosamente explicado. Quase uma aula de história - embora alguns enxerguem, ao final, um discreto favoritismo para Israel.

Entre as atuações, destaques para Daniel Brühl como o jovem alemão idealista Wilfried, e Rosamud Pike como a também revolucionária Brigitte Kuhlmann - outra alemã, mas com discurso mais afiado. Do lado israelense, Eddie Marsan se sai muito bem como o líder Simon Peres. Na trilha sonora, a surpresa fica por conta da autoria: Rodrigo Amarante, do grupo Los Hermanos. Para que o filme ficasse perfeito e digestivo, não faltam crianças e idosos entre os passageiros, o que, fatalmente, enternece o público.

Também estão lá as eternas discussões ideológicas dos jovens que escolheram o caminho da revolução nos conturbados anos de 1970, o engenheiro de voo, que, com sua praticidade e engenho, se contrapõe ao excesso de palavras e ideias, as divergências entre os mandatários do governo de Israel no processo de negociação, as dúvidas de um jovem soldado entre o amor e a pátria e até uma apresentação de dança contemporânea.


Durante todo o longa, as cenas do sequestro e da estada e espera em Entebbe são intercaladas com os ensaios e depois com a estreia do espetáculo - lindo, por sinal. Mas essa não é exatamente uma ideia original. Traz uma certa estética à narrativa pesada, mas não é novidade.

Claro que vale assistir a "7 Dias em Entebbe", até para se lembrar e conferir um pedaço - muito bem contado - dessa história que já dura tanto tempo. Mas é bom que se saiba: trata-se de mais um filme politicamente correto de Hollywood.
Duração: 1h47



Tags: #7DiasEmEntebbe, #DiamondFilms, #DanielBruhl, #RosamundPike, #JosePadilha, #suspense, #biografia, #sequestrodeaviao, #idiAmin, #CinemarkBHSHopping, #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 12 de abril de 2018

"Rampage - Destruição Total" é aventura com muita ação e cara de sessão da tarde

Dwayne Johnson e seu amigo gorila são as grandes estrelas desta produção dirigida por Brad Peyton (Fotos: Warner Bros. Pictures/Divulgação)


Maristela Bretas


Dwayne Johnson gostou de produzir filmes baseados em antigos videogames e retorna às telonas pela segunda vez neste ano com o "arrasa quarteirões" "Rampage - Destruição Total", que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. O filme foi inspirado no jogo homônimo de 1986, que atraiu pouca atenção dos gamers de plantão à época. 

A produção cinematográfica tem o ator, um dos mais bem pagos de Hollywood, como protagonista, ao lado de um gorila albino gigantesco; Naomie Harris, no papel de uma pesquisadora sem emprego; Malin Akerman, bem fraquinha como vilã, e Jeffrey Dean Morgan, cheio de caras e bocas como um agente do FBI.

Johnson está se especializando em filmes de ação e aventura e não economiza em tiros, bombas e destruição de boa parte de Chicago. E claro, conta com a extraordinária ajuda de muita computação gráfica para mostrar o ataque dos gigantescos monstros. "Rampage" tem tudo isso e a cara de um bom filme de sessão da tarde, com direito a pipoca. Segue a mesma linha de outra produção do ator - "Terremoto: a Falha de San Andreas" (2015), também dirigido por Brad Peyton.


Lembra bem os filmes de heróis e monstros japoneses do tipo Power Rangers (2017), Ultraman e Ultraseven, com  criaturas gigantescas enfrentando exército e mocinhos, deixando um rastro de destruição total. O enredo fraco é sustentado pelos excelentes efeitos especiais produzidos pela Weta Digital, empresa cinco vezes vencedora do Oscar e responsável por filmes como "Planeta dos Macacos: O Confronto" (2014) e a trilogia "Senhor dos Anéis". Não menos destrutivo está "The Rock", que tenta resolver suas dificuldades na conversa por sinais e distribuindo muita porrada quando fica contrariado.


Mas a grande estrela do filme é George, o gorila albino. Ele é grande por natureza, feroz quando precisa, mas de olhar doce e carinhoso. E ainda provoca boas risadas quando resolve aplicar o que aprendeu com os humanos no zoológico onde vive.


Na história, Davis Okoye é um primatologista (Dwayne Johnson) que criou George desde bebê e o considera seu melhor amigo e "da família". Um experimento genético, batizado como Rampage, atinge George e outros animais predadores pelo país, que se transformam em monstros gigantescos e arrasadores. Davis terá de contar com a ajuda da pesquisadora Kate Caldwell (Naomie Harris) para descobrir um antídoto, conter as criaturas e salvar George.

O público não poderá reclamar de ação em "Rampage - Destruição Total". Tem de sobra e vai agradar quem procura por uma diversão que soube explorar bem os efeitos em 3D e Imax. Vale conferir sabendo que se trata de um blockbuster produzido para entreter quem gosta deste gênero de filme.



Ficha técnica:
Direção: Brad Peyton
Produção: New Line Cinema // Warner Bros Pictures
Distribuição: Warner Bros. Pictures Brasil
Duração: 1h47
Gêneros: Aventura / Ação
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: #RampageDestruicaoTotal, #Rampage, #DwayneJohnson, #NaomieHarris, #BradPeyton, #WarnerBrosPictures, #espaçoz, #cinemas.cineart, #Imax, #cinemanoescurinho

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Abusando do sensorial, "Um Lugar Silencioso" tem tudo para ficar para a posteridade

Emily Blunt é a mãe que luta de todas as formas para proteger os filhos de uma criatura bestial que é atraída pelo som (Fotos: Paramount Pictures/Divulgação)

Wallace Graciano


Filmes de terror sempre abusaram do sensorial. Para prender os expectadores nas poltronas, com frequência os diretores exageraram nos cortes rápidos e no “sobe som”. Porém, a fórmula se tornou exaustiva, vez ou outra variando entre os roteiros com ou sem a presença de fantasmas ou da "azeitona na empada”. E é justamente ao fugir dessa seara que "Um Lugar Silencioso" ("A Quiet Place") tem tudo para, talvez, ser um dos grandes filmes do gênero da história.

Dirigido por John Krasinski, que já havia comandado três episódios da série “The Office”, a película é uma das mais audazes do gênero dos últimos tempos. Enquanto a evolução tecnológica permite imagens límpidas e cada vez mais reais, o que possibilitaria enquadramentos angustiantes para os amantes do terror, este filme destaca-se por abusar do som para explorar o lado sensorial quase que claustrofóbico, que prende o expectador na cadeira de forma angustiante.

Krasinski consegue, em uma mesma cena, trazer a tensão dos sussurros, a leveza dos sons da natureza e o horror pela morte iminente. A sutileza em que ele varia os quadros faz com que o expectador não tenha fôlego para racionar, vivendo em uma imersão pouco proporcionada pelas últimas obras. Aliado a isso, soma-se o roteiro simples, mas intenso, de Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, que justificou todo o trabalho da direção. Ao longo da trama, não há espaço para pensar, somente agir, em puro instinto de sobrevivência.

Krasinski também atua, mas, nesse quesito, quem se destaca é Emily Blunt (sua esposa na vida real e na obra), que, além da química perfeita com o protagonista, consegue retratar toda a dor e sofrimento de uma mãe que tenta salvar suas crias. O filme se passa em um cenário pós-apocalíptico. A grávida Evelyn Abbott (Blunt) e o marido Lee (Krasinski) tentam manter vivos seus dois filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe) em um mundo onde o menor ruído pode despertar uma criatura bestial, cega, mas que é atraída por sons e não perdoa quem está em seu caminho.

Emily Blunt conta como ela se identifica com a personagem. "Para mim, como mãe, representa meu maior medo. Quem somos nós se não conseguirmos protegê-los? É sobre o que eles terão que superar. É um filme muito tenso e assustador”, opina a atriz. Clique aqui para ver o making off.

Após perder um de seus filhos, eles se isolam em uma fazenda no meio-oeste dos EUA tentando criar um plano para contra-atacar a criatura, em meio à tensão de manter o instinto de sobrevivência alerta. É nesse miolo que o expectador é preso a cada quadro. "Um Lugar Silencioso" foge à tônica do gênero. A película é um entretenimento sufocante, porém belo, que precisa ser visto. É uma obra para a posteridade.



Ficha técnica:
Direção e roteiro: John Krasinski
Produção: Paramount Pictures / Platinum Dunes
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 1h30
Gêneros: Suspense / Terror
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)

Tags: #UmLugarSilencioso, #JohnKrasinski, #EmilyBlunt, #terror, #suspense, #ParamountPictures, #espaçoz, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho