quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dez, nota dez

Matheus Nachtergaele interpretou com o devido brilho o carnavalesco Joãosinho Trinta (Fotos: Fox Film do Brasil/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni

Tão ousado quanto o próprio personagem que retrata, "Trinta" é, antes de tudo, um filme bem realizado. A começar pelas interpretações, com destaque para Matheus Nachtergaele no papel principal, passando pela cenografia, fotografia, trilha sonora e, principalmente, roteiro e direção, o longa se desenvolve harmoniosamente à frente do espectador como deve ser um bom desfile de carnaval: equilibrado, emocionante e belo.

Optar por um recorte na vida do carnavalesco Joãosinho Trinta, em vez de narrar o óbvio - do nascimento à morte, passando pelo auge e chegando à decadência - parece ser o ponto mais acertado do diretor Paulo Machline. 

O filme começa com a chegada do maranhense João Jorge Trinta ao Rio de Janeiro para fazer um teste de bailarino no Theatro Municipal nos anos 60. E termina com o desfile da Acadêmicos do Salgueiro em 1974, primeira experiência do personagem como carnavalesco. Entre as duas pontas, histórias de criatividade, preconceito, amizade, trabalho, inveja, confiança, intolerância, paciência...




Certamente, alguns hão de reclamar a falta de ícones inevitavelmente relacionados a Joãosinho Trinta num filme feito para falar dele. Obviedades como sua passagem gloriosa pela Beija-flor de Nilópolis e o histórico desfile "Ratos e Urubus, larguem a minha  fantasia", aquele do Redentor censurado, são meramente lembrados en passant. Mas são tão bem contadas as outras histórias, às que a maioria das pessoas não sabem, que não dá para sentir a ausência das manjadas.


Ressalte-se, ainda, as ótimas interpretações, que dão verossimilhança ao filme e levam o espectador à emoção na medida em que o filme se desenvolve. Realçam o sempre brilhante Matheus Nachtergaele como Joãosinho; Ernani Moraes como Germano, o bicheiro  presidente do Salgueiro que acreditou no carnavalesco; Paulo Tiefenthaler como Fernando Pamplona, Milhem Cortaz como o vilão necessário e mais Paolla Oliveira, Marco Ricca e outros. 


Joãosinho Trinta (Foto: Divulgação)
Cada um deu a sua contribuição para o resultado final do filme. Como num desfile bem-sucedido, todas as peças, alegorias, carros, fantasias, passistas e destaques se esforçam em prol do brilho do todo.

"Trinta" está em cartaz nos shoppings BH (13h, 15h20, 17h40, 20h10) Cidade (15h, 17h, 19h, 21h), Estação (14h30, 16h50, 19h, 21h15) e Pátio Savassi (13h10, 15h40, 18h30, 20h50).  
Classificação: 12 anos

Tags: Trinta; Joãosinho Trinta; Matheus Nachtergaele; Salgueiro; Fox Film do Brasil; Cinema no Escurinho