segunda-feira, 1 de março de 2021

Globo de Ouro 2021 confirma favoritismo de "Nomadland" e da série de TV "The Crown"

 


Maristela Bretas


Com uma apresentação online das humoristas Tina Fey (de Nova York) e Amy Poehler (de Los Angeles), ambas de pretinho nada básico e muito lindas, a 78ª edição do Globo de Ouro de 2021 confirmou o filme "Nomadland", dirigido por Chloé Zhao, que também conquistou o prêmio de Melhor Diretora. A série "The Crown" faturou quatro estatuetas, entre elas, a de Melhor Série Dramática de TV.


Os vencedores vão receber seus prêmios por videoconferência, como prevenção ao contágio pelo Covid-19, uma vez que a pandemia atinge números elevados nos Estados Unidos. No palco, apenas os trabalhadores em mesas separadas, todos com máscaras, acompanharam a transmissão.

Dos indicados, 14 filmes estão no catálogo das plataformas disponíveis no Brasil e alguns com estreias previstas no Brasil para março e abril e outros sem previsão de lançamento no país. Como em outras edições, também foi entregue o prêmio Cecil B. de Mille, que desta vez coube à atriz Jane Fonda por sua carreira excepcional.


Para o prêmio Carol Burnett, o homenageado foi o produtor de TV e roteirista Norman Lear, de 98 anos, que agradeceu virtualmente a todos, especialmente à comediante Carol Burnett.

Laura Dern entregou o primeiro prêmio da noite para Daniel Kaluuya - "Judas e o Messias Negro", como Melhor Ator Coadjuvante em Cinema. Na sequência, Angela Basset anunciou John Boyega por seu papel em "Small Axe" como Melhor Ator Coadjuvante em série. O prêmio de Melhor Animação ficou para "Soul", como já era esperado.

Veja abaixo a lista dos vencedores (em destaque) e saiba também onde a maioria dos concorrentes pode ser assistidos.

FILMES



Melhor Filme Dramático
"Nomadland" - chega em abril nos cinemas
"Mank" (Netflix)
"Bela Vingança" ("Promising Young Woman") - chega em 18 de marços aos cinemas
"Meu Pai" ("The Father") - chega em 11 de março nos cinemas
"Os 7 de Chicago" - Netflix

Melhor Filme Estrangeiro
"Minari" - Em Busca da Felicidade - EUA

Melhor Diretor
Chloé Zhao - "Nomadland"


Melhor Filme Cômico ou Musical
"Borat: Fita de Cinema Seguinte" - Amazon Prime Video
"Music" - Sem previsão para o Brasil
"A Festa de Formatura" ("The Prom") - Netflix
"Hamilton" - Disney+
"Palm Springs" - Sem previsão para o Brasil


Melhor Ator em Filme Dramático

Chadwick Boseman - "A Voz Suprema do Blues" - Netflix

Melhor Atriz em Filme Dramático
Andra Day - "The United States vs. Billie Holiday"

Melhor Ator em Comédia ou Musical
Sacha Baron Cohen - "Borat: Fita de Cinema Seguinte"



Melhor Atriz em Comédia ou Musical

Rosamund Pike - "Eu Me Importo" ("I Care a Lot")

Melhor Ator Coadjuvante em Cinema
Daniel Kaluuya - "Judas e o Messias Negro" - em cartaz nos cinemas

Melhor Atriz Coadjuvante em Cinema
Jodie Foster - "The Mauritanian"

Melhor Canção Original
"Io sì (Seen)" - Laura Pausini, Diane Warren, Niccolò Agliardi

Melhor Trilha Sonora Original
"Soul" - Trent Reznor, Jon Batiste, Atticus Ross

Melhor Roteiro de Cinema
Aaron Sorkin - "Os 7 de Chicago"


Melhor Animação
"Soul" - Disney+
"Wolfwalkers" = AppleTV+
"Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica" - Disney+
"Os Croods 2: Uma Nova Era" = chega em 25 de março nos cinemas
A Caminho da Lua - Netflix

SÉRIES



Melhor Série Dramática de TV
"The Crown" - Netflix
"O Mandaloriano" - Disney+
"Ratched" - Netflix
"Ozark" - Netflix
"Lovecraft Country" - Now / HBO Go

Melhor Série - Musical ou Comédia:
"Schitts Creek" - Now / Amazon Prime Video
"Emily em Paris" - Netflix
"The Flight Attendant" = HBO Max
"The Great" - Amazon Prime Video / Now
"Ted Lasso" - Apple TV+


Melhor Minissérie ou Filme para TV
"O Gambito da Rainha" - Netflix
"Small Axe" - Amazon Prime Video
"Pessoas Normais" - Amazon Prime Video / Now
"Nada Ortodoxa" - Netflix
"The Undoing"- HBO Go / Now

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV:
Anya Taylor-Joy - "O Gambito da Rainha"

Melhor Ator em Série Dramática
Josh O'Connor - "The Crown"
Bob Odenkirk - "Better Call Saul" - Netflix
Jason Bateman - "Ozark"
Matthew Rhys - "Perry Mason" - HBO
Al Pacino - "A Caçada" ("Hunters") - Amazon Prime Video



Melhor Atriz em Série Dramática
Emma Corrin - "The Crown"
Olivia Colman - "The Crown"
Jodie Comer - "Killing Eve: Dupla Obsessão" - Globoplay
Laura Linney - "Ozark"
Sarah Paulson - "Ratched" - Netflix

Melhor Ator em Série TV – Comédia ou musical
Jason Sudeikis - "Ted Lasso" - AppleTV+
Nicholas Hoult - "The Great" - Amazon Prime Video
Don Cheadle - "Black Monday" - Netflix / Amazon Prime Video
Eugene Levy - "Schitt’s Creek" - Amazon Prime Video
Ramy Youssef - "Ramy" - Não disponível no Brasil

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical
Catherine O’Hara - "Schitt’s Creek"
Jane Levy - "Zoey e a sua Fantástica Playlist" - Globoplay
Kaley Cuoco - "The Flight Attendant" - HBO
Elle Fanning - "The Great"
Lily Collins - "Emily em Paris" - Netflix



Melhor Ator em Minissérie ou Filme para TV
Mark Ruffalo "I Know This Much Is True" - HBO
Bryan Cranston  - "Your Honor" - Não disponível no Brasil
Jeff Daniels - "The Comey Rule" - Não disponível no Brasil
Hugh Grant  -"The Undoing" - HBO
Ethan Hawke -“The Good Lord Bird" - Não disponível no Brasil

Melhor Atriz Coadjuvante em Série
Gillian Anderson - "The Crown"

Melhor Ator Coadjuvante em Série
John Boyega - "Small Axe" - Disney+ / Globoplay

                              

domingo, 28 de fevereiro de 2021

O ótimo “Doutor Castor” revela que também o Brasil tem uma máfia pra chamar de sua

Documentário em quatro episódios conta a vida de um dos maiores contraventores do país (Fotos: Globoplay/Reprodução)

 

Mirtes Helena Scalioni


Personagens absurdos, incoerentes e paradoxais costumam encantar leitores e espectadores da ficção. E quando essas figuras saltam dos livros e das telas para o mundo real, aí sim é que fascinam e instigam. É o caso do bicheiro Castor de Andrade, cujas vida e obra são contadas com maestria no documentário “Doutor Castor”, em cartaz no Globoplay. Em quatro episódios bem amarrados, imagens inéditas e uma variedade grande de depoimentos, a minissérie prende e fisga o público.



Nascido em 1926, o carioca Castor Gonçalves de Andrade e Silva se estabeleceu e fez sua vida, digamos, profissional, em Bangu, subúrbio do Rio de Janeiro. Simpático, carismático e sedutor, era capaz de gestos extremos de generosidade e crueldade num mesmo dia sem perder o sorriso. Afinal, tinha nas mãos o poder de comando das duas maiores paixões do Brasil: o futebol e o Carnaval.


Bicheiro assumido, Castor presidiu praticamente a vida toda o Bangu Atlético Clube, que viveu sua fase áurea nas décadas de 1960 a 1985, ano que conquistou o vice-campeonato brasileiro, além de comandar a Mocidade Independente de Padre Miguel, escola que foi cinco vezes campeã do Carnaval. 

Tendo essas duas funções como vitrine, ele circulou pelo high society carioca, frequentou a mesa de políticos influentes e fez muitos amigos na imprensa, na polícia e na Justiça. Ou seja: sua vida está intimamente ligada à história do Rio de Janeiro, com suas estranhas relações de poder que ligam a bandidagem à oficialidade.


O que mais confere autenticidade ao documentário dirigido por Marco Antônio Araújo e Rodrigo Araújo são os depoimentos, variados e editados de forma inteligente e equilibrada. Historiadores, pesquisadores, ex-jogadores, amigos e jornalistas contam histórias curiosas, edificantes, inacreditáveis e escabrosas do bicheiro.


Chamam atenção as falas de um ex-juiz de futebol, que confessa ter recebido propina para beneficiar o time do Bangu; de Boni, ex-todo poderoso da Globo, que despista como pode sua relação de amizade com Castor; e de Michel Assef, ex-advogado do contraventor, que tenta justificar seus crimes. Sem falar na entrevista que ele, como um pop star, concedeu a um então poderoso Jô Soares.


Capítulo à parte entre os depoimentos são as declarações mais do que contundentes da juíza Denise Frossard, responsável por um dos processos e uma das prisões de Castor de Andrade, marcando, talvez, o início da derrocada do império do maior bicheiro do Brasil. 

Ao desnudar as relações da contravenção com o poder, revelando o talento e senso de oportunidade do nosso “capo di tutti i capi”, “Doutor Castor” coloca o Brasil no rol dos países que, além de tratar bem, compactuam e acobertam seus mafiosos, com sua violência, bizarrices e malas sempre repletas de dinheiro.


Ficha técnica:
Direção: Marco Antônio Araújo
Exibição: Globoplay
Duração: Série de 4 episódios (média de 60 minutos)
País: Brasil
Gêneros: Documentário / Série