domingo, 24 de janeiro de 2021

"Soul"´- Animação para adulto que discute o propósito da vida com excelente trilha sonora

Joe e 22 vivem grandes aventuras entre a vida terrena e uma existência espiritual (Fotos: Disney-Pixar/Divulgação)


Maristela Bretas


E se você tivesse uma segunda chance de viver, o que mudaria? Já parou para pensar se fez a escolha certa? Pois foi com esta abordagem e uma ótima trilha sonora que a animação "Soul", da Disney/Pixar foi lançada diretamente na plataforma de streaming Disney Plus.Enquanto "Divertida Mente" (2015) e "Toy Story 4" (2019) foram destinados à criançada, com muita cor e personagens divertidos, mas uma mensagem direta aos públicos jovem e adulto, "Soul" definitivamente foge deste padrão e não é para criança.
 

A animação trata do propósito da vida, as escolhas - certas ou erradas - que fazemos enquanto estamos vivos e que vão ser avaliadas quando passarmos para outro plano. Com direção de Pete Docter e Kemp Powers, "Soul" conta a história de Joe Gardner (voz de Jamie Foxx), um simpático pianista e professor de música do ensino médio que sonha em se tornar um músico profissional e brilhar como os grandes nomes do jazz. Uma paixão aprendida com o pai e que ele considera sua razão de viver.

 


Um passo em falso, no entanto, muda seus sonhos e ele precisará reavaliar tudo o que acreditava e aceitar o que virá pela frente. E ainda ensinar uma alma da pré-vida muito fofa e rebelde - a 22 (voz de Tina Fey) - a gostar e se adaptar à vida terrena. A pré-vida é um lindo e colorido lugar onde as novas almas conquistam suas personalidades, peculiaridades e interesses, antes de irem para a Terra e ocuparem novos corpos. As crianças poderão gostar das "alminhas" da pré-vida que estão esperando sua chance e aprontam todas. Mas só.
 
 


Joe não aceita a morte e menos ainda a incumbência de ser babá e fará de tudo para voltar ao seu antigo corpo. Ele só pensa em música e se cobra por não ter atingido o sucesso que o pai esperava e que a mãe (dublada por Angela Basset) preferia que não existisse. Ele não consegue se ver fazendo outra coisa e não abre seus horizontes, mas também é inconformado com o que conseguiu na vida. 

 
Já 22 é rejeitada por todos em sua dimensão e não consegue descobrir qual a sua missão. E será sua convivência com o mentor que irá lhe ajudar a descobrir respostas para perguntas importantes sobre sua existência.
 

 
Algumas abordagens são complicadas e geram dúvidas até mesmo em adultos.Uma animação boa para ser analisada por psicólogos e psicanalistas. Em meio a aventuras, corpos trocados e a descoberta de prazeres, delícias e também tristezas, Joe e 22 vão entendendo quais os seus propósitos na vida e quais podem ser deixados de lado, por não serem tão importantes quanto esperavam. 
 


"Soul" é bonito e sensível. A trilha sonora, especialmente formada por jazz, fazem o coração da gente bater forte. Mexe com o espiritual e o sentimento ao tratar a aceitação da morte. Oferece um show de sons, imagens e encantamento quando as notas começam a fluir do piano de Joe ou da banda que ele acompanha. Apesar de não provocar risadas ou choro, como alguns sucessos anteriores da Disney/Pixar, a animação é inspiradora e merece ser vista.

 

Ficha técnica:
Direção:
Pete Docter e Kemp Powers
Exibição: Disney+
Duração: 1h40
Classificação: 14 anos
País: EUA
Gêneros: Animação / Aventura / Família
Nota: 4 (de 0 a 5)

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

"Batman: Alma de Dragão" poderia ser um pouco se não tivesse o Batman

 O Homem-Morcego se une a velhos amigos das artes marciais para impedir a dominação do mundo (DC Comics/Divulgação)

Jean Piter Miranda


Bruce Wayne e seus antigos companheiros de treino precisam unir forças para enfrentar uma organização secreta que tenta abrir um portal para outra dimensão. É basicamente isso a história de "Batman: Alma de Dragão", nova animação da Warner e da DC, que acaba de ser lançada em DVD e também na versão paga do YouTube.

A produção é ambientada nos anos 1970, em mais uma dessas histórias de universos paralelos da DC. Tudo começa quando Richard Dragon, personagem com muita semelhança ao Bruce Lee, vai atrás de Bruce Wayne para pedir ajuda. Ele descobriu que uma organização secreta está tentando abrir um portal para outra dimensão, conquistar um grande poder com isso e depois dominar o mundo. 
 

 
É claro, como é de costume, Wayne recusa na primeira tentativa. Mas logo acaba aceitando. Aí começam os flashbacks. Vêm as imagens do passado, de quando Bruce passou um tempo em uma espécie de mosteiro, em algum lugar remoto do Oriente, para treinar artes marciais. E foi lá que conheceu Richard Dragon, que também era aluno do mestre O-Sensei.

Os outros personagens também têm ligação com o passado de Wayne. Tigre de Bronze e Lady Shiva, que são introduzidos na história, foram companheiros de treino de Dragon e Wayne. Os quatro vão se unir para deter os vilões, que por sinal também fazem parte do passado de todos eles. E no meio disso tudo, a porrada come. Na mão e na espada. Violência sob medida, pra quem gosta, misturada com muita ação. Não é animação pra criança.
 

As cenas de ação deveriam ser o ponto alto da produção. Até por remeter muito aos filmes orientais antigos de artes marciais. Mas isso deixa a desejar para quem é mais exigente. Acontecem coisas que fogem completamente às leis da física. É claro que sempre são permitidos exageros na ficção. Isso é até esperado. Mas há um limite. E o filme erra a mão.


A animação vai caminhando de forma previsível, cheia de clichês. Faltou explorar a ligação entre o grupo de amigos. Algumas coisas são bem forçadas. Mas isso passa. O desfecho pode ser satisfatório ou bem decepcionante, vai depender do olhar de quem assiste. Parece que falta ação nas batalhas decisivas.


A verdade é que o Batman nem era necessário. Ele não é o líder, não tem planos geniais, não está dois passos à frente como sempre. Não tem essa essência de homem-morcego. Ele é só um do grupo. No fim, os quatro acabam dividindo o protagonismo. Mesmo o autor forçando um pouco a barra para o lado do Batman, dá pra imaginar a história sem ele. Não faria falta. O que leva a crer que ele está lá só pra ter o nome no título e alcançar mais público.


Ficha técnica:
Direção:
Sam Liu
Produção: Warner Bros. Animation / DC Entertainment
Exibição: DVD e Youtube
Duração: 1h23
Classificação: 16 anos
País: EUA
Gêneros: Animação / Ação
Nota: 3 (0 a 5)

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

"Bridgerton" - Uma comédia com ares de folhetim novelesco que explora descendências e jogos de interesse

Trama tem como ponto de partida o casal Daphne e Duque de Hasting, que tenta disfarçar uma atração latente entre eles (Fotos: Liam Daniel/Netflix)
 

Silvana Monteiro


"Bridgerton" chegou na Netflix no Natal de 2020 e, deste então permanece entre as séries mais vistas da plataforma. De acordo com estatísticas divulgadas pela própria empresa, o título deve atingir 63 milhões de visualizações até o final do mês, tornando-se o quarto maior lançamento de série original da Netflix de todos os tempos. Alcançou o primeiro lugar no Top 10 da plataforma em 76 países, desde sua estreia e hoje ocupa a quarta posição no ranking da plataforma.


Criada por Chris Van Dusen, baseado na série de livros de mesmo nome escrita por Julia Quinn, a série é produzida pela roteirista, cineasta e produtora de TV Shonda Rhimes, responsável também por outros sucessos como as séries "Grey’s Anatomy" (2005 até hoje), "Private Practice" (2007-2013), "Scandal" (2012-2018) e "How to Get Away With Murder" (2014-2020).


‌Com ares de folhetim novelesco, o enredo tende a agradar a várias idades. A trama se desenvolve a partir da história de Daphne (Phoebe Dynevor) filha mais velha da família Bridgerton que é incentivada pela mãe e pela maioria dos irmãos, especialmente Anthony (Jonathan Bailey), a conquistar um casamento com algum jovem rico e poderoso. 
 
Ao conhecer o Duque Simon de Hasting (Rége-Jean Page), um solteiro convicto, os planos mudam. Ambos decidem fazer um jogo pra enganar a alta sociedade e a família. Esse jogo vai render muitas confusões e, surpreendentemente, paixão e desejo.


A partir daí, a trama revela o trauma familiar que pesa a vida do Duque e, paralelamente, vai intrigando o telespectador com a atração entre ele e a jovem Daphne. Mais que isso, a curiosidade pelos escândalos e fofocas envolvendo a sociedade londrina do século XIX é alimentada pela narração de uma personagem misteriosa. Gravidez indesejada, relacionamentos extraconjugais, separações e possíveis casais.
 

O ponto alto da trama é o desenrolar de histórias a partir da visão de Lady Whistledown (voz de Julie Andrews). Ela é uma espécie de colunista de fofoca que, além de publicar acontecimentos, acaba por manipular e pressionar decisões na moralista sociedade local. Mas quem é ela? Tanto os personagens quanto o público vão ser instigados por essa dúvida.


Aspectos importantes relacionados à diversidade chamam a atenção em "Bridgerton". Os personagens negros são representados fora da senzala e dos papéis de serviçais, o que não é muito comum em produções que retratam a nobreza.

‌Na produção de Shonda Rhimes, eles ocupam cargos importantes na sociedade e até a rainha é negra. Além disso, por mais pressionadas e sob imposição de uma sociedade machista, as mulheres da série, sobretudo as mais jovens, são representadas a partir de suas inquietações e insatisfação com a sociedade da época.


Embora Daphne seja a protagonista da série, a excelente interpretação, mais do nunca a exploração do corpo negro, viril e sensual do Duque de Hasting acabou por torná-lo a estrela da serie. Cenas dos personagens em momentos íntimos e sensuais acabaram se espalhando pelas redes e levando homens e mulheres a buscarem pela obra.

A própria Netflix vem explorando esses aspectos em publicações nas redes sociais. ‌Destaque também para a linda fotografia e as bem escolhidas locações, além da harmoniosa trilha sonora. E, se der, encante-se pelo Duque e pela Duquesa de Hasting. A segunda temporada da série já foi confirmada, mas deverá estrear somente no final deste ano ou início de 2022.


Ficha técnica:
Direção:
Chris Van Dusen / Shonda Rhimes
Exibição: Netflix
Duração: média de 60 minutos por episódio (1ª Temporada - 8 episódios)
Classificação: 16 anos
País: EUA
Gêneros: Drama / Romance / Série de TV

domingo, 17 de janeiro de 2021

“Borgen” mostra uma sociedade civilizada e evidencia os bastidores da política e da imprensa dinamarquesas

Série é dividida em três temporadas com dez episódios cada (Mike Kollöffel / DR Fiktion /Netflix)


Mirtes Helena Scalioni

 
Um único prédio monumental no centro de Copenhague abriga o Parlamento, os gabinetes dos líderes partidários e do Primeiro-ministro, além da Suprema Corte. Esporadicamente, quando necessário, abre as instalações específicas para receber também a Rainha Margarida II. É nesse lugar, o chamado Palácio de Christiansborg, que se desenrola a maior parte da série “Borgen”, tendo como pano de fundo a trajetória da primeira mulher a assumir o cargo de primeira-ministra da Dinamarca.


Dirigida por Soren Kragh-Jacobsen e Rumie Hammerich, a série "Borgen" tem argumento fictício, mas revela com clareza o modo de vida de um país civilizado, onde a primeira-ministra anda de bicicleta e de táxi, busca os filhos na escola, cozinha e lava a louça junto com o marido (já que não têm empregada), participando ativamente da vida doméstica. As mulheres têm os mesmos direitos que os homens e os encontros casuais de sexo são vistos com normalidade e sem preconceitos.
 
 
 
Além do modo de vida do povo dinamarquês, a série mostra como funciona a política por lá, com seus acordos, trocas e conchavos entre os partidos. Tudo muito claro e natural. São tantas as reuniões, conversas e jogos que, por vezes, o público pode ficar em dúvida se o objetivo da política é sempre o bem comum ou se, algumas vezes, os que militam nela buscam apenas o poder.

 
Essa pergunta pode ser feita em várias ocasiões e o mérito da dúvida é todo de Sidse Babett Knudsen, atriz que conquistou o Prêmio Emmy Internacional de Melhor Atriz pelo seu papel de Birgitte Nyborg, a primeira-ministra. Carismática, ela transita muito bem entre o Parlamento e a vida doméstica, entre as intermináveis reuniões e os encontros afetivos ou sexuais com o marido Philip, interpretado na medida por Mikael Bir Kjaer.

 
Entranhada à trajetória de Birgitte, corre a trama do núcleo da imprensa, que notícia praticamente tudo o que acontece ou envolve o Palácio de Christiansborg. Nessa turma, estão, principalmente, os jornalistas Kasper Juul (Johan Philip Asbalk) e Katrine (Birgitte Hjort Sorensen), cada um com sua história familiar, sua vida, seus problemas e seus amores. Há momentos em que cabe perguntar: é a imprensa que vive em função da política ou a política que vive em função da imprensa? 


Ao longo da série, o público aprende também como funciona, por exemplo, o coração de uma TV, com a correria habitual dos jornalistas, as censuras, a busca pela audiência, as brigas internas e os dilemas éticos tão peculiares à profissão.

Com tantos bons temas, é lamentável que “Borgen” tenha se perdido a partir da última temporada. São três etapas de 10 episódios cada, mas a terceira parece ter sido escrita por outro roteirista. O perfil psicológico dos personagens não obedece nenhuma coerência, alguns têm sua participação inexplicavelmente reduzida, outros simplesmente desaparecem. Uma ou outra trama também fica sem desfecho. Seria melhor ter terminado na segunda temporada. Uma pena.


 Ficha técnica:
Direção:
Soren Kragh-Jacobsen e Rumie Hammerich
Exibição: Netflix
Duração: 58 minutos (está na 3ª temporada, com 10 episódios cada)
Classificação: 14 anos
País: Dinamarca
Gêneros: Drama / Série de TV

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Ótimos filmes exibidos em 2020 que valem a pena ser vistos e revistos

Divulgação
 

Maristela Bretas


Com as salas de cinema fechadas por causa da pandemia de Covid -19 por oito meses, os amantes da Sétima Arte conseguiram assistir apenas alguns dos grandes lançamentos previstos para serem exibidos na telona em 2020. Quem saiu ganhando foram as plataformas de streaming, que conquistaram o público oferecendo uma maneira mais fácil, segura e confortável para curtir ótimas produções.

Não são poucos os sucessos oferecidos, nos mais diversos gêneros - suspense, aventura, drama, romance, animação ou policial. Se você está procurando um bom filme para ver sentadinho no sofá com um balde pipoca, aqui vão algumas indicações dos colaboradores do Cinema no Escurinho que valem a pena.

Tem até ganhadoras do Oscar 2020 que entraram no circuito comercial no início do ano passado e que já estão disponíveis para TV, smartphone ou tablet. Se quiser saber mais sobre algumas produções, clique nos links e confira as críticas. Uma boa diversão!

Divulgação

Jean Piter Miranda

- Ninguém Sabe Que Estou Aqui (Netflix)
- O Caminho de Volta (Google Play Filmes)
- O Diabo de Cada Dia (Netflix) 
- Você Nem Imagina (Netflix)
- Enola Holmes (Netflix)
- Mulher Maravilha 1984 (Cinema/Warner Bros. Pictures)
- Mulan (Disney+) 
- Rede de Ódio (Netflix)
- O Dilema das Redes (Netflix) 
 
Divulgação
 

Mirtes Helena Scalioni

- Os Miseráveis (Cinema/Paramount Pictures)
- Você Não Estava Aqui (Cinema/Vitrine Filmes)
- O Bar (Netflix)
- Adú (Netflix) 
- Rosa e Momo (Netflix) 
- AmarElo (Netflix)

Divulgação

Maristela Bretas

- Jojo Rabbit (Cinema/Fox Films) 
- O Homem Invisível (Cinema/Universal Pictures) 
- 1917 (Cinema/Universal Pictures) 
- O Caso Richard Jewell (Cinema/Warner Bros. Pictures)  
- Adoráveis Mulheres (Cinema/Sony Pictures)
- Umbrella - curta de animação (estará disponível gratuitamente no canal do Youtube da Stratostorm até 21/01/2021)
- Soul (Disney+)
- O Escândalo (Cinema/Paris Filmes)  
- Trilogia do Baztán (Netflix) 
 

domingo, 10 de janeiro de 2021

3ª Temporada de "Cobra Kai" não perde o pique e traz mais lutas e novas surpresas e revelações

Daniel LaRusso e Johnny Lawrence vivem momentos de crise, e tentam se reencontrar após o acidente com um dos alunos que encerrou a temporada passada (Fotos: Netflix/Divulgação)


Silvana Monteiro


A terceira temporada de "Cobra Kai" chegou à Netflix e já está no ranking dos títulos mais assistidos. A fase dois terminou com um fato trágico envolvendo os jovens alunos dos dojôs Miyagi e Cobra Kai. A terceira temporada vai muito além da resolução desse conflito e da definição do destino do campeão Miguel Diaz (Xolo Mariduena). 
 

A aposta em transições temporais revela fatos interessantes da vida pregressa dos protagonistas, não só aos telespectadores, mas também aos próprios personagens. Nesse aspecto, Daniel LaRusso/Daniel San (Ralph Macchio) se vê em crise e se joga numa busca profunda em suas raízes Miyagi. De volta ao passado, o sensei LaRusso pode descobrir que nem ele mesmo sabe tudo que achava saber. 
 

Enquanto isso, John Kreeze (Martin Kove) mergulha ainda mais em seu ódio, relembrando os motivos que o levaram a chegar ao dojô Cobra Kai. Por sua vez, Johnny Lawrence (William Zabka) faz definitivamente sua transição do mundo analógico para o digital e, por meio desse universo, vai ser possível conhecer mais sobre sua essência. Nesse ponto, o público vai poder experimentar momentos de leveza, quiçá românticos e até engraçados. 

 
O roteirista explorou bastante os lados de troglodita e de sensei dedicado de Johnny, o que pode garantir boas risadas. Sua relação com Miguel Diaz toma caminhos inusitados que podem fazer o público rir e chorar. Se durante as temporadas 1 e 2 (confira a crítica AQUI) a atuação dos jovens alunos já era algo surpreendente, agora fará uma diferença ainda maior.

 
 
Eles se tornam peças importantes em um jogo arriscado envolvendo Johnny, Daniel San e Kreeze. É o caso de Robby Keene, fillho de Johnny (Tanner Buchanan), o "moicano vermelho" Eli (Jacob Bertrand) e Samantha LaRusso (Mary Mouser), assim como vários outros lutadores.A falta da personagem Aisha Robinson (Nichole Brown) é uma surpresa negativa desta temporada. 
 
A pupila de Johnny Lawrence mostrou uma evolução espetacular nas duas primeiras temporadas, mas não teve a sorte de aplicar seus golpes nesta fase da série. Já Courtney Henggeler, que interpreta Amanda, esposa de LaRusso, ganhou mais espaço na trama. 
 

O telespectador pode se preparar pra ver muita pancadaria, dramas, pesadelos pessoais e novas histórias de antigos personagens da franquia Karatê Kid. Embora todos busquem suas soluções nas lutas e discussões para consertar os erros do passado, o presente mostra que não só o caratê está em risco, mas também a vida, a paz e a sanidade dos envolvidos.
 

Seria uma aliança a solução para salvar o caratê ou acabar com a guerra? Será possível a águia renascer das cinzas e conseguir levantar voo? Cerre os punhos, ou melhor, tente bater as asas. Alguns dojôs te esperam nesta ótima temporada.
 

 
 

Ficha técnica:
Criação, produção e direção:
Josh Heald, Jon Hurwitz, Hayden Schlossberg
Exibição: Netflix
Duração: média de 30 minutos por episódio (10 episódios)
Classificação: 14 anos
País: EUA
Gêneros: Ação, série de TV, drama, lutas marciais

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Seguidores do blog escolhem séries preferidas em canais de streaming



Maristela Bretas


O @cinemanoescurinho consultou seus seguidores sobre as séries que mais gostaram de assistir em 2020. Não precisava que tivessem sido lançadas no ano passado. Na lista entraram diversos gêneros: policial, aventura, ação, ficção, drama, suspense e até documentário. Os títulos com link você encontra crítica no blog. 

Todas as indicações estão em exibição nas várias plataformas de streaming disponíveis no Brasil. E se a sua série preferida ficou de fora, envie um comentário que ela será acrescentada na listagem. Muito obrigada a todos que participaram, vocês foram as estrelas desta postagem.

A Maldição da Casa Bly (Netflix)
Better Call Saul (Netflix)
Bom Dia, Verônica (Netflix)
Cobra Kai (Netflix)
Dark (Netflix)
Designated Survivor (Netflix)
Doze Jurados (Netflix)
Estado Zero (Netflix)


Fleabag (Amazon Prime Vídeo)
Gracie and Frankie (Netflix)
Handmaid's Tale (Amazon Prime Vídeo)
Homeland (Amazon Prime Vídeo / Globoplay)
I May Destroy You (HBO)
Killing Eve (Globoplay)
La Casa de Papel (Netflix)
Lovecraft Country (HBO)
Lúcifer (Netflix)

                                                                
Nada Ortodoxa (Netflix)
Normal People (Starzplay)
O Estripador (Netflix)
O Homem do Castelo Alto (Amazon Prime Vídeo)
Peaky Blinders - Sangue, Apostas e Navalhas (Netflix)
Stranger Things (Netflix)
Suits (Netflix)

                                                                          
The Boys (Amazon Prime Vídeo)
The Crown (Netflix)
The Imagineering Story (Disney+)
The Mandalorian (Disney+)  
The Purge (Amazon Prime Vídeo)
The Umbrella Academy (Netflix)
Upload (Amazon Prime Vídeo)
Third Day (HBO)
We Are Who We Are (HBO)


terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Diretora da animação "Umbrella" fala sobre o curta premiado e outros projetos

Helena Hilário e Mario Pece dirigiram, roteirizaram e produziram "Umbrella" (Foto Patty Rabello/Divulgação)

Maristela Bretas


Com quase oito minutos de pura emoção, o público poderá conferir de 7 a 21 de janeiro no canal do Youtube do estúdio criativo Stratostorm: https://www.youtube.com/user/stratostormvfx/featured - o emocionante curta de animação brasileiro "Umbrella". A produção será a primeira nacional do gênero a se aproximar da seleção para o Oscar 2021, cuja lista deverá ser anunciada no dia 15 de março. Saiba mais sobre a animação no post do blog - https://bit.ly/3536fvw.

O blog @cinemanoescurinho conversou rapidamente com a diretora Helena Hilário que dirigiu, roteirizou e produziu "Umbrella", juntamente com o também diretor Mario Pece. A animação já conquistou 14 premiações em festivais internacionais. Helena fala sobre o prazer deste reconhecimento, outras produções e projetos futuros.

- Com tantas indicações e premiações (podendo inclusive disputar o Oscar), "Umbrella" já pode ser considerado o curta de animação que vai abrir as portas para o reconhecimento da excelente qualidade da produção nacional nesta categoria?
Curtas são uma forma de arte fascinante e onde algumas das animações mais bonitas podem ser encontradas. Acreditamos que temos artistas muito talentosos no nosso país, tanto artistas de animação tradicional 2D quanto artistas de CGI e animação 3D. Existem produções maravilhosas acontecendo no Brasil e ficamos muito felizes sempre que vemos novos projetos de animação feitos por brasileiros e que exploram o storytelling e novas técnicas.


O mercado de animação independente em geral é muito desafiador, pois a produção é demorada, os custos são altos e requer muito planejamento e um monte de elementos e variáveis, tanto técnica quanto artística, que devem funcionar juntamente em perfeita sincronia para o projeto dar certo. Não existe uma fórmula exata e o bom resultado em animação se dá muito por experiência na área, solução de desafios e paciência (risos). Nós esperamos inspirar cineastas brasileiros a contar suas histórias.


- A Stratostorm já está trabalhando em algum novo projeto de animação?
Sim. Além dos projetos que colaboramos com clientes para publicidade e entretenimento, estamos trabalhando em alguns outros projetos autorais. Um deles é o nosso próximo curta-metragem com uma estrutura narrativa de drama, bem emotivo e complexo, com uma mensagem bonita na mesma linha do "Umbrella". E estamos trabalhando em alguns outros projetos bem legais, um deles é um canal no Youtube de músicas infantis chamado StratoKids que lançamos recentemente e estamos na reta final de produção de uma série infantil de dez episódios que será lançada em breve.

 


Ponto de partida

A Stratostorm também criou outro curta, bem divertido -"Monsters Got Talent", que conta a história de três amigos monstros numa cidade de monstros. Eles resolvem abrir audições para uma competição de talentos e procuram os melhores artistas, entre cantores a mágicos, dignos do grande prêmio.

Como surgiu a ideia de um show de talentos de monstros?  Ele também chegou a ser apresentado em algum festival internacional de curtas?
O "Monsters Got Talent" foi nosso primeiro experimento e desafio com animação, sabíamos que um dia iríamos viabilizar o Umbrella e já estávamos planejando, mas nunca tínhamos produzido uma animação com personagens então decidimos criar um projeto durante nosso tempo livre ao longo de 2016 para ganharmos experiência e organizarmos o workflow e pipeline do estúdio para nos prepararmos para o "Umbrella".

"Monsters" foi um projeto cheio de aprendizados para todos nós. A intenção era ser algo interno do estúdio e não planejamos ele para festivais. Porém, na época que colocamos o curta online, ele nos rendeu uma resposta positiva da comunidade de animação. Então deixamos online como um showcase do nosso potencial. É um curta sempre recebido com carinho. Para nós foi essencial termos produzido um projeto menor antes de encararmos uma produção tão complexa quanto o "Umbrella". 



Ficha Técnica
Criação:
Estúdio Criativo Stratostorm
Roteiro, Direção e Produção: Helena Hilario e Mario Pece
Equipe completa: confira no site http://www.umbrella.movie
Classificação: Livre
País: Brasil
Gêneros: Animação / Família