domingo, 3 de janeiro de 2021

“AmarElo - É Tudo Pra Ontem” convoca o Brasil a reescrever a história do negro neste país

Documentário do rapper Emicida foi gravado nos bastidores e durante o show no Theatro Municipal de São Paulo (Fotos: Jefferson Delgado)


Mirtes Helena Scalioni


Não é preciso ser especialista nem iniciado no gênero para aplaudir com entusiasmo o documentário “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, do rapper e ativista Emicida. Até porque o filme, em cartaz na Netflix, fisga o espectador é pela emoção. É no vaivém das câmeras, ora nos bastidores e no palco do show histórico que ele fez no majestoso Theatro Municipal de São Paulo, ora nos inúmeros depoimentos de pessoas envolvidas na tarefa que parece ser o objetivo do artista: mais do que convidar, convocar o Brasil a reescrever a história do negro neste país.


Dirigido com equilíbrio e inteligência por Fred Ouro Preto, “AmarElo...” resgata nomes esquecidos da nossa cultura miscigenada, desde os primeiros sambistas que resistiram com bravura, passando pelo Movimento Negro Unificado de 1987 e por artistas e intelectuais pretos que nossos livros didáticos desconhecem. Ao final, o espectador compreende, com nitidez, o porquê do pedido de urgência no título do filme.


Não é preciso rebuscar o discurso para falar de preconceito e desigualdades. É isso que o rapper Emicida deixa claro durante todo o filme, quando, com sua linguagem peculiar, decreta mais de uma vez do alto do palco daquele teatro inatingível agora ocupado: “Nóis só tem nóis. Tá ligado?” Ou quando entoa a versão que fez de um velho sucesso de Belchior: “Tenho sangrado demais/tenho chorado pra cachorro/ano passado eu morri/mas esse ano eu não morro”.


Impossível ficar alheio ao ver aquele teatro lotado de pobres e negros cantando junto com o rapper, ídolo sem pompa, de carne e osso como todo mundo. Não é por acaso que “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, começa e termina com a frase em off na voz do próprio Emicida repetindo um ditado iorubá: “Exu matou um pássaro ontem, com a pedra que só jogou hoje”.



Ficha técnica: 
Direção: Fred Ouro Preto 
Exibição: Netflix 
Duração: 1h29 
Classificação: 12 anos 
País: Brasil 
Gêneros: documentário

Nenhum comentário:

Postar um comentário