26 fevereiro 2024

"Madame Teia" tenta fugir das fórmulas prontas, mas carece de conteúdo e criatividade

Dakota Johnson protagoniza a super-heroína integrante do Universo Homem-Aranha (Fotos: Sony Pictures)


Marcos Tadeu
Blog Narrativa Cinematográfica


Em cartaz nos cinemas o novo longa da Sony Pictures, "Madame Teia" ("Madame Web"), filme solo de mais um integrante do Aranhaverso que até oferece momentos divertidos e muita ação, mas o conteúdo é fraco e sem criatividade. Uma produção que corre o risco de não ser bem sucedida no cinema, como aconteceu com "Venom" (2018) e "Morbius" (2022). 

Especialmente porque "Morbius" teve a mesma dupla de roteiristas de "Madame Teia" - Matt Sazama e Burk Sharpless -, o que pode explicar as críticas e a baixa bilheteria que o filme atual está registrando. Mesmo assim, a produtora está apostando para este ano na estreia de outro inimigo do "teioso" nos quadrinhos Marvel - "Kraven: O Caçador".


Com direção de S.J. Clarkson, conhecida por trabalhos como "Segredos de um Escândalo", da Netflix, e alguns episódios da série "Succession", da HBO Max, "Madame Teia" conta a origem da super-heroína, estrelada por Dakota Johnson (franquia "Cinquenta Tons de Cinza" - 2015 a 2018).

Ela é Cassandra Webb, ou "Cassie", uma paramédica em Manhattan que descobre possuir habilidades de clarividência. Confrontada com revelações sobre seu passado e fatos relacionados à sua mãe, a protagonista estabelece uma ligação com três garotas comuns, destinadas a terem futuros com superpoderes. Infelizmente o público não vai saber como isso acontece porque o filme não explica.


O desenvolvimento do personagem de Dakota Johnson é adequado, mas nada que não tenhamos visto em outros filmes. O poder de ver o futuro é extremamente sem graça e o roteiro não ajuda muito. 

Apesar de ser a protagonista, Cassie assume mais a postura de "mentora" do que de aprendiz. O foco real fica nas três jovens e a relação da super-heroína com elas.

Sabemos que no futuro as quatro se tornarão heroínas também. Julia Carpenter/Arcane (Sydney Sweeney), Mattie Franklin/Mulher-Aranha (Celeste O'Connor) e Aña Corazon/Garota-Aranha (Isabel Merced) têm uma química que funciona bem e geram boas cenas, com aquele típico humor Marvel. 


Talvez isso agrade alguns espectadores que buscam filmes do gênero, principalmente porque elas precisam se dar bem com a mentora para garantirem suas vidas.

Já o vilão Ezekiel Sims (Tahar Rahim) é um personagem extremamente genérico e mal desenvolvido. Suas motivações são rasas como um pires. Remetem mais a um homem covarde que teme seu passado sombrio do que alguém que enfrenta seu destino. 

Sims é praticamente um Homem-Aranha de uniforme preto e olhos vermelhos. Não entrarei em detalhes para não prejudicar a experiência do público.


Os efeitos visuais também deixam muito a desejar, principalmente no arco final. O uso de Chroma key é evidente, chega a ser ridículo, parecendo mais um filme de qualidade duvidosa do que uma história que nos levaria a torcer pela protagonista. 

As cenas de ação desafiam a lógica, como a do ferro entrando em contato com o fogo, esquentando e machucando.

Sem contar os easter eggs forçados, remetendo constantemente à ideia de que se trata apenas de um spin-off sobre uma aliada do Homem-Aranha. Até a jornada da protagonista parece repetitiva e sem propósito. O único ponto positivo é a história da mãe de Cassie, que tenta ser um fio condutor para amarrar a trama.


"Madame Teia" diverte na medida do possível ao tentar fugir de uma fórmula pronta de herói. Vale a pena assistir se você não conhece nada do personagem ou está buscando algo "leve", sem grandes pretensões, que esquecerá mais tarde. O grande feito da produção é ser bem superior a "Morbius", mas tinha material para ser melhor trabalhado.

Ao sair da sala, fiquei com a sensação de "é ruim, mas poderia ser pior". Pela condução da história (e dependendo da bilheteria), o longa pode ganhar sequências, até para explicar muitas pontas soltas deixadas pelo roteiro. Fica o alerta: "Madame Teia" não tem cenas pós-crédito como nos filmes da Marvel. 


Ficha técnica
Direção: S. J. Clarkson
Produção: Sony Pictures, Di Bonaventura Pictures, Marvel Entertainment
Distribuição: Sony Pictures
Exibição: nos cinemas
Duração: 1h40
Classificação: 14 anos
País: EUA
Gêneros: ação, aventura

25 fevereiro 2024

"Empirion: Uma Aventura com Einstein" com cara de telenovela infanto-juvenil

Longa aborda amizade, perseverança e o poder da ciência entre os jovens (Fotos: Anágua Filmes/Divulgação)


Maristela Bretas


Chega aos cinemas no dia 29 de fevereiro pela rede Cinemark o longa "Empirion: Uma Aventura com Einstein", dirigido por Michael Ruman. Ambientado em São Paulo, o filme tem um elenco conhecido de novelas e filmes infanto-juvenis, além de atores tarimbados como André Abujamra e Norival Rizzo, responsáveis pelas cenas engraçadas.

Michael Ruman repete a parceria com Rizzo - os dois já trabalharam nas séries "9MM", exibida pela Fox, e "Negócio de Família", da Universal TV. Já Abujamra tem uma longa filmografia nacional, que inclui "Carlota Joaquina" (1995), "Bicho de Sete Cabeças" (2000), "O Mestre da Fumaça" (2022), entre outras produções.


Na história, o jovem gênio Félix (interpretado por Davi Campolongo, da telenovela "As Aventuras de Poliana" - de 2018 a 2020) é apaixonado por ciência, mas perdeu a bolsa de estudos e terá que deixar a escola para ajudar sua família, que passa por dificuldades. 

Para isso, precisa ganhar um concurso de invenções, mas tem seu projeto roubado pela colega de classe Maria (Pietra Quintela, que trabalhou com Campolongo em "As Aventuras de Poliana"). 

Ela é filha de Fausto (André Abujamra), dono do hotel no qual está hospedado o famoso cientista Albert Einstein (Norival Rizzo), trazido ao presente pelo polêmico Projeto Empirion (que só é lembrado no início e no fim do filme). 


Com a ajuda dos amigos Zé Coelho (Kevin Vechiatto, o Cebolinha, de "Turma da Mônica - Laços" - 2019) e Júlia (Lívia Silva, da telenovela "Renascer"), Félix embarca em uma jornada repleta de aventuras e desafios para salvar seu projeto

Félix é um jovem antipático, tanto quanto sua inimiga Maria, ao contrário de Zé Coelho e Júlia. Talvez seja essa a intenção do diretor, uma vez que a arrogância e a falta de simpatia do personagem interferem em suas ações, na amizade e no relacionamento com a mãe Zélia (Clarissa Kiste). Somente quando está com a irmã Amelinha (Marina Ginesta) o jovem consegue mostrar mais empatia.


"Empirion: Uma Aventura com Einstein" é um longa sobre amizade, perseverança e o poder da ciência. Mas falta vida, tanto nos diálogos quanto no roteiro. Tudo é muito previsível e chega a ser mecânico, até mesmo quando o trio de amigos tenta criar planos mirabolantes. 

O principal deles é conhecer Einstein e pedir que ele ajude Félix a concluir seu projeto para tentar ganhar o concurso Eureka de Ciências (o nome é bem apropriado).

Apesar do elenco com nomes conhecidos do público, a participação de alguns personagens é tão sem propósito que eles se tornam dispensáveis. Outro ponto negativo são as cenas que deveriam ser hilárias, como as perseguições no hotel, mas que, de tão repetitivas, acabaram perdendo a graça. 

"Empirion: Uma Aventura com Einstein" parece com telenovela de adolescentes exibidas à tarde na TV aberta, inclusive aproveitando atores destas produções, como é o caso de Davi Campolongo e Pietra Quintela. Pode agradar ao público que gosta deste tipo de produção. 


Ficha técnica:
Direção: Michael Ruman
Produção: Anágua Filmes e Moonshot Pictures
Distribuição: Anágua Filmes
Exibição: cinemas da rede Cinemark
Duração: 1h36
Classificação: 12 anos
País: Brasil
Gêneros: aventura, ação

24 fevereiro 2024

“Amanhã” olha para o passado, o presente, o efeito do tempo e as questões sociais

Novo documentário de Mauro Pimentel tem como cenário a a Barragem Santa Lúcia, em Belo Horizonte
(Fotos: Gabriela Matos e Arquivo Pessoal)


Eduardo Jr.


Chega aos cinemas nesta quinta-feira (29) o novo documentário de Marcos Pimentel. Batizado “Amanhã”, o longa coloca, no mesmo plano, crianças de classes sociais distintas, capturando alguns de seus desejos para o futuro, e retorna 20 anos depois para acompanhar como essas personagens estão vivendo. A obra é produzida pela Tempero Filmes, com distribuição da Descoloniza Filmes.  

O início do filme não diz ao espectador o que esperar. O ano é 2002 e crianças brincam em um cenário conhecido dos belorizontinos: a Barragem Santa Lúcia. O lago e a praça de esportes parecem atuar como fronteira, separando um bairro de classe média de uma favela.


Quando se mudou para Belo Horizonte, no ano 2000, Pimentel se impressionou ao perceber que, embora vizinhos, moradores de um lado dificilmente atravessavam para o outro. Mas a convite do diretor, morro e asfalto se aproximaram. O pequeno Tomaz é o personagem que sai do apartamento pra brincar com Julia e Cristian, dois irmãos que vivem no morro.

O material, gravado em 2002, é apresentado às mães das crianças duas décadas depois. E aí o documentário começa a mostrar a que veio. As memórias e opiniões dessas mulheres e das crianças, agora crescidas, expõem como o abismo social, não percebido na infância, se escancara. E não só porque eles se tornaram adultos, mas porque o país mudou.


O próprio diretor, em uma de suas narrações, exemplifica isso ao expor a percepção de que a camisa da seleção brasileira, festejada na Copa de 2002, se tornou símbolo da discórdia duas décadas depois. Até a ausência de uma das personagens é posicionamento. 

E a maneira como esses elementos são dispostos no longa vão levando o público a refletir sobre diversas pautas do cotidiano, de consciência política à urbanização.

Um filme sensível sobre encontros, desencontros, mazelas sociais e o efeito do tempo. Talvez por isso, o documentário tenha sido exibido em competição no É Tudo Verdade, recebido Menção Honrosa no 5º Pirenópolis Doc e premiado no 27º FAM - Florianópolis Audiovisual Mercosul.  


Ficha Técnica:
Direção: Marcos Pimentel
Depoimentos/Imagens de Arquivo: Cristian de Miranda, Cristiana Santos, Júlia Maria
Produção: Tempero Filmes
Distribuição: Descoloniza Filmes
Exibição: nos cinemas
Duração: 1h46
Classificação: 12 anos
País: Brasil
Gênero: documentário

22 fevereiro 2024

"Ferrari", um recorte na vida do homem por trás da escuderia

Adam Driver interpreta o criador de uma das maiores marcas de veículos de luxo do mundo e sua obsessão
por velocidade (Fotos: Lorenzo Sisti)


Maristela Bretas


Um homem arrogante, com obsessão por corridas, velocidade e vitórias, que criou uma das maiores marcas de veículos de luxo do mundo. Esta é a história que está sendo contada em "Ferrari", filme que estreia nesta quinta-feira nos cinemas.

Ambientado na virada da década de 1950, o longa tem uma narrativa lenta, focada num recorte da vida de Enzo Ferrari (interpretado por Adam Driver), que é quebrada apenas pelas cenas de corridas, acidentes espetaculares e as brigas dele com a esposa Laura (Penélope Cruz). Foi ela que ajudou o famoso Commendadore a construir o império que revolucionou a indústria automotiva, ajudando a criar o conceito das corridas de Fórmula 1.


A cinebiografia, dirigida por Michael Mann (um apaixonado pela marca e diretor também de "Ford X Ferrari" - 2019), foca mais na vida pessoal de Enzo Ferrari, sua relação com a esposa e a amante de longos anos, Lina Lardi, papel de Shailene Woodley e a obsessão por  carros caros e velozes que o deixam à beira da falência.

Um dos pontos negativos do filme é o sotaque italiano sofrível de Adam Drive (para quem for assistir o filme legendado), repetindo um erro cometido em "Casa Gucci" (2021). O ator apresenta o criador da famosa marca italiana automotiva como um homem extremamente exigente quanto à qualidade de seus carros, mas nem tanto com a vida dos pilotos, e que não admitia qualquer tipo de erro de sua equipe. 


Até mesmo nas tragédias, o Enzo Ferrari do filme aparentava frieza. Os poucos momentos de ternura acontecem quando se lembra do filho falecido, Dino. Mesmo com suas mulheres, ele se mostra uma pessoa metódica e controladora, agindo como um empresário comandando seus funcionários. Pessoas que conheceram o verdadeiro Enzo Ferrari e viram o filme comentaram em matérias na imprensa que ele não era desta forma.

Apesar de Adam Driver ser o protagonista, a grande estrela do filme é Penélope Cruz. A atuação da atriz dá gás e vida à trama fora das pistas de corrida, mostrando garra e presença forte, especialmente quando enfrenta o marido sobre suas decisões erradas que ameaçam a empresa. 

É ela quem controla com mãos de ferro as finanças da Ferrari, enquanto sofre com a morte do filho, o casamento de fachada, as traições e a solidão de uma vida a dois.  


Shailene Woodley é Lina Lardi, a amante de Enzo. A atriz tem uma atuação dentro do esperado, um pouco apagada, como a de sua personagem, mantida em "segredo" pelo Commendadore. Lina é a mãe do segundo filho dele - Piero, que foi reconhecido anos depois. Hoje ele é acionista e ocupa a vice-presidência da multinacional Ferrari. 

Outro que tem papel decisivo na história, mesmo sendo colocado em segundo plano, é o brasileiro Gabriel Leone ("Eduardo e Mônica" - 2020). Ele vive o jovem marquês milionário e piloto espanhol Alfonso De Portago, contratado para correr pela Ferrari na corrida Mille Migla, no Norte da Itália, em 1957. 


Michael Mann empregou muito CGI nas imagens de disputas da época e nos acidentes (algumas cenas chegam a chocar). No entanto, Adam Drive não teve permissão para dirigir nenhum dos carros clássicos originais de corrida da Ferrari usados nas filmagens por causa do seguro. 

O diretor também reproduziu a cena do beijo dado por Alfonso de Portago em sua namorada Linda Christian (papel de Sarah Gadon) em uma das paradas da corrida Mille Miglia. A foto ficou conhecida como "O Beijo da Morte".

Já Patrick Dempsey (da série "Gray's Anatomy"), que além de ator é piloto de corridas, conseguiu dirigir algumas réplicas da Ferrari no filme. Ele interpreta o piloto da escuderia, Piero Taruffi. No elenco contamos também com Derek Hill (filho do falecido piloto e campeão de Fórmula 1 pela Ferrari, Phill Hill), no papel do piloto da Maserati, Jean Behra. Outro que faz papel de corredor é Jack O'Connell, como o britânico Peter Collins, entre outros.


"Ferrari" também tem como pontos positivos a fotografia, as locações (especialmente onde ocorrem as corridas), figurino e maquiagem. Mas o desenrolar, apesar de ser apenas um recorte da vida do empresário, pode não agradar aos amantes de corridas., que esperam ver grandes competições.

Diferente de outras cinebiografias do gênero, como "Rush: No Limite da Velocidade" - 2013, sobre a rivalidade entre os pilotos Niki Lauda e James Hunt (pode ser conferido na Netflix); o recente "Gran Turismo" - 2023, que conta a vida do jogador de videogame que virou piloto, Jann Mardenborough (HBO Max) e até "Ford X Ferrari", sobre a disputa entre as duas grandes marcas para provar quem era melhor nas pistas (Star+).


Ficha técnica
Direção: Michael Mann
Produção: STX Films
Distribuição: Diamond Films
Exibição: nos cinemas
Duração: 2h10
Classificação: 16 anos
País: EUA
Gêneros: ação, cinebiografia

20 fevereiro 2024

1ª Semana do Cinema de 2024 acontece de 22 a 28 de fevereiro, com ingressos a R$ 12,00




Da Redação


Depois do sucesso da campanha Semana do Cinema em 2023, que em três edições levou mais de 10 milhões de pessoas para a frente das telonas, é dada a largada para mais uma semana recheada de filmes por apenas R$ 12,00. A primeira Semana do Cinema de 2024 acontece em todo o país a partir da próxima quinta-feira (22) e os preços especiais vão até o dia 28. 

Além dos ingressos com preço único promocional, os combos com pipoca e refrigerante também terão valores diferenciados. A campanha é idealizada pela Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas (Feneec), com apoio da Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas Operadoras de Multiplex (Abraplex). 

Todas as unidades da Rede Cineart em Minas vão participar da promoção,  válida para as sessões nas salas tradicionais 2D. A programação será variada, com terror, musical, comédia, romance, drama, entre outros gêneros, com longas nacionais e internacionais e títulos que prometem agradar todos os tipos de público. 

Entre as produções estão os candidatos ao Oscar 2024: “Pobres Criaturas”, “O Menino e a Garça”, “Zona de Interesse”, “Wish: O Poder dos Desejos”, "A Cor Púrpura" e “Dias Perfeitos”. Durante a campanha, o público também poderá assistir aos filmes “Bob Marley: One Love”, “Madame Teia”, “Masha e o Urso: Diversão em Dobro”, “Todos Menos Você”, Aquaman 2”, “Nosso Lar 2: Os Mensageiros”, "Argylle: O Superespião", Baghead: A Bruxa dos Mortos”, “Ferrari”, “Zona de Risco”, “Garra de Ferro”, "O Jogo da Morte", “Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba – To The Hashira Training” e Minha Irmã e Eu”. .

“Em 2023 tivemos uma adesão muito importante e pretendemos repetir a dose ao longo deste ano. Essa é a quarta edição do evento, que tem como foco principal celebrar a presença do público e democratizar ainda mais o acesso à magia que só a experiência cinematográfica proporciona. É a grande diversão dos brasileiros de todas as idades”, salienta Lúcio Otoni, presidente da Feneec. 

Cinemas da Rede Cineart vão participar da promoção

Um levantamento feito pela Agência Nacional de Cinema (Ancine) apontou que houve um aumento de 17% no número de pessoas nas salas em 2023, em comparação com 2022. Por isso, a iniciativa, que segue uma tendência mundial de promover, em clima de festa, a experiência cinematográfica, se torna ainda mais relevante. 

“Vamos celebrar a magia do cinema, movimentar as salas de todo o país e garantir ainda mais oportunidades de entretenimento para todos os brasileiros”, comemora Marcos Barros, presidente da Abraplex. 

Para checar os horários dos filmes e os preços especiais que os exibidores prepararam para os combos, basta acessar os sites de vendas de ingresso ou diretamente o portal do seu cinema favorito. 

Serviço
“Semana do Cinema”

Exibição: Em todos os cinemas associados à Abraplex e outros participantes
Data: de 22 a 28 de fevereiro
Locais: Todas as sessões em sala tradicional 2D
Preço dos ingressos: R$ 12,00

18 fevereiro 2024

"Em Ruínas" - Don Lee solta o braço e pesa a mão com muito prazer

Novo filme de ação sul-coreano se passa num cenário pós-apocalíptico devastado por um terremoto
(Fotos: Netflix/Divulgação)


Silvana Monteiro


Para defender a vida de alguém, você já sentiu vontade de fazer justiça com as próprias mãos? É fato que não é correto, mas quem nunca? A boa notícia é que você vai se sentir como se tivesse realizando esse desejo ao assistir "Em Ruínas" ("Hwang-ya"), o mais recente filme de ação sul-coreano que estreou na Netflix. 

Na trama, somos transportados para um cenário pós-apocalíptico devastado por um terremoto que reduziu Seul a escombros. É nesse ambiente caótico e quase primitivo que testemunhamos a luta pela sobrevivência de um grupo de pessoas corajosas e de outras tantas vitimizadas, não só pelas circunstâncias, mas por sobreviventes sem escrúpulos.


No centro dessa narrativa intensa encontramos Ma Dong-seok, também conhecido como Don Lee ("Eternos" - 2021), interpretando o caçador Nam-San. Com sua presença magnética, ele assume o papel de um verdadeiro açougueiro para os sobreviventes, abatendo répteis e providenciando carne para a comunidade. 

Ao lado de Nam-San, a jovem Han Su-na (No Jeong-ee) busca apoio para alimentar-se e encontrar água para sua avó. Porém, em meio a esse cenário desolador, surge um médico enlouquecido pela perda de uma pessoa muito importante em sua vida, embarcando em experimentos de ressuscitação por meios antiéticos.


O filme nos faz mergulhar em uma montanha-russa de emoções, com sequências ágeis e desfechos pulsantes que combinam pancadaria intensa e momentos sádicos de tirar o fôlego. A direção de Heo Myeong-haeng, aliada ao roteiro habilmente construído por Kim Bo-Tong e Kwak Jae-Min, nos presenteia com uma narrativa coesa e satisfatoriamente sangrenta. 

"Em Ruínas" é uma sequência direta de "Sobreviventes Depois do Terremoto" (2023), trazendo uma continuação empolgante para os fãs do gênero.


A primeira parte do filme estabelece um ritmo cativante, mas é nas cenas envolvendo Lee Jun-young no papel de Choi Ji-wan, um aprendiz do caçador, que encontramos momentos de leveza mesmo em um ambiente inóspito. Ahn Ji-Hye, interpretando a sargento Lee Eun-ho, eleva ainda mais o nível de ação com sua destreza e presença marcantes. 

Juntos, eles se unem na luta contra o médico antiético e seu exército de híbridos quase imortais, não fossem a mão pesada e os tiros certeiros de Nam-San. Os encontros entre o "Caçador" e o "Tigre", chefe de uma milícia, garantem momentos muito satisfatórios no quesito surra das boas.


Com uma duração de pouco mais de uma hora e meia, esse longa-metragem sul-coreano proporciona uma experiência visual deslumbrante. A fotografia é de tirar o fôlego, apresentando uma mescla de imagens densas com visões apoteóticas do pôr do sol e vistas panorâmicas incríveis. Essa estética visual magnífica sugere que os personagens estão olhando para o futuro, o que pode dar pistas de possível sequência.

Se você é fã de uma história emocionante repleta de ação explosiva e zumbis, "Em Ruínas" é a escolha perfeita. Prepare-se para se satisfazer com uma trama envolvente, recheada de tiros, porradas e explosões.


Ficha técnica:
Direção:
Heo Myeong-haeng
Roteiro: Kim Bo-Tong
Exibição: Netflix
Duração: 1h48
Classificação: 16 anos
País: Coreia do Sul
Gêneros: ação, aventura, drama, ficção, suspense

17 fevereiro 2024

"Minha Vida com a Família Walter" - uma jornada inspiradora de recomeço

Série está com sua primeira temporada completa e a segunda em desenvolvimento (Fotos: Netflix)


Filipe Matheus
Comentando Sucessos


Imagina perder os pais em um acidente e ter que recomeçar em uma cidade diferente, vivenciando novos ares e desafios. Este é o enredo de "Minha Vida com a Família Walter" ("My Life With the Walter Boys"), série em exibição na Netflix. 

Ela conta a história de Jackie Howard (Nikki Rodriguez), uma garota nova-iorquina que, após sofrer esta grande perda, se muda para uma cidadezinha na área rural do Colorado para morar com a amiga de sua mãe que se torna sua tutora. 

A escolha da locação das filmagens é um dos pontos positivos da produção, oferecendo belas imagens nas áreas abertas e envolvendo o telespectador na narrativa.


A série, que está em sua primeira temporada (a segunda já está em produção), aborda temas importantes, como família, amigos e, principalmente, mudanças. 

A protagonista agora reside em uma casa com dez irmãos, filhos de Katherine (Sarah Rafferty) e George Walter (Mark Blucas), os anfitriões. E vai ter de conviver com novos colegas de escola, a vida no campo e os costumes locais.

Leve e inspiradora, "Minha Vida com a Família Walter" mostra que situações desafiadoras proporcionam força e moldam nosso caráter como ser humano. A série é baseada no romance homônimo da escritora Ali Novak.


Noah LaLonde é Cole, galã e problemático integrante da família Walter que disputa o coração de Jackie com o tranquilo e estudioso irmão Alex (Ashby Gentry, de "Clube do Terror" - 2019), trazendo romance à trama. LaLond fez parte do elenco da extinta série "Criminal Minds", exibida pelo canal AXN.

A trilha sonora, composta por Brian H. Kim, é inteligente e agradável, trazendo conexão com o repertório. São 54 músicas, entre elas, "Welcome to Colorado" e "Grounded", que embalam os episódios da série. A trilha completa está disponível no Spotify e Youtube.


Winnifred Jong, uma das diretoras do filme, tem experiência em outros trabalhos exibidos em streaming, incluindo "Jane" (Apple TV), "Nurses" (Globoplay) e "Coroner" (Universal TV e Globoplay), este último sendo um sucesso e bem elogiado pela crítica.

Um ponto negativo é a escassez de cenas com a família de Jackie. Faltou explorar um pouco mais a história dos Walter, o que enriqueceria o enredo e daria mais dinamismo à trama. 

Vamos ver o que os diretores estão planejando para a segunda temporada. Então, não perca tempo! Se você gosta do clima leve do campo, uma família encantadora e romance, essa é a série ideal para você.


Ficha técnica:
Direção: Winnifred Jong, Jerry Ciccoritti e Jason Priestley
Autora: Melanie Halsall
Produção: Sony Pictures Television e Normadic Pictures
Exibição: Netflix
Duração: 10 episódios (1ª temporada)
Classificação: 14 anos
País: EUA
Gêneros: comédia, drama, romance

15 fevereiro 2024

"Bob Marley - One Love" joga os holofotes sobre o herói da paz, não sobre o músico

Kingsley Ben-Adir é o destaque do elenco interpretando a lenda do reggae (Fotos: Paramount Pictures)


Larissa Figueiredo 


Músico brilhante, seguidor fiel de Jah, marido apaixonado, amante complicado, amigo dedicado e ativista político. Essas são as faces de Bob Marley, ou melhor, Skipper, no filme "Bob Marley - One Love", que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. Quem espera assistir a ascensão da estrela do reggae que conquistou o mundo com sua música, vai se decepcionar. E que bom! 

O filme começa no ponto alto da guerra civil jamaicana. Não perde tempo com explicações desnecessárias, mas também não deixa pontas soltas quanto a isso, no decorrer da trama tudo se encaixa de forma não linear. 


O longa retrata a luta de Marley pela paz em sua terra e seus dilemas existenciais em relação à fama, amor, vida e religião. Muitos momentos decisivos se passam no inconsciente do protagonista e trabalham o equilíbrio entre o simbólico e o real. 

O elenco é muito fiel aos integrantes da história, obviamente, com destaque para Kingsley Ben-Adir, que interpreta o protagonista. O ator trouxe o personagem para além da caricatura, representou com primor as questões emocionais complexas do artista. Robert Nesta Marley é humano, chora, sente raiva, medo, se frustra e se reconstrói. 


Rita Marley (Lashana Lynch) é uma peça fundamental no desenrolar da trama, que funciona como âncora e, ao mesmo tempo, o foguete que impulsiona Marley a lutar pelo que acredita. A atriz encara com perfeição o peso da solidão de uma mulher frustrada e mãe solo. 

Em um silêncio ensurdecedor, os “gritos” de Rita são pontuais e aparecem em momentos importantes. Nos flashbacks, vemos uma menina mulher sensível, apaixonada e cheia de sonhos. É nessa diferença que o talento da atriz fica mais que evidente. 


O time de produtores é um grande diferencial que garante fidelidade nos fatos narrados na obra, afinal, eles estavam lá quando ela foi escrita. Rita Marley, esposa de Bob, Ziggy e Cedella Marley, filhos do artista, Robert Teitel ("O Ódio que Você Semeia" - 2018) e Dede Gardner "(Blonde" - 2022, "Comer, Rezar e Amar" - 2010), assinam a produção da cinebiografia. 

As músicas aparecem no momento correto do longa. Desde as mais aclamadas pelo público às menos conhecidas e mais antigas dos The Wailers. No entanto, para quem gosta, a obra não oferece grandes números musicais do artista e sua banda. 


As canções do astro funcionam como uma forma sutil de dizer o que precisa ser dito ao espectador. Fotografia, montagem e cenários pontos positivos que agregam na experiência. 

Fora da temporada de grandes premiações, "Bob Marley - One Love" definitivamente não é, e não será um dos favoritos da crítica especializada. Não há nada de excepcional. Simples, funciona bem por ser sobre quem é. Uma obra para se ver de olhos, ouvidos e corações abertos e se preparar para a emoção. 


Ficha técnica:
Direção: Reinaldo Marcus Green
Produção: Paramount Pictures, State Street Pictures, Plan B Entertainment
Distribuição: Paramount Pictures
Exibição: nos cinemas
Duração: 1h47
Classificação: 14 anos
País: EUA
Gêneros: biografia, drama
Nota: 3,5 (0 a 5)

14 fevereiro 2024

"O Menino e a Garça" é uma animação poética sobre amizade e amadurecimento

Produção japonesa está na disputa do Oscar 2024 e já faturou o Globo de Ouro da categoria
(Fotos: Studio Ghibli)


Maristela Bretas e Selhe Moreira


Pureza, cores vibrantes e uma mensagem que toca o coração envolvendo família, cultura, amizade e amadurecimento. Esta é a animação japonesa "O Menino e a Garça" ("The Boy and the Heron"), que estreia nesta quinta-feira (22) nos cinemas brasileiros, em versões dubladas e legendadas. 

A animação, com distribuição da Sato Company, terá sessões antecipadas por todo país em diversas cidades do país. Em BH, elas irão acontecer no UNA Cine Belas Artes, dias 10 e 11, às 14 horas, e no Cinemark BH Shopping, dias 17 e 18, às 16 horas.

Depois de conquistar o Globo de Ouro deste ano como Melhor Animação e ser um forte candidato ao Oscar na mesma categoria, a obra não poderia ser considerada menos que encantadora e envolvente.

Com direção e roteiro de Hayao Miyazaki (o mesmo do premiado "A Viagem de Chihiro" - 2001), o filme conta a história de Mahito, um menino de 12 anos que perdeu a mãe durante um ataque aéreo a Tóquio na Guerra do Pacífico. 


Tempos depois, o jovem é levado pelo pai para morar numa propriedade da família no campo, onde descobre que sua madrasta e tia, irmã da mãe falecida, está grávida de seu pai.

Mahito não se conforma com a perda da mãe, e se julga culpado por não ter conseguido salvá-la do incêndio. O jovem é levado para um ambiente novo, vivendo entre idosos e idosas que o chamam de "patrãozinho". 

O pai trabalha o dia todo e dá mais atenção à nova esposa e ao filho que está chegando do que para ele. Ele tem de conviver com a "nova mãe" que ele não aceita apesar de ser uma pessoa doce e atenciosa. O bullying na escola também é outro problema na vida do garoto.


Mas são as criaturas locais, como a garça-real azul que fala, que vão atrair Mahito para outro mundo, partilhado pelos vivos e pelos mortos, cheio de fantasia, perigo e aventura. 

Guiado pela garça, ele irá tentar descobrir se sua mãe realmente morreu e tentar encontrar a madrasta que desapareceu misteriosamente em uma torre antiga e isolada que existe há anos na propriedade.

O diretor emprega muita linguagem figurada para apresentar as situações vividas por protagonista, como os costumes da cultura japonesa, a morte, o medo do abandono, o parto, a guerra (inclusive com símbolos que remetem aos discursos de Hitler) e a responsabilidade de dar sequência a um legado que dará paz ao mundo.


Num dos diálogos polêmicos entre Mahito e a garça, a ave afirma que sua espécie é mentirosa, provocando dúvidas sobre o que é verdade e o que é mentira, seja contada por uma ave ou pelo ser humano. Todas essas colocações levam a um único objetivo - mostrar que é possível um recomeço.

Destaque para as simpáticas vovozinhas, que proporcionam momentos divertidos ao disputarem um cigarro ou um prato de arroz ou açúcar, produtos escassos num Japão arrasado pela guerra. As confusões que a garça falante se mete e coloca Mahito também garantem boas risadas. 


Autobiografia

O roteiro é uma semiautobiografia, baseada na experiência do próprio Miyazaki em sua infância, e entre as mensagens do longa está a possibilidade da paz entre as nações num mundo marcado pela guerra.

A produção poderá ser a última do diretor por causa de sua idade - 82 anos. Se isso acontecer, ele terá se aposentado com outra bela obra em animação.

Desde o início do filme já se percebe a preocupação de Hayao em destacar os movimentos apenas dos personagens que ganham mais vida com a palheta de cores do fundo estático das cenas, ora com imagens em tons pálidos, ora em tons fortes. 


Completa o cenário a bela trilha sonora de "The Boy and the Heron", composta por Joe Hisaishi, com 36 canções, entre elas as versões da música-tema "Ask Me Why". A trilha está disponível no Spotify. 

Vale conferir um detalhe que chamou a atenção de minha colaboradora Selhe Moreira: a música "Reincarnation", que toca quando os warawara vêem a lua, tem os primeiros acordes semelhantes aos do início de "Moonlight Sonata", de Beethoven.

Premiações e disputas

Forte candidato ao Oscar de 2024 como Melhor Animação, "O Menino e a Garça" vai para a disputa contra "Elementos", "Nimona", "Meu Amigo Robô" e "Homem-Aranha: Através do Aranhaverso" já com duas conquistas: o Globo de Ouro e o New York Film Critics Circle Award deste ano nesta mesma categoria. Não faltam indicações de que se trata de uma obra que encanta e é para ser curtida, especialmente no cinema. 


Ficha técnica
Direção e roteiro: Hayao Miyazaki
Produção: Studio Ghibli
Distribuição: Sato Company
Exibição: nos cinemas
Duração: 2h04
Classificação: 12 anos
País: Japão
Gêneros: animação, fantasia, aventura

12 fevereiro 2024

"Masha e o Urso" cumprem desafios e realizam sonhos em aventura fora de época

Animação ganha novos personagens e entrega um conto de fadas que gira em torno dos meses do ano
(Fotos: Paris Filmes)


Silvana Monteiro


No universo agitado de "Masha e o Urso", uma nova aventura chega aos cinemas a partir do dia 15 de fevereiro, mas já pode ser conferido em algumas salas em BH em sessões antecipadas neste Carnaval. 

Desta vez, a animação amplia seu mundo com a introdução de mais personagens além dos lobos, coelhos, bodes, porcos e do inseparável Urso, prometendo um conto de fadas que gira em torno dos meses do ano e inclui até uma cerimônia tradicional de casamento.  


Dirigido por Roger Allers, Christopher Jenkins, Artyom Naumov e Tony Bancroft, e distribuído pela Paris Filmes, “Masha e o Urso - Diversão em Dobro” é uma história contada em pouco mais de uma hora que se torna uma boa opção para levar as crianças ao cinema a fim de aliviar um pouco a tensão do retorno às aulas.

A conhecida, satírica e hiperativa Masha continua com suas múltiplas habilidades para arrumar problemas e confusões, mantendo sua característica travessura. Mas desta vez, ela demonstra mais responsabilidade ao cumprir missões importantes e conquistar novas amizades. 


Uma dessas novas amizades é com o menino Janeiro, com quem ela compartilha suas aventuras ao lado do Urso e de mais 11 personagens que, junto com o novo amigo, compõem os Magos dos Meses.

Entre a floresta gelada e a cidade, entre a terra e o céu, a história tem início com a missão de testemunhar uma cerimônia de casamento. Mas como será essa festança tendo a Masha por perto? 

A menina, que não passa dos 3 anos, mas que já evoluiu com alguns comportamentos diferentes, demonstra que já está apta a atuar em equipe para realizar sonhos típicos de um conto de fadas. 


Mas é claro que conto de fadas com a Masha tem lá suas originalidades, e acaba saindo um pouco às avessas. E é isso que dá aquele calorzinho no coração, ora de tensão, ora de alívio.

Com uma narrativa meio “Frozen”, a história vai fazer a meninada relembrar as férias e o Natal. É um filme fora da estação, mas que traz lindas lições tais como união, amizade, amor, companheirismo e realização de sonhos. 


Como era de se esperar, até por se tratar de Masha, o enredo tem um ritmo ágil e é uma boa pedida para entreter a criançada, principalmente aquelas superativas que não param um minuto.

Sobre a série

Com mais de 8 bilhões de visualizações e 19 milhões de seguidores no Youtube oficial da série, os desenhos de "Masha e o Urso" são uma metáfora de como uma criança interage com o mundo exterior e como os adultos podem ajudá-la no cotidiano. Assinada pela Animaccord, a animação reflete sobre amizade, liberdade e ainda incentiva a criatividade das crianças.


Ficha técnica:
Direção: Roger Allers, Christopher Jenkins, Artyom Naumov e Tony Bancroft
Produção: Animaccord
Distribuição: Paris Filmes
Exibição: nos cinemas
Duração: 1h15
Classificação: livre
País: Rússia
Gêneros: animação, aventura