sexta-feira, 27 de março de 2015

A sensibilidade por trás da lente de Sebastião Salgado

Sebastião Salgado apresenta seu trabalho fotográfico de 40 anos ao longo do documnetário (Fotos: Imovision/Divulgação)

Maristela Bretas


A ideia de contar a história de um dos mais renomados fotógrafos do mundo sob outro ângulo não poderia resultar em nada mais que um ótimo documentário. Merecedor de uma indicação ao Oscar, como foi. E é esta produção que estreia nesta quinta-feira nos cinemas de BH. "O Sal da Terra" ("The Salt of the Earth") conta um pouco da longa trajetória do brasileiro Sebastião Salgado e apresenta seus principais projetos fotográficos ao longo de 40 anos, até chegar ao mais recente - "Gênesis" - uma expedição que registrou civilizações e regiões do planeta pouco exploradas.

A produção começa em um de seus principais trabalhos fotográficos - Serra Pelada - para depois retornar a sua infância em Aimorés, no interior de Minas. Durante a faculdade de Economia no Espírito Santo, feita por exigência do pai que queria um filho formado, conheceu Lélia, sua mulher, companheira e parceira na divulgação dos trabalhos até hoje.


Com a Ditadura Militar, deixou o Brasil com a família e foi morar na França, país onde Salgado se encantou pela fotografia e fez dela seu trabalho e paixão, percorrendo os cantos mais remotos do planeta. O filho Juliano Ribeiro Salgado passava pouco tempo com o pai, mas já adulto, se uniu a ele para registrar as imagens de suas viagens.

E foram estas imagens e o trabalho de Sebastião Salgado que encantaram o não menos famoso cineasta Win Wenders ("Paris, Texas") que reuniu sua equipe e se juntou à família para filmar "O Sal da Terra". Da compra da primeira câmera para a esposa, que acabou ficando para ele e mudando sua vida a primeira foto tirada, Salgado, vai contanto com registros marcantes, em preto e branco, sua experiência como fotógrafo social.

São depoimentos em vídeo de familiares, inclusive do pai, da  equipe de filmagem e de personagens de diversos locais e etnias, mesclados com fotos de Salgado (algumas também do filho Juliano) que expõem tanto a beleza quanto a crueldade do ser humano, não importando o lugar do planeta. O fotógrafo deixa claro sua preocupação em expor a situação de miséria e conflitos de alguns locais na África, como Ruanda e Etiópia.

Natureza

A preocupação em dar sua contribuição ao meio ambiente o levou a "replantar" a fazenda onde viveu a infância com a família e transformá-la no que é hoje o Instituto da Terra, um modelo de trabalho ambiental reconhecido mundialmente. 


Além disso, Salgado mudou um pouco seu foco trabalho e resolveu mostrar que existem lugares e povos no Planeta ainda inexplorados (e assim deveriam ficar), dando origem ao projeto "Gênesis", como no início dos tempos.

"O Sal da Terra" é um belo documentário biográfico, principalmente pelas imagens capturadas por Salgado, mesmo as mais chocantes, e merece ser visto não só pela fotografia, mas pela forma como ele usa a lente de sua câmera para expor a dura realidade social. O filme pode ser conferido nas salas 3, do Ponteio Lar Shopping (14h10 e 18h40), e 10, do BH Shopping (17 horas e 22h20).




Ficha técnica:
Direção: Win Wenders e Juliano Ribeiro Salgado
Distribuição: Imovision
Duração: 1h50
Gêneros: Documentário/ Biografia
Países: Brasil/ França
Classificação: 12 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)

Tags: O Sal da Terra; Sebastião Salgado; Win Wenders; documentário; biografia; Imovision; Cinema no Escurinho