sábado, 16 de setembro de 2017

"Feito na América" e embalado sob medida para o talento de Tom Cruise

Filme é uma biografia rica e movimentada do piloto Barry Seal, que enganou o Cartel de Medelin, a CIA e a Casa Branca (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Fazer um filme com Tom Cruise como o protagonista é, no mínimo, retorno certo de bilheteria. E o ator do sorriso mais lindo de Hollywood entra de cabeça em seus personagens, principalmente nas cenas de ação. Bom exemplo disso é a franquia "Missão Impossível". Não poderia ser diferente com "Feito na América ("American Made"), que em cartaz nos cinemas de BH.

Sobra ação durante quase todo o tempo - dá uma caidinha no meio do filme, mas nada que comprometa. Tom Cruise, no auge dos seus 55 anos, tem um fôlego invejável e ensina muito jovem ator como é fazer um bom filme. Neste caso, uma biografia bem rica e movimentada do piloto Barry Seal, que transportava droga para o Cartel de Medelin - Pablo Escobar e sua turma - e nas horas vagas fazia um bico de agente secreto para a CIA.


Cruise é carismático e mesmo que o filme fosse ruim (e este está longe disso), ele atrairia público, fiel pelas produções das quais participa. Como o terror "A Múmia", lançado em julho deste ano, ou o de espionagem "Jack Reacher: Sem Retorno", de 2016. Em "Feito na América", ele acerta novamente a parceria com o diretor Doug Liman, com quem trabalhou na ficção "No Limite do Amanhã" (2014).

Boas cenas de perseguição, com destaque para a que Barry Seal pousa um avião abarrotado de cocaína no meio de um bairro cheio de casas. É a melhor do filme. Veja no vídeo abaixo como ela foi feita:



Passado na década de 1980, o filme conta a história de Barry Seal, um "vida loka" como diriam alguns amigos, que tomava decisões sem pensar. Ele deixa um emprego estável (e chato) como copiloto da empresa aérea TWA e aceita trabalhar como piloto para a CIA, espionando traficantes de drogas só pela adrenalina (e o dinheiro, claro). Quando o dinheiro fala mais alto, ele acaba se unindo a seus espionados, entre eles Pablo Escobar, para quem começa a transportar drogas e armas da Colômbia e de países da América Central para os EUA.



Entre um aperto e outro e todas as agências norte-americanas de investigação no seu pé, a maior preocupação de Seal é onde guardar as montanhas de dinheiro vivo que recebe como pagamento por "seus serviços" (se fosse no Brasil, bastava pedir a um amigo o apartamento emprestado).

Ingênuo em achar que não seria apanhado pelos federais apesar de toda a sua monstruosa operação ilegal de tráfico, o maior erro de Seal foi, por gostar demais da esposa, aceitar o cunhado folgado Bubba (interpretado por Caleb Landry-Jones) morar na sua casa, o que poderia colocar o milionário negócio em risco.


Seal é um bandido com cara de mocinho - é bem casado, tem filhos e cachorro. Impossível não gostar dele (especialmente quando Cruise sorri!), mesmo o filme sendo uma versão romanceada da vida do piloto traficante. A história é entrecortada por gravações em vídeo feitas por ele, que contam seu envolvimento com os dois lados.

Ponto positivo também para a ótima participação de Domhnall Glesson, como Monty Schafer, o agente da CIA que contrata Barry Seal. O restante do elenco é pouco expressivo, deixando o brilho para Cruise. Sarah Wright interpreta Lucy, mulher de Seal, que faz o gênero "não gosto de coisas ilegais mas adoro ter muito dinheiro".


"Feito na América" é um filme de ação, suspense e que entrega boa comicidade para contar a trajetória do sujeito que enganou o Cartel de Medelin, a CIA, a Casa Branca e governos de diversos países por anos seguidos. E, de quebra, dá uma aula de política internacional, mostrando, mesmo que de forma superficial, como eram tratados o apoio militar dos EUA a movimentos rebeldes na América Central e do Sul, o combate às drogas e a "troca de favores" com os governantes aliados (até onde interessava).

O final é esperado, mas mesmo assim o filme agrada bem, principalmente pela atuação do protagonista. Vale a pena conferir, mais um ótimo trabalho de Tom Cruise.



Ficha técnica:
Direção: Doug Liman
Produção: Cross Creek Pictures / Imagine Entertainment / Universal Pictures
Distribuição: Universal Pictures Brasil
Duração: 1h55
Gêneros: Ação / Suspense / Biografia
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #FeitonaAmerica #Tom Cruise #ação #traficodedrogas #BarrySeal #CarteldeMedellin #CrossCreekPictures #Universal Pictures #EspaçoZ #Cineart #CinemanoEscurinho