quinta-feira, 1 de março de 2018

"Operação Red Sparrow" é um filme de espionagem com pouca ação e muita sedução

Jennifer Lawrence está bem convincente como uma espiã russa especialista em usar o corpo para seduzir suas vítimas (Fotos: 20th Century Fox/Divulgação)

Maristela Bretas


Apesar de ser um nome que tem atraído um grande público a cada produção, "Operação Red Sparrow" ("Red Sparrow") não é dos melhores trabalhos de Jennifer Lawrence e mesmo assim ela está muito bem e bela, principalmente depois que adota o cabelo louro. Ela é o centro da história como a bailarina que se torna espiã dupla usando o corpo para seduzir suas vítimas. Mas fica anos-luz de Charlize Theron em "Atômica" (2017), este sim, um filme de espionagem muito mais sedutor, envolvente e eletrizante. 

Muita conversa e pouca ação, supervalorização dos Estados Unidos como o país da liberdade contra a opressora Rússia, coisas de Guerra Fria. Conseguiram até um vilão com a cara do Putin, o ator belga Matthias Schoenaerts, que faz Ivan Egorov, chefe da agência de espionagem russa e tio da espiã.

Jennifer Lawrence reluta mas depois tira a roupa "facim facim" para seduzir suas vítimas, uma das tática aprendidas na escola de espiões russa para a qual foi mandada para se tornar uma "sparrow" (especialista na arte de sedução e manipulação na melhor escola de espionagem russa). 
Pouca briga e muita nudez e sexo são as armas de sua personagem, a espiã e ex-bailarina Dominika Egorova, mas a presença da atriz é um grande atrativo para garantir boa bilheteria ao filme dirigido por Francis Lawrence (que dirigiu Jennifer em "Jogos Vorazes").

As cenas de ação e perseguição também são poucas, mas o público poderá ficar chocado com a exibição de violências sexuais, tortura física e psicológica, decapitações e sadismo. Tudo isso acontecendo em ambientes escuros ou em tons acinzentados, como a escola de espiões, ou abusando do vermelho sangue para reforçar o clima de sedução.

Num filme de espiões, Joel Edgerton não poderia ser outra coisa. Mas é muito bonzinho, capaz de se apaixonar, cheio de princípios e propostas patrióticas, sem elegância e glamour. O oposto de um James Bond, principalmente se este for o Daniel Craig. Seu personagem, o espião da CIA, Nathaniel Nash, apresenta o lado obscuro, violento e sujo das negociatas e roubo de informações que a maioria dos filmes do gênero explora pouco. O elenco conta ainda com outros grandes nomes do cinema como Jeremy Irons, como um general russo, a veterana Charlotte Rampling, instrutora da academia russa para jovens espiões, e Mary-Louise Parker, como a secretária de um político que fala demais quando enche a cara.

No longa, Dominika Egorova é uma talentosa bailarina russa do balé Bolshoi que, após sofrer um acidente é convencida pelo tio Ivan Egorov, a se tornar uma Sparrow. Após passar pelo árduo processo de aprendizagem, ela se torna a melhor espiã do país e precisa lidar com o agente da CIA, Nathaniel Nash (Joel Edgerton) e obter dele o nome de um traidor do alto escalão russo que está vendendo informações aos EUA. Os dois, no entanto, acabam desenvolvendo uma paixão proibida que ameaça suas vidas e as de outras pessoas.

"Operação Red Sparrow" tem uma ótima trilha sonora, um dos destaques do filme, sob a batuta do conhecido compositor James Newton Howard, que usa do clássico ao instrumental para criar o clima perfeito da ação. Fugindo dos padrões de filmes de espionagem, a produção é ousada por apresentar o lado sujo da Guerra Fria, onde cada um usa a arma que tem para obter o que quer. Um jogo de confia-não confia, recheado de meias palavras e nenhum pudor.



Ficha técnica:
Direção: Francis Lawrence
Produção: 20th Century Fox
Distribuição: Fox Film do Brasil
Duração: 2h21
Gêneros: Suspense / Espionagem
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #OperaçaoRedSparrow, #JenniferLawrence, #JoelEdgerton, #FrancisLawrence, #JeremyIrons, #MatthiasSchoenaerts, #CharlotteRampling, #violenciasexual, #espionagem, #GuerraFria, #espaçoz, #cinemas.cineart, #FoxFilmdoBrasil, #CinemanoEscurinho