terça-feira, 22 de outubro de 2019

"Projeto Gemini" usa tecnologia 3D+ para criar clone jovem de Will Smith

Grandes perseguições e muita ação são os destaques do filme dirigido pelo premiado Ang Lee (Fotos: Ben Rosenstein/Paramount Pictures)

Maristela Bretas


Apesar de não ter atingido sucesso em bilheterias nas últimas produções das quais participou - exceto como o gênio da lâmpada de "Aladdin" (2019), Will Smith é sempre um chamariz. E foi apostando no carisma do ator e na tecnologia de ponta do 3D+ que a Paramount Pictures, Skydance e Alibaba Pictures produziram "Projeto Gemini" ("Gemini Man"), em cartaz nos cinemas. Mas até o momento, o super blockbuster não chegou nem perto do sucesso esperado para um investimento de US$ 138 milhões, que tem como diretor o premiado Ang Lee e os produtores Jerry Bruckheimer e David Ellison.


Will Smith fez bem a sua parte, divulgando o filme com muita simpatia e atuando em dose dupla, o real e mais velho e o clone digital mais jovem, resultado da utilização do formato 3D+ que tomou boa parte do orçamento. E é esta tecnologia de ponta que garante efeitos visuais espetaculares, com sequências e cenas de ação de tirar o fôlego, como a da perseguição de moto. Assim como boas lutas entre os dois Smith. Pena que o público ainda não tenha se interessado em assistir "Projeto Gemini".


O 3D+ é um novo formato digital de projeção de cinema em 60 quadros por segundo. Isso representa mais que o dobro do formato padrão, que é de 24 quadros. A experiência em 3D+ traz imagens com maior definição e profundidade, colocando o espectador no centro da ação e permitindo a percepção da cena de uma forma muito mais realista. Ang Lee e outras pessoas da produção falaram sobre o processo de captação e o formato em alta definição 3D+ em vídeo no Youtube. 


No filme, o ator interpreta Henry Brogan, um matador contratado de 51 anos que anuncia sua aposentadoria. A decisão faz dele um alvo da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos, para quem trabalhava anteriormente. Ele passa a ser perseguido por Júnior, um agente que é sua versão aos 23 anos e que consegue prever cada movimento seu. Brogan descobre que seus matadores do governo americano querem eliminá-lo para esconder um grande segredo, que ele pode desmascarar.


Na sessão que eu estava, um espectador comentou que o clone digital parecia Will Smith quando fazia a série "Um Maluco no Pedaço", sucesso exibido entre os anos de 1990 e 1996 na TV. Com a diferença que naquela época o ator fazia uma comédia e hoje, o Will digital é um rapaz sisudo, treinado para matar, mas que tem conflitos como qualquer jovem.


O elenco conta ainda com Mary Elizabeth Winstead, Clive Owen e Benedict Wong. Além dos efeitos gráficos, "Projeto Gemini" conta também com uma boa trilha sonora, composta por Lorne Balfe, que trabalhou em "Missão Impossível - Efeito Fallout" (2018), "Tempestade - Planeta em Fúria" (2017), "LEGO Batman - O Filme" (2017) e "13 Horas - Os Soldados Secretos de Benghazi" (2016).

Sessões com a inovadora tecnologia 3D+, somente na versão legendada, podem ser conferidas nas salas da Rede Cinemark no BH Shopping, Pátio Savassi e Diamond Mall. Nas demais redes, "Projeto Gemini" está sendo exibido nos formatos 2D, em sessões dubladas e legendadas.


Ficha técnica:
Direção: Ang Lee
Produção: Jerry Bruckheimer Films / Skydance Productions / Paramount Pictures
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 1h57
Gêneros: Ação / Ficção
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #ProjetoGemini, #WillSmith, #ação, #CliveOwen, #SkydanceProductions, #AngLee, #ParamountPictures, #ficção, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário