terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

"A Lei da Noite", um filme de gângster com ação mas longo a ponto de dar sono

Ben Affleck e Chris Messina são parceiros inseparáveis de crime (Fotos: Warner Bros Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Ben Affleck repete o olhar sem vida de todos os seus papéis e continua não se contentando em apenas atuar, quer o poder total. Em "A Lei da Noite" ("Live By Night") ele escreveu o roteiro, baseado no premiado romance “Os Filhos da Noite” de Dennis Lehane, é um dos produtores, juntamente com Leonardo Di Caprio e ainda dirige o filme.

Talvez se não abraçasse tanto o mundo poderia conseguir fazer filmes de menor duração mas mais focados, sem dispersar tanto do tema principal. "A Lei da Noite" tinha tudo para ser uma grande produção, mas a direção funcionou como uma das metralhadoras dos gângsteres, atirando para todos os lados, sem se aprofundar muito - fala de guerra de gângsters, 

Ku Klus Klan, racismo, contrabando de bebida, prostituição, preconceito, mas tudo jogado na mesma panela, deixando o espectador perdido em algumas situações. E apesar de ser um filme de ação, ele chega a dar sono em algumas partes. E quando você acha que acabou, vem uma reviravolta com direito a mensagem no final do tipo "conselho de pai sempre deve ser ouvido".

Affleck se sai bem no papel do fora da lei Joe Coughlin, mas o elenco ainda se sai muito melhor em várias cenas. Brendan Gleeson é o comissãrio de polícia de Boston e pai de Joe; Siena Miller é Emma Gould, amante do chefão da máfia irlandesa; Chris Messina é Dion Bartolo, parceiro de crime; Zoe Saldana interpreta a cubana Graciela Suarez; Elle Fanning é Loretta Figgis, filha do chefe de polícia de Tampa, Irving Figgis, papel de Chris Cooper.

Affleck deveria ter explorado mais a luta entre as quadrilhas, na década de 1920 nos Estados Unidos. Mas "A Lei da Noite" oferece uma bela fotografia, boas locações principalmente nos pântanos de Tampa, na Flórida. Também o figurino e a reconstituição de época ficaram ótimos.

Na história, Joe Coughlin (Aflleck) é um soldado que retorna da Primeira Guerra Mundial que, apesar de ser um cara de bom coração e filho do comissário de polícia de Boston, resolve se tornar um fora da lei. Ele e seu amigo Dion se tornam conhecidos e atraem a atenção dos chefes das quadrilhas mafiosas. Mas ele se recusa a trabalhar para eles.

Mas Joe não é de todo ruim; na verdade, ele não é mau o suficiente para a vida que escolheu. e se envolve com os parceiros e mulheres erradas. Acaba preso, perde a mulher da sua vida e só quer vingança quando sai da cadeia. Para isso terá de mudar de Boston para a Flórida e trabalhar para aqueles a quem sempre evitou, controlando o contrabando de rum durante a Lei Seca.

O gângster recém-chegado ainda terá de enfrentar os chefões locais e a polícia corrupta que faz vista grossa para as transações ilegais das quadrilhas. Joe também irá conhecer outras mulheres que mudarão sua vida e vai pagar um preço muito alto por isso.

"A Lei da Noite" é um filme violento, claro, de acordo com a época em que é ambientado. Uma boa distração, mas está longe do drama "Argo" uma das melhores produções dirigidas e protagonizadas por Ben Affleck e ganhador do Oscar de Melhor Filme em 2013.



Ficha técnica:
Direção: Ben Affleck
Produção: Warner Bros. Pictures /Appian Way / Pearl Street Films
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 2h09
Gêneros: Ação / Policial
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #aleidanoite, #BenAffleck, #BrendanGleeson, #SienaMiller, #ChrisMessina, #ZoeSaldana, #ElleFanning, #ChrisCooper, #policial, #acao, #gângster, #mafiairlandesa, #mafiaitaliana, #Boston, #Joe Coughlin, #WarnerBrosPictures, #CinemanoEscurinho