quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Com roteiro fraco, "Slender Man - Pesadelo Sem Rosto" é pouco assustador e previsível

Quatro amigas invocam uma criatura sobrenatural e passam a ser perseguidas por ela (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Muitos sustos e clichês, algum suspense, mas "Slender Man - Pesadelo Sem Rosto" entrega menos do que prometia para a criatura sobrenatural mais temida da Web e que já estampou vários videogames. O filme é capaz de deixar o espectador inquieto na cadeira em algumas cenas em que Slender Man prende ou se aproxima das vítimas, com seus braços e mãos esticados que parecem galhos de árvores mortas. Assusta, mas não chega a ser aterrorizante como o palhaço Pennywise, de "It - A Coisa".

Com um roteiro fraco e história confusa, cheia de buracos, o filme é ambientado na maior parte do tempo em locais escuros ou com pouca luminosidade. Com certeza para dar destaque à figura da criatura. Isso ainda ajudado por clichês como o de estar dentro de casa, escutar um barulho estranho e sair percorrendo todos os cômodos sem acender uma lâmpada. Ou entrar numa mata fechada, à noite, sabendo que tem um monstro esperando para atacar.

As quatro jovens amigas que se invocam Slender Man têm seus dramas familiares ou existenciais e busca na "Invocação do Mal" online uma diversão para passar o tempo. Tentam também provar aos rapazes da escola que têm coragem de assistir o vídeo de Slender Man, acreditando que nada iria acontecer depois. Diga-se de passagem, ser possuído por imagens vindas da tela de um notebook é forçar demais a inteligência.

O diretor Sylvain White (em seu primeiro longa) poderia ter trabalhado melhor o terror, não ficando tão restrito aos poucos pesadelos assustadores e aparições do monstro sem rosto. Os desaparecimentos e mudanças de comportamentos das vítimas deixam o filme confuso, capenga. A produção também deixa a entender que Slender Man é como um vírus, semelhante aos espalhados pela internet. Com seus longos braços, ele envolve e seduz jovens e pessoas emocionalmente mais fracas que estão buscando um sentido para suas vidas.


Sem derramar uma gota de sangue, a criatura atrai suas vítimas usando um medo psicológico insuportável, como numa hipnose. Mas até esta abordagem fica superficial e, a partir da segunda metade do filme, a impressão é de que o diretor quer acabar logo com o sofrimento dele (e o nosso!).

Na história, as amigas Wren (Joey King), Hallie (Julia Goldani Telles), Chloe (Jaz Sinclair) e Katie (Annalise Basso) levam uma vida entediante no colégio. Quando ouvem falar num ser sobrenatural chamado Slender Man, decidem invocá-lo através de um vídeo na Internet. 


A brincadeira se transforma num perigo real quando todas começam a ter pesadelos e visões do homem se rosto, com vários braços, capaz de fazer as suas vítimas alucinarem. Um dia, Katie desaparece e, sem ajuda da polícia, as amigas decidem procurá-la e enfrentar a criatura e o pavor que ela provoca.


Para quem gosta muito de filmes de terror, vale uma conferida, mas alerto ser um dos mais fracos do gênero deste ano. A expectativa inicial de "Slender Man" de bons sustos, daqueles de pular na cadeira e roer as unhas se transforma em decepção com a criatura que adquire diversas formas ao longo da trama.



Ficha técnica:
Direção: Sylvain White
Produção: Mythology Entertainment
Distribuição: Sony Pictures
Duração: 1h34
Gênero: Terror
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: SlenderManPesadeloSemRosto, #SlenderMan, #terror, #pesadelo, #SonyPictures, #EspaçoZ, #cinemas.Cineart, #CinemanoEscurinho