domingo, 9 de setembro de 2018

"Benzinho", delicioso filme sobre afeto e laços de família

A família de Irene, Klaus, Fernando, Rodrigo e os gêmeos Fabiano e Matheus transparece amor e união (Fotos: Vitrine Filmes/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Alguns vão dizer que trata-se de um filme sobre a família. Outros dirão que é sobre a maternidade, embora se possa acreditar também que é sobre os afetos. Ou ainda: sobre a solidão - ou o medo dela. Melhor dizendo, "Benzinho" fala de laços e de como essas amarras podem ser mantidas e/ou destruídas. O grande diferencial, porém, do longa brasileiro de Gustavo Pizzi é a forma, escancaradamente simples e natural como a história é contada. Delícia de filme, para fazer rir e chorar.

O trunfo de "Benzinho", sua grande arma, é a atriz Karine Teles, que imprime uma credibilidade extraordinária a sua Irene, mãe de quatro - sim, quatro - filhos homens. Casada com Klaus (Otávio Muller), vivendo uma situação financeira angustiante e incerta, ela se vira como pode para dar conta das tarefas domésticas, ajudar nas despesas vendendo de marmitas a jogos de cama, cuidar da filharada e ainda acudir e apoiar a irmã Sônia (Adriana Esteves) que vive uma relação abusiva com o marido Alan (o ator uruguaio César Troncoso). Se sua vida já era difícil, vivendo essa verdadeira corrida de obstáculos, imagine o que pode acontecer quando seu filho mais velho, o adolescente Fernando (Konstantinos Sarris) recebe um convite para jogar handebol na Alemanha.

Corroteirista da história com o ex-marido Gustavo Pizzi, Karine Teles precisa basicamente do rosto para contar ao espectador o que se passa com ela. Em inúmeros closes, suas expressões tornam transparentes seus pensamentos, reações e sentimentos, mesmo que eles sejam ambíguos. E é com ela que o público passeia por um turbilhão de emoções e engasgos, dúvidas, angústias, posse, medos, insegurança.

Sua parceria com Adriana Esteves também é perfeita e transborda afeto e cumplicidade. A cena das duas na formatura de Irene (é preciso dizer que ela também faz o curso Médio) é um ótimo exemplo do bate-bola perfeito das atrizes que, com muita simplicidade (mais uma vez) enternece o público sem qualquer sinal de pieguice. Coisa de craques.

Mérito do roteiro, a família de Irene, Klaus, Fernando, o gordinho Rodrigo (Luan Teles, sobrinho de Karine) e os gêmeos Fabiano e Matheus (Arthur Teles Pizzi e Francisco Teles Pizzi, verdadeiramente gêmeos e verdadeiramente filhos da atriz e do diretor Gustavo Pizzi) transparece amor e união. Esse parentesco, essa aproximação, claro, aumenta a sintonia entre o grupo, que se mostra, desde o início e, acima de tudo, amoroso, embora confuso.

Quase como uma metáfora dessa família, a casa onde todos vivem em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, é cheia de problemas que nunca são reparados. A porta emperrada não abre, mas isso não é problema. Todo mundo entra e sai, naturalmente, pela janela, onde foi colocada uma escada improvisada. E não se fala mais nisso. Urgente mesmo é fortalecer os laços. Imperdível!
Duração: 1h35
Classificação: 12 anos


Tags: #Benzinho, #loveling, #VitrineFilmes, #KarineTeles, #AdrianaEsteves, #OtavioMuller, #GustavoPuzzi, #drama, #lacosdefamilia, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho