quinta-feira, 9 de maio de 2019

O medo da morte conduz "Cemitério Maldito", do mestre do terror Stephen King

Um cemitério de animais nos fundos de uma casa guarda um segredo que afeta toda a comunidade local (Fotos: Kerry Hayes/Paramount Pictures)

Maristela Bretas


Após ter sua estreia adiada de 4 de abril, "Cemitério Maldito" ("Pet Sematary") entre em cartaz nesta quinta-feira (9) nos cinemas brasileiros provocando um impacto menor que o esperado. Baseado no livro "O Cemitério", do mestre do terror e suspense, Stephen King, e dirigido por Kevin Kölsch e Dennis Widmyer, o filme é menos assustador que a obra original, mas desperta um sentimento mais profundo - o medo da morte. Até que ponto iria um pai para recuperar seu filho ou protegê-lo do mal? Esta é a grande pergunta do filme, que apresenta ao espectador um terror diferente do convencional, que mexe com o emocional.


"Cemitério Maldito" não tem uma entidade sobrenatural que sai vagando pelos aposentos da casa ou cortando pessoas ao meio. Existe sim, algo maligno, que se apossa das pessoas, criando situações tensas e até certo suspense que fica a dever à obra literária. Tudo isso está ligado a um antigo cemitério de animais de estimação nos fundos de uma casa. O imóvel passa a ser ocupado por uma família que deixou a cidade de Boston em busca de um local tranquilo no campo. 


Jason Clarke, que faz o papel do pai e médico Louis Creed, e John Lithgow como seu estranho vizinho Jud Crandall, entregam boas interpretações. Destaque também parra a jovem Jeté Laurence, como a filha Ellie, que desencadeia a maioria das ações tensas do filme, juntamente com seu gato.


Em ambientes escuros, como todo filme do gênero, o longa conta a história do médico Louis Creed, que, depois de mudar com a esposa Rachel (Amy Seimetz) e os dois filhos, Ellie e o pequeno Gage (Hugo Lavoie) para uma área rural do Maine, descobre um misterioso cemitério escondido dentro do bosque no terreno da nova casa. Eles terão também que conviver com os caminhões em alta velocidade que trafegam pela rodovia em frente ao portão da casa. Quando uma tragédia acontece, Louis pede ajuda a Jud, dando início a uma reação em cadeia perigosa que liberta um mal imprevisível com consequências assustadoras.


"Cemitério Maldito" é uma obra que assombrou até mesmo o editor de Stephen King. O autor demorou três anos para entregar o livro. Em entrevista, o produtor do filme Lorenzo di Bonaventura disse que estava fazendo o filme baseado no livro porque não era terror, mas uma ligação emocional entre um adulto e seu filho. "Eu ainda acho o livro profundamente assustador nos dias de hoje. Ele é primordial”, afirmou.

Passados 30 anos da primeira versão para o cinema, marcado pela expressão "Às vezes, morto é melhor", "Cemitério Maldito" ganhou efeitos melhores, um elenco com boas interpretações, mas cenas de suspense bem previsíveis desde o início bem previsíveis, tirando a força desta grande obra literária de King.


Ficha técnica:
Direção: Kevin Kölsch e Dennis Widmyer
Produção: Di Bonaventura Pictures / Paramount Pictures / Alphaville Films
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 1h41
Gênero: Terror 
País: EUA 
Classificação: 16 anos
Nota: 3  (0 a 5)

Tags: #CemiterioMaldito, #PetSematary, #StephenKing, #JasonClarke, #EspacoZ, #JohnLithgow, @ParamountPictures, #cinemanoescurinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário