domingo, 24 de março de 2019

"Um Amor Inesperado": comédia romântica inteligente que faz rir e pensar

Ricardo Darin e Mercedes Morán fisgam o público com interpretações cheias de naturalidade, talento e charme (Fotos: Filmax/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Difícil entender o raciocínio dos que traduzem títulos de cinema. "Um Amor Inesperado" é um bom nome para um filme que trata das dúvidas e consequente separação de um casal que vive, depois de 25 anos de união, a síndrome do ninho vazio. Mas, diante das muitas conversas e reflexões entre Ana (Mercedes Morán) e Marcos (Ricardo Darin) até se decidirem pelo divórcio, talvez fosse mais adequado ao longa a simples e literal tradução do castelhano: "El Amor Menos Pensado". Afinal, o que fica no final é a pergunta: será que é preciso pensar tanto, raciocinar, dialogar, buscar?

Em Buenos Aires, Ana e Marcos - ele professor de Literatura e ela psicóloga que trabalha com grupos de pesquisa - parecem viver bem e normalmente como tantos e tantos casais, entre o trabalho e os muitos amigos, até a ida do filho Luciano (Andrés Giul) para a Espanha. Primeiro ela, depois ele, ambos começam a se questionar sobre o desafio de construir um novo cotidiano. Estabelece-se um mal-estar, são longas as conversas e muitas as perguntas que deságuam numa separação civilizada, moderna, madura. Ou seja: pensaram e falaram tanto de amor que optaram por ficar sem ele. 

É com muita empatia e carisma que Mercedes Morán e Ricardo Darin envolvem o espectador nos muitos paradoxos do amor, nas boas conversas e dúvidas. Mérito, claro, de dois grandes atores que são o cerne do filme, fisgando o público com interpretações cheias de naturalidade, talento e charme. Mesmo algumas cenas que soam superficiais e repletas de caricaturas, como as dos primeiros encontros de ambos assim que ficam livres das amarras do casamento, mesmo essas, convencem e encantam. É como se todos torcessem para que eles encontrem algum caminho para fugir do medo da solidão. 


"Um amor inesperado" é o filme de estreia do argentino Juan Vera, que também assina o roteiro. Os diálogos e as situações, embora bizarros em alguns momentos, são sempre instigantes, enriquecidos por outros atores experientes que todos já viram em alguma produção argentina como Cláudia Fontán, Andréa Pietra, Jean Pierre Noher e Juan Minujin, que interpretam alguns dos parceiros de Ana e Marcos na busca de ambos por novas paixões, vertigens, suspiros, prazer, emoções. 

Classificado por alguns como comédia dramática, "Um Amor Inesperado", faz rir e pensar. É muito calcado no humor, mas mesmo que seja chamado pelo desgastado nome de "comédia romântica", pode ser considerado o primeiro filme inteligente do gênero. E, por que não dizer, cult. Afinal, não é todo dia que um filme argentino desse nível tem, na sua trilha uma canção do Wando. Acredite se quiser. O filme pode ser conferido na Sala 3 do Cineart Ponteio, sessões às 13h30, 16 horas e 18h40.
Duração: 2h16
Classificação: 14 anos



Tags: #UmAmorInesperado, #"ElAmorMenosPensado, #RicardoDarin, #MercedesMorán, #comediaromantica, @cinemanoescurinho

 

sexta-feira, 22 de março de 2019

Julia Roberts brilha como a mãe leoa de um jovem drogado e salva "O Retorno de Ben"

O indicado ao Oscar, Lucas Hedges, foi escolhido para interpretar o jovem problemático (Fotos:Tobis Film/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


É véspera de Natal e uma família aparentemente feliz se prepara para a grande festa cristã. Fica claro, de início, que o grupo - pai, mãe e três filhos - leva a sério a religião. Tudo parece perfeito. Nada parece faltar. É a partir da chegada de um quarto filho, Ben, que surpreende todo mundo ao voltar inesperadamente da clínica onde faz tratamento para se livrar das drogas, que o espectador descobre que nem tudo vai tão bem. 

É a partir daí também que a mãe Holly Burns, interpretada na medida por Julia Roberts, mostra que está disposta a apostar todas as suas fichas e correr todos os riscos para receber o filho desajustado em casa, mesmo sabendo de todos os perigos que ele representa.

"O Retorno de Ben" ("Ben Is Back") é escrito e dirigido por Peter Hedges que, a pedido de Julia Roberts, colocou o próprio filho, Lucas Hedges, no papel do problemático Ben. Segundo contam, a estrela teria gostado muito do jovem no filme "Manchester à Beira-mar" e, assim que o diretor a convidou para o papel, sugeriu o nome de Lucas e apostou no seu talento. Sábia Julia. Embora em interpretação comedida, o menino se sai bem, sem muitos arroubos, mas criando desde o início algum laço com o espectador, que sofre com ele e torce para que ele consiga vencer o vício e se integrar à família.

Completam o elenco, em interpretações corretas, Courtney B. Vance como Neal Burns, o marido de Holly, e Kathryn Newton como Ivy Burns, a filha adolescente que parece duvidar da recuperação do irmão. Mas quem brilha mesmo é Roberts, a mãe leoa que não mede esforços para salvar o filho viciado. Ícone de beleza, a atriz chega a ficar feia e sem charme em alguns momentos, quando o que importa é simplesmente salvar seu filho em perigo. Um papel de total entrega. 

O longa de Hedges é sério, bem feito, segura o público na tensão durante os 102 minutos em que mãe e filho não se desgrudam e lutam como se fossem um só contra a tentação e a recaída. Mas pode perder brilho e força por ter sido lançado tão próximo de outro, "Querido Menino", obra-prima de Felix Van Groeningen que parece definitiva quando se trata do tema de drogas.
Duração: 1h42
Classificação: 14 anos
Distribuição: Diamond Films


Tags: #ORetornoDeBen, #BenIsBack, #JuliaRoberts, #LucasHedge, #drogas, #drama, @DiamondFilms, @cinemanoescurinho