sexta-feira, 7 de novembro de 2014

"Interestelar", onde o impossível é muito relativo

"Interestelar" explora tema de viagem espacial para descobrir novos planetas e salvar a população da Terra (Fotos: Warner Bros. Pictures/Divulgação)


Maristela Bretas

Emocionante do começo ao fim. Nem as 2h50 de duração fazem o público tirar os olhos da tela durante a exibição de "Interestelar" ("Interestellar"), que entrou nesta quinta-feira em cartaz e pode se tornar o novo sucesso de ficção de Hollywood, no nível de "2001- Uma Odisseia no Espaço", de Stanley Kubrick.




O diretor Christopher Nolan, responsável por sucessos como a trilogia "Batman", "A Origem", "O Homem de Aço", "O Grande Truque" e "Transcendence - A Revolução", não deixou a peteca cair em nenhum momento e fez um excelente trabalho também no roteiro, dividido com o irmão Jonathan (da série de TV "Person of Interest").


Apesar de tratar um tema muitas vezes explorado em outros filmes e séries de TV da viagem espacial em busca de novas civilizações ("Jornada nas Estrelas" é um bom exemplo disso), o enredo de "Interestelar" explora bem as relações humanas. E como isso pode afetar - para o bem ou para o mal - o presente e o futuro da Terra e de seus habitantes.


Mas o grande destaque está nos atores, um time de peso que conta com Matthew McConaughey ("Clube de Compras Dallas"), Anne Hathaway ("O Diabo Veste Prada"), Michael Caine ("Batman - O Cavaleiro das Trevas"), John Lithgow ("Casa Comigo?) e Jessica Chastain ("A Hora Mais Escura"). 

A adolescente Mackenzie Foy, que faz o papel da filha de McConaughey mais jovem, mostra que vai muito além dos filmes de vampiros (saga "Crepúsculo") e de terror ("Invocação do Mal"). O elenco conta ainda como nomes  como Matt Damon, Ellen Burstyn e William Devane.


Num futuro não muito distante, os habitantes da terra vêm seus recursos acabando cada vez mais. A comida está escassa e o planeta sofre com a atmosfera cada vez mais poluída. Um grupo de cientistas resolve procurar em outras galáxias uma solução para o problema ou um novo lugar para recomeçar a civilização.

E escolhe o piloto e engenheiro Cooper (Matthew McConaughey) para liderar a missão, que terá ainda outros três cientistas - Brand (Anne Hathaway), Jenkins (Marlon Sanders) e Doyle (Wes Bentley), além de um robô com características humanas. 


Cooper sabe no entanto que poderá nunca mais ver seus dois filhos, então adolescentes, Murph (Mackenzie Foy) e Tom (Timothée Chalamet). Com o passar dos anos, Murph (na fase adulta interpretada por Jessica Chastain) também se envolve nas pesquisas para tentar encontrar uma solução para o planeta, à beira do caos. E retomar as buscas ao pai e à equipe da expedição, que ela julga ainda estar viva; 


GALERIA DE FOTOS


O público pode, no início, sentir um pouco de dificuldade para entender como a jornada da nave com a equipe por outras galáxias e dimensões, mas a medida que a história vai seguindo, passado e futuro se completam e explicam fatos envolvendo os personagens em várias etapas do drama. 

Mas por que tratar também como drama? Porque essa ficção espacial remete quase inteiramente a dramas envolvendo relações entre pais e filhos, sacrifícios, afastamentos, e coisas do tipo, com direito a choro e arrependimentos que podem emocionar a plateia.

No site oficial do filme é possível criar sistemas solares, emblemas, participar de missões na nave Endurance e fazer um teste de voo. Clique em http://wwws.br.warnerbros.com/interstellar/

Ficha técnica:
Direção e roteiro: Christopher Nolan
Produção: Legendary Pictures/ Paramount Pictures/Syncop
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 2h49
Gênero: Ficção/Drama
País: EUA
Classificação: 10 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)

Tags: Interestelar; Matthew McConaughey; Anne Hathaway; Michael Caine; Christopher Nolan; Ficção; Aventura; Warner Bros. Pictures; Cinema no Escurinho