sábado, 13 de fevereiro de 2016

"A Garota Dinamarquesa" é discreto e surpreendente, mas sem levantar polêmicas

Eddie Redmayne e Alicia Vikander estão impecáveis em suas atuações como o casal principal do drama (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)


Mirtes Helena Scalioni


Melhor ator. Atriz coadjuvante. Figurino. Direção de arte. Primeiro é preciso dizer que são adequadas e mais do que merecidas as indicações ao Oscar 2016 do filme "A Garota Dinamarquesa" ("The Danish Girl"), em cartaz no Belas Artes (17h e 21h30), Boulevard (18h40 e 21h), Pátio (12h45, 15h45, 18h45 e 21h30) e Ponteio (16h, 18h30 e 21h). As atuações convincentes e brilhantes, a ambientação impecável dos anos 1920 e uma história sui generis contada sem nenhuma intenção de causar polêmica colocam o longa de Tom Hooper no rol dos que vão ficar na memória.

O filme é baseado na história real do artista plástico dinamarquês Einar Wegener (Eddie Redmayne) que, contra tudo e todos, decide se submeter a uma cirurgia de mudança de sexo para virar Lili Elbe. Muitos o consideram o primeiro transgênero de que se tem notícia. Casado com a também pintora Gerda Wegener (Alicia Vikander), Einar se descobre mulher aos poucos, enquanto posa para sua mulher, enquanto brinca de se vestir com roupas femininas. Devagar, o feminino vai tomando conta da sua identidade.

O que é preciso destacar, nessa produção conjunta de Reino Unido, EUA, Bélgica, Dinamarca e Alemanha, é o brilho de Eddie Redmayne e Alicia Vikander. Ele, por conseguir fazer uma transformação sutil e lenta, calcada em olhares, gestos, andares - e que já tinha feito com maestria ao viver o cientista Stephen Hawking em "A Teoria de Tudo".  Ela, por construir uma Gerda amorosa, apaixonada e, ao mesmo tempo, compreensiva e corajosa sem nenhum sinal de exagero.

"A Garota Dinamarquesa" é, acima de tudo, uma história de amor - no sentido mais profundo que essa palavra possa ter. Houve quem achasse o longa tímido demais, cuidadoso demais. Nada disso. É exatamente o cuidado que faz dele um trabalho especial e sem clichês. É tão bela e verdadeira a relação do casal enfrentando dores, preconceitos e a precariedade da ciência da época que, ao sair do cinema, cabe perguntar: Lili ou Gerda? Quem merece o título de garota dinamarquesa? Classificação: 14 anos




Tags: #Agarotadinamarquesa, #EddieRedmayne, #AliciaVikander, #EinarWegener, #LiliElbe, #transgênero, #TomHolper, #drama, #biografia, #CinemanoEscurinho, #TudoBH