quinta-feira, 22 de setembro de 2016

"Sete Homens e um Destino" é faroeste politicamente correto

Com Denzel Washington no papel principal, filme é remake de um clássico do western (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Em 1960, o faroeste "Sete Homens e um Destino" ("The Magnificent Seven") marcou época por contar em seu elenco com nomes como o de Yul Brynner, Steve McQueen, Charles Bronson, Eli Wallach, Robert Vaughn e James Coburn. Cinquenta e seis anos depois chega às telas de cinema um remake politicamente correto, com direito a mistura de raças. 

No time principal estão nomes bem conhecidos do público - Denzel Washington, Chris Pratt, Ethan Hawke e Vincent D'Onofrio como quatro dos sete pistoleiros. Para completar o grupo heterogênio, que vai sendo formado ao longo do filme participam o sul-coreano Byung-Hun Lee (como Billy Rocks), Martin Sensmeier (como o índio) e Manuel Garcia-Rulfo, o mexicano. Sem esquecer do vilão sem escrúpulos, interpretado por Peter Sarsgaard e a mocinha, papel de Haley Bennett (que parece a sósia da Jennifer Lawrence).

O filme é bem dirigido, tem princípio meio e fim, com ótimos tiroteios (para quem gosta do gênero western) e atuações convincentes, inclusive a de Pratt (como Josh Farraday) que insiste em ser o cara que não perde o hábito de fazer piada de tudo.

Denzel é sempre bom, mesmo quando faz cara de mau. Ele é Sam Chisolm, um caçador de recompensa negro, que se veste todo de preto, com direito a colete e arma invertida no coldre. E por um curto período vai virar o bom samaritano que aceita a proposta da viúva Emma Cullen (Bennett) para livrar a cidade dela do domínio do dono das minas de ouro Bartholomew Bogue (Sarsgaard).

D'Onofrio também está muito bem como o irlandês Jack Horne, que bebe todas e reza antes de cada desafio. Bem acima do peso, usando barba e mais rouco que nunca ele está quase irreconhecível.

A fotografia, graças aos recursos técnicos atuais, também é um ponto que favorece a produção, mas poderia ser mais bem explorada. Por se tratar de uma refilmagem, como aconteceu com o 1960, que por sua vez foi um remake do japonês "Os Sete Samurais", de Akira Kurosawa (1954), impossível não fazer comparações. Mesmo com o elenco do novo filme cumprindo bem seu papel, ainda perde para seu antecessor.


Para cumprir o trabalho de "limpeza" da cidade, Sam Chisolm vai recrutando ao longo do caminho os pistoleiros que irão ajudá-lo, alguns com a cabeça a prêmio. A variação étnica do grupo que vai se formando é o grande diferencial da nova produção e foi uma boa aposta do diretor Antoine Fuqua. Para completar, nada como o tema da trilha sonora original composta por Elmer Bernstein e adaptada por James Horner.

O "Sete Homens e um Destino" é um bom faroeste e vale ser visto (tanto este quanto o de 1960). O filme entra em cartaz nesta quinta-feira nos cinemas de BH, Betim e Contagem, em versões dublada e legendada.



Ficha técnica:
Direção: Antoine Fuqua
Produção: Columbia Pictures / MGM / Escape Artists /
Distribuição: Sony Pictures
Duração: 2h13
Gêneros: Faroeste / Ação
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #setehomenseumdestino, #DenzelWashington, #ChrisPratt, #VincentDonofrio, #EthanHawke, #PeterSarsgaard, #AntoineFuqua, #faroeste, #ação, ColumbiaPictures, #MGM, #SonyPictures, #CinemanoEscurinho