terça-feira, 4 de abril de 2017

"O Poderoso Chefinho", uma animação para quem tem irmãos e quer dar boas risadas

Tim e o estranho bebê se unem para viver uma grande aventura e mostrar a importância da família (Fotos: 20th Century Fox/Divulgação)

Maristela Bretas


A vida era muito boa para Tim, um garoto de 7 anos que vivia com os pais e recebia todas as atenções. Não havia nada para atrapalhar. Até a chegada do irmãozinho, um bebê bem esquisito, que anda de taxi, usa terno, carrega uma maleta misteriosa e fala como um alto executivo. Para os pais isso era normal, mas Tim não confia nele e terá de mostrar que o "invasor" que o jogou para escanteio é uma fraude. Mesmo que para isso tenha de unir forças com o estranho contra um perigo maior que põe em risco a vida de seus pais.


Essa é a história de "O Poderoso Chefinho" ("The Boss Baby"), uma divertida comédia de animação, produzida pela DreamWorks Animation (a mesma de "Madagascar"). O espectador vai acompanhar situações cotidianas bem conhecidas, principalmente por quem já foi rei em sua casa e perdeu o trono com a chegada do irmão ou irmã mais novo.



Disputas pela atenção dos pais, pequenas maldades, pesadelos com monstros, medo do abandono e a vontade de dar um "sumiço" naquela "figura inconveniente". Tim passa por tudo isso, numa abordagem bem trabalhada pelo diretor Tom McGrath. Tobey Maguire (O Homem Aranha) é o narrador da história de Tim, enquanto Alec Baldwin faz a voz do poderoso bebê que inferniza a vida do irmão mais velho.



Jimmy Kimmel, apresentador da cerimônia do Oscar deste ano, dubla o pai do garoto, que trabalha para Francis, dono da empresa Puppy Co., na voz de Steve Buscemi. A dublagem da mãe de Tim em português ficou a cargo da atriz Giovanna Antonelli, enquanto que a original foi feita por Lisa Kudrow.



O mestre da trilha sonora de cinema Hans Zimmer é novamente o responsável pela escolha das músicas de "O Poderoso Chefinho" e entrega um bom repertório. A começar pela inclusão de sucessos como "Blackbird", dos Beatles, como a música que os pais cantam para Tim dormir, e "What The World Needs Now Is Love", na voz de Missi Hale, e que ficou conhecida pela interpretação da grande Dionne Warwick.



"O Poderoso Chefinho" soube abordar bem as emoções da infância: amor da família, segurança, medos, coragem para enfrentar os perigos imaginários, união entre irmãos e a imaginação fértil. O espectador dará boas risadas, mas também irá se emocionar com os personagens. Tim é todo doçura, tremendamente criativo e apegado à família e a suas coisas.


Mas terá de sair de sua zona de conforto para enfrentar um poderoso inimigo: o bebê que acaba de chegar. Arrogante, nascido para mandar, ele entrou para a família para impedir o plano de um empresário de fazer com que as pessoas deixem de querer bebês e escolham filhotes de cães. Uma ótima abordagem para uma realidade já comprovada em vários países, inclusive no Brasil, segundo pesquisa do IBGE de 2015, que aponta que o número de cães nos lares superou o de crianças.



Uma comédia indicada para a família, mas que agradará ao público de todas as idades. Vale a pena assistir "O Poderoso Chefinho", de preferência com algum irmão ou irmã. E depois sair do cinema comentando antigas aprontações que deixaram os pais loucos no passado.



Ficha técnica:
Direção: Tom McGrath
Produção: DreamWorks Animation / 20th Century Fox
Distribuição: Fox Film do Brasil
Duração: 1h38
Gêneros: Comédia / Família / Animação
País: EUA
Classificação: Livre
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #opoderosochefinho, #thebossbaby, #AlecBaldwin, #LisaKudrow, #TobeyMaguire, #SteveBuscemi, #GiovannaAntonelli, #animação, #comédia, #familia, #DreamWorksAnimation, #20thCenturyFox, #FoxFilmdoBrasil, #CinemanoEscurinho