sexta-feira, 6 de julho de 2018

"Berenice procura": suspense nacional que não doura a pílula

Cláudia Abreu é a protagonista deste drama nacional dirigido por Allan Fiterman (Fotos H20 Films/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Talvez nem haja parâmetro para comparações. Mas como são dois filmes que tratam, digamos, do submundo de inferninhos, com seus shows de travestis e amores proibidos, dá para arriscar alguma semelhança entre "Paraíso Perdido", que esteve em cartaz até pouco tempo, e "Berenice procura", que está em exibição nos cinemas de Belo Horizonte. 


Entre as afinidades, pode-se dizer também, que ambas são produções nacionais de qualidade. Mas a diferença que os separa é razoável, principalmente porque, enquanto o primeiro é lúdico, lânguido, romântico, o segundo é cru, realista e duro, embora não seja literalmente violento.

Resumo da história: Berenice é uma taxista moradora de Copacabana e vive mal, muito mal, com o marido Domingos, que é um daqueles repórteres policiais que adoram espetacularizar a violência. Ocupados demais com seus trabalhos e suas vidas, ambos não têm tempo para enxergar como o filho Thiago, que acaba de sair da adolescência, está descobrindo e vivendo a própria sexualidade. 


Berenice é vivida pela tarimbadíssima Cláudia Abreu, que imprime tanta naturalidade ao seu vai-e-vem no próprio apartamento que quase esquecemos que está representando um papel. Domingos é Eduardo Moscovis, igualmente tarimbado, perfeito no papel de um típico homem machista e moralista. E o jovem Thiago é interpretado pelo excelente Caio Manhente, que não fica atrás na competência ao revelar um jovem inseguro, tímido e carente. O elenco traz ainda Emílio Dantas como o malandro Russo, Vera Holtz como a cafetina Greta e Fábio Herford como Jaime, um assíduo cliente do táxi de Berenice.

Mas quem rouba a cena mesmo em "Berenice procura" é a atriz trans Valentina Sampaio, que faz o travesti Isabelle, um dos destaques do inferninho de Copacabana onde os shows e os fatos acontecem. Muitos a têm considerado a grande revelação da arte da interpretação, depois de se destacar como modelo e capa de revistas famosas. Bonita, sensual e com uma voz quente, Isabelle é o personagem chave nesta história baseada no livro homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, respeitado por seus romances policiais. 

Merecem elogios também os roteiristas Flávia Guimarães e José Carvalho, além é claro, da direção segura de Allan Fiterman. Graças a eles, o espectador vai acompanhando atentamente os caminhos de Berenice, que é apaixonada por páginas policiais e que decide, por conta própria, investigar uma misteriosa morte numa praia de Copacabana. O suspense é mantido até o final.

Enquanto "Paraíso Perdido" é sensual e melódico, "Berenice procura" quase exagera no realismo das cenas de sexo, que nada têm de eróticas e os ângulos escolhidos pelo diretor parecem fortalecer essa ideia. Se, por um lado, essa opção deixa claras as intenções do filme de não querer dourar a pílula, por outro, pode causar certo distanciamento. Afinal, muita gente vai ao cinema em busca também de um refresco para a vida. Ainda assim, vale a pena ver e prestigiar mais essa produção nacional.
Classificação: 14 anos
Duração: 1h28



Tags: #Bereniceprocura, #ClaudiaAbreu, #EduardoMoscovis, #VeraHoltz, #ValentinaSampaio, #CaioManhente, #AllanFiterman, #EmilioDantas, #drama, #suspense, #H20Films, #CinemanoEscurinho