quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Assistir "O Manicômio" é jogar tempo e dinheiro fora com terror muito ruim

Filme reúne youtubers alemães numa aposta dentro de um hospital abandonado que seria assombrado (Fotos: 20th Century Fox/Divulgação)

Maristela Bretas


O ano de 2018 contou com bons filmes de terror e suspense, alguns até com indicações a prêmios internacionais, como "Um Lugar Silencioso". Iniciar 2019 com um filme do gênero ruim demais é até covardia com o público. É o caso de "O Manicômio" ("Heilstätten"), produção alemã, que para piorar veio para BH somente em versão dublada em português. Que sofrimento!

O filme ficou perdido num limbo inexplicável, sem saber se explorava o universo dos youtubers ou se apostava no susto das assombrações de um antigo manicômio abandonado. No final, nem uma coisa nem outra, somente um roteiro cheio de furos, mal escrito e mal dirigido, com atores péssimos. Mais parece uma postagem no Youtube feita por adolescentes tentando vencer seus oponentes na disputa pela melhor imagem ou fato mais interessante. 

Na história, um grupo de youtubers entra ilegalmente na área de cirurgia de um manicômio abandonado da 2ª Guerra Mundial perto de Berlim onde nazistas faziam experiências com prisioneiros. Eles precisam vencer o desafio de passar 24 horas no local, mostrando tudo o que acontece lá dentro com a esperança de viralizarem seus vídeos e conseguirem mais seguidores. 

Mas logo descobrem que não estão sozinhos e não são bem-vindos ali e terão de fazer de tudo para sobreviverem até o dia seguinte. 

Com um trailer bem montado que até atrai, o filme é uma correria desenfreada que nem o fantasma consegue acompanhar, poucos sustos e salva apenas o cenário escolhido para a trama que, infelizmente, foi desperdiçado. Teria garantido um bom filme de terror. 


Ficha técnica:
Direção: Michael David Pate
Produção: 20th Century Fox
Distribuição: Paris Filmes
Duração: 1h29
Gêneros: Terror / Suspense
País: Alemanha
Classificação: 14 anos
Nota: 1 (0 a 5)

Tags: #OManicomio, #terror, #suspense, @ParisFilmes, @cineart_cinemas, #EspacoZ, @cinemanoescurinho