terça-feira, 24 de setembro de 2019

Sem meias palavras, "Rambo - Até o Fim" vai fundo na violência e cenas de ação

Quinto filme com Sylvester Stallone encerra saga do ex-soldado atormentado pelos fantasmas da guerra (Fotos: Metropolitan FilmExport/Divulgação)

Maristela Bretas


O que esperar de "Rambo - Até o Fim" ("Rambo: Last Blood")? Nada menos que muita violência e ação, características de um ícone que marcou toda uma geração. Sylvester Stallone entrega um de seus principais personagens, agora envelhecido (ou melhor, mais maduro, aos 73 anos), que já sabe atuar, além de também se aventurar como um dos roteiristas desse quinto e provável último filme da saga do ex-soldado norte-americano que lutou no Vietnã e que traz consigo uma violência latente, que ele tenta controlar na nova vida de homem do campo. O filme é, antes de tudo, nostálgico, tanto nas imagens finais quanto na solidão de Rambo.


Nesta produção, o ator já não entorta mais a boca nas cenas de violência extrema, como fazia em "Rambo: Programado Para Matar" e que mostrava claramente a limitação de Stallone para atuar. Nem por isso deixou de atrair milhares de fãs, que sempre acompanharam a saga do ex-combatente. Apesar das críticas contrárias, "Rambo - Até o Fim" está agradando a quem interessa - aos fãs, que estão delirando com o filme, em especial, com as cenas de violência, que ganham proporções chocantes somente nos últimos 40 minutos. 


A carnificina é tanta que a classificação é acima de 18 anos, como aconteceu com "Rambo IV". Para os amantes deste gênero, um prato cheio. Para quem não gosta, fuja das salas onde está sendo exibido. Não espere uma história amena, com algumas piadas e situações cômicas, como em "Mercenários 1, 2 e 3". Rambo é Rambo. Facas e canivetes, cabeças rolando, tiros, porrada e bombas são sua marca registrada. Ele agora pode até ser um cara recluso que trabalha num rancho na fronteira entre os Estados Unidos e o México, cuida de cavalos e tem uma afilhada que ele trata como filha.


John Rambo, no entanto, vive assombrado pelos traumas da guerra que nunca se apagaram. No entanto, o rapto da jovem vai despertar nele toda a fúria que estava guardada. E fazer voltar o soldado insano, especialista em armadilhas e ataques, que nunca deixa um inimigo vivo. Rambo agora vai ao México enfrentar perigosos traficantes de jovens que são usadas em prostituição.


Abusando dos dublês e efeitos especiais, Stallone entrega um filme com roteiro morno até mais da metade da exibição e uma explosão de ação no final que compensa quem foi ao cinema ver Rambo de volta às origens. O elenco é pouco conhecido e está lá só para levantar a bola do verdadeiro astro. Para quem aguardava a volta de Rambo com ansiedade, "Até o Fim" deverá agradar. Mesmo enchendo linguiça com uma história arrastada e mais que manjada da jovem que ignora os conselhos dos mais velhos, se mete em encrenca e vai parar nas mãos de traficantes de mulheres. 


O tiozão Rambo, ao saber, vai socorrer a afilhada, apanha muito, mas bate e mata muito também. No estilo da trilogia "Busca Implacável" (2008, 2012 e 2014), com Liam Neeson, ou "Linha de Frente" (2013), com Jason Statham, porém bem mais violento. Para os fãs de carteirinha, "Rambo: Até o Fim" encerra bem a história do personagem que para muitos deles representa um clássico do gênero.


Ficha técnica:
Direção: Adrian Grunberg
Produção: Balboa Productions/ Millenium Films / Lionsgate
Distribuição: Imagem Filmes
Duração: 1h40
Gênero: Ação
País: EUA
Classificação: 18 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #RamboAteOFim, #RamboLastBlood, #SylvesterStallone, #Rambo, #RamboSendoRambo, #ação, @ImagemFilmes, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário