Mostrando postagens com marcador curta-metragem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador curta-metragem. Mostrar todas as postagens

27 setembro 2020

“La femme et le TGV”, curta imperdível do Amazon Prime que fala de solidão

Filme, indicado ao Oscar 2017, é uma jornada de amor e poesia em alta velocidade (Fotos: TGV Movie/Divulgação)


Mirtes Helena Scalioni


Pode ser que os mais viajados saibam, mas o natural é recorrer ao Google para conferir a sigla: TGV significa, em tradução livre, “trem de alta velocidade” - em francês, Trains à Grande Vitesse. Daí se explica o nome do filme, na verdade um curta-metragem, “La femme et le TGV”. O resumo: mulher se apaixona pelo maquinista do trem que passa diariamente pela porta de sua casa.
 
Essa produção suíça de apenas 30 minutos é, acima de tudo, um filme que tem ritmo próprio e peculiar, com uma forma diferente, natural, de contar uma história, por mais estranha ou bizarra que ela possa parecer. Esse jeito de narrar torna-se quase um personagem de tão importante.

 


A entrada dos outros poucos participantes da narrativa vão ajudando a revelar, devagar, detalhes da vida de Élise Lafontaine (Jane Birkin), que vive sozinha, tem um filho que mora em outra cidade, e aprendeu com a mãe a saudar, da janela de casa, a passagem do trem. Sempre agitando uma bandeirinha na mão.
 
Em outra cadência, talvez o curta não resultasse no que resultou, nem surtisse o mesmo efeito. Tudo parece ter sido pensado para que o público se interessasse paulatinamente e se envolvesse carinhosamente com aquela mulher de meia idade que vive numa minúscula vila suíça próxima de Zurique. 



Desde o início, dá para ver que ela tem um trabalho na sua boulangerie, mas que o principal objetivo da sua vida é saudar o trem, que passa duas vezes por dia pela sua porta.
 
Além da veterana e sempre impressionante Jane Birkin, outros atores e atrizes passam pela tela, sempre a serviço da história de Élise. Estão lá Julie Dray, como a professora de dança; Manuela Biedermann, como Charlotte; Gilles Tschudi, como o maquinista Bruno; Lucien Guignard, como Jacques...



Ao terminar o filme, na hora dos créditos finais, que é feita de uma forma muito bonita e original, lembrando painéis de estações de trem, aparecem fotos da verdadeira Élise Lafontaine, em cuja história o curta se baseou. O único senão de tudo fica por conta das legendas, cheias de erros de português e de grafia, além da tradução péssima. Sinal de descaso, apesar de o curta, produzido em 2016, ter sido indicado ao Oscar no ano seguinte.
 
Trens e estações costumam ser universalmente símbolos ricos de vida e morte, chegadas e partidas. No caso do filme, isso não foge à regra. Mas como se trata de uma história inspirada num fato, o diretor Timo von Gunton encontrou um jeito poético para falar de solidão, abandono, buscas e encontros. Alguém já disse que “La femme et le TGV” é curto e essencial como um conto. Podíamos acrescentar que é belo, contundente e cortante como um conto. Definitivo e sutil.



Ficha técnica:
Direção: Timo von Gunton
Exibição: Amazon Prime
Duração: 31 minutos
País: Suíça
Gênero: Drama


Tags: La Femme Et Le TGV, Timo von Gunton, TGV, curta-metragem, indicado ao Oscar, Jane Birkin, drama, Amazon Prime, Suíça, solidão, Elise Lafontaine, Cinema no Escurinho



06 agosto 2020

"Difícil É Não Brincar" é selecionado para o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo

Produção mineira registra a infância em três distritos do interior de Minas Gerais (Fotos: Eliane Gouvêa/Divulgação)


Da Redação


A produção mineira "Difícil É Não Brincar", da diretora Papoula Bicalho, foi selecionada para o 31º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, que acontece entre 20 e 30 de agosto, na Mostra Infanto-Juvenil. O filme é dos seis mineiros selecionados entre 3.056 inscritos na premiação.

O curta registra a infância em três distritos do interior de Minas Gerais pertencentes aos municípios de Congonhas e Ouro Preto, onde a produção de minério é a principal atividade econômica. Entre minas e minérios, crianças brincam e revelam seus sonhos e pesadelos, apostando que até nas adversidades, difícil mesmo é não brincar.

Dar voz às crianças é o principal objetivo do filme. “Meu desejo era torná-las protagonistas, narradoras e produtoras das sequências. A brincadeira foi o modo de obter isso de forma espontânea e criativa”, conta Papoula Bicalho, que concebeu e dirigiu o filme. “Quando as crianças brincam, liberam o seu imaginário e mostram de forma sensível os desejos, sonhos e pesadelos que as animam ou afligem. Você passa a ver a criança sem as máscaras impostas por certa cultura ou religião, pela família, por hábitos e costumes. Elas estão ali, inteiras, inventivas”.


Ambientado nesse universo lúdico das brincadeiras da infância, o enredo traz à tona várias nuances desta fase da vida e levanta questões pessoais e sociais que as crianças enfrentam: as inseguranças, a adaptação a diferentes realidades das comunidades, os sonhos que dividem espaço com incertezas do futuro e as delícias de ser criança e poder, mesmo nas adversidades, inventar mundos possíveis, brincando.

Participaram das filmagens mais de 90 crianças de Miguel Burnier e Comunidade do Mota (distrito e sub-distrito de Ouro Preto) e Lobo Leite (distrito pertencente a Congonhas). Os pontos de partida para a construção do enredo foram provocações e desafios que pudessem resultar em brincadeiras e depoimentos significativos para desvendar anseios, intimidações, prazeres e desejos que se apoderam dessas crianças no dia-a-dia. “O narrador do filme é a ação delas em meio aos colegas, amigos e à paisagem dos locais onde vivem”, explica Papoula Bicalho.


O curta contou com direção de produção de Janice Miranda, apoio institucional do Museu de Congonhas, parceria com a comunidade escolar dos distritos onde foram feitas as filmagens e realização da Luz Comunicação, com patrocínio da Gerdau.

Link para o teaser:

Ficha técnica:
Direção, concepção, roteiro, trilha e montagem
: Papoula Bicalho

Assistência de direção: Bruno Madeira, Zé Paulo Osório
Direção de produção: Janice Miranda
Produção: Fabrício Kent, Nathália Rezende Santos, Valdirene Andrade
Captação de imagem e som: Eliane Gouvêa, Papoula Bicalho, Rodrigo Gouvêa, Zé Paulo Osório
Tratamento e masterização de som: André Cabelo
Transporte: Edgard Magalhães, João Batista De Magalhães

Tags: DifícilÉNãoBrincar, FestivalInternacionalDeCurtasMetragensDeSãoPaulo, curta-metragem, produçãomineira, Papoula Bicalho, OuroPreto, Congonhas, crianças, brincadeiras, cinemanoescurinho