segunda-feira, 28 de julho de 2014

"100 Passos De Um Sonho", indicado para paladares finos

Helen Mirren interpreta a proprietária e chef de um famoso restaurante francês (Fotos: François Duhamel/Walt Disney Studios/Divulgação)

Maristela Bretas

Aromas e sabores franceses e indianos se misturam na nova produção da Dreamworks Pictures. Estrelada pela grande vencedora do Oscar, Helen Mirren, "100 Passos De Um Sonho" ("The Hundred-Foot Journey") é uma comédia dramática que deverá agradar aos apreciadores da boa gastronomia e da bela fotografia.

                                 TRAILER LEGENDADO


Sob a direção de Lasse Hallström e produção de Steven Spielberg, Oprah Winfrey e Juliet Blake, o filme, baseado no livro "The Hundred-Foot Journey", de Richard C. Morais, de 2010, é ambientado no sul da França. 

Com ingredientes como paixão, sabores exóticos e o conflito de duas fortes culturas a receita tem tudo para ser um sucesso.



O filme conta a história do jovem culinarista indiano Hassan Kadam (Manish Dayal), cuja arte de cozinhar chega quase à perfeição. Ele e sua família, liderada por Papa (Om Puri), se estabelecem no vilarejo de Saint-Antonin-Noble-Val, no sul da França, onde decidem abrir o restaurante Maison Mumbai.

O que eles não contavam era que a proximidade do Le Saule Pleureur, um restaurante francês clássico e com estrela do guia Michelin, da chef Madame Mallory (Helen Mirren), iria abrir uma guerra por espaço, talentos e pratos  a maravilhosos. 


Com uma pitada especial: o romance entre Hassan e Marguerite (Charlotte Le Bon), chef do Le Saule Pleureur. Madame Mallory aos poucos vai descobrindo o talento do jovem e passa a lhe ensinar a arte da culinária francesa.

O trailer foi somente uma prova. O prato principal chega aos cinemas brasileiros dia 28 de agosto.

Tags: 100 Passos de um Sonho; Dreamworks Pictures; drama; comédia; Helen Mirren; Cinema no Escurinho

sábado, 26 de julho de 2014

Drama reúne Robert Downey Jr. e Robert Duvall em outubro

A Warner Bros. Pictures divulgou o primeiro trailer legendado de "O Juiz" ("The Judge"), filme com estreia marcada para 16 de outubro nos cinemas brasileiros. 

O longa é estrelado por Robert Downey Jr. (da franquia "Homem de Ferro"), o vencedor do Oscar, Robert Duvall ("A Força do Carinho") e Vera Farmiga ("Amor Sem Escalas"), com direção de David Dobkin (“Penetras Bons de Bico”).

No drama, o famoso e arrogante advogado Hank Palmer (Downey Jr.), precisa retornar a sua cidade após a morte da mãe e reencontrar o pai, Joseph Palmer (Duvall), de quem se manteve distante por anos. 



A investigação da polícia local coloca o pai de Hank e juiz da cidade como o principal suspeito do assassinato da mãe. E o advogado terá de escolher em retornar para casa ou descobrir a verdade e defender aquele a quem mais odeia.

No elenco estão ainda Vincent D'Onofrio ("Rota de Fuga"), Jeremy Strong ("Lincoln"), Billy Bob Thornton ("Na Corda Bamba") e vários outros atores de séries americanas de TV.

"O Juiz" foi produzido por Susan Downey (mulher de Downey Jr.), David Dobkin e David Gambino ("Valente"), tendo Herbert W. Gains, Robert Downey Jr., Jeff Kleeman e Bruce Berman como produtores-executivos. 

O roteiro é de Nick Schenk ("Gran Torino") e Bill Dubuque, baseado em uma história de Dobkin & Schenk. Thomas Newman ("Walt nos Bastidores de Mary Poppins"), indicado 12 vezes ao Oscar, é o responsável pela música.

Tags: O Juiz; Robert Downey Jr; Robert Duvall; drama; Warner Bros; Cinema no Escurinho

quinta-feira, 24 de julho de 2014

"Sem Evidências" deixa a sensação de que faltou alguma coisa

Três mortos, três acusados e nenhuma prova concreta - esta é a história de"Sem Evidências" (Fotos: Paris Filmes/Divulgação)

Maristela Bretas

Era de se esperar que o filme "Sem Evidências" ("The Devil's Knot"), com menos de duas horas não conseguisse deixar tão clara toda a trama de um dos crimes mais intrigantes ocorrido nos Estados Unidos. Anteriormente, a trilogia "Paradise Lost", com mais de seis horas de duração e um documentário independente com os próprios acusados já haviam explorado bem o assunto. 



Mas o diretor Atom Egoyan conseguiu segurar, dentro do possível, o filme, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas de BH. Ficam, no entanto, muitas dúvidas, que podem fazer o espectador procurar mais informações na Internet. 


Reese Whiterspoon está desperdiçada e com uma atuação apagada como mãe de uma das vítimas. Dá a impressão que sua escolha para o papel foi só para atrair público.

O caso é envolvente, emocionou o país e deu origem ao livro “The Devil's Knot: The True Story of the West Memphis Three”, escrito por Mara Leveritt.


Em 5 de maio de 1993, três meninos - Steve Branch, Christopher Byers e Michael Moore -, todos de 8 anos, saem para passear de bicicleta, em West Memphis, no Estado de Arkansas, e desaparecem. 

Após intensas buscas, os corpos são achados num rio, nus, amarrados e com sinais de espancamento e tortura. Dias depois, três jovens são presos e acusados dos crimes e de ligação com rituais satânicos - Damien Echols, Jason Baldwin, e Jessie Misskelley Jr.. 


Após horas de interrogatório, Jessie confessa os homicídios e acusa os dois amigos. Nem mesmo as evidências contrárias e a falta de provas foram capazes de reverter a condenação do trio - Jessie e Jason pegam prisão perpétua e Damien Echols vai para o corredor da morte. 


Até mesmo a mãe do garoto Steve Branch, Pam Hobbs (Reese Witherspoon, de "Água Para Elefantes"), coloca em dúvida a investigação e a atuação da Justiça. E desconfia que os assassinos podem estar mais perto que imaginava.


Colin Firth ("Discurso do Rei") convence como o investigador particular Ron Lax, que tenta ajudar os advogados de defesa dos rapazes a provar a inocência deles. 

Para quem não lembra ou não acompanhou o caso, batizado de "Os Três de West Memphis", vale como um registro. O filme é bom, mas muitos fatos ficaram mal explicados pela complexidade do caso.

Ficha técnica:
Direção: Atom Egoyan
Distribuição: Paris Filmes 
Duração: 1h54
Gênero: Drama
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 2,0 (0 a 5)

Tags: Sem Evidências, Reese Witherspoon; Colin Firth; drama; Paris Filmes; fatos reais; Os Três de West Memphis; Cinema no Escurinho

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Chicó, avisa Nossa Senhora que o menino Ariano tá chegando!


Ariano Suassuna  morreu de parada cardíaca após uma cirurgia (Foto: Júnior Santos/Tribuna do Norte)

Maristela Bretas

Ele já pegou a primeira estrela e está subindo para fazer companhia a dois amigos que chegaram há pouco tempo. Minha Virgem Maria, toma conta dele, e de  Rubem Alves. E de João Ubaldo Ribeiro. Esses meninos são das letras e vão deixar saudades. 


Mãe de todas as mães, não esquece de deixar papel e caneta que eles gostam de escrever muito. E bonito! Suassuna é o mais levado deles, escreveu até sobre você. E sua história virou filme. E minissérie. E marcou a vida de muita gente, inclusive a minha. Grande "O Auto da Compadecida"! 


Segue em paz Suassuna, direto pro céu que Jesus tá te esperando. Acho que lá pros lados da Bahia.

Tags: Ariano Suassuna, João Ubaldo Ribeiro; Rubem Alves; O Auto da Compadecida; Cinema no Escurinho


"Planeta dos Macacos - O Confronto" é tão bom ou até melhor que o primeiro

Assustador? Então prepare-se para o confronto entre macacos e homens (Fotos: Fox Filmes/Divulgação)

Maristela Bretas

Não havia começado uma análise com uma nota até agora. Mas Andy Serkis (de "O Hobbit: A Desolação de Smaug"), interpretando o macaco Cesar merece um 10 e um Oscar por sua atuação em "Planeta dos Macacos - O Confronto" ("Dawn of the Planet of the Apes"). O filme estreia nesta quinta-feira (24) nos cinemas de BH, mas já desbancou várias outras estreias pelo mundo. E, com certeza, ele é um dos responsáveis pelo sucesso nas bilheterias.



E não é para menos, o filme é tão bom ou até melhor que o primeiro da nova safra - "Planeta dos Macacos - A Origem" (2011). Com mais ação, uma bela fotografia, boas atuações e efeitos especiais, o filme agrada bastante. Nem mesmo o tempo maior - 2h11 - atrapalha. 

As grandes estrelas são os macacos, ou melhor, seus intérpretes, como Toby Kebbell (excelente como Koba), Judy Greer (Cornelia), Karin Konovan (Maurice). Sem desmerecer Jason Clarke e Gary Oldman, vivendo papéis de humanos sobreviventes da quase extinção.

O diretor Matt Reeves soube conduzir bem o enredo, que reforça bons valores praticados pela agora organizada comunidade primata, tais como família, lealdade, lar e principalmente, união. Bom exemplo é a frase dita por alguns deles e ensinada na escolinha símia: "Macaco não mata macaco".


Dez anos após fugirem para as matas, o grupo de macacos geneticamente modificados, liderados por Cesar (Serkis), vive livre e em paz na floresta próxima a San Francisco, sem contato com os humanos. 

Estes enfrentam uma das maiores epidemias de todos os tempos, causada por um vírus criado em laboratório, chamado vírus símio. Os sobreviventes moram em fortalezas e estão em busca de energia para retomarem a normalidade.



Um grupo liderado por Malcolm (Jason Clarke, de "A Hora mais Escura") vai à floresta e tem o primeiro contato com os macacos e seu líder, numa situação nada amistosa.

Enquanto Dreyfus (Gary Oldman, de "Robocop"), líder dos humanos, quer atacar os primatas, Malcolm se torna amigo de Cesar e os dois se unem para tentar impedir o confronto de suas raças. 

Vale a pena conferir. "Planeta dos Macacos - O Confronto" é uma das grandes estreias do ano, exibida também na versão 3D digital.

                                                                                                                                           
                                              Galeria de fotos


Ficha técnica:
Direção: Matt Reeves
Produção: 20th Century Fox
Distribuição: Fox Filmes
Duração: 2h11
Gênero: Ação/Ficção
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 5 (0 a 5)

Tags: Planeta dos Macacos - O Confronto; Andy Serkis; Gary Oldman; Jason Clarke; Fox Filmes; ação, ficção; Cinema no Escurinho

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Paramount divulga novo trailer de "As Tartarugas Ninja". legendado

Depois de "Transformers - A Era da Extinção", Michael Bay volta com uma nova versão dos super-heróis cascudos, ainda mais fortões. E a mocinha, para não perder o hábito, é Megan Fox. Confira!




Segunda temporada de Clássicos Cinemark




Maristela Bretas

Após o sucesso da primeira temporada de "Clássicos Cinemark", a rede de cinemas  volta com uma nova safra de bons filmes para relembrar, com legendas em português e em alta definição.  

As entradas custam R$ 14,00 a inteira e R$ 7,00 a meia. As exibições acontecem sempre  sábado, às 23:55, domingo, às 12:30, e quarta-feira, às 19:30. 
Nesta quarta-feira (23) ainda dá tempo de assistir a "O Poderoso Chefão". 

Acompanhe a  sequência de exibições e não perca esta chance:
- 26, 27 e 30 de julho: Forrest Gump;
- 2, 3 e 6 de agosto: Império do Sol;
- 9, 10 e 13 de agosto: A História Sem Fim;
- 16, 17 e 20 de agosto: Quanto Mais Quente Melhor 
- 23, 34 e 37 de agosto: Lawrence da Arábia.

"Juntos e Misturados" é uma comédia leve e descompromissada, com cara de domingo com pipoca


Adam Sandler e Drew Barrymore juntos pela terceira vez numa comédia (Fotos: Warner Bros./Divulgação)

Maristela Bretas

Chega a ser estranho assistir um filme com Drew Barrymore no papel de mãe de dois jovens. A linda garotinha que aos 4 anos de idade fez um dos papéis mais fofos de sua carreira em "ET - O Extraterrestre", já não consegue disfarçar as marcas dos anos. Sua personagem em "Juntos e Misturados" ("Blended"), em cartaz nos cinemas, não combina muito com ela, mas a beleza e a simpatia compensam.



Esta é a terceira comédia em parceria com Adam Sandler - as outras duas foram "Afinado no Amor" (1998) e "Como Se Fosse a Primeira Vez" (2004) - que considero ainda melhores. Por sinal, o tempo tem sido bem mais cruel com ele, que não muda o tipo de personagem, mas tem fãs cativos.

A comédia é bem a cara da dupla, daquelas que você assiste numa tarde, com a família, um baldão de pipoca no colo e um copão de refrigerante. Apesar de alguns diálogos mais escrachados, bem ao estilo Sandler, é divertida, garante boas risadas e dá para relaxar, mesmo com o título em português resumindo o enredo. 

"Juntos e Misturados" conta a história de Jim (Adam Sandler), um viúvo com pouca experiência em sair com outras garotas, conhece Lauren (Drew Barrymore), que vive a mesma situação. Mas o primeiro encontro é um desastre e os dois não querem se ver nunca mais. 

Separada e com dois filhos adolescentes, Lauren aproveita a oportunidade de levá-los a uma viagem de uma semana à África que a amiga e sócia Jen (Wendi McLendon-Covey) recusou de fazer com o namorado, pai de cinco filhos. 

O que Lauren não imaginava era que o mesmo pacote havia sido passado a Jim e suas três filhas. Ao chegarem ao resort de luxo, as duas famílias descobrem que terão de dividir o mesmo quarto e conviverem com suas manias e carências. 

Além das locações na África, o elenco tem também um destaque que garante boas risadas - o fortão bombadão Terry Crews (de "Os Mercenários 1, 2 e 3") faz o papel do cantor Nickens, que comanda o show e uma banda e aparece nos momentos mais impróprios.

Ficha técnica:
Direção: Frank Coraci
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 1h57
Gênero: Comédia 
País: EUA
Classificação: 10 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: Juntos e Misturados; Drew Barrymore; Adam Sandler; Terry Crew; comédia; Warner Bros. Pictures; Cinema no Escurinho

sábado, 19 de julho de 2014

De final previsível, "O Melhor Lance" prende pela direção de Giuseppe Tornatore

Geoffrey Rush vive um amor platônico por uma cliente que se esconde por trás de uma porta (Fotos: Paris Filmes/Divulgação/)

Maristela Bretas

O diretor Giuseppe Tornatore talvez não consiga obter o mesmo sucesso de "Cinema Paradiso", com a produção "O Melhor Lance" ("La Migliore Offerta"), em cartaz nos cinemas. Mas nem por isso o filme não mereça ser visto. A bela fotografia, o movimento de câmera e a excelente interpretação de Geoffrey Rush já compensam.



Além disso, a trilha sonora foi novamente entregue ao maestro Ennio Morricone, acompanhado pela Orquestra Sinfônica Nacional Tcheca. Para as locações do filme foram usadas as cidades italianas de Trieste, Bolzano, Parma, Milão e Roma, além de Viena e Praga.

"O Melhor Lance" conta a história do velho e excêntrico leiloeiro Virgil Oldman (Geoffrey Rush). Profissional de prestígio e muito requisitado pelo mundo para os mais finos e caros leilões de arte e antiguidades, ele é um homem que evita o contato direto com as pessoas, exceto com o velho amigo, Billy (papel de Donald Sutherland).


Uma jovem e misteriosa cliente o procura para colocar à venda toda sua coleção de artes, deixada pelos pais como herança e que se encontra guardada na mansão da família. 

Assim como seu leiloeiro, Claire Ibbetson (Sylvia Hoeks), também não gosta de encontrar pessoas e por boa parte do filme conversa com Virgil sem que ele a veja, levando-o a criar um amor platônico.

O outro amigo, o conserta-tudo Robert (Jim Sturgess) é o único a quem Virgil confessa seu amor por Claire e ele o incentiva a também conquistar o coração da jovem. 


Entre idas e vindas, o suspense começa a ganhar força, mas os diálogos dos personagens praticamente escancaram o final. 

Talvez tenha sido essa a intenção do diretor que, de forma elegante, consegue prender o espectador, que vai querer ver como será o desfecho já previsto da trama.


Ficha técnica
Direção: Giuseppe Tornatore
Produção: Paco Cinematografica/Warner Bros. Entertainment Italia
Distribuição: Paris Filmes
Duração: 2h11
Gênero: Drama/Suspense
Classificação: 14 anos
País: Itália
Nota: 3,9 (0 a 5)


Tags: O Melhor Lance; Giuseppe Tornatore; Geoffrey Rush; Sylvia Hoeks; Jim Sturgess; drama; suspense; Paco Cinematografica; Warner Bros. Pictures; Cinema no Escurinho

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Herói voador da Disney volta com nova roupagem e homenagem aos bombeiros

Dusty precisa se tornar um bombeiro do ar e vai contar com a ajuda de novos amigos (Fotos: Disnei Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas

Há menos de um ano, em 13 de setembro do ano passado, "Aviões", a animação da Disneytoon Studios, uma das divisões da Disney, estreava nos cinemas de BH, aproveitando o sucesso de "Carros", produzido pelo irmão mais rico, o estúdio Pixar. 



Garantido o sucesso do primeiro, nada como já deixar engatilhado o segundo, que devido às cenas aéreas de combate aos incêndios é superior. Pode agradar não só a meninada mas também aos adultos.

E a estreia de "Aviões 2: Do Fogo ao Resgate" ("Planes: Fire & Rescue") é nesta quinta-feira (17), nos cinemas de BH, sob a direção de Roberts Gannaway. A animação tem versão em 3D que é muito bem explorada nas cenas sobre os parques nacionais e nos incêndios.

Nosso herói de asas, Dusty Voo Rasante, sofre uma pane no motor e está ameaçado de nunca mais poder competir (impossível não associar com dramas reais que acontecem com atletas).

Ele precisará contar com o apoio de velhos e novos amigos para vencer seu problema, se tornar um bombeiro do ar e retomar a carreira de corredor. 

A nova aventura Disney, que conta com diálogos bem humorados, traz uma bela mensagem de superação, trabalho em equipe e respeito a verdadeiros heróis anônimos.

Para quem não se lembra de "Aviões", um trailer para recordar. 



E se o primeiro filme não foi o suficiente, a Disneytoon tem outros bons motivos para querer levar as crianças para assistir as novas aventuras do valente aviãozinho. Se em "Aviões" Ivete Sangalo fez a voz de um dos personagens, desta vez é a divertida atriz Tatá Werneck quem empresta seu humor à fogosa Dipper, um avião-tanque fã de Dusty e que não perde uma chance de "dar uma cantada" no coitado.

 A animação é mais uma homenagem que a Disney presta a outros bravos heróis, desta vez os bombeiros, que arriscam suas vidas para salvar a de outros. 

Aproveitando que o combate ao fogo é pura adrenalina, nada como a banda AC/DC para fazer a coisa "incendiar" ao som de “Thunderstruck”. 

Não bastasse o sucesso dos aviões e carros da história, desta vez a produção reuniu um grupo de pequenas empilhadeiras - os Smokejumpers - que dá um show a parte. E elas ainda pulam de paraquedas!

E para a criançada a Disney disponibilizou vários jogos na página do filme. Basta acessar http://movies.disney.com/planes-fire-and-rescue e escolher qual game jogar.

Ficha técnica:
Direção: Bobs Gannaway
Produção: Disneytoon Studios
Distribuição: Disney
Duração: 1h24
Gênero: Animação
País: EUA
Classificação: Livre
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: Aviões 2 - Do Fogo ao Resgate; Estúdios Disneytoon; animação; Dusty Voo Rasante; bombeiros; Cinema no Escurinho

"Pelo Malo" - miséria, imagem e preconceito

Destaque para Samuel Lange Zambrano no papel de Júnior (Fotos: Pyramide Distribution/Divulgação)

Mirtes Helena

Júnior tem nove anos e tem um sonho: alisar os cabelos para parecer bem na sua foto anual de escola. Mas o garoto é venezuelano e, como os brasileiros, mestiço. Por isso, topa fazer qualquer loucura para se parecer com os artistas brancos e de cabelos lisos. Sua mãe, Marta, é viúva, tem mais um filho bebê, luta para criá-los no meio da pobreza e tem um medo: seu filho pode ser gay. 




E como, muitas vezes, a miséria resulta em ignorância, ela vai fazer loucuras para que seu filho não se transforme num homossexual. O resultado é uma relação de poucas palavras, rude, quase cruel entre os dois.

O filme venezuelano "Pelo Malo" pode até fazer rir, como por exemplo diante das experiências do menino para alisar os cabelos, ou do desejo explícito de sua amiguinha de escola, que, mesmo gordinha, quer ser miss. Afinal, a história se passa na Venezuela, o país que mais produz rainhas da beleza no mundo. 


Pode ser cômica também a tentativa da avó bizarra de Júnior, Carmem, que quer transformá-lo em um cantor de sucesso. Mas o filme fala mesmo é de preconceito e discriminação. Por isso é triste.

São raros os filmes venezuelanos em nosso circuito. E é possível observar nele um jeito de interpretar que talvez seja similar a dos atores argentinos e brasileiros. Samantha Castillo, que faz a sofredora mãe do menino, é crua. Mulher acostumada ao subjugo, traz no rosto, no corpo, no olhar e até no andar os sinais de uma vida de humilhações. E faz isso com tanta naturalidade que choca. 

Aliás, um dos méritos de "Pelo Malo" está nas interpretações. É preciso aplaudir também, além da avó maluca (Nely Ramos), o protagonista, feito por Samuel Lange Zambrano. O menino é um show, grande achado da diretora Mariana Rondón.

Em tempo: a tradução literal de "Pelo Malo" é "Cabelo Ruim". Mas o título do filme não foi traduzido. Quem sabe para evitar nomear mais preconceitos e discriminações.

Tags: Pelo Malo; Mariana Rondón; venezuelano; Samuel Lange Zambrano; Samantha Castillo; drama; Cinema no Escurinho

segunda-feira, 14 de julho de 2014

"Transformers: A Era da Extinção" superprodução com direito a megacarros e dinossauros

Optimus Prime volta com mais poder e liderando os Autobots contra o novo ataque (Fotos: Paramount Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas

Não precisava ser tão longo - 2h45 de duração, mas como Michael Bay tenta se superar a cada novo filme, "Transformers - A Era da Extinção" ("Transformers - Age of Extinction") não poderia ser diferente. Mas nem por isso deixa de ser uma megaprodução, que enche os olhos e estreia nesta quinta-feira nos cinemas de BH, nas versões de 2D e 3D. Sobram explosões, tiros, ataques alienígenas e, principalmente, novos Autobots ainda mais poderosos.



Os inimigos não ficam atrás e batem com vontade e deixam as batalhas muito boas, tanto em Chicago (porque sempre querem destruir esta cidade?) quanto em Hong Kong. O que muda do último - "Transformers - O Lado Oculto da Lua"? Um Megatron que volta com nova roupagem, agora como Galvatron, assim como Optimus Prime, o líder dos Autobots, que ganha um destaque maior.

Ao contrário dos três primeiros filmes - "Transformers" (1986), "A Vingança dos Derrotados" (2009) e "O Lado Oculto da Lua" (2011), neste quarto Shia LaBeouf dá lugar a Mark Wahlberg (de "Dose Dupla"), que inicia uma nova fase da franquia.

Agora, os Autobots passam a ser caçados pelos humanos, que não os querem vivendo na Terra, temendo um novo ataque dos Decepticons. Eles vivem escondidos até que o cientista Cade Yeager (Wahlberg), um tipo Professor Pardal que junta sucata para seus inventos, encontra um velho caminhão abandonado. 


Ao reativá-lo, descobre que ele é Optimus Prime. Por ajudarem os Autobots, Cade, a filha Tessa (Nicola Peltz, de "Bates Motel") e o namorado dela, Shane Dyson (Jack Reynor, de "De Repente Pai") passam a ser perseguidos por autoridades americanas. 

Além de um grupo de exterminadores que trabalha para os novos robôs/carros Decepticons. Por sinal, a escolha dos carros foi excelente - um Pagani Huayra vermelho e uma Lamborghini Aventador preta.


Para completar, outro cientista e também dono de um grande complexo de pesquisas, Joshua Joyce (o ótimo Stanley Tucci, de "O Diabo Veste Prada"), usa peças de Autobots destruídos para construir o Galvatron. 

Cade se une ao novo grupo de Optimus Prime, que não fica atrás em beleza e potência -um Corvette Stingray verde, um Bugatti Veyron preto e azul e, claro, Bumblebee, o super Camaro amarelo, que volta reestilizado e ainda mais bonito.


Lançado em vários países, "Transformers - A Era da Extinção", que custou US$ 210 milhões, já faturou mais de US$ 750 milhões, superando "X-Men - Dias de Um Futuro Esquecido" e "Capitão América 2: O Soldado Invernal". 

E para conquistar um mercado geralmente fechado para produções norte-americanas, o diretor Michael Bay gravou parte das filmagens na China. 


E com direito a destruição de uma cidade, como aconteceu em "Godzilla". De quebra, usou a atriz chinesa Li Bingbing, de "Resident Evil 5: Retribuição".

E se tudo isso não bastar para levar o público ao cinema, ainda restam os dinossauros mecatrônicos - os dinobots -, que cospem fogo igual a um dragão. Show! Boa pedida para quem quer ação e aventura.

                                                                       Galeria de fotos

Ficha técnica:
Direção: Michael Bay
Produção: Hasbro, Inc. / Di Bonaventura Pictures
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 2h45
Gênero: Ação
País: EUA/China
Classificação: 12 anos
Nota: 4,8 (0 a 5)

Tags: Transformers: A Era da Extinção; Michael Bay; ação; Hasbro; Paramount Pictures; Mark Wahlberg; Cinema no Escurinho

domingo, 13 de julho de 2014

Para os amantes do terror, recomendo "O Espelho"

Maristela Bretas

A categoria "terror" não é das minhas preferidas. O último filme que assisti e gostei pela boa produção foi "Mama", exibido em 2013. 

Agora tive a oportunidade de ver "O Espelho" ("Oculus"), em cartaz nos cinemas de BH, e achei muito bom. Acredito que o longa possa agradar àqueles que querem sair dos filmes água com açúcar, muita porrada ou excesso de efeitos especiais com pouca história.

"O Espelho" conta a história dos irmãos Tim (Brenton Thwaites, de "Malévola") e Kaylie Russell (Karen Gillan, de "Doctor Who") que sofreram um grande trauma na infância com a morte dos pais. Depois disso, Tim passa internado numa clínica, enquanto Kaylie segue sua vida, mas mantendo a obsessão de se vingar daquilo que destruiu sua família.



Ao deixar a clínica, ele não quer mais ouvir falar do passado. Mas a irmã o envolve num plano para acabar com um ser sobrenatural que habita o espelho que pertenceu à família e seria o responsável pelas mortes dos pais.


O suspense cresce a cada cena, com o diretor Mike Flanagan criando situações em que presente e passado se misturam de tal forma que dão a impressão de ser um só. 

Os dois protagonistas conduzem bem a trama, principalmente Karen Gillan. No elenco estão ainda Katee Sackhoff e Rory Cochrane (das séries de TV "CSI" e "CSI Miami", respectivamente), que interpretam os pais dos jovens. 

Não espere muitos pulos na cadeira, mas as cenas de suspense valem a pena.

Ficha técnica:
Direção: Mike Flanagan
Distribuição: Playarte Pictures
Duração: 1h44
Gênero: Terror
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: O Espelho; Oculus; Karen Gillan; terror; suspense; Playarte Pictures; Cinema no Escurinho

sábado, 12 de julho de 2014

UNA abre inscrições para curso de pós-graduação em Crítica de Cinema

A renovação do universo cinematográfico levou cinéfilos e apreciadores da sétima arte a buscarem aperfeiçoamento e melhor conhecimento da história do cinema e sua linguagem.

Para atender a esta demanda, a UNA desenvolveu o curso de Pós-Graduação em Crítica de Cinema, visando a formação de especialistas conhecedores da linguagem e da história do cinema e com capacidade de estabelecer análises críticas de produções audiovisuais. 

O curso é direcionado a jornalistas, produtores audiovisuais, professores, demais profissionais e pessoas interessadas em ampliar seus conhecimentos neste campo que desejam atuar como críticos de cinema.

A duração é de um ano, começando em agosto de 2014, dividido em quatro módulos, num total de 432 horas/aula. As aulas acontecerão no campus Guajajaras - Rua Guajajaras, 175 - Centro, em BH.

As inscrições podem ser feitas pelo endereço http://blogs.una.br/pos/curso/pos-graduacao-em-critica-de-cinema/

sexta-feira, 11 de julho de 2014

"Amor Fora da Lei" é drama/faroeste no melhor estilo amor bandido

Ruth e Bob juram amor eterno mesmo separados pela prisão (Fotos: Paris Filmes/Divulgação)

Maristela Bretas

"Amor Fora da Lei" ("Ain't Them Bodies Saints") foge da mesmisse e agrada muito. Destaque para a bela fotografia e imagens em tons pastéis, que reforçam a época em que é ambientado - a década de 70, em Texas Hill Country, nos Estados Unidos.



O filme, que entrou nesta quinta-feira em cartaz nos cinemas de BH,  conta a história do casal Bob Muldoon (Casey Affleck, de "Tudo Por Justiça"); sua mulher, Ruth Guthrie (Rooney Mara, de "Ela"), que vive uma vida de pequenos crimes. 

Até que, pouco antes de outro furto, ela descobre que está grávida e quer deixar a criminalidade. Durante e fuga da polícia após o furto, um policial é ferido e Bob preso.

Durante anos, Ruth e Bob se correspondem por meio de cartas. Até que ele consegue fugir da prisão para tentar reencontrar a mulher e a filha pequena que ele não conhece. 


Mas o xerife da cidade, Patrick Wheller (papel de Ben Foster, de "O Grande Heroi") não pretende deixar Bob fugir novamente.

Também fazem parte do elenco os atores Nate Parker e Keith Carradine, que inclusive canta uma das músicas da trilha sonora, composta por muita música country e arranjos de banjos.

Segundo longa-metragem do roteirista e diretor David Lowery, o filme foi desenvolvido no Laboratório de Roteiro e Produção do Sundance Institute. 

A produção recebeu o prêmio de Melhor Fotografia no Sundance Film Festival em 2013 e foi exibida na Semana da Crítica do Festival de Cannes no mesmo ano.

Ficha técnica:
Direção: David Lowery
Produção: The Weinstein Company
Distribuição: Paris Filmes
Duração: 1h37
Gênero: Drama
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: Amor Fora da Lei; Festival de Cannes; Casey Affleck; Keith Carradine; Rooney Mara; drama; faroeste; Paris Filmes; Cinema no Escurinho

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Ralph Fiennes excelente em "Grande Hotel Budapeste"

Uma grande amizade nasceu entre o jovem mensageiro Zero e o concierge Gustave (Fotos: Fox Filmes/Divulgação)

 Maristela Bretas

Uma história dentro de uma história. Assim começa o ótimo filme "Grande Hotel Budapeste" ("The Grand Budapest Hotel"), que tem Tim Wilkinson como seu primeiro narrador. 

Ele é um escritor que vai contar sua experiência com o dono do famoso hotel, o Sr. Moustafa (interpretado por F. Murray Abraham), que o escolheu, ainda um jovem escritor (vivido por Jude Law) para contar como conseguiu se tornar dono do estabelecimento, que resistiu a duas guerras que atingiram a Europa.



Moustafa conta a história de Gustave (grande interpretação de Ralph Fiennes), o lendário concierge do famoso Grand Budapest Hotel, que o ensinou a ser um bom mensageiro e concierge, quando ainda era jovem e só conhecido como Zero Moustafa (papel de Tony Revolori).


Desta relação de trabalho e aprendizagem, surge uma amizade fiel e que vai durar por muitos anos. Após a morte de uma das clientes mais frequentes do hotel (e amante de Gustave), a briga por uma herança e o roubo de uma das peças de arte da milionária, a dupla se vê envolvida numa grande perseguição.

A trama envolve ainda outros conhecidos nomes do cinema, como Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Harvey Keitel, Bill Murray, Edward Norton, Owen Wilson e Adrien Brody. Uma ótima produção já em cartaz nos cinemas. Vale conferir.

Ficha técnica:
Direção: Wes Anderson
Distribuição: Fox Filmes
Duração: 1h40
Gênero: Comédia
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)


Tags: Grande Hotel Budapeste; F. Murray Abraham; Jude Law; Ralph Fiennes; Fox Filmes; comédia; Cinema no Escurinho