quinta-feira, 5 de abril de 2018

Abusando do sensorial, "Um Lugar Silencioso" tem tudo para ficar para a posteridade

Emily Blunt é a mãe que luta de todas as formas para proteger os filhos de uma criatura bestial que é atraída pelo som (Fotos: Paramount Pictures/Divulgação)

Wallace Graciano


Filmes de terror sempre abusaram do sensorial. Para prender os expectadores nas poltronas, com frequência os diretores exageraram nos cortes rápidos e no “sobe som”. Porém, a fórmula se tornou exaustiva, vez ou outra variando entre os roteiros com ou sem a presença de fantasmas ou da "azeitona na empada”. E é justamente ao fugir dessa seara que "Um Lugar Silencioso" ("A Quiet Place") tem tudo para, talvez, ser um dos grandes filmes do gênero da história.

Dirigido por John Krasinski, que já havia comandado três episódios da série “The Office”, a película é uma das mais audazes do gênero dos últimos tempos. Enquanto a evolução tecnológica permite imagens límpidas e cada vez mais reais, o que possibilitaria enquadramentos angustiantes para os amantes do terror, este filme destaca-se por abusar do som para explorar o lado sensorial quase que claustrofóbico, que prende o expectador na cadeira de forma angustiante.

Krasinski consegue, em uma mesma cena, trazer a tensão dos sussurros, a leveza dos sons da natureza e o horror pela morte iminente. A sutileza em que ele varia os quadros faz com que o expectador não tenha fôlego para racionar, vivendo em uma imersão pouco proporcionada pelas últimas obras. Aliado a isso, soma-se o roteiro simples, mas intenso, de Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, que justificou todo o trabalho da direção. Ao longo da trama, não há espaço para pensar, somente agir, em puro instinto de sobrevivência.

Krasinski também atua, mas, nesse quesito, quem se destaca é Emily Blunt (sua esposa na vida real e na obra), que, além da química perfeita com o protagonista, consegue retratar toda a dor e sofrimento de uma mãe que tenta salvar suas crias. O filme se passa em um cenário pós-apocalíptico. A grávida Evelyn Abbott (Blunt) e o marido Lee (Krasinski) tentam manter vivos seus dois filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe) em um mundo onde o menor ruído pode despertar uma criatura bestial, cega, mas que é atraída por sons e não perdoa quem está em seu caminho.

Emily Blunt conta como ela se identifica com a personagem. "Para mim, como mãe, representa meu maior medo. Quem somos nós se não conseguirmos protegê-los? É sobre o que eles terão que superar. É um filme muito tenso e assustador”, opina a atriz. Clique aqui para ver o making off.

Após perder um de seus filhos, eles se isolam em uma fazenda no meio-oeste dos EUA tentando criar um plano para contra-atacar a criatura, em meio à tensão de manter o instinto de sobrevivência alerta. É nesse miolo que o expectador é preso a cada quadro. "Um Lugar Silencioso" foge à tônica do gênero. A película é um entretenimento sufocante, porém belo, que precisa ser visto. É uma obra para a posteridade.



Ficha técnica:
Direção e roteiro: John Krasinski
Produção: Paramount Pictures / Platinum Dunes
Distribuição: Paramount Pictures
Duração: 1h30
Gêneros: Suspense / Terror
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4,5 (0 a 5)

Tags: #UmLugarSilencioso, #JohnKrasinski, #EmilyBlunt, #terror, #suspense, #ParamountPictures, #espaçoz, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho