22 janeiro 2022

Com poucas palavras e muita criatividade, "Poropopó" traz de volta o encanto e a magia do circo

História é centrada na família Dandelion e sua forma de fazer do mundo um lugar mais alegre e divertido (Fotos: Juliana Pereira/Divulgação)


Maristela Bretas


O circo não perdeu sua magia. Prova disso é a linda e contagiante produção "Poropopó", que tem pré-estreia nacional online neste sábado (22), dentro da programação ínfantojuvenil da Mostrinha da 25ª Mostra de Cinema Tiradentes. A produção já está disponível e pode ser assistida gratuitamente até as 23h59 do dia 29 de janeiro. Basta clicar no link https://mostratiradentes.com.br/filme/poropopo/.

E para quem acha que o cinema mudo está ultrapassado,. "Poropopó" prova o contrário. Usando uma linguagem universal que dispensa palavras, o longa-metragem será facilmente compreendido pelos pequenos, que acabam se envolvendo com a mágica história. As crianças vão torcer com as aventuras dos personagens e cantar a música-tema - Poropopó - que gruda na mente como um chiclete.


Com muita cor, sons, desenhos e malabarismos, a produção é bem divertida, cheia de vida e traz referências ao mundo do circo que muitos acreditam que tenha deixado de existir. Como num passe de mágica, ele ganha força por meio de uma família de palhaços que vai transformar toda uma comunidade usando criatividade e seu símbolo mais precioso: a flor Taraxacum, que no Brasil é conhecida como Dente-de-leão.


Criado por Denise Bernardes e dirigido por Luís Antônio Igreja, o filme conta a história de Julieta Dandelion (Letícia Pedro), uma palhacinha adolescente que nasceu e cresceu junto com sua grande família sob a lona do circo. Ela vê seu sonho de manter a magia circense quebrado com a chegada de um irmãozinho e a decisão dos pais de deixarem a vida nômade para morar numa casa na cidade. A jovem atriz entrega uma ótima atuação.


Resta a Julieta se adaptar à nova realidade de um teto de tijolos. Além da adaptação, a jovem também terá de viver outras mudanças, se apaixonar, lutar pelo direito de expressar sua arte e se tornar uma líder entre os jovens locais. Para isso vai contar com a ajuda do novo amigo e vizinho Romeu da Silva (Luigi Montez), um jovem todo conectado, que gosta de passar o dia olhando para um tablet e brincando de filmar com um drone. 


Uma novidade para Julieta, que sempre viveu uma realidade lúdica, de magia, desenhos e fantasias. Ela vai ensinar ao novo amigo que, para conhecer o mundo, basta levantar a cabeça e olhar ao redor, fora da tela. 

Chama atenção os trajes de Julieta, semelhantes aos da boneca Emília, do Sítio do Picapau Amarelo, que também era espevitada, brigona e não levava desaforo para casa. Será com esse espírito que a jovem irá lutar pelo circo que idealizou montar um dia na praça da nova cidade, atraindo todos aqueles dispostos a mostrarem seus talentos. 


Como o mendigo que dormia na praça e ninguém notava, ou a florista, o entregador de flores, a moradora solitária em busca de um amor. Até mesmo aqueles que vivem sob o domínio do medo e da repressão vão se descobrir. A todo momento, o filme ensina que gentileza gera gentileza e que isso é uma das melhores formas de unir as pessoas.

Rodado em 2018 na cidade de Nova Friburgo (RJ), o longa foi dedicado por seus criadores à memória do diretor Roberto Farias, falecido naquele ano. Conta com um elenco formado basicamente por artistas de grupos teatrais locais. Destaque para Amir Haddad como Zé Dandelion, avô da menina, e André Abujamra, a Mulher Barbada, sua avó.  


André Garcia Alvez garante as cenas divertidas da produção. Ator e palhaço na vida real, ele trabalha há 30 anos com teatro de rua e interpreta Migué Dandelion, pai de Julieta. Seu personagem solta puns barulhentos, é bem atrapalhado mas encantador e carinhoso e não deixa a fantasia de palhaço de lado nem quando procura emprego, mantendo sempre a maquiagem e o nariz vermelho.

"Poropopó" representa o sonho de cada um que se torna possível graças a uma palhacinha que correu atrás e brigou para realizar seu próprio sonho e mostrou que isso era possível para todos. Com criatividade, força e encanto, coisas que a magia do circo podem proporcionar. Imperdível.


Mostrinha 

Além de "Poropopó", a Mostrinha apresenta no próximo final de semana outro longa-metragem, “Pequenos Guerreiros”, da diretora Bárbara Cariry. O filme ficará disponível das 10h30 do dia 28 até às 23h59 do dia 29 de janeiro e poderá ser acessado pelo link https://mostratiradentes.com.br/filme/pequenos-guerreiros/.  

Nos dias 29 e 30 haverá a exibição gratuita de cinco curtas que tratam sobre perdas, amores, descobertas e resistências: "Raone", "A Primeira Perda da Minha Vida", "Nonna", "O Fundo dos Nossos Corações" e "Rua Dinorá". Eles poderão ser acessados pelo link  https://mostratiradentes.com.br/filmes/mostrinha/.

Curte "Nonna" (Foto: Universo Produção)

25ª Mostra de Cinema de Tiradentes

Maior evento do cinema brasileiro contemporâneo em formação, reflexão, exibição e difusão realizado no país, a Mostra de Cinema de Tiradentes chega a sua 25ª edição, iniciada nessa sexta-feira com encerramento no dia 29 de janeiro de 2022, em formato online.

Serão mais de 100 filmes brasileiros em pré-estreias nacionais e mostras temáticas, com homenagem a personalidades do audiovisual, seminários, debates, a série Encontro com os filmes, oficinas, Mostrinha de Cinema e atrações artísticas. Toda a programação é gratuita. Maiores informações no site oficial: www.mostratiradentes.com.br.


Ficha técnica:
Direção: Luis Antônio Igreja
Roteiro: Denise Bandeira e Rodrigo Parra

Produção: Samba Filmes/ Leblon Filmes / Valkyria Filmes

Exibição: online gratuita de 22 a 29 de janeiro, pelo link https://mostratiradentes.com.br/filme/poropopo
Duração: 1h20
Classificação: Livre
País: Brasil
Gêneros: família / ficção / infantojuvenil
Nota: 4,5 (de 0 a 5)

21 janeiro 2022

Drama psicológico com pinceladas de terror, "Vozes do Passado" estreia em plataformas digitais

Julia Ormand é o destaque interpretando uma mãe manipuladora e opressiva (Fotos: AtômicaLab)


Maristela Bretas

Com narrativa arrastada e confusa nos primeiros 20 minutos (a duração é de 1h34), o drama psicológico "Vozes do Passado" ("Reunion") já está disponível para compra e aluguel nas plataformas digitais Claro Now, Vivo Play, Tunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes. Apesar de ter em seu elenco principal a ótima Julia Ormand (como Ivy) e Emma Draper (Ellie) que entregam boas atuações, elas só começam a mostrar seus trabalhos  depois de meia hora de exibição.

Mesmo assim, o diretor e também roteirista Jack Mahaffy fica indeciso se quer explorar a instabilidade emocional de Ellie que se agrava com lembranças do passado, ou se quer seguir para o lado do terror provocado na mente da jovem pela antiga casa da infância. Mas as situações que deveriam assustar não abalam nem criancinha, são bem básicas e só vão melhorar no final. 


Não acredito que a proposta do filme seja a de assustar. O roteiro, apesar das muitas cenas paradas, trabalha muito em cima de flashbacks que provocam dúvidas no espectador sobre a sanidade da jovem e de sua família e o que está por trás de toda trama.

Passados 12 anos da morte da meio-irmã Cara (Ava Keane), Ellie, é uma escritora, está grávida e separada do pai da criança. Ela retorna à casa onde viveu com os pais, Ivy e Jack e, imediatamente começa a ter visões e a sensação de que está sendo perseguida por algo ou alguém. 

A culpa pela tragédia que marcou sua vida no passado, alimentada por uma mãe possessiva, controladora e também instável, vai agravar o fraco lado emocional da jovem..


Emma Draper está bem no papel, mas é Julia Ormand quem se destaca como Ivy, uma mulher com raiva da situação que se encontra, cuidando de um marido inválido que ela odeia por todas as traições que ele lhe impôs durante o casamento, que esconde segredos cruéis. Ela quer manipular de novo a vida da filha como se ela fosse ainda uma garotinha. E também a do filho que ela espera, apossando dele como se fosse seu.

A relação turbulenta e doente entre mãe e filha vai forçando Ellie a enfrentar o passado e a verdade sobre a morte da irmã, da qual se julga culpada. No elenco estão ainda Gina Laverty (como Ellie jovem, cujo olhar dá até medo), Cohen Holloway (namorado da jovem) e John Back (Jack, marido de Ivy e pai de Ellie e Cara).

Filmado na Nova Zelândia, “Vozes do Passado” exige paciência até metade do filme, mas tem um bom elenco e um final que é quase previsível, mas agrada. O longa poderá ser encontrado nas versões dublada e legendada. 


Ficha técnica:
Direção e roteiro: Jack Mahaffy
Distribuição: Synapse Distribution
Exibição: Claro Now, Vivo Play, Tunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes
Duração: 1h34
Classificação: 14 anos
Gêneros: Drama / Terror