quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Chico, um simples artista brasileiro de bem com a vida

Documentário mostra um Chico Buarque falante e bem humorado (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni

Se tivesse de resumir, com uma única palavra, o filme "Chico - Artista Brasileiro" usaria, sem dúvida, a expressão "honestidade". Sem rodeios, sem salamaleques, sem maiores invenções, o documentário de Miguel Faria Jr. é absolutamente honesto ao contar - e deixar contar - a trajetória do nosso maior artista. E o que é melhor: o próprio Chico fala de si mesmo e de sua carreira com simplicidade e fluência, que resulta no final num sentimento de "quero mais".

Diretor de "Vinícius", de 2005, documentário que é recorde brasileiro de público no gênero, Miguel Faria Jr. optou por uma fórmula parecida. Se, no primeiro filme, os depoimentos de parceiros e amigos de Vinícius de Moraes eram intercalados com canções e poemas de sua lavra, no segundo é o próprio Chico, na maioria das vezes, que conta as histórias sentado no escritório de sua casa no Leblon. De novo, os números musicais - especialmente gravados para o filme - intercalam as falas, tudo na medida certa.

Um detalhe que chama a atenção no documentário é o humor do artista, o que imprime leveza ao filme. Mesmo quando fala de passagens e percalços terríveis da sua trajetória como a censura implacável da ditadura e os anos de exílio na Itália, Chico ri, faz graça, em paz com a sua maturidade. Seu livro mais recente, "O irmão alemão", no qual ele conta a descoberta e a dolorosa busca de um irmão desconhecido, permeia todo o filme e é também com naturalidade e honestidade que o artista fala do processo.

Procurando sair do óbvio, as canções do filme surpreendem: da brejeira "Biscate", num delicioso dueto de Mart'Nália e Adriana Calcanhoto, passando por "Mar e Lua", com Mônica Salmaso, e "Uma canção desnaturada", aquela do curuminha, em comovente interpretação de Laila Garin, a cantora/atriz que fez o musical de Elis Regina. E mesmo diante de tantas feras, vale um destaque: a cantora portuguesa Carminho reinventando "Sabiá" é de cortar os pulsos.



Para os fãs do grande compositor, "Chico - Artista Brasileiro" é imperdível. O filme está em exibição nas salas 2 do Ponteio Lar Shopping (sessões de 16h40, 19 horas e 21h20) e 2 do Diamond Mall (sessões de 12h50, 15h40, 18h40 e 21h30). Classificação: 12 anos

Tags: #ChicoArtistaBrasileiro, #Miguel Faria Jr, #biografia, #Sony Pictures, #Cinemano Escurinho, #TudoBH