segunda-feira, 18 de maio de 2020

"Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips" une heróis e vilões contra super demônios

Produção conclui o universo animado da DC Comics baseado na fase dos Novos 52 (Fotos: Warner Bros. Animation/Divulgação)

Jean Piter Miranda


No futebol existe um ditado: "A melhor defesa é o ataque". Isso também é utilizado hoje em dia no MMA (artes marciais mistas). Na prática, a gente sabe que não é bem assim. Quando você ataca, sua defesa fica um tanto vulnerável. E vice e versa. Em se tratando de estratégia, muitas vezes o inimigo baixa a guarda esperando que você ataque para então te atingir com um contragolpe. E é bem isso que a gente vê em "Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips", a nova animação da DC Comics.



Tudo começa quando o Superman convoca toda a Liga da Justiça para atacar o planeta Apokolips, governado por Darkseid. A ideia não parece muito boa, já que o supervilão é um dos maiores e mais fortes inimigos que o grupo já enfrentou. A justificava do Homem de Aço é razoável: Darkseid tem destruído e conquistado centenas de planetas, usando exércitos de parademônios. E ao que tudo indica, a Terra é o próximo alvo.


Juntos, eles podem derrotar o tirano. Os parademônios são vistos como problemas menores, uma vez que a Liga já enfrentou e venceu esses seres. E Batman dá o aval. “Sabemos quais são seus pontos fracos”. Então, todos seguem para Apokolips.

Os Jovens Titãs e a Liga da Justiça vão ao encontro de Darkseid, mas o vilão estava preparado. Os tais super demônios estavam muitos mais fortes e os heróis foram massacrados. Muitas baixas e alguns sobreviventes. E aí que começa a história.



John Constantine precisa reunir os sobreviventes para atacar o vilão antes que o que sobrou da Terra vire cinzas. Superman, Ravena, Robin, Etrigan e até mesmo membros do Esquadrão Suicida se juntam para encontrar uma forma de voltar à Apokolips.

Embora sejam muitos personagens e muitos acontecimento, o filme transcorre bem. Num ritmo muito bom. As histórias dos personagens não são aprofundadas. Mas nem precisa. Dá pra entender a origem e o propósito de cada um na trama. Cada tem sua importância.



As cenas de ação são muito boas. Tem muita porrada e sangue e é até violento se comparado com os outros filmes de animação. Mas isso não é ruim. Na verdade, funciona como um diferencial positivo. Somado a um clima de tensão de um grupo reduzido, enfraquecido e traumatizado que vai precisar enfrentar justamente o vilão que venceu e humilhou os heróis mais fortes do universo.

Ravena, seu pai Trigon e Constantine são os protagonistas, mesmo com Batman, Mulher-Maravilha, Superman, Lanterna Verde, Shazam, Flash, Cyborg e Aquaman no filme. O que deixa a história bem mais interessante.



O nível de dificuldade do vilão, as perdas, os mundos destruídos e as limitações dos heróis que sobraram trazem a sensação constante de que nada mais pode ser feito, e que a guerra já está perdida. Não dá pra fazer previsões. O desenrolar da história traz muitas surpresas que certamente vão agradar em muito aos fãs.

"Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips" está disponível em Blu-Ray nos Estados Unidos e online pelo Google Play para o resto do mundo. O filme dá sequência à animação "Liga da Justiça Sombria", de 2017, e encerra o universo estendido das animações da DC Comics baseadas na fase dos Novos 52.



Ficha técnica:
Direção: Matt Peters e Christina Sotta
Produção: Warner Bros. Animation
Distribuição: Warner Home Video
Duração: 1h30
Gêneros: Ação / Animação
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #LigaDaJustiçaSombriaGuerraDeApokolips, @DCComics, @WarnerBrosAnimation, #ação, #aventura, #Superman, #Batman, #LigaDaJustiça, #MulherMaravilha, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário