terça-feira, 20 de abril de 2021

Triste, mas real e necessário, “Agente Duplo”, faz o espectador esquecer que se trata de um documentário

Sérgio Chamy é o simpático idoso contratado para bisbilhotar uma casa de repouso na capital chilena (Fotos Globoplay/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Único filme latino-americano indicado ao Oscar – concorre a Melhor Documentário de Longa Metragem – “Agente Duplo” ("The Mole Agent" / "El Agente Topo") é dessas produções que prendem o espectador do início ao fim, mesmo que o público saiba que não se trata de ficção. É tão carismática a atuação de Sérgio Chamy, um senhor de 83 anos contratado para bisbilhotar uma casa de repouso, que, por vezes, pode-se confundi-lo com um ator.

A direção é da chilena Maite Alberti, mas como há outras pessoas de nacionalidades diferentes envolvidas na produção, “Agente Duplo” acaba por se tornar um filme universal. O tema – a velhice e suas questões – também ajuda a tornar o longa fácil de assistir por pessoas de todas as idades.


A sinopse: o detetive chileno Rômulo coloca anúncio num jornal para contratar um idoso para se infiltrar na Casa de Repouso San Francisco, em Santiago do Chile. A ideia é que ele ateste – ou não – se uma tal senhora moradora do asilo está recebendo maus-tratos. Entre os muitos candidatos, o escolhido é Sergio Chamy, que mora meses na casa para espionar com a única obrigação de fazer um relatório diário para o escritório.


A dedicação de Sergio, a seriedade com que ele leva adiante sua missão e, principalmente, seu cavalheirismo e gentileza o tornam uma espécie de galã, cortejado por quase todas as velhinhas. Se, no início, as dificuldades do espião com o uso do celular, as filmagens e mensagens de WhatsApp fazem rir, aos poucos o espectador vai se envolvendo com o que verdadeiramente ele vai descobrindo: a solidão e o abandono de muitos daqueles moradores. “A vida é cruel”, diz, a certa altura, um dos internos.


Segundo contou a diretora em entrevistas, os moradores da Casa de Repouso San Francisco foram avisados de que alguém estaria, naqueles dias, gravando um documentário sobre o asilo. Mas os idosos não pareciam se incomodar com isso. Na verdade, nada parecia incomodá-los. Com raras exceções, o que prevalece é a desesperança. Sem dúvida, “Agente Duplo” é um filme muito triste.


Ficha técnica:
Direção e roteiro: Maite Alberdi
Exibição: Globoplay
Duração: 1h24
Classificação: 12 anos
País: Chile
Gênero: Documentário

Nenhum comentário:

Postar um comentário