Mostrando postagens com marcador #EmmaThompson. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #EmmaThompson. Mostrar todas as postagens

07 junho 2021

"Cruella" reúne uma dupla espetacular de Emma´s e a melhor trilha sonora do ano

Emma Stone está perfeita como uma das mais famosas vilãs da Disney no novo live-action (Fotos: Disney Enterprises/Divulgação)

 

Maristela Bretas


Sem dúvida, "Cruella", é o melhor live-action da Disney até o momento, com a dupla principal dando show de interpretação - Emma Stone ("La, La, Land" - 2016), no papel de Cruella DeVil, e Emma Thompson ("MIB: Homens de Preto: Internacional" - 2019) como a Baronesa foi uma escolha excelente para esta nova produção da Disney, em exibição nos cinemas e para aluguel na plataforma Disney+ para assinantes, com o valor salgado de R$ 69,90 pelo Premier Access.


E se o elenco da produção dirigida por Craig Gillespie não for motivo suficiente, a trilha sonora, que ficou a cargo de Nicholas Britell, convence qualquer um a assistir esse filme. A começar pela música-tema, "Call Me Cruella", interpretada por Florence + The Machine, que aparece nos créditos finais.


Mas são outros grandes sucessos usados com precisão em cada cena que fazem a gente arrepiar. A playlist traz "Stone Cold Crazy", do Queen; "Perhaps, Perhaps, Perhaps", com Doris Day; "Whisper Whisper", do Bee Gees; "Bloody Well Right", com Supertramp; "Felling Good", com Nina Simone; "Living Thing", com Electric Light Orchestra; "Five To One", The Doors; "Whole Lotta Love" e "Come Together", com Ike & Tina Turner,  e vários outros.


"Cruella" tem como pano de fundo o universo da moda e, claro, o figurino não poderia ser menos que exuberante e exótico, tanto da parte de Cruella quanto da Baronesa. A figurinista Jenny Beavan abusou na criatividade e nas cores usadas nos modelos apresentados, ultrapassando as passarelas e ganham vida nas batalhas entre as duas estilistas. O figurino e o design de produção são fortes candidatos a disputar um Oscar em 2022.


A nova produção da Disney está batendo recordes apesar da pandemia - quase US$ 50 milhões em todo mundo desde a sua estreia simultânea nos cinemas e na Disney+ em 28 de maio. Ambientada nos anos 1970, apresenta Estella (Emma Stone) em sua infância rebelde, a mudança do interior para Londres, a paixão desde pequena pela moda e o trauma pela morte da mãe num acidente. Excelente no traço e na criatividade, ela sonha em trabalhar na Casa da Baronesa, a mais famosa grife londrina.


É nessa relação com a cruel e assustadora Baronesa Von Hellman (Emma Thompson) que Estella descobre coisas do seu passado que vão levá-la a buscar vingança e se tornar a primeira e única, Cruella DeVil. A vilã, de estilo extravagante e extremamente criativo, vai criar o caos e ganhar as manchetes de jornais, abalando o império de sua inimiga com elegância e maldade.

O elenco conta ainda com nomes conhecidos como Mark Strong ("Kingsman: Serviço Secreto" - 2015), como Boris, assessor da Baronesa; Joel Fry ("Yesterday" - 2019) e Paul Walter Hauser ("O Caso Richard Jewell" - 2019), como Jasper e Horádio, parceiros de Cruella; Emily Beecham (a mãe de Estella) e John McCrea (Artie). A conexão com a história original "101 Dálmatas" será feita por Kirby Howell-Baptiste (Anita) e Kayvan Novak (Roger), mas isso fica para as cenas pós-créditos.


Além de Emma Stone, a produção executiva conta também com Glenn Close. A atriz interpretou a vilã, considerada uma das mais marcantes de sua carreira e uma das maiores da Disney, no remake "101 Dálmatas" (1996), e na sequência, "102 Dálmatas" (2000).

Se no live-action "A Dama e o Vagabundo" (2020) a computação gráfica foi o forte para dar vida aos cãezinhos do título, em "Cruella" ela deixa a desejar. Outro ponto positivo da produção - a preocupação com os dálmatas, que vão abrem espaço para ganharem destaques numa possível continuação. Mas o brilho deste live-action fica mesmo para a atuação impecável das duas Emma´s - a Stone e a Thompson, que disputam em vilania. Glenn Close ganhou uma concorrente à altura. “Cruella” é ótimo e merece muito ser conferido.


Ficha técnica:
Direção: Craig Gillespie
Exibição: nos cinemas e no Disney+ para assinantes pelo Premier Access
Produção: Walt Disney Company
Distribuição: Walt Disney Pictures
Duração: 2h14
Classificação: 12 anos
País: EUA
Gêneros: Drama / Família / Comédia
Nota: 4,5 (de 0 a 5)

17 junho 2019

"MIB: Homens de Preto - Internacional" muda elenco, capricha nos efeitos, mas morre na praia com roteiro

Chris Hemsworth e Tessa Thompson formam o divertido casal do quarto filme sobre a secreta agência que monitora alienígenas na Terra (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


A aposta em Chris Hemsworth e Tessa Thompson como as novas caras para "MIB: Homens de Preto - Internacional" ("Men in Black: International") tinha tudo para dar certo. Simpáticos, divertidos, entrosados e vindos de dois filmes com excelentes bilheterias - "Thor: Ragnarok" e "Vingadores: Ultimato" - a dupla ainda contou com excelentes efeitos visuais, muita ação, perseguições, boas locações e muita pancadaria. Só precisava de um bom roteiro para, 22 anos depois da primeira estreia, Chris e Tessa serem os sucessores ideais de Will Smith e Tommy Lee Jones, responsáveis pelos três filmes anteriores da franquia - "MIB - Homens de Preto" (1997), "MIB 2" (2002) e "MIB 3" (2013). E foi aí que o filme pecou e pode fazer dele o mais fraco dos quatro já feitos.


Disputar com o carisma da dupla anterior era um grande desafio e isso foi muito lembrado pelos fãs dos Homens de Preto. Will Smith era o brincalhão agente J, que no reboot dá lugar ao belo e displicente agente H (Hemsworth). Já o lado racional da antiga dupla, o agente K, interpretado por Tommy Lee Jones é substituído por Tessa Thompson, no papel da jovem e inteligente agente M. É nela e em Emma Thompson, que novamente faz a agente O, chefe da unidade de Nova York, que F. Gary Gray, substituto do diretor Barry Sonnenfeld (responsável pelos outros três filmes) centraliza as ações. Mas Gray erra ao criar situações e diálogos forçados que desmerecem mais do que valorizam os papéis femininos.


O elenco ainda conta com Liam Neeson, como ex-parceiro de H e agora chefe da unidade de Londres; Rafe Spall, o agente C, de certinho demais, e os desconhecidos irmãos Laurent e Larry Bourgeois como os dois alienígenas que servem apenas para brilhar graças aos efeitos especiais. A grande decepção fica para a participação de Rebecca Ferguson ("Missão Impossível - Efeito Fallout") no papel de uma alien bandida e sedutora, ex-amante do agente H, que aparece por pouco tempo, tem uma briga boa com a agente M e... só. Total desperdício de talento. 


Para as crianças, "MIB Internacional" inseriu na trama o pequenino alienígena Pawny, que empresta a voz de Kumail Nanjuani (da série "Silicon Valley") e se torna o "protetor" da agente M. Além de explorar (até demais) o lado cômico de Chris Hemsworth, diversos comediantes foram escolhidos para uma participação especial no filme na versão de seus países. No Brasil, Sérgio Mallandro, que também gravou um vídeo de divulgação do filme, teve seus segundos de glória numa cena relâmpago como uma dos Homens de Preto.


Na história, Tessa Thompson é Molly que presenciou, quando criança, dois agentes da MIB apagarem as memórias de seus pais após estes presenciarem a aparição de um extraterrestre. Vinte anos depois, ela consegue descobrir a sede da agência e se candidatar a uma vaga. Inteligente e muito esperta, ela é imediatamente aceita pela chefe (Emma Thompson) e se torna a agente M. Apesar da inexperiência, ela é enviada a Londres para investigar estranhas ocorrências envolvendo gêmeos alienígenas que querem se apossar de uma arma destruidora de planetas. M acaba conhecendo o herói, mas displicente, agente H (Chris Hemsworth). 


Os dois são designados pelo chefe T (Liam Neeson) para também investigarem um possível espião infiltrado na Organização que estaria ajudando os aliens do mal. Ao deixarem um aliado morrer sob sua proteção, a dupla acaba se tornando suspeita e passa a ser perseguida pela agência. Agora M e H terão de provar sua inocência e só poderão contar velhos amigos e o simpático Pawny.


Infelizmente, apesar de atores famosos, entrosados até mesmo na comicidade, muita adrenalina, uma ótima trilha sonora e ótimos efeitos especiais, "MIB: Homens de Preto - Internacional" é totalmente previsível, a começar pelo vilão facilmente identificável logo no início. A produção acaba se sustentando totalmente nos dois protagonistas, que fazem bem a sua parte e não deixam que seja um fracasso. Mesmo assim, ela corre o risco de ser apagada da memória de muitos fãs, sem precisar do desmemorizador. Vale como uma distração de sessão da tarde.



Ficha técnica:
Direção: F. Gary Gray
Produção: Columbia Pictures  / Amblin Entertainment / Parkes/MacDonald Productions
Distribuição: Sony Pictures Brasil
Duração: 1h55
Gêneros: Ação / Ficção
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #MIBHomensDePretoInternacional, #MIB4, #HomensDePreto, #ChrisHemsworth, #TessaThompson, #EmmaThompson, #LiamNesson, #RebeccaFergusson, #ação, #alien, #EspacoZ, #SonyPicturesBrasil, #cinemaescurinho