terça-feira, 24 de março de 2020

Filmes sobre epidemias e catástrofes, uma fonte que nunca seca

(Fotos: Divulgação)

Maristela Bretas


Me tempos de quarentena forçada pelo corona vírus, o interesse da turma do sofá cresceu muito por produções que abordam todo tipo de epidemia e pandemia. A maioria deles está categorizada como ficção e terror, especialmente aqueles em que as pessoas são transformadas em zumbis. Vários serviços de streaming estão com suas programações abertas ao público, por período variados, além de  plataformas On Demand  e disponibilizam esses filmes.

Lembrando ainda que alguns serviços de streaming, como Netflix, Fox, Amazon Prime e HBO produziram séries e documentários sobre pandemias.  Então, melhor aproveitar e conferir como o assunto foi explorado. Vou deixar abaixo algumas sugestões. Alguns filmes são quase uma premonição do que estamos vivendo hoje.

Contágio ("Contagion")

O primeiro e mais próximo da realidade atual é "Contágio" ("Contagion"), do diretor Steven Soderbergh, filme lançado em 2011. A semelhança da história é tão grande que o filme passou da 270ª posição para o segundo lugar dos mais vistos do catálogo da Warner Bros. Pictures nos últimos meses. Ele mostra como a epidemia de um vírus letal, transmissível pelo ar, se espalha progressivamente, matando milhares de pessoas em poucos dias. A comunidade médica mundial inicia uma corrida para encontrar a cura e controlar o pânico que se espalha mais rápido do que o próprio vírus. Ao mesmo tempo, pessoas comuns lutam para sobreviver em uma sociedade que está desmoronando. O elenco é formado por atores premiados e indicados ao Oscar, como Matt Damon, Marion Cotillard, Laurence Fishburne, Jude Law, Gwyneth Paltrow, Kate Winslet, Bryan Cranston e Sanaa Lathan. "Contágio" foi filmado em vários pontos do mundo, incluindo Hong Kong, Macau, Chicago, Atlanta, San Francisco, Abu Dhabi, Londres e Genebra.

Disponível: HBO Go (assinatura) / Now (aluguel) / Looke (aluguel) / iTunes (aluguel e compra)
Classificação: 14 anos
Duração: 1h46
Direção: Steven Soderbergh
Gêneros: Ficção / Drama / Suspense
Produção: Warner Bros. Pictures
Ano de lançamento: 2011


Epidemia ("Outbreak")

"Epidemia" começa sua história a partir do extermínio da população e dos animais de uma pequena tribo africana, contaminados por um vírus desconhecido. Convocados pelo exército americano para checar a situação, o Dr. Sam Daniels (Dustin Hoffman) e sua equipe descobrem uma nova e perigosa doença.  O que eles não sabem é que um macaco, portador do vírus, foi contrabandeado para a pequena cidade de Cedar Creek, nos Estados Unidos e contamina o jovem Jimbo (Patrick Dempsey).
A doença se espalha rapidamente e o Dr. Daniel, juntamente com sua ex-mulher, a Dra. Robby Keough (Rene Russo), luta contra o tempo para descobrir um antídoto. Mas terá de enfrentar a resistência do general Billy Ford (Morgan Freeman) e tropas armadas de McClintock (Donald Sutherland), que invadiram a cidade na tentativa de esconder um segredo militar.

Disponível: Netflix (assinatura) / Google Play (aluguel) / YouTube (aluguel)
Classificação: 14 anos
Direção: Wolfgand Petersen
Duração: 1h35
Gêneros: Ação / Drama / Suspense
Produção: Warner Bros. Pictures
Ano de lançamento: 1995


Vírus

Lançado em junho de 2019, "Vírus" é um suspense médico, todo narrado na língua malaia indiana, baseado no surto do vírus Nipah que atingiu o estado de Kerala, na Índia, em 2018, provocando a morte de 17 pessoas e deixando mais de 2 mil em quarentena. Pesquisadores descobriram posteriormente que os morcegos da região eram a fonte do vírus. Com legendas apenas em inglês, o trailer da produção atingiu quase seis milhões de visualizações. A direção é de Aashiq Abu, com produção da OPM Records e um elenco totalmente indiano, além das locações feitas naquele país.

Disponível: Amazon Prime Video
Direção: Aashiq Abu
Duração: 1h41
Gêneros: Drama
Produção: OPM Cinemas
Ano de lançamento: 2019


Ensaio sobre a Cegueira ("Blindness")

Uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira atinge uma cidade chamada de "cegueira branca", já que as pessoas atingidas apenas passam a ver uma superfície. Esta é a história de "Ensaio Sobre a Cegueira", do diretor Fernando Meirelles, adaptado da obra homônima do grande escritor José Saramago. O filme foi exibido na abertura do Festival de Cannes de 2008.A doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país . À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo Estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas, expondo seus instintos primários. Nesta situação a única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher do médico (papel de Mark Ruffalo), interpretada por Julianne Moore, que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida. Além da dupla, o elenco conta com atores brasileiros e estrangeiros, como Alice Braga, Antônio Fragoso, Sandra Oh, Gael García Bernal, Danny Glover e Ciça Meirelles.

Disponível: Netflix
Classificação: 16 anos
Direção: Fernando Meirelles
Duração: 1h58
Gêneros: Ficção / Drama
Produção: 02 Filmes
Distribuição: Fox Film do Brasil
Ano de lançamento: 2008


Os 12 Macacos ("Twelve Monkeys")

"Os 12 Macacos" se passa no ano de 2035, quando James Cole (Bruce Willis) aceita a missão de voltar ao passado para tentar decifrar um mistério envolvendo um vírus mortal que atacou grande parte da população mundial. Tomado como louco, no passado, ele tenta provar a sua sanidade para a médica Kathryn Railly (Madeleine Stowe), sua única esperança de mudar o futuro. Brad Pitt, em excelente atuação recebeu o Oscar como Melhor Ator Coadjuvante por seu papel no filme, que ainda contou com Christopher Plummer no elenco. A produção deu origem a uma série exibida em 2015 pela NBC Universal.

Disponível: Looke e iTunes (ambos aluguel e compra)
Classificação: 14 anos
Direção: Terry Gillian
Duração: 2h10
Gêneros: Drama / Ficção / Suspense
Produção: Universal Pictures
Ano de lançamento: 1995


Vírus ("Carriers")

Apesar de receber o mesmo título em português, este "Vírus" é uma produção norte-americana de 2009 sobre o tema. Um vírus mortal se espalhou por todo o planeta, fazendo com que ninguém seja confiável. Danny (Lou Taylor Pucci) e seu irmão Brian (Chris Pine), Bobby (Piper Perabo) e Kate (Emily VanCamp) percorrem as estradas dos EUA, em direção a uma praia isolada que os irmãos frequentavam quando crianças e que eles acreditam que ficarão seguros. Só que no caminho o carro quebra, o que faz com que fiquem à beira de uma estrada abandonada. Logo eles encontram um carro estacionado, onde um homem precisa de ajuda para conseguir uma cura para sua filha, que está infectada. É o início de uma jornada onde eles precisam enfrentar não apenas o vírus mortal, mas também a desconfiança, numa luta desesperada pela sobrevivência.

Não disponível em streaming
Classificação: 14 anos
Direção: Alex Pastor e David Pastor
Duração: 1h24
Gêneros: Terror / Drama
Produção: Ivy Boy Productions / Paramount Vantage
Ano de lançamento: 2009


A Gripe ("The Flu") 

"A Gripe" é um filme sul-coreano sobre o ataque de um vírus letal que acontece no bairro de Bundang, subúrbio de Seul, na Coreia do Sul. O local vive dias caóticos ao entrar em quarentena. Byung-woo (Erik Scott Kimerer) morre em decorrência de um vírus desconhecido. Assim como estamos vendo ocorrer em muitos países, incluindo o Brasil., no início, ninguém dá importância e a população não se previne. Em pouco tempo, centenas de moradores da região são atingidos pela doença. O caos de instaura. O governo do país pede isolamento da área. Enquanto isso, um especialista procura o sangue que será capaz de desenvolver a vacina contra o vírus. Em versões dubladas e legendadas.

Disponível: Netflix (assinatura)
Classificação: 16 anos
Direção: Sung-Soo Kim
Duração: 2h01
Gêneros: Ficção / Suspense / Ação
Produção: Cj Entertainment / IloveCinema / IFilm Production
Ano de lançamento: 2013


Extermínio ("28 Days Later")

"Extermínio" tudo começa com a invasão de um laboratório de pesquisas em macacos por um grupo de ativistas. No local, os ativistas encontram chimpanzés presos em gaiolas e, ignorando os avisos de que os macacos estariam infectados, eles decidem libertá-los. Assim que são soltos os macacos atacam todos aqueles à sua volta. Passados 28 dias do acontecimento, Jim (Cillian Murphy) desperta do coma em um hospital de Londres, completamente confuso e estranhando a ausência de pessoas nas ruas, Ele nada sabe sobre o ocorrido e se esconde após encontrar cadáveres e seres monstruosos, infectados pelo vírus disseminado. Após uma explosão, Jim encontra outros sobreviventes, Selena (Naomi Harris) e Mark (Noah Huntley). Eles vão se juntar a um grupo de soldados, comandados pelo major Henry West (Christopher Eccleston), para buscarem a cura da doença.

Disponível: Telecine e Claro Vídeo (assinatura) / Google Play e iTunes (compra e aluguel)
Classificação: 12 anos
Direção: Danny Boyle
Duração: 1h52
Gêneros: Terror / Ficção
Produção: Fox Film do Brasil
Ano de lançamento: 2003


Extermínio 2 ("28 Days Later")

Seguindo uma linha mais terror, com muito sangue, caos e uma carnificina geral, "Extermínio 2" tem início seis meses depois de um vírus dizimar Londres. Restabelecida a ordem e vencida a guerra contra o vírus do primeiro filme, o exército dos EUA apresenta-se para ajudar a repovoar o Reino Unido, mas um dos refugiados que regressaram carrega um segredo que ameaça reacender a explosão mortal e trazer de novo o caos.

Disponível: Claro Vídeo (assinatura) / Google Play e iTunes (compra e aluguel)
Classificação: 18 anos
Direção: Juan Carlos Fresnadillo
Duração: 1h40
Gêneros: Terror / Ficção / Suspense
Produção: 20th Century Fox
Elenco: Catherine McCormack, Robert Carlyle, Harold Perrineau, Jeremy Renner
Ano de lançamento: 2007


Contágio: Epidemia Mortal ("Maggie") 

Também usando o tema contaminação e zumbis temos "Contágio: Epidemia Mortal". Nos Estados Unidos pós-apocalíptico, uma pandemia que transforma pessoas em zumbis canibais ainda não está totalmente sob controle. Wade (Arnold Schwarzenegger), um mero fazendeiro, procura sua filha adolescente Maggie (Abigail Breslin) há duas semanas, e a encontra em um hospital que cuida de pessoas infectadas. Uma médica, amiga dele, libera a jovem para que ela possa passar seus últimos dias com o pai e a família. Durante a transformação de Maggie, Wade decide continuar a seu lado, apesar das trágicas circunstâncias.

Disponível: Telecine e Netflix (ambos por assinatura)
Classificação: 14 anos
Direção: Henry Hobson
Duração: 1h35
Gêneros: Drama / Terror / Suspense
Produção: Sly Predator / Lotus Entertainment
Ano de lançamento: 2015


Eu Sou a Lenda ("I Am Legend")

Um dos melhores filmes de Will Smith, "Eu Sou a Lenda" fala sobre um vírus que se espalhou por Nova York, transformando a raça humana em monstros sanguinários. O ator faz o papel do cientista Robert Neville, a única pessoa que não foi infectada e que terá que lutar, juntamente com seu cão, contra a epidemia. No elenco estão ainda Alice Braga, Willow Smith (filha de Will), Charlie Tahan, Salli Richardson, Emma Thompson e Dash Mihok.

Disponível: Netflix (assinatura) / Looke, Google Play, iTunes (aluguel) ; Google e iTunes (compra)
Classificação: 14 anos
Direção: Francis Lawrence
Duração: 1h40
Gêneros: Ficção científica
Produção: Warner Bros. Pictures
Ano de lançamento: 2007


Guerra Mundial Z ("World War Z")

Uma terrível e misteriosa doença se espalha pelo mundo, transformando as pessoas em uma espécie de zumbis. A velocidade do contágio é impressionante e logo o Governo americano recruta um ex-investigador da ONU para apurar o que pode estar acontecendo e assim salvar a humanidade, do que está por vir. Essa é a premissa de "Guerra Mundial Z", que conta com Brad Pitt no papel principal, como o ex-investigador Gerry Lane. Apesar de ter optado por dedicar mais tempo à esposa Karen (Mireille Enos) e às filhas, ele aceita a missão. E precisa percorrer o caminho inverso da contaminação para tentar entender as causas ou, ao menos, identificar uma maneira de conter o contágio até que se descubra uma cura antes do apocalipse.

Disponível: YouTube, Google Play, Microsoft Store e iTunes (compra e aluguel)
Classificação: 14 anos
Direção: Marc Forster
Duração: 1h56
Gêneros: Ficção / Ação / Fantasia
Produção: Paramount Pictures
Ano de lançamento: 2013


Quarentena ("Quarantine")

Quando a equipe de TV, formada pela repórter Angela Vidal (Jennifer Carpenter) e o cinegrafista Scott Percival (Steve Harris) decide acompanhar um grupo de bombeiros durante uma emergência, jamais poderia suspeitar o que iriam enfrentar naquele chamado. Agora estão presos em "Quarentena" num complexo de apartamentos selado pelo governo. Sem ter uma forma de sair, eles se encontram cercados por assustados moradores que estão infectados com um vírus mutante mortal. O que acontece depois só será descoberto na gravação que eles deixaram para trás.

Disponível: Claro, Google Play e Microsoft Store (aluguel) / Google Play e Microsoft (compra)
Classificação: 16 anos
Direção: John Erick Dowdle
Duração: 1h29
Gêneros: Terror
Produção: Sony Pictures
Ano de lançamento: 2009


Quarentena 2 ("Quarantine 2 - Terminal")

Dando sequência ao filme anterior, "Quarentena 2" alguns dos contaminados do prédio infectado de Los Angeles conseguiram escapar. Agora, a bordo do voo 318, os primeiros sintomas se manifestam. Com a infecção que começa a se enraizar, passageiros inocentes se transformam repentinamente em horríveis assassinos sedentos por sangue. Forçados a aterrissar em um terminal isolado e cercados de agentes federais armados, a tripulação e os passageiros ficam cada vez mais desesperados. A única pergunta agora é que medidas extremas tomarão para poder sobreviver.

Disponível: Claro (assinatura) / Google Play e iTunes (aluguel e compra)
Classificação: 16 anos
Direção: John Pogue
Duração: 1h26
Gêneros: Terror / Suspense / Ficção
Produção: Sony Pictures
Elenco: Mercedes Masohn, Josh Cooke, Bre Blair, Ignacio Serricchio
Ano de lançamento: 2011


Paciente Zero ("Patient Zero")

Uma pandemia global sem precedentes resultou na evolução de uma nova espécie. Uma forma agressiva da raiva transforma o infectado em predador, viciado em violência. Um sobrevivente humano com o poder especial de interagir com os mortos-vivos lidera uma caçada ao Paciente Zero, a fim de encontrar uma cura para salvar sua mulher infectada e a humanidade.

Disponível: YouTube Filmes, Google Play, iTunes, Microsoft Store e Looke (compra ou locação)
Direção: Stefan Ruzowitzky
Duração: 1h27
Gêneros: Terror / Ação / Suspense
Produção: Sony Pictures
Elenco: Matt Smith, Natalie Dormer e Stanley Tucci
Ano de lançamento: 2018


A Epidemia ("The Crazies")

A primavera acaba de chegar numa tranquila cidade do interior dos EUA. Mas neste ano, a estação trouxe algo além de flores. Misteriosamente, os moradores tornam-se pessoas silenciosas e... extremamente agressivas. O casal David (Timothy Olyphant) e Judy (Radha Mitchell) se vê cercado por aqueles que um dia já foram seus vizinhos e amigos, mas agora vagam pela cidade com um único objetivo em mente: matar, destruir, aniquilar. "A Epidemia" é a uma adaptação do filme "O Exército do Extermínio", de George Romero.

Disponível: Claro Vídeo (aluguel)
Classificação: 14 anos
Direção: Breck Elsner
Duração: 1h41
Gêneros: Terror / Drama
Distribuição: Imagem Filmes
Ano de lançamento: 2010


Tags: #epidemia, #pandemia, #terror, #ficção, #drama, #suspense, #contágio, #vírus, #zumbis, #Netflis, #AmazonPrime, #Looke, #MicrosoftStore, #GooglePlay, #iTunes, #Telecine, #ClaroVideo, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

segunda-feira, 16 de março de 2020

"O Homem Invisível" abre bem a temporada dos bons suspenses de 2020

Elisabeth Moss entrega uma ótima interpretação da esposa que foge do marido psicopata e possessivo (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


A nova versão de "O Homem Invisível" ("The Invisible Man"), clássico do terror e ficção científica criado por H.G. Wells no final do século XIX e que já teve várias adaptações no cinema, entrega um enredo completamente diferente, assim como o personagem e seus objetivos. Enquanto no original, ele é um cientista que tenta encontrar o antídoto para deixar de ser aquele que ninguém vê, neste o personagem que dá nome ao filme utiliza alta tecnologia para ficar invisível e se vingar daqueles que cruzam seu caminho.


Mas o homem sem rosto é apenas um coadjuvante na produção dirigida por Leigh Whannell. O foco principal é uma mulher, que encontra força e coragem para fugir de uma relação abusiva e provar que não é louca ao tentar provar para todos que seu ex-marido agora é invisível e a persegue. Coube a Elisabeth Moss o papel da dona de casa e arquiteta Cecília Kass que foge de Adrian Griffin (o belo Oliver Jackson-Cohen) um marido psicopata e possessivo, Mesmo após o suicídio dele, a esposa não encontra paz. Ela percebe que Adrian não morreu e tenta provar que ele conseguiu se tornar invisível. O filme tem bons momentos de tensão, especialmente pelas cenas de ataques.


A abordagem psicológica dos dois personagens principais poderia ter sido mais bem explorada. O diretor aponta para vários lados, mas não aprofunda em nenhum - até mesmo na relação conjugal abusiva - o que deixa, em alguns momentos, a trama lenta e confusa sobre seu objetivo. Elisabeth Moss, com sua ótima atuação, é a responsável por salvar a produção. Ela entrega uma Cecília fragilizada, que deixou a profissão de arquiteta para se tornar uma dona de casa controlada pelo marido, um dos maiores empresários no segmento ótico.


Após a fuga de casa, ela vive reclusa e com medo, situação comum vivida por muitas mulheres que resolvem por fim ao sofrimento de um casamento abusivo. Nem mesmo a morte do marido a deixa segura. Até que começam a ocorrer fatos estranhos, inclusive crimes, colocando a sanidade de Cecília em jogo, quando ela tenta provar que a morte de Adrian foi uma farsa e que ele está por trás de tudo. De uma dona de casa comum, ela passa a louca perigosa e paranoica.


Além do casal principal, destaque para a atuação da jovem atriz de 16 anos, Storm Reid (que atuou nas séries de TV "Euphoria" e "Olhos Que Condenam", ambas de 2019). Ela é Sidney, filha do detetive James Lanier (papel de Aldis Hodge), que ajuda a dona de casa fugitiva. O elenco conta ainda com Michael Dorman, que faz Tom Griffin, irmão de Adrian, e Harriet Dyer, como Emily, irmã de Cecília.

"O Homem Invisível" não escapa dos clichês, como por exemplo, a cena do balde de tinta jogado pela mocinha sobre o vilão para que possa vê-lo. Mas conta com uma ótima trilha sonora, composta por Benjamin Wallfisch (o mesmo de "It - A Coisa" (2017) e "It - Capítulo Dois" - 2019), completando bem o roteiro de Leigh Whannell, também um dos produtores. A finalização é surpreendente e faz jus à trama, que está mais para suspense que terror. Vale conferir.


Ficha técnica:
Direção: Leigh Whannell
Produção: Blumhouse Productions / Goalpost Pictures / Universal Pictures
Distribuição: Universal Pictures
Duração: 2h05
Gêneros: Terror / Suspense / Ficção científica
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3,8 (0 a 5)

Tags: #OHomemInvisível, @ElisabethMoss, @LeighWhannel, #suspense, #terror, @UniversalPicsBR, @cineart_oficial, @blumhouseFL, @CinemaEscurinho, @CinemaNoEscurinho

quinta-feira, 12 de março de 2020

Mesmo copiando sucessos,"Bloodshot" tem muita ação e ótimos efeitos visuais

Vin Diesel interpreta no cinema o herói, criado pela Valiant Comics, que tem super poderes (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas

Sem a mínima preocupação em copiar personagens e cenas de vários blockbusters, a Valiant Entertainment aposta em Vin Diesel para viver no cinema seu maior super-herói, dos quadrinhos em "Bloodshot", que estreia nesta quinta-feira nos cinemas de BH. E junto com o astro e os mesmos produtores da franquia "Velozes e Furiosos" (que ganha seu novo filme em maio deste ano), o diretor Dave Wilson não economizou em efeitos especiais, que ficaram ótimos, e em carregar nas cenas violentas e nas frases cômicas que amenizam a trama mesmo abusando nos clichês Até mesmo algumas dessas partes são cópias de outras produções.

O longa apresenta o ex-militar Ray Garrison, conhecido como Bloodshot, e explica como ele se tornou uma máquina de matar indestrutível, graças à nanotecnologia. A explicação é até rápida e foca inteiramente no personagem principal. Mas se a editora de quadrinhos tem a intenção de realmente entrar neste campo, dominado hoje pela Marvel Comics e DC Comics, vai precisar trabalhar melhor seus roteiros e ser mais criativa, sem depender de "buscar ideias" nos concorrentes. 

As garras do Dr. Octopus, inimigo do Homem-Aranha, o processo de aplicar adamantium em Wolverine, o vilão de "O Exterminador do Futuro" que se recompõe a cada tiro, estão entre os filmes e personagens lembrados. Além do ótimo ator Guy Pearce, que repete o papel de um especialista em nanotecnologia, como aconteceu em "Homem de Ferro 3" (2013).


As "referências" a esses e outros sucessos são tão claras que "Bloodshot" chega a ficar engraçado em alguns momentos que acabam agradando aos fãs dos quadrinhos. Esses "momentos" funcionam bem, apoiados nos ótimos feitos visuais e de computação gráfica que garantem muita ação, do início ao fim, e uma trilha sonora, a cargo de Steve Jablonsky (de "Arranha-Céu: Coragem Sem Limite" - 2018) precisa nos momentos certos. No repertório,  sucessos como "Memories Are Made of This", clássico de Johnny Cash de 1955.


Vin Diesel dá conta do recado, apesar de também ser uma cópia de seu personagem mais famoso - o corredor veloz e furioso Dominic Toretto, com direito a caras e bocas, voz cavernosa e muitas lutas. O elenco conta ainda com a mexicana Elza Gonzalez (de "Velozes e Furiosos - Hobbs & Shaw" e "Alita: Anjo de Combate", ambos de 2019), Sam Heughan, Toby Kebbell e Lamorne Morris (de "A Noite do Jogo" - 2018 e "Yesterday" - 2019) como super hacker Wilfred Wigans, que mais parece um rapper.


Na história, Bloodshot é um ex-soldado assassinado ao lado da esposa, que é ressuscitado e aprimorado com nanotecnologia, desenvolvendo habilidades e poderes especiais, como o de regeneração. Ao apagarem sua memória várias vezes, ele finalmente descobre quem realmente é e parte em um busca de vingança daqueles que mataram sua família e o transformaram num assassino controlado por computador. Repetindo o estilo "tiro, porrada e bomba", "Bloodshot" tem todos os requisitos para atrair para o cinema o público que gosta das produções de Vin Diesel e espera ver muita ação, com pitadas de comicidade.

Quadrinhos


Para comemorar a estreia nos cinemas de “Bloodshot”, a Sony Pictures e a Social Comics, que possui em sua plataforma a HQ Bloodshot, fizeram uma parceria para liberar de forma gratuita as edições 0 e 1 da HQ junto com um dossiê completo de informações sobre o personagem. As publicações estarão disponíveis por um mês, sem a necessidade de inscrição.



Ficha técnica:
Direção: Dave Wilson
Produção: Sony Pictures
Distribuição: Sony Pictures
Duração: 1h49
Gênero: Ação
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #Bloodshot, @VinDiesel, #VelozesEFuriosos, #ação, @SonyPictures, #nanotecnologia, #supersoldado, #Valiant Comics, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

terça-feira, 10 de março de 2020

"Frankie": cenas longas, suavidade e contemplação

No drama, Isabelle Huppert interpreta a atriz francesa Françoise Crémont (Foto:SBS Distribution)

Mirtes Helena Scalioni


Longos silêncios entremeados com longas conversas, quase sempre entre duas pessoas de cada vez. Exuberantes paisagens de Sintra, em Portugal, e muitos lugares lindos e aprazíveis mostrados como num catálogo de turismo. Talvez não seja exagero resumir assim o filme "Frankie", dirigido por Ira Sachs e com elenco de peso, onde pontuam Isabelle Huppert no papel principal, Marisa Tomei, Bredan Gleeson e Jerémie Renier.

Falado em três idiomas - português, francês e inglês -  o longa é aquele tipo de filme onde nada acontece. O objetivo parece ser mostrar um recorte na vida da atriz francesa Françoise Crémont, a Frankie, que decide ir com a família e alguns amigos para Sintra, quando ela descobre que está muito doente. 



A partir dessa ideia, as cenas são só de mar e montanhas, uma ou outra confidência, um ou outro desabafo, alguma reflexão sobre a vida e a morte. Mas tudo com muita cautela, muita finesse. Nada de conflitos, nada de desgastes. Enfim, um filme lento, quase arrastado, mais para contemplar do que propriamente assistir. Há quem goste.
Direção: Ira Sachs
Distribuição: Paris Filmes
Duração: 1h40
Classificação: 14 anos


Tags: #FrankieOFilme, @IsabelleHuppert, @MarisaTomei, @BredanGleeson, @JerémieRenier, #drama, #ParisFilmes, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sexta-feira, 6 de março de 2020

E se o Superman tivesse vivido na União Soviética?

"Superman: Entre a Foice e o Martelo" ("Red Son") chegará ao Brasil em blu-ray e serviços de streaming (Fotos: Divulgação)

Jean Piter Miranda


Já pensou como seria a vida do Superman se ele tivesse crescido na União Soviética e não nos Estados Unidos, como a gente conhece em sua história original? Bem, essa realidade alternativa já foi apresentada aos fãs em 2003, escrita por Mark Millar, que integra a série de quadrinhos "Superman: Red Son" ("Superman: Filho Vermelho", em tradução literal). Agora, uma animação chega em blu-ray e em serviços de streaming para mostrar mais um universo paralelo do principal super-herói da DC Comics. No Brasil, a versão ganhou o nome de "Superman: Entre a Foice e o Martelo", mas ainda não tem data confirmada de estreia.


O Superman comunista é apresentado criança, quando ainda esconde seus superpoderes do mundo. Sua melhor amiga o convence a usar seus dons para a defesa do Estado e para o bem do povo soviético. Daí então tudo começa acontecer bem rápido. O filho da URSS se torna uma celebridade, um ícone, um grande servo do governo de Joseph Stalin, a quem o kriptoniano serve com lealdade. 


Stalin é um dos personagens reais que aparece na história. E, claro, não precisa fazer muito esforço para localizar que tudo se passa durante a Guerra Fria. Período pós-Segunda Guerra Mundial, em que as nações estavam divididas em uma disputa ideológica entre dois modelos econômicos: o capitalismo e o comunismo. A princípio, isso parece nortear a trama da animação. Mas logo isso se perde. 


O roteiro acelera acontecimentos, deixa outros bem superficiais e pouco convincentes. Mais do que o super-herói, o Superman se torna o governante da URSS. Do outro lado da disputa, Lex Luthor. Os dois modelos econômicos se chocam e provocam mudanças em todo o mundo, principalmente na corrida armamentista. Os personagens principais vão alternando ações de nobreza e justiça com atos irresponsáveis e pouco inteligentes, dando um equilíbrio à trama. 

O que parecia uma crítica aos comportamentos humanos logo se inclina para um dos lados. Se no início havia uma tendência de qual dos lados era o certo - comunismo ou capitalismo -, do meio da animação em diante, a visão dos autores fica bem clara. E tudo ganha cara de propaganda. Nada mais fica convincente. 


Batman entra na história, sempre muito bem preparado. Enfrenta o Superman de uma forma que já foi mostrada em outras adaptações. Não há surpresa alguma. Mulher Maravilha tem participação importante e o Lanterna Verde não acrescenta muito. É gente demais pra pouca história. É muito incremento para um resultado bem superficial. Não deixa de ser uma obra bem criativa. Mas não tem encanto. É pra assistir e esquecer dez minutos depois. 


Quem leu os quadrinhos vai notar que o final ficou muito diferente. O que é sempre esperado, pra trazer surpresa. Mas o diferente dessa vez é sinônimo de cortes, de ausência. Dá uma sensação de incompletude. A versão da HQ tem proposta crítica à humanidade e posição praticamente neutra sobre política. A animação não. Em tempos de extremismo e polarização, "Superman: Entre a Foice e o Martelo" é bem desnecessário. 


Ficha técnica:
Direção: Sam Liu
Produção: Warner Bros. Animation / DC Entertainment 
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 1h25
Gêneros: Animação / Aventura / Ficção
País: EUA
Classificação: 10 anos
Nota: 2,0 (0 a 5)

Tags: #SupermanEntreAFoiceEOMartelo, #SupermanRedSon, @DCAnimation, #DCUniverse, @WarnerBros, #animação, #quadrinhos, @cinemaescurinho, @cineanoescurinho

quinta-feira, 5 de março de 2020

"Você Não Estava Aqui" convida o público a pensar sobre a chamada "uberização" do trabalho

Produção, em parceria entre Reino Unido, Bélgica e França, é dirigida pelo premiado Ken Loach (Fotos: Joss Barratt/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Do alto dos seus 83 anos de idade - talvez por isso - o britânico Ken Loach não costuma deixar pedra sobre pedra quando se trata de crítica social. Depois de colocar o dedo na ferida com "Eu, Daniel Blake", de 2016, sobre a via sacra insana de um trabalhador em busca de um simples seguro-desemprego, o diretor sacode o espectador com "Você Não Estava Aqui", filme que tem o poder de deixar o público paralisado e sem ação ao final da sessão. 


É um tapa na cara seu chamado à reflexão. "Para onde caminham as relações de trabalho nesses novos tempos?" - parece perguntar o longa, que trata do que se convencionou chamar de "uberização". Em tempos de hipervalorização do empreendedorismo e da meritocracia, Loach não foge do assunto e, de forma contundente, quase agressiva, deixa no ar: será que há esperanças?


O diálogo entre Richy Turner (Kris Hitchen) e Maloney (Ross Brewster), no início do filme, dá o tom do que estaria por vir. O primeiro é um desesperado candidato a um emprego, desfilando qualidades, se oferecendo ao sacrifício como um pedinte. O segundo é gerente de uma empresa de entregas, usando o já conhecido discurso: "Você não será empregado, mas parceiro/colaborador; você será seu próprio patrão/empreendedor; aqui não há horários nem regras". 


Ex-operário da construção civil, Richy Turner tem orgulho de ser trabalhador. Vive no subúrbio numa cidade no Norte da Inglaterra com a mulher Abbie (Debbie Honeywood), dedicada e incansável no seu árduo ofício de cuidadora de idosos. Com dois filhos - Seb e Liza Jane - o casal tem planos de comprar uma casa e melhorar de vida. Mas Seb (Rhys Stone) é um típico adolescente rebelde e parece perceber, antes de todos, que o pai se tornou um escravo. Não de um patrão, mas do sistema. Mais infantil, Liza (Katie Proctor), por sua vez, reage de outra forma à ausência dos pais. 


"Você Não Estava Aqui" (inexplicável tradução para o título original "Sorry We Misses You") é um nítido convite à reflexão e parece perguntar: Qual o valor do trabalho? O que significa ser um autônomo? Quais são os seus direitos? A tecnologia está a favor de quem trabalha ou de quem manda? O que será da chamada classe menos favorecida nesses tempos contemporâneos?

Enfim, Ken Loach mostra que a tão falada precarização do trabalho não é apenas um discurso. É um alerta para os que ainda sustentam algum sinal de humanidade.
Direção: Ken Loach
Classificação: 14 anos
Distribuição: Vitrine Filmes
Duração: 1h40


Tags: #VocêNãoEstavaAqui, @VitrineFilmes, @KenLoach, #drama, #uberização, #trabalhoinformal, #hipervalorização, #meritocracia, #empreendedorismo, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

terça-feira, 3 de março de 2020

"Luta por Justiça" leva ao cinema o racismo estrutural do Judiciário norte-americano

Michael B. Jordan é o advogado de Jamie Foxx nesta história, baseada em fatos reais (Fotos: Jake Giles Netter/Warner Bros. Pictures/Divulgação)

Jean Piter Miranda


Negros condenados à morte sem terem passado por um julgamento justo, com amplo direito de defesa, como prevê a lei. Um jovem advogado negro, idealista, recém-formado, que abre mão de ter uma carreira lucrativa para tentar ajudar aqueles que podem ter sido injustiçados pelo sistema. Essa é a trama central de "Luta por Justiça", novo filme do jovem diretor norte-americano Destin Daniel Cretton, estrelado por Michael B. Jordan, Jamie Foxx e Brie Larson.


Bryan Stevenson (Michael B. Jordan) é um jovem advogado negro formado em Harvard, uma das mais conceituadas universidades do mundo. Isso daria a ele a chance de ingressar em um grande escritório de Nova York, ganhar uma boa grana e seguir sua vida ao bom estilo americano. Mas, como foi dito, ele prefere dar assistência jurídica gratuita a presidiários negros que estão no corredor da morte no Alabama. O principal deles é Walter McMillian (Jamie Foxx), condenado pelo assassinato de uma adolescente branca na cidade em que vive.


A temática não é nova e é sempre retratada em filmes e séries nos EUA, com base em histórias reais. Como recentemente foi mostrado na ótima série "Olhos que Condenam", da Netflix. "Luta por Justiça" também é inspirado em um caso verídico. Isso já é o suficiente pra trazer o público para o lado dos advogados que buscam por justiça. Ao mesmo tempo, em cada cena, fica muito evidente o racismo estrutural, aquele que está enraizado nas práticas da polícia, na opinião pública e, principalmente, no sistema prisional. Por se tratar de um embate que se passa no mundo jurídico, não dá pra esperar surpresas.


Consulta de arquivos e conversas com testemunhas, em meio à hostilidade dos moradores da pequena cidade. Busca por erros na investigação, inconsistências e contradições em depoimentos, procedimentos ignorados, casos semelhantes ocorridos em outras localidades. É uma corrida burocrática contra o relógio, já que o tempo está passando para o condenado que aguarda no corredor da morte a data de sua execução. São pouco mais de duas horas de filme. O roteiro exalta Bryan e o coloca como herói perfeito.


Os outros personagens são mais humanos, com qualidades e defeitos, erros acertos, virtudes e medos. A união da comunidade negra em apoio a Walter e Bryan é um dos destaques. A disputa nos tribunais tem reviravoltas, mas nada que provoque muita emoção. As atuações são boas, condizentes com cada cena. Sem exageros, sem forçar a barra. Brie Larson é tão discreta que quase passa despercebida no filme como Eva, assistente de Bryan.

No fim, é tudo muito previsível. Não há nenhum pico de emoção. E pra não deixar pontas soltas, o desfecho de cada personagem é apresentado. Como terminaram ou como estão hoje. Cumpre assim o papel do longa, em boa dose. Nada além disso.


Ficha técnica:
Direção: Destin Daniel Cretton
Produção: Warner Bros / Endeavor Content / One Community / Participant / Macro / Netter
Productions / Outlier Society
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 2h17
Gêneros: Drama / Biografia
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #LutaPorJustiça, @MichaelBJordan, @JamieFoxx, @BrieLarson, #drama, baseadoemfatosreais, #racismo, #BryanStevenson, @WarnerBrosPicturesBR, @cinemanoescurinho, @cinemaescurinho

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

"Dolittle" - um filme para quem curte bichos e um grande balde de pipoca

Robert Downey Jr. repete a clássica história do médico que conversa com os animais (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Uma retomada ao clássico infanto-juvenil "Dr. Dolittle" com grandes estrelas e muitos efeitos especiais. Este é "Dolittle", a nova versão em cartaz no cinema que tem como protagonista Robert Downey Jr., após sucessos como Homem de Ferro, na franquia "Vingadores", ou como Sherlock Holmes. O longa usa e abusa da computação gráfica, superando os anteriores (1998 e 2001) que tiveram Eddie Murphy no papel do médico veterinário que conversa com os animais. O que era esperado.


Na nova versão, os bichos têm mais desenvoltura, os sentimentos deles ficam mais sinceros nos olhares e nos diálogos. E eles passam mais vida e carisma que os personagens de "Rei Leão", apesar da alta tecnologia usada na live-action da Disney. Faltou apostar mais na aventura. O filme fica morno em alguns momentos, mas os animais logo tratam de mudar isso. Além da ótima interpretação de Robert Downey Jr., que ajuda a salvar a produção de US$ 175 milhões.


O ator tenta ser o mais divertido possível, mas ainda mantém cacoetes de seu personagem de super-herói, inclusive a prepotência de sempre achar que não precisa de ninguém. Ele conduz bem seu papel e as cenas divididas com os animais são muito boas. Principalmente suas brigas com a arara Polly (voz original de Emma Thompson), que chama Dolittle na responsabilidade quando ele passa dos limites. Ou com o medroso gorila Chee-Chee (voz de Rami Malek) e o urso polar Yoshi (John Cena).

Um dos destaques do filme é a trilha sonora, especialmente a canção "Original", interpretada por Sia, e a versão épica para a clássica "What a Wonderful World", de Louis Armstrong, feita por Reuben and The Dark e AG, que emociona.


O elenco animal conta com vozes de outros nomes famosos do cinema: a pata Dab-Dab (Octavia Spencer), o cão Jip (Tom Holland), o tigre neurótico Barry (Ralph Fiennes), a raposa Tutu (Marion Cotillard) e a girafa Betsy (Selena Gomez). Já entre os humanos, destaque para Antonio Banderas (Rei Rassouli), Michael Sheen (o invejoso Dr. Blair Müdfly, que não aceita o dom de Dolittle) e Jim Broadbent (como lorde Thomas Badgley, que deseja tomar o trono da jovem rainha Vitória, papel de Jessie Buckley).


Apesar do elenco de peso de dubladores, a versão em português deixa os diálogos mais engraçados. As falas de Dolittle também ganham mais sarcasmo na voz do dublador brasileiro de Downey Jr. As crianças vão se divertir com as aventuras do físico, que também é médico veterinário, seu assistente Tommy Stubbins (Harry Collett) e a bicharada da reserva animal mantida pelo excêntrico Doutor Dolittle.  Vivendo em total isolamento do mundo humano após uma tragédia, ele recebe um chamado urgente da rainha da Inglaterra e precisará da ajuda de todos os seus amigos animais para realizar sua missão.


"Dolittle" é um bom entretenimento e tinha todos os recursos para bater os filmes anteriores. Mas pecou se perdeu ao entregar um filme de pouca ação, apesar dos diálogos engraçados, do colorido de passar boas lições de amizade, respeito aos animais e fidelidade. Mas ainda indico como uma boa opção para levar as crianças numa sessão de fim de semana.


Ficha técnica:
Direção: Stephen Gaghan
Produção: Universal Pictures / Perfect World Pictures / Team Downey
Distribuição: Universal Pictures do Brasil
Duração: 1h42
Gêneros: Comédia / Aventura / Família
País: EUA
Classificação: 10 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #Dolittle, @RobertDowneyJr, @AntonioBanderas, @UniversalPicturesBR, #drama, #aventura, #familia, #doutordosanimais, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

domingo, 23 de fevereiro de 2020

"Minha Mãe é Uma Peça 3" - uma ótima opção para quem não curte o Carnaval mas quer se divertir

Paulo Gustavo se supera e apresenta uma Dona Hermínia mais emotiva e estressada (Fotos: Downtown Filmes/Divulgação)

Maristela Bretas


Está sem ideia de um bom filme para se divertir neste carnaval. Então fica aqui a dica do @cinemanoescurinho. A ótima comédia "Minha Mãe é Uma Peça 3" é tão boa ou até melhor que a primeira. Este terceiro filme de Paulo Gustavo é sucesso em tudo: mais divertido, mais emocionante e mais ousado na abordagem de alguns temas. O longa-metragem se tornou a maior bilheteria da história do cinema nacional em ingressos vendidos a um público real, que lotou as salas por todo o país -11 milhões de espectadores e arrecadação de mais de R$ 180 milhões até a primeira quinzena de fevereiro. Ao contrário do filme que ocupa o "primeiro" lugar, cujas entradas foram adquiridas pela produtora, para garantir liderança no ranking de bilheterias, mas com salas vazias de público. 


Além de bater o tal filme no quesito lugares preenchidos, em dezembro "Minha Mãe é Uma Peça 3" também ultrapassou dois dos sucessos mais esperados da Disney para 2019 - "Star Wars: A Ascensão Skywalker" e "Frozen 2" - na semana de seus lançamentos. Passados dois meses, a comédia nacional continua firme em cartaz, ao contrário destes e do intitulado "líder", atraindo um bom público para as salas. 

Algumas pessoas estão assistindo até mais de uma vez as peripécias de Dona Hermínia, personagem criado e consagrado por Paulo Gustavo. O ator é também roteirista do filme, além de multitarefas na vida real. Novamente, ele é dirigido por Suzana Garcia, com quem trabalhou nas comédias "Os Homens são de Marte... e é Pra Lá Que Eu Vou" (2014) e "Minha Vida em Marte" (2018), tendo dividido a tela com Mônica Martelli.


Apresentada em 2013, Dona Hermínia caiu nas graças do público brasileiro, como uma mãe superprotetora, completamente estressada com os filhos Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo), a irmã Iesa (Alexandra Richter), a diarista Waldeia (vivida pela ótima Samantha Schmütz) e ainda ter que aguentar a atual namorada do ex-marido Carlos Alberto (Herson Capri). Até que resolve fugir de casa para dar um tempo e encontrar um objetivo na vida.

Três anos depois, ela retorna para um novo sucesso com "Minha Mãe é Uma Peça 2", agora como apresentadora de um programa de TV. Apesar de ter ficado rica, continua sofrendo com os filhos que saíram de casa para seguirem suas vidas. Para seu desespero, a irmã Lúcia Helena (Patrícia Travassos), ovelha negra da família, retorna ao Brasil para criar mais confusão.


Dona Hermínia não tem sossego e vai enfrentar duas mudanças radicais neste terceiro longa - Marcelina grávida e Juliano casando com Thiago (Lucas Cordeiro), um antigo namorado e Carlos Alberto tentando uma reconciliação. O coração não aguenta tanta emoção. E é exatamente aí que "Minha Mãe é Uma Peça 3" se destaca. Paulo Gustavo passa para seu personagem o amor e a emoção que está vivendo na vida real de ter filhos pela primeira vez. Os lindos bebês são mostrados numa das cenas, levados num carrinho pelo marido do ator. A mãe de Paulo, como nos outros dois filmes, volta com carga total no final, brigando muito com ele e se mostrando uma avó bem coruja.


Susana Garcia ousou na abordagem de alguns temas sérios pouco tratados em comédias nacionais: o casamento gay de Juliano, aceito e abençoado pelas famílias; a escolha de Marcelina em viver com o marido uma vida mais saudável no campo e ter o filho de parto normal; e a coragem de uma mulher em sair de um casamento de conveniência, recheado de dinheiro e traições, e iniciar uma nova vida. Bons exemplos para muitas pessoas.


Mas o lado engraçado ainda é o forte em "Minha Mãe é Uma Peça 3". Difícil não dar boas gargalhadas com Dona Hermínia, que está cada vez mais histérica, sarcástica e estressada, proporcionando ótimos momentos durante todo o filme. Uma das melhores comédias nacionais dos últimos tempos. Se ainda não assistiu, não sabe o que está perdendo. O longa está em exibição em várias salas das redes Cineart e Cinemark em BH, Betim e Contagem, Cinépolis no Shopping Estação BH e Cinesercla no Big Shopping, em Contagem.


Ficha técnica:
Direção: Susana Garcia
Produção: Migdal Filmes/ coprodução Globo Filmes / Telecine / Universal Pictures International/ Paramount Pictures Corporation
Distribuição: Downtown Filmes /co-distribuição Paris Filmes
Duração: 1h45
Gênero: Comédia 
País: Brasil
Classificação: 12 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: "MinhaMaeEUmaPeca3, #DonaHerminia, @PauloGustavo, @MigdalFilmes, @ParisFilmes, @DowntownFilmes, @SusanaGarcia, #comedia, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

"História de um Casamento" ou: quando os tribunais se sobrepõem ao afeto

Scarlet Johansson e Adam Driver protagonizam o longa dirigido por Noah Baumbach ganhador de vários prêmios (Fotos: Netflix/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


O fracasso de um romance, com o consequente rompimento do relacionamento costuma resultar em ótimos e comoventes roteiros. Tanto a comédia quanto o drama já se ocuparam do tema, tão universal e, ao mesmo tempo, tão íntimo. Talvez resida aí, nesse paradoxo, o interesse do público, mais curioso sobre a forma do desgaste que parece inevitável do que propriamente sobre o conteúdo do fracasso.

Pois é exatamente esse o caso de "História de um Casamento", celebrado longa de Noah Baumbach produzido pela Netflix, que colecionou muitos prêmios neste ano: no Globo de Ouro faturou Melhor Filme Dramático, Melhor Ator (Adam Driver), Melhor Atriz (Scarlet Johansson) e Melhor Roteiro. No Oscar, levou a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante para Laura Dern, fora as indicações de Melhor Filme, Melhor Ator e Melhor Atriz.


"História de um Casamento" é, sem dúvida, um bom filme, mas que ninguém espere dele a profundidade de "Cenas de um Casamento", de Ingmar Bergman, que encantou plateias mundo afora no início da década de 70. Frequentemente, sites especializados e cinéfilos não resistem à comparação, quase inevitável. Acontece que o tempo passou, a fila andou e, agora, trata-se de um filme tipicamente norte-americano. Saem os toques humanos, sensíveis e filosóficos daquele tempo e, em seu lugar, entram disputas jurídicas entre advogados que brigam não só pelo dinheiro e pelas propriedades, mas também pela guarda do filho do casal e - acreditem - até pela comarca onde o processo todo deve se desenrolar: Los Angeles (onde ela mora), ou Nova York (onde ele vive)?


Os fatos: o filme já começa com Charlie (Adam Driver) e Nicole (Scarlet Johansson) em crise que, tudo indica, não é grave. Os dois, que parecem ter vivido relativamente felizes e cheios de planos para eles e para o filho Henry (Azhy Robertson), dão sinais, desde o início da história, de que tentam melhorar a relação. Frequentam psicoterapias, procuram fazer o que mandam os psicólogos e, principalmente, falam sobre o desgaste que, a princípio, parece pequeno e perfeitamente contornável.


Como pessoas modernas que são - ele diretor de teatro e cinema, e ela atriz -, o casal segue no diálogo civilizado mesmo quando decide se separar, até que entra em cena a figura de um advogado. Mais precisamente, de uma advogada, Nora Fanshaw, papel magistralmente feito por Laura Dern. É praticamente a partir daí que o filme começa a esquentar, tudo dentro do mais típico cenário norte-americano, onde a grana fala mais alto do que qualquer sentimento, onde o jurisdiquês predomina sobre o amor, impregnando e distorcendo o que pudesse restar de afeto e boas intenções.


Muitos acham o longa arrastado, o que é verdade. Mas talvez seja o caso de perguntar: não é realmente arrastada, lenta e inócua a burocracia da Justiça? Por que falar estritamente da guarda de um filho se o que importa é o tipo de escola que ele vai frequentar - em Los Angeles ou Nova York? Por que promover o diálogo se a ideia é exatamente opor o homem à mulher, numa disputa de gênero que parece nunca ter fim? Típico filme de tribunais, "História de um Casamento" talvez não caiba no rol das histórias que falam sobre relacionamento afetivo.



Ficha técnica:
Direção: Noah Baumbach
Distribuição: Netflix Brasil
Duração: 2H17
Gênero: Drama

Tags: #HistoriaDeUmCasamento, #MarriageStory, @ScarlettJohansson, @AdamDriver, #drama, @NetflixBrasil, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho