terça-feira, 26 de maio de 2020

"Arremesso Final" traz um novo panorama sobre o maior time de basquete da história


Minissérie da Netflix narra a odisseia de Michael Jordan à frente dos Bulls (Fotos: Netflix/Reprodução)

Wallace Graciano


Amigos leitores, agora que o hype passou, posso lhes confirmar categoricamente: “The Last Dance” é, sem dúvida, a maior série documental já feita no âmbito esportivo e uma das mais belas obras biográficas já produzidas. Mais do que simplesmente fazer uma retrospectiva sobre a última temporada de Michael Jordan no Chicago Bulls, “Arremesso Final”, como foi traduzido no Brasil pela Netflix, oferece uma reflexão sobre o porquê jogador e time entraram para o panteão da história do basquete. Tudo porque a minissérie deixa de lado o arquétipo do herói perfeito e busca humanizá-los.


Durante seus 10 episódios, vimos Jordan, Scottie Pippen, Dennis Rodman e companhia duelarem contra os mais diversos rivais, seja dentro ou fora de quadra. Para além da bola quicando, o documentário traz à tona tudo o que envolveu os seis títulos conquistados pelos Bulls, mostrando os bastidores da equipe e todo o lado psicológico que envolveu o time.



Ao revelar essa faceta dos heróis de Chicago da década de 1990, “Arremesso Final” desfaz o mito do herói tão comum em construções biográficas. Nela, Jordan é perfeitamente retratado como alguém temperamental, que tem compulsão pelo sucesso e ataca seus companheiros por isso. Indo e voltando na linha do tempo, traz os bastidores e dificuldades que o jogador enfrentou para se tornar o maior mito do esporte norte-americano. 



Os bastidores, por sinal, são um ponto à parte. Paralelamente em meio ao período que a NBA consolidava-se e expandia seus mercados ao redor do mundo, crescia os mecanismos de registro visual. Assim, a série é recheada de imagens daquele time dos sonhos, mostrando a dificuldade na qual o técnico Phil Jackson teve para guiá-los ao hexacampeonato. 

Outro ponto interessante é colocar Jordan, aos 57 anos, em confronto com seus antigos desafetos das décadas de 1980 e 1990, ou mesmo contra a diretoria dos Bulls, que não permitiu que ele e seus companheiros buscassem o hepta. 



Não obstante, para aliviar um pouco a narrativa do lado obsessivo de Jordan e seus companheiros, a série traz de forma paralela o impacto dos Bulls e da NBA na década de 1990, citando até mesmo o mítico tênis Air Jordan e como moldou o comportamento de uma geração. 

Se você ainda não viu “The Last Dance”, desmarque seus compromissos e acesse à Netflix tão logo possa. Se não gosta do esporte, siga o mesmo caminho. Afinal, a série não narra apenas uma odisseia esportiva vitoriosa. Traz a humanização dos mitos que moldaram uma geração e o porquê foram a melhor propaganda que o basquete pôde ter.


Ficha técnica
Diretor: Jason Hehir
Produção: Netflix
Número de episódios: 10
Duração de cada episódio: 51 minutos
Gêneros: Documentário / Esporte
Classificação: 16 anos

Tags: #ArremessoFinal, #TheLastDance, @MichaelJordan, @ChicagoBulls, #basquete, #documentário, @NetflixBrasil, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

quarta-feira, 20 de maio de 2020

"Resgate" é sangue, suor, tiros e muita violência

Chris Hemsworth e o estreante ator indiano Rudhraksh Jaiswal formaram uma boa dupla (Fotos: Jasin Boland/Netflix)

Maristela Bretas


Os irmãos produtores Anthony e Joe Russo gastaram em "Resgate" ("Extraction") todo o estoque de sangue economizado em "Vingadores: Ultimato" (2019). E de quebra ainda aproveitaram o poderoso ex-Thor, Chris Hemsworth, para gastar o que sobrou do arsenal militar de armas, munição e explosivos. E novamente incorpora o perfil de beberrão atormentado pelo passado que usou no filme dirigido pela dupla.

Sob a direção de Sam Hargrave (coordenador de dublês de "Vingadores: Guerra Infinita" - 2018 e "Vingadores: Ultimato"), "Resgate", produção da Netflix que estreou em 24 de abril, é ação do início ao fim, com muitas cenas violentas, ótimas perseguições, bons tiroteio e pancadaria suficiente para mandar alguns dublês para o hospital. 


A trilha sonora ficou a cargo de Henry Jackman, também "pescado" da famosa franquia da Marvel pelas composições musicais de "Capitão América: Soldado Invernal" (2014) e "Capitão América: Guerra Civil" (2016). Além de sucessos como "Crime Sem Saída" (2019), "Jack Reacher: Sem Retorno" (2016) e os dois filmes de Jumanji: Bem-Vindo à Selva (2017) e "Próxima Fase" (2019).

Com ótimas locações em Bangladesh e Índia, especialmente nas capitais Daca e Mumbai, o filme expõe um contraste social que revolta. A miséria da maioria dos cidadãos de ambos os países contra a riqueza absurda e suntuosa de uma minoria, representada pelos chefões do crime organizado. 


Chris Hemsworth está muito bem no papel do ex-militar que se tornou um mercenário. Ele é contratado para resgatar em Bangladesh o filho de um poderoso traficante de drogas indiano sequestrado por outro chefão do tráfico do país vizinho. O elenco é pouco conhecido, exceto pelo protagonista, David Harbour ("Hellboy" - 2019) e Golshifteh Farahani ("Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar"- 2017). 


O sucesso do filme, além da ação, se deve a atuação de Hemsworth, como o mercenário Tyler Rake, e o estreante ator indiano Rudhraksh Jaiswal, que interpretou o garoto sequestrado Ovi Mahajan Jr. É na relação que surge entre a dupla que estão também os poucos momentos de drama da produção, que deve agradar àqueles que gostam do gênero ação com muita violência. Vale conferir.


Ficha técnica:
Direção: Sam Hargrave
Produção: Netflix
Distribuição: Netflix
Duração: 1h57
Gêneros: Ação / Suspense
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #Resgate, #Extraction, @ChrisHemsworth, #DavidHarbour, #ação, #suspense, @Netflix, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

segunda-feira, 18 de maio de 2020

"Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips" une heróis e vilões contra super demônios

Produção conclui o universo animado da DC Comics baseado na fase dos Novos 52 (Fotos: Warner Bros. Animation/Divulgação)

Jean Piter Miranda


No futebol existe um ditado: "A melhor defesa é o ataque". Isso também é utilizado hoje em dia no MMA (artes marciais mistas). Na prática, a gente sabe que não é bem assim. Quando você ataca, sua defesa fica um tanto vulnerável. E vice e versa. Em se tratando de estratégia, muitas vezes o inimigo baixa a guarda esperando que você ataque para então te atingir com um contragolpe. E é bem isso que a gente vê em "Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips", a nova animação da DC Comics.



Tudo começa quando o Superman convoca toda a Liga da Justiça para atacar o planeta Apokolips, governado por Darkseid. A ideia não parece muito boa, já que o supervilão é um dos maiores e mais fortes inimigos que o grupo já enfrentou. A justificava do Homem de Aço é razoável: Darkseid tem destruído e conquistado centenas de planetas, usando exércitos de parademônios. E ao que tudo indica, a Terra é o próximo alvo.


Juntos, eles podem derrotar o tirano. Os parademônios são vistos como problemas menores, uma vez que a Liga já enfrentou e venceu esses seres. E Batman dá o aval. “Sabemos quais são seus pontos fracos”. Então, todos seguem para Apokolips.

Os Jovens Titãs e a Liga da Justiça vão ao encontro de Darkseid, mas o vilão estava preparado. Os tais super demônios estavam muitos mais fortes e os heróis foram massacrados. Muitas baixas e alguns sobreviventes. E aí que começa a história.



John Constantine precisa reunir os sobreviventes para atacar o vilão antes que o que sobrou da Terra vire cinzas. Superman, Ravena, Robin, Etrigan e até mesmo membros do Esquadrão Suicida se juntam para encontrar uma forma de voltar à Apokolips.

Embora sejam muitos personagens e muitos acontecimento, o filme transcorre bem. Num ritmo muito bom. As histórias dos personagens não são aprofundadas. Mas nem precisa. Dá pra entender a origem e o propósito de cada um na trama. Cada tem sua importância.



As cenas de ação são muito boas. Tem muita porrada e sangue e é até violento se comparado com os outros filmes de animação. Mas isso não é ruim. Na verdade, funciona como um diferencial positivo. Somado a um clima de tensão de um grupo reduzido, enfraquecido e traumatizado que vai precisar enfrentar justamente o vilão que venceu e humilhou os heróis mais fortes do universo.

Ravena, seu pai Trigon e Constantine são os protagonistas, mesmo com Batman, Mulher-Maravilha, Superman, Lanterna Verde, Shazam, Flash, Cyborg e Aquaman no filme. O que deixa a história bem mais interessante.



O nível de dificuldade do vilão, as perdas, os mundos destruídos e as limitações dos heróis que sobraram trazem a sensação constante de que nada mais pode ser feito, e que a guerra já está perdida. Não dá pra fazer previsões. O desenrolar da história traz muitas surpresas que certamente vão agradar em muito aos fãs.

"Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips" está disponível em Blu-Ray nos Estados Unidos e online pelo Google Play para o resto do mundo. O filme dá sequência à animação "Liga da Justiça Sombria", de 2017, e encerra o universo estendido das animações da DC Comics baseadas na fase dos Novos 52.



Ficha técnica:
Direção: Matt Peters e Christina Sotta
Produção: Warner Bros. Animation
Distribuição: Warner Home Video
Duração: 1h30
Gêneros: Ação / Animação
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #LigaDaJustiçaSombriaGuerraDeApokolips, @DCComics, @WarnerBrosAnimation, #ação, #aventura, #Superman, #Batman, #LigaDaJustiça, #MulherMaravilha, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sexta-feira, 15 de maio de 2020

"O Colecionador de Ossos" - do livro para a tela de TV com mais ação e elenco pouco conhecido

Elenco da série: Russell Hornsby, Arielle Kebbel e Michael Imperioli (Fotos: Zach  Dilgard/NCB)

Maristela Bretas


Depois de ganhar as telas de cinema em 1999 com a excelente produção "O Colecionador de Ossos", a obra de Jeffery Deaver agora estreia em série de TV produzida pela Sony Pictures Television e Universal Television. A partir de segunda-feira (18), sempre às 22 horas, o canal AXN passa a exibir "Lincoln Rhyme" ("Lincoln Rhyme: Hunt for The Bone Collector").



O nome do famoso criminologista forense é o mesmo do livro e do filme e a história sofreu poucas modificações. Lincoln Rhyme é um policial que durante a caçada a um assassino sofre um acidente e fica tetraplégico. A série "Lincoln Rhyme" terá como protagonista o ator Russell Hornsby (de "Creed II" - 2019), que vai interpretar o criminologista que deixa a aposentadoria para formar uma equipe especializada na caçada ao serial killer que o deixou tetraplégico, o Colecionador de Ossos, que está aterrorizando Nova York. 




Para interpretar a policial Amelia Sachs (nome original dos livros) foi escolhida a atriz Arielle Kebbel (de "Cinquenta Tons de Liberdade" - 2016). Os produtores e diretores VJ Boyd e Mark Bianculli contam que a série terá passagens da obra original e de outros livros do autor, além de investigações de casos violentos e misteriosos, assassinatos complicados e até atos terroristas. Tudo para atrair e agradar aos fãs do autor.


O Colecionador de Ossos

No ótimo filme, estrelado há 21 anos por ninguém menos que o excelente Denzel Washington, o criminologista, após um acidente durante uma missão, só pensa em morrer até que uma série de assassinatos o faz voltar à ativa. Em sua casa é montada uma equipe especial formada por policiais de confiança e a novata analista criminal Amelia Donaghy (sobrenome diferente do original), papel de Angelina Jolie. 

Do elenco desta produção dirigida por Phillip Noyce participaram também Queen Latifah, pouco aproveitada como a enfermeira Thelma, que cuida de Rhyme; Michael Rooker, como o Capitão Howard Cheney; Luiz Gusman, como o detetive Eddie Ortiz, e Leland Orser, como o médico Richard Thompson. 


Denzel Washington e Angelina Jolie (Crédito: Columbia Pictures)

"O Colecionador de Ossos" é um excelente filme, um dos melhores do gênero suspense policial, com boa fotografia, elenco de primeira e muito entrosado - especialmente o casal principal, bem carismático e com muita química. O roteiro leva a um clímax esperado mas bem articulado na caçada ao serial killer que deixa pistas das próximas vítimas. Para quem quiser conferir o filme, ele está em exibição no canal AXN, da Sony, com chamadas para a nova série.


Tags: #LincolnRhyme, #OColecionadorDeOssos, @RussellHornsby, @AXNBrasil, @DenzelWashington, @AngelinaJolie, #suspense, #policial, @SonyPictures, @cinemanoescurinho, @cinemaescurinho

domingo, 10 de maio de 2020

O que seria do cinema se não fossem as mães


Maristela Bretas


Ela nos guia e dá força, chama nossa atenção e mesmo quando tudo parece impossível, a saudade aperta ou a solidão bate forte, é com nossa mãe que podemos contar. No abraço apertado, no colo quentinho, no caldo preparado à noite para aquecer a alma ou curar as feridas do dia a dia.

Mães são temas de livros, temas de conversas de bar e reuniões de família e também dominam o mundo do cinema. Claro, elas nunca poderiam ficar de fora. Animações, blockbusters, dramas, romances, suspenses, aventuras. Até mesmo no terror elas surgem para explicar o inexplicável. Sempre acham um jeito de ficar de olho ou de fazer parte da vida dos filhos. 

Nem os super-heróis, com suas capas, armaduras ou martelos poderosos, escapam de um carinho ou de um puxão de orelha quando pisam na bola. Para elas não importa se são vilões ou mocinhos, cor, gênero, raça, religião ou time de futebol, todos são filhos e amados. E é para todas essas pessoas que interpretam diariamente o grande o papel de mãe para nos tornar seres humanos melhores que o @cinemanoescurinho dedica o post de hoje. Parabéns mamães, estejam vocês perto ou longe, até mesmo numa galáxia muito distante. Vocês são o maior presente que um filho pode ter. 

Entre as milhares de produções - nacionais e internacionais - escolhemos algumas, de alto astral, que podem ser conferidas nos canais Telecine, Netflix, Amazon Prime Video, HBO e Youtube Filmes. As opções vão desde filmes exibidos gratuitamente a grandes sucessos disponíveis para aluguel ou compra. Na lista estão duas das animações mais lindas e apaixonantes dos últimos tempos, ambas da Pixar e ganhadoras de Oscar como Melhores Curtas de Animação - "Piper", de 2016, exibido antes de "Procurando Dory" e "Bao", de 2018, apresentado antes de "Os Incríveis 2". 

Piper (Youtube Filmes)
É a história de um pequeno pássaro que vive próximo a praia e, incentivado pela mãe, se aventura pela primeira vez a sair do seu ninho e ir atrás de comida, seguindo o exemplo do bando.


- Procurando Dory (2016) - Netflix - Agora é a vez de a peixinha azul procurar por sua família com a ajuda os amigos 
- Hotel Transilvânia (2012), 2 (2015) e 3 ( 2018) =  Telecine /Netflix / HBO / Prime Video - Drácula é um superpai que tenta evitar  que sua filhinha vampira namore com um humano
- Meu Malvado Favorito 1 (2010), 2 (2013) e 3 (2017) - Netflix - O maior vilão de todos os tempos conhece e adota três órfãos e muda completamente sua vida.
- Malévola (2014) - Netflix / Telecine / Prime Vídeo - De rainha das fadas a vilã, Malévola não resiste à pureza e bondade de Aurora e passa a cuidar dela como filha
- Malévola - Dona do Mal (2019) - Telecine / Prime Vídeo - O casamento de Aurora com o filho de uma rainha má desagrada Malévola que vai tentar impedir
- Bao (2018) - Telecine
Uma mãe chinesa-canadense sofre com o seu "ninho vazio" após o filho sair de casa e ganha uma nova oportunidade quando um de seus bolinhos artesanais (guiosa) ganha vida. Mas ele também vai crescer e conquistar sua independência.


Uma Lição de Amor (2001) - Netflix - Um adulto com sofrimento mental cria sua filha sozinho, mas o conselho tutelar o julga incapaz e tenta tirar a menina dele
- Mama Mia!-  O Filme ( 2008) - Netflix / Telecine - A jovem Sophie vai se casar e precisa que a mãe (Meryl Streep) conte qual dos ex-namorados é seu pai 
- Mama Mia!-  Lá Vamos Nós de Novo (2018) - Telecine - Cinco anos depois, Sophie está grávida e quer reencontrar os pais
- Os Incríveis (2004) - Netflix / Prime Vídeo - Uma família nada normal se transforma em super-heróis para salvar o mundo
- Os Incríveis 2 (2018) - Prime Video 


- Superação: O Milagre da Fé (2019) - Telecine - Somente o amor de uma mãe e a fé de uma comunidade pode salvar a vida de um jovem que se acidentou
- Perfeita é a Mãe! (2016) - Netflix / HBO - Três mães se juntam e resolvem jogar tudo para o alto em busca de diversão
- Perfeita é a Mãe 2 (2017) - Prime Video / HBO - Ainda sobrecarregadas com as tarefas, as três amigas agora vão enfrentar os preparativos do Natal com suas mães
Minha Mãe é Uma Peça - 1, 2 e 3 - Telecine - Dona Hermínia dispensa apresentações desta possessiva  e cômica mãe e sua relação nada normal com os três filhos





- O Milagre da Cela 7 - (2019) - Netflix - Um pai com sofrimento mental cria a filha junto com a avó até ser condenado por um crime que não cometeu
Fala Sério, Mãe! (Telecine) - Comédia nacional sobre o relacionamento entre uma mãe (Ingrid Guimarães) e a filha adolescente (Larissa Manoela)
- Tal Mãe, Tal Filha (2017) - Prime Video / Telecine - Mãe dependente financeira da filha, descobre que ambas estão grávidas
- Star Wars VII, VIII e IX (2015, 2017 e 2019) - Prime Vídeo - A última trilogia da grande saga reforça nos três episódios a forte relação entre a Princesa Lea e o filho Kylo Ren que lutam em lados opostos


- Guardiões da Galáxia (2014) e Guardiões da Galáxia Vol. 2 (2017) - Prime Vídeo -  Peter Quill perdeu a mãe muito cedo, mas o Vingador guarda como lembrança dela um Walkman e uma fita cassete com os sucessos dos anos 70 e 80.
- The Flash (Série de TV) - Warner / Netflix - o super-herói  mais rápido do planeta está sempre em busca do responsável pela morte da mãe quando garoto
- Batman X Superman - A Origem da Justiça (2017) - Netflix - A trajetória do amargo e vingativo Homem Morcego cruza com a do Homem de Aço numa luta de morte.  Até ambos descobrirem que suas mães chamam Martha




Supergirl (Série de TV) -Warner / Netflix - A jovem prima do Superman tem ótima relação com a mãe terráquea mas não esquece a que ficou no seu planeta destruído
- Mulher Maravilha (2017) - Telecine - Diana é filha da rainha Hipólita, uma grande guerreira que tenta proteger a filha e ensiná-la a ser uma grande e forte mulher
- Thor: O Mundo Sombrio (2013) e Vingadores: Ultimato (2019) - Ambos mostram a bela e carinhosa relação entre o Deus do Trovão e sua mãe, a rainha de Asgard
- O Espetacular Homem-Aranha (2012) - Telecine - Peter Parker perdeu os pais ainda menino e foi criado por sua tia May que não sabe que ele é o Homem-Aranha


Tags: #DiaDasMaes, @SonyPictures, @PixarAnimation, @Disney, @MarvelStudios, @WarnerBrosPictures, @Telecine, @AmazonPrimeVideo, @HBO, @Netflix, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

quinta-feira, 30 de abril de 2020

"As Telefonistas": figurino impecável, roteiro mirabolante e uma paciência de quarentena

Blanca Suárez é uma das protagonistas da série da Netflix ambientada na Espanha dos anos 1920 (Fotos: Manuel Fernandez-Valdez/Netflix)

Mirtes Helena Scalioni


Talvez o maior atrativo da série espanhola "As Telefonistas" ("Las Chicas del Cable") seja exatamente a forma como construíram os chamados ganchos. O espectador quer sempre ver o que vem no próximo capítulo, exatamente pela maneira com que cada um é finalizado, sempre criando expectativa, mesmo que sem muita coerência. Não fosse isso, dificilmente alguém conseguiria chegar até o fim dos seus intermináveis 37 capítulos disponíveis, muitos deles sem pé nem cabeça, mal costurados em cinco temporadas no Netflix.


O argumento da história é maravilhoso, não se pode negar: quatro jovens se conhecem trabalhando como telefonistas da recém-criada Companhia Telefônica da Espanha. É ambientada numa Madrid provinciana, burguesa e sedenta de modernidade, e começa em 1928, época de mesuras e reverências ao rei. Em tempo de machismo absoluto e total submissão das mulheres, as quatro criam um bonito laço de afeto e cumplicidade que, aos poucos, revela-se capaz de justificar, inclusive, crimes. Não parece instigante?


Uma pena que um roteiro tão rico esteja sendo tão mal desenvolvido. Há momentos em que a trama fica inverossímil e soa falsa, forçada. Os personagens também não são bem construídos e, até o momento, o perfil de alguns deles não fica claro. Não se trata de preferir maniqueísmos de heróis contra vilões. Mas todo personagem precisa de um mínimo de coerência para sobreviver em qualquer enredo que se preze. Essa falha torna ainda mais confusa as intrigas de "As Telefonistas". Para completar, a série deixa buracos e muitas perguntas sem respostas, mesmo que tenha se passado mais de dez anos na história. 


Com argumentos tão ricos como a luta pela emancipação das mulheres, o final da monarquia e os horrores da Guerra Civil que estraçalhou a Espanha entre 1936 e 1939, era de se esperar uma obra mais consistente. Em certos momentos, a história fica cansativa como se os autores tivessem sido obrigados a estendê-la ou não soubessem como terminá-la. 

A voz em off da personagem principal, a telefonista Lídia, também se revela inútil, como se ela quisesse explicar o inexplicável ou justificar o injustificável. Ao final de quase todos os capítulos, ela decreta algo como: e o pior ainda está por vir. É como se estivessem num campeonato mundial de desgraças. E dá-lhe novas tramas e novos personagens, tudo muito mal costurado, carecendo solidez.


O elenco de "As Telefonistas", com raríssimas exceções, merece aplausos. Até por conseguir dar sequência a um roteiro inconsistente, atores e atrizes seguram, com galhardia, os papéis que carregam, mesmo que, por vezes, incoerentes. Blanca Suárez é a protagonista, fazendo a líder do grupo Alba Romero, que depois vira Lídia Aguiar - e não se fala mais nisso -, sempre em dúvida entre o amor de Francisco Gómez (Yon González) e Carlos Cifuentes (Martiño Rivas). 


Ao redor dela gravitam Ángeles Vidal (Maggie Civantos), abusada pelo marido, a romântica Marga Suárez (Nadia de Santiago) e a rebelde e ousada Carlota (Ana Fernandez). Destaques para Ana Polvorosa, que interpreta a ambígua Sara Milán/Oscar e Concha Velasco, que brilha como a senhora Carmen Cifuentes. Há outros nomes, mas são tantos, devido às mirabolantes viradas e pegadinhas da história, que não precisam ser citados. A direção também é conjunta: Gema R. Neira, Ramón Campos e Teresa Fernandez-Valdés.


É possível que grande parte dos telespectadores chegue ao término. Afinal, até a curiosidade de saber onde isso tudo vai parar pode ser um bom motivo. Outra motivação - embora não suficiente - é o figurino. Rico, fiel e impecável, revela a beleza e o refinamento das roupas, calçados e, principalmente, a elegância dos chapéus. Para quem chegou ao trigésimo sétimo capítulo de "As Telefonistas", só resta esperar que, nos próximos, ainda inéditos, algo de brilhante justifique tantos dramas, tragédias e vinganças. 


Ficha técnica:
Série: 5 temporadas/ 8 capítulos por temporada
Distribuição: Netflix
Duração: 50 minutos em média
Classificação: 18 anos
Gênero: Drama

Tags: #AsTelefonistas, #LasChicasDelCable, #Netflix, #drama, #série, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sábado, 25 de abril de 2020

Uma história e várias versões sobre a vida (secreta?) pós-celular, ambas na Netflix

(Montagem sobre fotos: Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Marido e mulher - ele cirurgião plástico, ela psicóloga - recebem em casa para um jantar dois casais e mais um amigo desacompanhado. O clima é de confraternização, quase festa, no início da comédia "Nada a Esconder". A princípio, todos estão ali para apreciar, da varanda, um prometido eclipse lunar. Nota-se que há intimidade entre eles como se conhecessem há anos. 

O único que está solteiro é Pepe, que já chegou se desculpando por não trazer a namorada nova: ela está doente - foi o que ele disse, para decepção de todos, que esperavam conhecer, enfim, a nova namorada dele. Nada mais corriqueiro e natural do que um jantar entre velhos amigos de classe média alta, o vinho rolando generosamente, o anfitrião na cozinha preparando pratos sofisticados.


O clima começa a mudar quando um dos personagens sugere que todos coloquem seus celulares sobre a mesa e que, a partir daí, todas as ligações, notificações e mensagens sejam abertas e lidas publicamente. O jogo, a princípio interessante e engraçado, passa a gerar uma certa tensão quando máscaras começam a cair, traições vêm à tona, revelações criam conflitos, segredos comprometem relações de casais e velhas amizades. 


De tão contemporâneo, instigante - e por que não? - divertido, esse mesmo roteiro de "Nada a Esconder", que foi filmado a primeira vez em 2016 pelo italiano Pablo Genovese com o nome de "Perfetti Sconosciuti", já ganhou versões em produções na Grécia, Espanha, Turquia, Coreia do Sul, China, Polônia, França e México. Um fenômeno. As duas últimas montagens, ambas de 2018, a mexicana e a francesa (além da espanhola), estão disponíveis na Netflix e é quase impossível escolher entre uma delas. Ambas são excelentes.



Na versão mexicana da comédia, que  ganhou o nome de "Perfeitos Desconhecidos" ("Perfectos Desconocidos") como na produção espanhola de 2017, é possível reconhecer as cores mais fortes, o clima quente das discussões e conversas e, claro, o jeito peculiar de interpretação dos atores. Há certo exagero nessa montagem, dirigida e roteirizada por Manolo Caro. Os risos são nervosos, há uma ironia no ar. A equipe de intérpretes é composta por Mariana Trevino, Cecília Suarez, Manuel Garcia-Rufo ("Sete Homens e Um Destino" - 2016), Camila Valero, Miguel Rodarte, Bruno Bichir (série "Narcos" - 2015) e Franky Martin.


Já na produção francesa, "Nada a Esconder", vê-se a fleuma e o charme de um típico encontro entre pessoas que conhecem - e apreciam - um bom vinho, entendem e falam de gastronomia. O ambiente é mais discreto e refinado, os gestos são mais contidos. A direção impecável é de Fred Cavayé e o nome original do longa é "Le Jeu" - "O Jogo", título muito apropriado por sinal. No elenco estão Bérénice Bejo, Stéphane de Groodt, Suzanne Clément, Vincent Elbaz, Doria Tiller, Roschdy Zem, Grégory Gadebois e Fleur Fitoussi.

As duas histórias - mexicana e francesa - são absolutamente iguais, com a ação totalmente desenvolvida numa sala de jantar. As nuances ficam por conta da atuação de atores e atrizes. Em ambas, há um misticismo qualquer no ar por conta do eclipse - a Terra esconde a Lua? Em ambas, devagar, o que vão sendo desnudados são o preconceito, a hipocrisia e a vida de fachada de uma classe média moderninha e charmosa.


Fichas técnicas:
Perfeitos Desconhecidos
País: México
Direção: Manolo Caro
Duração: 1h44
Distribuição: Netflix
Classificação: 14 anos

Nada a Esconder 
País: França
Direção: Fred Cavayé
Duração: 1h33
Distribuição: Netflix
Classificação: 14 anos

Tags: #NadaAEsconder, #LeJeu, #PerfeitosDesconhecidos, #PerfectosDesconocidos, #FredCavayé, #ManoloCaro, #comedia, @Netflix, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Prepare um lençol pra chorar muito com o envolvente "Milagre na Cela 7"

Produção distribuída pela Netflix é para ver de coração aberto (Fotos: Netflix/Divulgação)

Maristela Bretas


Emocionante, envolvente, humano (e também desumano), de uma enorme simplicidade para tratar o amor de pai e filha, "Milagre na Cela 7" ("7. Koğuştaki Mucize"), filme turco distribuído pela Netflix, é imperdível. Remake de uma produção sul-coreana de 2013, esta versão segue uma linha extremamente comovente, impossível não chorar rios de lágrimas com a história de um homem, portador de uma síndrome neurológica, que é separado da filha pequena após ser acusado de um crime que não cometeu. 

Parece um tema simples, mas toda a trama é recheada de histórias paralelas, que se entrelaçam com a de Memo, muito bem interpretado por Aras Bulut Iynemli, e sua filha Ova (a linda e fofa Nisa Sofiya Aksongur, que na época das filmagens tinha 8 anos). A relação entre os dois é encantadora, como se fossem realmente pai e filha. O vídeo abaixo dos bastidores da produção mostra como todo o elenco se envolveu com a adorável garotinha.


O forte do filme são as pessoas, especialmente as mais simples,. Seus hábitos e cultura vão dar o sentido especial da trama. A vida simples e comum de interior não esconde o preconceito por quem é "especial". Das crianças da escola aos militares que o chamam de maluco, Memo é vítima de uma sociedade que não entende as limitações de um adulto com cabeça de criança. Mas para as duas pessoas mais importantes de sua vida - a filha e a avó Fatma (papel de Cecile Toyon Uysal, tarimbada atriz turca de 76 anos), "Lingo lingo", como é chamado por Ova, é o centro de tudo. Uma curiosidade: O nome de Memo é Mehmet, o mesmo do diretor do filme.



É com elas que ele vive uma vida feliz, cuidando das cabras da família, buscando a filha na escola, estudando com ela e ajudando a avó nos afazeres de casa. Mesmo sendo "diferente", o amor pela família é tudo para Memo, até que ele é acusado de ter matado uma menina, filha de um comandante do Exército. Sem um julgamento justo, Memo é condenado à morte e mandado para a prisão até a data de sua execução. Impedido de ver a filha e a avó, ele não entende o que aconteceu e só poderá contar com os companheiros da Cela 7 para tentar provar sua inocência. 


A condenação retrata bem a questão dos direitos humanos desrespeitados no país na época. Torturado, desacreditado, Memo não perde a pureza de alguém de bom coração. Aos poucos vai conquistando, um a um, os companheiros de cela e também quem vive a rotina de uma prisão. Com uma ajuda especial, ele consegue fazer com que, até mesmo os mais durões, coloquem pra fora o que lhes causa maior aflição e se libertem de seus pecados. No elenco, outros atores turcos, apesar de desconhecidos do público brasileiro, também se destacam no drama: Illker Aksum (como Askorozlu, líder dos presos na cela 7), Deniz Baysal (professora Mine) e Sarp Akkaya (o diretor da penitenciária).



Ambientado no interior da Turquia e todo falado no idioma de origem, com legendas em português, "Milagre na Cela 7" tem também na fotografia outro ponto forte. O diretor Mehmet Ada Öztekin soube explorar bem o belo visual da região onde foram feitas as locações. E usou bem a luz e o jogo de câmera nas cenas de tortura e execução. Também o figurino é bem fiel aos costumes da época, no início dos anos 2000. A trilha sonora, composta por Hasan Özsut somente com canções turcas, completa essa bela produção que está encantando milhares de pessoas. Um conselho: assista de coração aberto e um pacote de lenços de papel na mão.


Ficha técnica:
Direção: Mehmet Ada Öztekin
Produção: Lanistar Media / Motion Content Group /CJ Entertainment Turkey
Distribuição: Netflix
Duração: 2h12
Gênero: Drama
País: Turquia
Classificação: 16 anos
Nota: 5 (0 a 5)

Tags: #MilagreNaCela7, #7KogustakiMucize, #Netflix, #drama, #ArasBulutIynemli, #NisaSofiyaAksongur, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

segunda-feira, 20 de abril de 2020

"Sergio": um filme para ver em tempos de mediocridades

A breve e exemplar história de um verdadeiro herói brasileiro (Fotos: Netflix/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


É bem possível que digam que o filme "Sergio" foi demasiadamente romanceado. Em cartaz desde 17 de abril no Netflix, o longa estrelado magistralmente por Wagner Moura narra boa parte da brilhante carreira do brasileiro Sérgio Vieira de Mello, diplomata que comandou missões importantes na ONU - Organização das Nações Unidas - até morrer num atentado à sede da instituição em Bagdá, em 2003. O ato terrorista foi assumido na época pela Al Qaeda, em que morreram mais 21 pessoas. E, é bom salientar, não é a primeira vez que o cinema se vale de romances para colorir e dar nuances a trajetórias de heróis, mártires e guerreiros.

De tão profícua, bonita e cheia de aventuras, a breve história de Sérgio Vieira de Mello talvez tenha levado o diretor e documentarista americano Greg Barker a dar peso e importância ao romance do diplomata com a economista e colega argentina Carolina Larriera que, depois, se tornaria sua mulher. Mas, de forma alguma, essa opção tira o foco ou desmerece o longa que, na verdade, faz um recorte da carreira do brasileiro.



O filme destaca sua passagem pelo Timor-Leste, mostrando seu jeito peculiar de lutar pela independência da colônia portuguesa do jugo da Indonésia. E, claro, focaliza sua última missão, num Iraque perdido e destruído após a queda de Saddam Hussein. Pode parecer pouco, para quem já tinha passado por trabalhos não menos espinhosos em Bangladesh, Camboja, Líbano, Bósnia, Kosovo e Ruanda. 

Wagner Moura e o verdadeiro Sérgio Vieira de Melo (D)
Mas é impossível contar uma vida tão rica num filme. Afinal, dirigir é também fazer escolhas, priorizar, mesmo que esse diretor seja um profundo conhecedor do personagem, como é o caso de Barker, que já dirigiu um documentário sobre o tema e nome - "Sergio" -, que também pode ser conferido no Netflix. Há tanta verdade, tanta química e tanta beleza no encontro amoroso entre Sérgio e Carolina, muito pela força e talento dos dois intérpretes, que, em vez de distrair, a relação reforça o idealismo do personagem. Além, é claro, de tornar mais acessível e humana uma trajetória que poderia tornar-se desinteressante se fosse contada de forma burocrática e linear. As belas cenas de amor e paixão do casal humanizam, dão leveza, cor e sabor ao filme.


Importante destacar: se a maioria dos brasileiros conhece de sobra o talento e virtuosismo de Wagner Moura, não se pode dizer o mesmo da atriz cubana Ana de Armas ("Blade Runner 2049" - 2017 e "Entre Facas e Segredos" - 2019) e, uma grata surpresa. Bonita e charmosa, ela compõe uma mulher forte que, por vezes, se fragiliza diante do trabalho quase obsessivo do parceiro, empenhado em missões humanitárias mundo afora. 

A opção por construir o roteiro em insistentes flashbacks, que podem até incomodar no início, mostra-se acertada ao longo da trama. Afinal, trata-se de uma história conhecida, em que todos já sabem o final. A forma, portanto, que imprime dinamismo à narrativa, acaba por prender o espectador, que vai conhecendo, aos poucos, detalhes da vida do diplomata, descobrindo sua sensibilidade e seu jeito de tratar como humanas questões que podem parecer meramente políticas. Destaque para a cena em que Sérgio se emociona ao conversar com uma artesã numa espécie de mercado no Timor-Leste. Impossível não se comover.



É por meio dessas idas e vindas, que o público fica sabendo, por exemplo, que Sérgio Vieira de Mello foi estudante em Paris, onde participou das históricas manifestações de maio de 1968, talvez uma semente plantada para transformá-lo, depois, no que ele viria a ser uma peça fundamental no trabalho da ONU, batalhador incansável pelos direitos humanos, às vezes disposto a conflitos com os poderosos como ocorreu com George W. Bush. Ficou faltando, nessa sequência lógica de flashbacks, alguma citação, uma referência mínima que fosse, à primeira mulher de Sérgio Vieira de Mello, mãe dos dois filhos dele que aparecem no filme.



Pode-se gostar ou não do roteiro, do romance, da forma. Mas é inegável a riqueza do conteúdo de "Sergio". Em tempos como o que vivemos, onde se destacam líderes egoístas e incapazes de gestos de altruísmo e empatia, o exemplo de vida desse brasileiro que não teve tempo de viver sua aposentadoria no Arpoador, como planejava, não deixa de ser um alento.

PS: um dos produtores de "Sergio", junto com Wagner Moura, é o belo-horizontino Daniel Marc Dreifuss, que trabalha na Califórnia.



Ficha técnica:
Direção: Greg Barker
Produção: Netflix
Duração: 1h58
Gêneros: Drama / Biografia
País: EUA
Classificação: 12 anos 

Tags: #SergioOFilme, #drama, #WagnerMoura, @AnaDeArmas, #SergioVieiraDeMelo, #ONU, #atentadonoiraque,  @Netflix, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sábado, 18 de abril de 2020

Estúdios de cinema anunciam novas datas de estreias de suas produções

(Montagem sobre fotos de Divulgação)

Maristela Bretas

O risco de contaminação pelo Covid-19 provocou também interrupções nas produções cinematográficas. Vários filmes com estreias previstas para o primeiro semestre deste ano, assim como a finalização de outras dezenas, precisaram ser adiados para os próximos meses, alguns até mesmo para 2021. Os Estados Unidos enfrentam hoje a pior crise na área de saúde de sua história. O país ocupa, até o momento, o primeiro lugar mundial em número de pessoas infectadas e mortas pelo coronavírus.

Com previsões otimistas, apesar de a doença ainda estar fortemente presente em diversos países, como o Brasil, algumas produtoras anunciam o retorno de suas estreias a partir de junho e início do segundo semestre. Já as salas de cinema em Belo Horizonte ainda estão sem data de reabertura por causa da pandemia. Grandes redes como Cineart, Cinemark e Cinepolis, trabalham com a possibilidade de reabrirem suas salas a partir de 30 de julho, mas não há garantias. Veja abaixo as novas datas de lançamentos das produções mais esperadas:

Paramount Pictures

A aguardada continuação "Um Lugar Silencioso - Parte II" ("A Quiet Place - Part II") também ganhou nova data - 3 de setembro de 2020. Novamente com direção e roteiro de John Krasinski, o terror retoma a história logo após os acontecimentos mortais do primeiro filme: Evelyn Abbott (Emily Blunt), seu bebê e os filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe) precisam agora encarar o mundo afora, lutando em silêncio para sobreviverem às criaturas e outras ameaças pelo caminho.


Dia 30 de julho foi mantida a data pela Paramount para a estreia de "Bob Esponja: O Incrível Resgate" ("Sponge Bob Square Pants 3"), apesar de somente em 7 de agosto a animação chegar aos cinemas dos EUA. A animação é dirigida por Tim Hill.

Outra estreia esperada - "Top Gun: Maverick" ("Top Gun: Maverick") teve seu lançamento mudado de 23 para 25 de dezembro de 2020. Tom Cruise vive um de seus mais marcantes personagens, ao lado de Jennifer Connelly, com direção de Joseph Kosinski.


O grupo Disney fez uma reformulação radical na programação de seus lançamentos em todas as suas produtoras por causa do coronavírus. Alguns países onde estavam previstas locações também precisaram ser mudados.

Marvel
Dirigido por Cate Shortland, o filme "Viúva Negra" ("Black Widow"), a grande produção da Marvel Studios para este ano teve nova data de estreia marcada para 5 de novembro. Scarlett Johansson, novamente no papel da vingadora Natasha Romanoff, retorna para seu país de origem e se une a antigos aliados para acabar com o programa governamental que a transformou em uma assassina. O elenco conta ainda com Florence Pugh e David Harbour.

Também ganharam novas datas:
- "Os Eternos” - 11 de fevereiro de 2021
- “Shang-Chi"- 6 de maio de 2021
- “Doutor Estranho 2” - 4 de novembro de 2021
- “Thor: Love and Thunder” - 17 de fevereiro de 2022
- “Pantera Negra 2” - 7 de maio de 2022
- “Capitã Marvel 2” - 7 de julho de 2022


Walt Disney 

Pela Walt Disney Studios, os adiamentos atingiram o live-action "Mulan", que está com data prevista (podendo ser novamente mudada) para 24 de julho de 2020. Já a aventura "Jungle Cruise", estrelada por Dwayne Johnson e Emily Blunt, que recebeu ampla divulgação há dois meses, deverá estrear apenas em 20 de junho de 2021. O mesmo ocorreu com "Indiana Jones 5", com Harrison Ford voltando a viver o papel principal,. A nova data foi marcada para 29 de agosto de 2022.

Algumas datas, de produções Disney foram mantidas, no entanto:
"Soul", animação da Pixar -  25 de junho no Brasil
"Amor, Sublime Amor" - 18 de dezembro. A refilmagem da comédia musical  "West Side Story", de 1961, tem direção de Steven Spielberg e elenco formado por Ansel Elgort, Rachel Zegler e Rita Moreno.
" The Last Duel" (ainda sem título em português) - 25 de dezembro - drama de Ridley Scott, com Matt Damon, Adam Driver, Jodie Comer e Ben Affleck.


Fox e Foz Searchlight também tiveram suas estreias mudadas.
"Free Guy - Assumindo o Controle" com Ryan Reynolds, passou de 3 de agosto de 2020 para 11 de dezembro de 2020.
"The French Dispatch" (também sem título em português), dirigido por Wes Anderson, passou de 24 de agosto para 16 de outubro de 2020.

Warner

A Warner Bros. Pictures alterou com poucos meses de diferença sua grande aposta do ano. Mulher-Maravilha 1984 ("Wonder Woman 1984"), previsto para 4 de junho foi remarcado para estrear em 13 de agosto no Brasil. A produção traz novamente a dupla Patty Jenkins na direção e roteiro e Gal Gadot no papel principal. O elenco conta ainda com Pedro Pascal (Maxwell Lord), Kristen Wiig (Mulher-Leopardo), Robin Wright (Antíope), Connie Nielsen (Hippolyta) e Chris Pine, que retorna como Steve Trevor.


Universal Pictures

Nem o superagente James Bond escapou do coronavírus e precisou ter a estreia de "007 - Sem Tempo Para Morrer" ("No Time To Die") adiada para 19 de novembro de 2020 Daniel Craig retorna ao papel do famoso espião com licença para matar para ajudar seu amigo da CIA, Felix Leiter (Jeffrey Wright) contra o enigmático Safin (Rami Malek) aparece com uma tecnologia perigosa. A direção é de Cary Joji Fukunaga.

Já a animação da DreamWorks e Universal Pictures, “Trolls 2” ("Trolls World Tour") chega aos cinemas brasileiros no dia: 8 de outubro de 2020. Dirigido pela dupla David P. Smith e Walt Dohrn, “Trolls 2” conta com um grande elenco nas vozes originais, que inclui Anna Kendrick, Justin Timberlake, Kelly Clarkson e Jamie Dornan. A versão nacional do longa traz as vozes de Hugo Bonemer (Tronco), Jullie (Poppy), Hugo Gloss (Guy Diamante) e Simone Mendes (Delta D). Assista ao trailer aqui.

A franquia "Velozes e Furiosos", que estrearia o nono filme em maio deste ano, também precisou adiar os planos e divulgou uma nota para os fãs, informando que eles terão de esperar mais um ano para ver Vin Diesel e sua turma. A nova data está prevista para 2 de abril de 2021 nos EUA. E explicam que a mudança foi feita 'pela segurança e em consideração àqueles que acompanham a saga pelo mundo possam assistir o novo capítulo.


Sony Pictures
Também os lançamentos da Sony Pictures ganharam novas datas nos cinemas norte-americanos, mas ainda não foram anunciadas no Brasil.

Fatherhood” – antecipado para 23 de outubro de 2020
Pedro Coelho 2: O Fugitivo” – 15 de janeiro de 2021
Ghostbusters – Mais Além” ("Ghostbusters III) – 5 de março de 2021
Morbius” – 19 de março de 2021
Uncharted” – 8 de outubro de 2021

Diamond Films
Por meio de nota enviada à imprensa, a Diamond Films  informou que atendendo as recomendações nacionais e internacionais relativas aos cuidados para evitar a propagação da Covid-19 e em prol da contenção de riscos, prorrogou seus lançamentos sem data definida.

Distribuidoras brasileiras

No Brasil, a Downtown Filmes e a Camisa Listrada, distribuidora e produtora da comédia “No Gogó do Paulinho”, informaram que o lançamento do longa, marcado para essa quinta-feira, 16 de abril, foi adiado, ainda sem nova data. Mas confirmou que mantém a previsão de estreia para o ano de 2020. A comédia reúne novamente a divertida dupla Maurício Manfrini, como o popular Paulinho Gogó, e Cacau Protásio, como Nega Juju. Em um banco de praça ele narra suas histórias para diferentes ouvintes, enquanto aguarda a chegada da sua amada.


A Distribuidora Pandora Filmes anunciou o adiamento da estreia do longa "Tel Aviv em Chamas" ("Tel Aviv on Fire"), do diretor Sameh Zoabi, premiado no Festival de Veneza com o Interfilm Award de Melhor Filme e representante de Luxemburgo no Oscar 2020. A comédia é ambientada na Palestina sobe um jovem o jovem que trabalha como assistente na produção de uma popular telenovela local.

A Embaúba Filmes também comunicou o adiamento da estreia dos filmes "Vaga Carne" e "Sete Anos em Maio" por causa da crise do coronavírus. E alertou que o momento é de precaução e de diminuição da exposição ao risco de contágio. As novas datas serão anunciadas nas redes sociais da empresa.

A distribuidora Vitrine Filmes informou que ainda continua sem data de estreia o filme "Três Verões", da diretora Sandra Kogut, programado para ser lançado em 19 de março nos cinemas nacionais.

Também a Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes, para preservar a saúde e o bem-estar do público por causa da pandemia de Coronavírus (Covid-19) adiou o lançamento dos filmes "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou Meus Pais", sobre o caso Von Richthofen. até o momento, as empresas mantêm a estreia dos longas em 2020, mas não há uma data definida.


Tags: #Covid-19, #coronavírus, #semcinema, @UniversalPictures, @SonyPictures, @WarnerBrosPictures, #EmbaubaFilmes, #PandoraFilmes, @CamisaListrada, @Disney, @MarvelStudios, @ParamountPictures, @cinemaescurinho, @CinemanoEscurinho