Mostrando postagens com marcador #Imax. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #Imax. Mostrar todas as postagens

12 abril 2018

"Rampage - Destruição Total" é aventura com muita ação e cara de sessão da tarde

Dwayne Johnson e seu amigo gorila são as grandes estrelas desta produção dirigida por Brad Peyton (Fotos: Warner Bros. Pictures/Divulgação)


Maristela Bretas


Dwayne Johnson gostou de produzir filmes baseados em antigos videogames e retorna às telonas pela segunda vez neste ano com o "arrasa quarteirões" "Rampage - Destruição Total", que estreia nesta quinta-feira nos cinemas. O filme foi inspirado no jogo homônimo de 1986, que atraiu pouca atenção dos gamers de plantão à época. 

A produção cinematográfica tem o ator, um dos mais bem pagos de Hollywood, como protagonista, ao lado de um gorila albino gigantesco; Naomie Harris, no papel de uma pesquisadora sem emprego; Malin Akerman, bem fraquinha como vilã, e Jeffrey Dean Morgan, cheio de caras e bocas como um agente do FBI.

Johnson está se especializando em filmes de ação e aventura e não economiza em tiros, bombas e destruição de boa parte de Chicago. E claro, conta com a extraordinária ajuda de muita computação gráfica para mostrar o ataque dos gigantescos monstros. "Rampage" tem tudo isso e a cara de um bom filme de sessão da tarde, com direito a pipoca. Segue a mesma linha de outra produção do ator - "Terremoto: a Falha de San Andreas" (2015), também dirigido por Brad Peyton.


Lembra bem os filmes de heróis e monstros japoneses do tipo Power Rangers (2017), Ultraman e Ultraseven, com  criaturas gigantescas enfrentando exército e mocinhos, deixando um rastro de destruição total. O enredo fraco é sustentado pelos excelentes efeitos especiais produzidos pela Weta Digital, empresa cinco vezes vencedora do Oscar e responsável por filmes como "Planeta dos Macacos: O Confronto" (2014) e a trilogia "Senhor dos Anéis". Não menos destrutivo está "The Rock", que tenta resolver suas dificuldades na conversa por sinais e distribuindo muita porrada quando fica contrariado.


Mas a grande estrela do filme é George, o gorila albino. Ele é grande por natureza, feroz quando precisa, mas de olhar doce e carinhoso. E ainda provoca boas risadas quando resolve aplicar o que aprendeu com os humanos no zoológico onde vive.


Na história, Davis Okoye é um primatologista (Dwayne Johnson) que criou George desde bebê e o considera seu melhor amigo e "da família". Um experimento genético, batizado como Rampage, atinge George e outros animais predadores pelo país, que se transformam em monstros gigantescos e arrasadores. Davis terá de contar com a ajuda da pesquisadora Kate Caldwell (Naomie Harris) para descobrir um antídoto, conter as criaturas e salvar George.

O público não poderá reclamar de ação em "Rampage - Destruição Total". Tem de sobra e vai agradar quem procura por uma diversão que soube explorar bem os efeitos em 3D e Imax. Vale conferir sabendo que se trata de um blockbuster produzido para entreter quem gosta deste gênero de filme.



Ficha técnica:
Direção: Brad Peyton
Produção: New Line Cinema // Warner Bros Pictures
Distribuição: Warner Bros. Pictures Brasil
Duração: 1h47
Gêneros: Aventura / Ação
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: #RampageDestruicaoTotal, #Rampage, #DwayneJohnson, #NaomieHarris, #BradPeyton, #WarnerBrosPictures, #espaçoz, #cinemas.cineart, #Imax, #cinemanoescurinho

22 março 2018

"Círculo de Fogo - A Revolta" é a sequência que saiu pior que a encomenda

John Boyega e Scott Eastwood são os pilotos dos Jaegers, os gigantescos robôs de combate (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Gostaria de poder elogiar "Círculo de Fogo - A Revolta" ("Pacific Rim Uprinsing"), segundo filme após cinco anos da estreia do ótimo "Círculo de Fogo" (2013), dirigido pelo premiado Guillermo del Toro ("A Forma da Água"). Mas a nova produção apresenta falhas que somente quem está muito disposto a ver um filme que mais parece uma cópia piorada de "Transformers" vai se sentir a vontade no cinema. Uma pena, poderia ser uma sequência mais bem aproveitada. O diretor Steven S. DeKnight até tentou isso ao mostrar as cidades depois da batalha com os alienígenas, mas deixou que a história se perdesse por falta de criatividade.


O filme não é de todo ruim. Tem pancadaria entre velhos e novos robôs com tamanhos e armamentos variados, monstros gigantes (alguns do primeiro filme), vilões e diálogos clichês e ótimos efeitos de computação gráfica que sustentam toda a ação. Mas também mostra cenas de lutas que ficam confusas, provocando tontura por serem muito rápidas. E as atuações são medianas, mesmo de atores conhecidos como o protagonista John Boyega ("Star Wars - O Despertar da Força" - 2015 e "Star Wars - Os Últimos Jedi"- 2017), que faz o papel de Jake Pentecost, e Scott Eastwood ("Velozes e Furiosos 8" - 2017), como Nate Lambert.



Uma novidade no elenco que se destaca é Cailee Spaeny, que interpreta Amara, a jovem nerd fodona do pedaço que luta muito, constrói robôs e ainda acha um tempo para salvar o mundo dos temíveis kaiju. Os atores Rinko Kikuchi (Mako), Burn Gorman e Charlie Day (os cientistas Hermann Gottlieb e Newton Geiszler) que participaram do primeiro filme também estão de volta. Já o novo grupo de pilotos  Jaeger só está lá para fazer quórum e levantar a bola para Caille aparecer.



A história avança no tempo - dez anos depois do ataque alienígena - mas regride em enredo. Ele é fraco, cheio de furos e mensagens patrióticas e ainda tenta copiar, para pior, o estilo Michael Bay de fazer cinema que, apesar de não agradar a muitos, atingiu sucesso de bilheteria com a franquia "Transformers" de 2007 a 2017. Criatividade não foi o forte do diretor Steven S. DeKnight (responsável por boas produções para a TV, como "O Demolidor"), mas errou a mão em "Círculo de Fogo - A Revolta", ficando muito aquém de seu antecessor. Acho que faltou uma orientação maior de Guillermo del Toro.

Tudo começa com Jake (John Boyega), filho de Stacker Pentecost (Idris Elba), responsável pelo comando do programa Jaeger (supermáquina gigantes pilotadas por humanos) e herói morto na batalha. Promissor talento do programa de defesa, Jake abandonou o treinamento e entrou no mundo do crime, vasculhando ferros-velhos em busca de peças de robôs abandonados.


Perseguido após não encontrar uma peça valiosa, ele encontra o esconderijo de Amara (Cailee Spaeny), que clandestinamente está construindo um Jaeger de porte pequeno. Ambos tentam fugir usando o robô, mas acabam sendo capturados. Para escapar da prisão, eles são enviados ao treinamento de pilotos Jaeger, onde Jake reencontra sua irmã de criação Mako (Rinko Kikuchi). Apesar da tranquilidade aparente, o governo e a empresa responsável pelos Jaeger continuam construindo Jaegers mais poderosos ma expectativa de um possível novo ataque. O que eles não imaginam é que o perigo pode estar dentro do próprio grupo.


Precisa assistir o primeiro para entender o segundo filme? Seria bom, até porque ele é bem melhor. E quer queira ou não, "Círculo de Fogo - A Revolta" deixa a sensação de ser uma mistura de "Transformers - O Último Cavaleiro"  (2017) com "Power Rangers". E quem perde no final, sem dó nem piedade, é novamente a cidade de Tóquio, que vê seus prédios caírem como dominós durante a batalha entre Jaegers e os aliens, chamados agora de Precursores. E se após ler sobre todos estes pontos ainda estiver a fim de ver este filme, não tenha mais dúvidas: vá ao cinema e aproveite mais este blockbuster.



Ficha técnica:
Direção: Steven S. DeKnight
Produção: Universal Pictures / Legendary
Distribuição: Universal Pictures
Duração: 1h51
Gêneros: Ação / Ficção científica / Aventura
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 2,5 (0 a 5)

Tags: #CirculoDeFogoARevolta, #PacificRim, #JohnBoyega, ScottEastwood, #ação, #ficção, #aliens, #Jaegers, #UniversalPictures, #cinemas.cineart, #Imax, #espaçoz, #CinemanoEscurinho

15 março 2018

Alicia Vikander quer achar o pai e parte pra luta em "Tomb Raider - A Origem"

Personagem ganha nova versão para o cinema com a mesma adrenalina dos videogames (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)


Maristela Bretas


O que a realização de um sonho de infância não faz com uma pessoa. Pois foi com muita disposição e o prazer de interpretar a heroína que conheceu na infância em jogos de videogame de alguns amigos que a atriz Alicia Vikander (de “A Garota Dinamarquesa” - 2016) incorporou Lara Croft em "Tomb Raider - A Origem". O filme vai contar quem é Lara Croft e como ela se tornou uma Tomb Raider, ou seja, antes da versão de Angelina Jolie (2001). Tudo com muita ação e adrenalina, numa ótima interpretação de Vikander.

O filme é uma mistura de "Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida" com outras aventuras cinematográficas do tipo caça ao tesouro perdido. Cheio de enigmas, seitas e obstáculos, além de inimigo que está à procura do mesmo objeto sagrado que a mocinha, numa ação que se passa nas ruas de Londres, no Japão e, principalmente no meio de uma floresta tropical.

O diretor Roar Uthaug aproveitou a fórmula de sucesso da franquia de Steven Spielberg (até mesmo as cenas de armadilhas na caverna são muito parecidas com as vividas por Harrison Ford em 1981) e acrescentou ótimas sequências como a perseguição de bicicleta e saltos em cachoeiras, para dar mais adrenalina à história.

Alicia Vikander salta, cai de um avião, foge de bandidos, luta demais (e apanha muito), atira flechas e ainda sabe manejar com várias armas de fogo. Esta nova Lara Croft parece ter pouco mais de 20 anos e uma agilidade excepcional, assim como o descontrole emocional da idade. Alicia soube dar a medida certa à heroína que está em formação e descobrindo seu potencial a cada perigo que surge. O expectador nem vê o tempo passar. Clique aqui para ver o making off da transformação da atriz.


Apesar de ser o centro do filme, Lara Croft ainda depende de alguns homens para resolver alguns problemas e tirá-la de situações de risco. Bola fora do diretor e roteiristas nesta nova fase de Hollywood de valorização da força e da independência da mulher. Mas nem por isso tira o brilho da atuação de Vikander que ficou perfeita para o papel e merece continuações.

Confesso que não acreditava muito na escolha da atriz que sempre mostra um perfil "deprê", com olhar de peixe morto, favorecido pelas fortes olheiras. Em "Tomb Raider - A Origem", até o rosto dela mudou, está mais leve, mais rejuvenescido. E foi uma ótima surpresa, agradando a muitos gamemaníacos que viram o trailer e estão comentando nas redes sociais que a Lara Croft de Alicia Vikander ficou igual a do jogo.

No elenco estão também Dominic West, como o pai desaparecido de Lara, o multimilionário Richard Croft; Walton Goggins, o arqueólogo Mathias Vogel; Daniel Wu, como o pescador Lu Ren; e Kristin Scott Thomas, como Ana Miller, a assessora direta de Richard e tutora de Lara.



Na história, Lara Croft é uma jovem de 21 anos, que recusa tomar posse da fortuna e das empresas do pai e leva a vida fazendo entregas de bicicleta pelas ruas de Londres. Ela não aceita a ideia da morte do pai, desaparecido há sete anos. Até encontrar as pesquisas que ele fazia sobre uma antiga seita e a maldição de uma deusa da morte.

Tentando desvendar o sumiço de Richard Croft, ela decide largar tudo para ir até o último lugar onde ele esteve. A jovem sai em busca do lendário túmulo da tal deusa localizado numa misteriosa ilha na costa do Japão. E será lá que Lara vai enfrentar seus maiores desafios e conhecer a Trindade, uma poderosa organização criminosa que também está atrás da tumba.

A produção do filme começou junto com o aniversário de 20 anos da franquia de jogos de videogame da Square Enix, Crystal Dynamics e Eidos Montreal, o que deverá atrair para as salas de cinema muitos jogadores curiosos em confirmar se as características da heroína do game foram bem reproduzidas. Para quem está procurando por um bom filme de aventura, com muita ação, uma mocinha que não tem medo de altura e excelentes efeitos visuais que merecem uma sessão em sala IMAX, "Tomb Raider - A Origem" é a melhor opção entre as estreias desta semana.



Ficha técnica:
Direção: Roar Uthaug
Produção: Metro Goldwyn Mayer (MGM) / Warner Bros. Pictures / Square Enix / GK Films
Distribuição: Warner Bros. Pictures Brasil
Duração: 1h58
Gêneros: Aventura / Ação 
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #TombRaiderAOrigem, #TombRaider, #LaraCroft, #AliciaVikander, #DominicWest, #ação, #aventura, #videogame, #UniversalPictures, #MGM, #cinemas.cineart, #Imax, #EspaçoZ, #CinemanoEscurinho