domingo, 29 de julho de 2018

"O Orgulho" vale pela abordagem de temas atuais como imigração, racismo e xenofobia

Filme do diretor francês Yvan Attal aborda a relação entre professores e alunos (Fotos: David Koskas/Pandora Filmes/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni

Filmes que tratam da relação entre professores e alunos quase nunca passam impunemente pelo espectador. A educação, a transmissão do conhecimento, são temas que costumam suscitar interesse, às vezes até levantar polêmicas. Ou, simplesmente, enternecer. Para ficar nos mais famosos, basta citar "Ao Mestre Com Carinho", quando o diretor James Clavell usa o charme irresistível de Sidney Poitier para falar de racismo, e "Sociedade dos Poetas Mortos", em que Peter Weir trata, entre outros temas, de poder, da humanização das relações nas escolas e, claro, da força das artes e da literatura. 

"O Orgulho" ("Le Brio"), mais um filme francês em cartaz, vai um pouco além, embora nem todos concordem com o caminho escolhido pelo diretor para falar de um assunto em alta no mundo todo hoje, principalmente na França: xenofobia.

No filme de Yvan Attal, diretor francês filho de argelinos, o professor universitário Pierre Mazard, interpretado na medida certa por Daniel Auteuil, é um francês tradicional típico, branco, de direita e racista. Ao abordar, de forma arrogante e preconceituosa, uma aluna que chega alguns minutos atrasada na sala de aula, ele se vê às voltas com uma ameaça de expulsão da universidade. 

Seu atrito com a jovem, que mora num subúrbio de Paris e é descendente de árabes, é filmado e, como tem acontecido muito nestes nossos tempos, cai nas redes sociais. Resultado: para salvar a própria pele, Pierre é levado a ser orientador da tal aluna, Neila Salah, preparando-a para um concurso de retórica entre as faculdades de Direito. 

Parênteses para dizer da atuação da atriz Camélia Jordana: filha de imigrantes árabes na vida real, ela é um dos grandes trunfos do filme. Bonita e um tanto desengonçada, faz com leveza a transformação pela qual a aluna passa na sua relação com o professor, enquanto aprende a argumentar em intermináveis aulas sobre Schopenhauer e Aristóteles, entre outros. Sua atuação lhe garantiu o Prêmio César de Melhor Atriz Revelação de 2017.

O que tem criado certa polêmica entre os que assistiram a "O Orgulho" é o uso de certos clichês para falar da transformação da relação entre professor e aluna, em que ambos aprendem. Há sim, certas obviedades e há quem não goste também do resultado dessa mudança, quase um aplauso ao modo de ser do europeu tradicional, branco e de direita. É como se o filme dissesse ao imigrante que, para que ele seja aceito, é preciso que se iguale aos franceses. Uma boa discussão para esses tempos de hoje. 

Enfim, o longa não chega a ser um "Sociedade dos Poetas Mortos". Mas vale pela atualidade dos temas e pela atuação do elenco. "O Orgulho" está em cartaz no Belas 2, com sessões às 14 horas e 21h20, e no Net Cineart Ponteio, salas 3 (18h40) e 4 (14h30).
Duração: 1h35
Classificação: 12 anos


Tags: #OOrgulho, #YvanAttal, #CameliaJordana, #DanielAuteuil, #comediadramatica, #PandoraFilmes, #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 26 de julho de 2018

"Missão Impossível - Efeito Fallout", melhor filme da franquia é de tirar o fôlego

Tom Cruise se supera nas cenas de ação que predominam do início ao fim do filme (Fotos: Paramount Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Tom Cruise fecha um ciclo e mostra que tem muito fôlego para outras sequências. Mas os roteiristas vão precisar de uma criatividade gigantesca para superar "Missão Impossível - Efeito Fallout", o melhor de todos os filmes da franquia. Nesta sexta sequência, o ator (também produtor desde o primeiro) fecha um ciclo, reunindo personagens que marcaram a trajetória do agente Ethan Hunt e sua equipe da IMF ao longo desses 22 anos, quando foi lançado o primeiro "Missão Impossível" em junho de 1996.

O filme é arrasador, prende o espectador do início ao fim em suas quase 2h30 de duração que passam sem que a gente perceba. O roteiro é redondo, soube amarrar bem fatos e personagens das produções anteriores. Mas o principal é a ação contínua, extremamente ágil, com uma trilha sonora acelerada que não deixa cair o ritmo do agente Ethan Hunt. 

As perseguições se tornam ainda mais reais e atraentes graças aos cenários escolhidos para as locações. "Efeito Fallout" oferece um versátil roteiro turístico - foi gravado em Londres, Paris, Berlim, Abu Dhabi e Nova Zelândia. O público sai "pilhado" do cinema. Simplesmente imperdível.

Aos 56 anos, Cruise é incansável, continua correndo feito um louco com um fôlego invejável, saltando de aeronaves e de prédios, brigando demais, trocando tiros com o inimigo e, principalmente, fazendo as melhores cenas de perseguições de carro e moto dos últimos tempos. A cena de luta num banheiro, que contou com a participação de Henry Cavill, é espetacular. De deixar muitos "Velozes e Furiosos" no chinelo.


Toda essa energia e o fato de dispensar dublês em muitas cenas de ação custaram ao ator com o sorriso mais lindo e encantador de Hollywood um tornozelo quebrado durante a gravação. O acidente fez o custo da produção subir para US$ 250 milhões, tornando-a a mais caro de toda a franquia e atrasando a produção por oito semanas. Mas pelo excelente filme que a Paramount está entregando ao público, este valor em poucos dias terá sido pago.

Em "Efeito Fallout", o astro da franquia volta à cena acompanhado de sua fiel equipe - Ving Rhames (como Luther Stickell, que o acompanha desde o início), Simon Pegg (Benji Dunn), além de Rebecca Ferguson (agente Ilsa Faust, do MI6), Alec Baldwin (chefe do IMF Alan Hunley) e, claro, o grande amor de Ethan, a médica Julia (Michelle Monaghan), que conheceu o agente em "Missão Impossível 3 (2006) e se casou com ele em "Protocolo Fantasma "(2011).

O novo filme também recebeu novos rostos famosos que vieram para atrapalhar o trabalho da equipe de Hunt. Em especial Henry Cavill (o Superman de "Liga da Justiça"), como o agente da CIA August Walker, Angela Bassett (chefe dele, Erica Sloane) e Vanessa Kirby (a traficante de armas Viúva Branca). Até mesmo antigos inimigos retornam para assombrar Hunt, como Solomon Lane, vivido por Sean Harris, que apareceu pela primeira vez, junto com Rebecca Ferguson em "Missão Impossível - Nação Secreta" (2015).

Até as melhores intenções às vezes voltam para assombrar Ethan Hunt. "Em Missão: Impossível – Efeito Fallout", uma missão que deu errado obriga o agente a reunir sua equipe da IMF para tentar evitar ataques terroristas com bombas nucleares em vários pontos do mundo. Para chegar aos artefatos antes que sejam acionados, ele terá de trabalhar com a CIA e antigos aliados, numa corrida contra o relógio. Um filme para faturar alto nas bilheterias do mundo todo a partir deste final de semana.



Ficha técnica:
Direção: Christopher McQuarrie
Produção: Skydance / Bad Robot / Paramount Pictures
Distribuição: Paramount Pictures Brasil
Duração: 2h30
Gêneros: Ação / Espionagem
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 5 (0 a 5)

Tags: #MissãoImpossívelEfeitoFallout, #Tom Cruise, #HenryCavill, #VingRhames, #SimonPegg, #RebeccaFerguson, #AlecBaldwin, #Sean Harris, #MichelleMonaghan, #ParamountPictures, #IMAX, #espaçoZ #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Em “Morte e Donzela”, Egon Schiele vira um personagem quase do tamanho de sua obra

Filme aborda a vida de um dos nomes mais importantes do movimento expressionista (Fotos: Alamode Film/Divulgação)

Wallace Graciano


Início do Século XX e a Áustria era tida como o berço artístico do mundo. O pensamento elevado e a criatividade pairavam no ar de Viena, exalando conhecimento e criatividade. Não à toa, essa aura trouxe mentes brilhantes e controversas, como Egon Schiele, um dos mais exuberantes pintores de que se tem notícia, e que tem sua vida retratada em “Egon Schiele – Morte e Donzela”. O filme está em exibição no Net Cineart Ponteio Premier, em sessões às 16h30 e 21h10.

Ao contrário de “Egon Schiele – Excesso e Punição”, a primeira cinebiografia do autor, que foi lançada no Brasil em 1981, “Morte e Donzela” tem como tônica o impacto de sua controversa vida boêmia em suas obras. A película dirigida pelo austríaco Dieter Berner coloca o protagonista em uma corda bamba entre seus instintos e um período conservador, ditado pelo preconceito.


Na trama, Egon Schiele (Noah Saavedra) caminha sobre a linha tênue de ter relações pessoais intensas em meio ao seu potencial artístico, escancarando ao mundo sua visão de tudo que lhe estava envolto, sem o mínimo filtro que o período pedia. Parte disso deve-se à paixão doentia por Wally (Valerie Pachner) - que foi imortalizada em sua obra - e seus relacionamentos viscerais, inclusive o fraterno com a irmã, Gerti (Maresi Riegner).

Ao longo da película fica claro que sua personalidade foi a maior chaga, mas também o imortalizou. Esse, talvez, seja o maior pecado da trama, que não consegue dar o teor dramático que circunda Schiele, muito por Saavedra, que não consegue transmitir o lado sedutor do personagem.

Em “Morte e Donzela”, Dieter Berner conseguiu ambientar o roteiro (dividido com a escritora Hilde Berger, autora do livro homônimo) dentro do contexto histórico e explorando as nuances da época com vastos recursos visuais. Faltou, apenas, expor ao público toda a carga emocional que o personagem exige. Um artista que usava os desenhos como forma de fugir da realidade e, de alguma forma, lidar com ele.



Ficha técnica:
Direção e roteiro: Dieter Berner
Produção: Amour Fou Luxembourg
Distribuição: Cineart Filmes
Duração: 1h50
Gêneros: Drama / Biografia / Histórico
Países: Áustria / Luxemburgo
Classificação: 14 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #EgonSchieleMorteeDonzela, #EgonSchiele, #NoahSaavedra, #DieterBerner, #drama, #CineartFilmes, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

sábado, 21 de julho de 2018

“Uma casa à beira-mar” parte do quintal para falar do universal

Reflexões sobre família e morte fazem deste um filme melancólico e rico (Fotos: Diaphana Distribution // Agat Films & Cie/France 3 Cinema)

Mirtes Helena Scalioni


Intimista - porque trata de questões familiares - e ao mesmo tempo eloquente - porque essas questões se alargam para o conflito de gerações e, posteriormente, para o humanitário. Assim é "Uma casa à beira-mar", mais um filme francês que tem emocionado plateias mundo afora ao esbarrar no universal contando uma história de pequenos quintais. 

Originalmente, o nome do longa é "La Villa", o que resume bem a ideia do que aborda o diretor Robert Guédiguian que, sutilmente à esquerda, continua falando de utopias. Já tem gente considerando esse como - por enquanto - o filme do ano.

Maurice (Fred Ulysse) vive numa pequena e paradisíaca vila à beira-mar próxima a Marseille, onde mantém um restaurante simples e popular. Junto com ele vive o filho Armand (Gerard Meylan), que gosta da vida bucólica e parece integrado ao ambiente e à singeleza do lugar. Quando Maurice sofre um colapso e passa a ter uma vida vegetativa, juntam-se a eles Joseph (Jean-Pierre Darroussin) e Angèle (Ariane Ascaride), os irmãos que faltavam para completar a família.

Afinal, diante da situação que pode durar dias ou anos, é preciso decidir o que fazer da casa, do restaurante, da vida. É preciso dizer ainda que Joseph é um escritor angustiado em fim de carreira, que leva com ele uma namoradinha muitos anos mais jovem, Bérangére (Anais Demoustier), antenada no moderno e no contemporâneo. E Angéle, uma atriz de teatro em plena atividade, leva com ela a tragédia particular de ter perdido a filha Blanche ali mesmo na vila.

É de se supor que, juntos, os irmãos Armand, Joseph e Angèle vão reviver episódios da infância, lavar roupa suja, ajustar contas. Nesse sentido, "Uma casa à beira-mar" é saudosista e deliciosamente melancólico. Mas ainda entram na história os pequenos e sutis conflitos de gerações e de ideologias e pelo menos mais três tramas paralelas: do casal de velhos vizinhos aos cuidados do jovem e bem-sucedido filho médico, Yvan (Yann Tregouët), do pescador Benjamin (Robinson Stévenin), também jovem, que nutre desde sempre uma paixão platônica por Angèle e sua arte de representar. E, por fim, a dos militares que, de vez em quando, passam pelas casas alertando para o perigo da possível chegada de refugiados - tema mais do que atual, principalmente em se tratando da Europa.

O que alguns podem considerar como lento e arrastado no filme, pode também ser visto como metáfora. "Uma casa à beira-mar" é um filme autoral e maduro e fala do que é essencial: a convivência humana. De quebra, faz uma pequena homenagem ao teatro, lembrando trechos de Brecht e fazendo referências ao texto de "A alma boa de Setsuan" que, segundo consta, foi efetivamente encenado pela atriz Ariane Ascaride, que faz Angèle e, na vida real, é mulher do diretor Guédiguian.

Outra curiosidade: os três "irmãos" - Gerard Meylan, Jean-Pierre Darroussin e Ariane -  já trabalharam juntos antes com esse diretor em "O Fio de Ariane" (2016), "As Neves do Kilimanjaro" (2012) e "Lady Jane" (2008), o que possibilita, a certa altura, cenas deles ainda jovens ilustrando as lembranças de um deles.

Além do final - fantástico e surpreendente - há cenas antológicas em "Uma casa à beira-mar", quando, aos poucos, num momento particularmente dramático, praticamente todos os personagens vão se juntando numa varanda da casa fumando e olhando para o mar como se buscassem uma resposta, em silêncio, um sentido para a vida. Mas será que há?
Classificação: 12 anos
Duração: 1h47


Tags: #UmaCasaABeiraMar,  #LaVilla, #Imovision, #GerardMeylan, #Jean-PierreDarroussin, #ArianeAscaride, #RobertGuediguian, #drama, #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 19 de julho de 2018

"Custódia": suspense gradual e inteligente que extrapola a questão judicial

História trata da disputa de um pai e uma mãe pela guarda do filho que extrapola a questão judicial (Fotos: KG Productions/Divulgação)


Mirtes Helena Scalioni


Engana-se quem pensa que "Custódia" é mais um filme de tribunal. Não é. E o que começa morno, lento, com debates e argumentos burocráticos e quase impessoais entre duas advogadas e uma juíza numa sala de algum fórum de Justiça da França, ganha cores e ares de drama de suspense. E embora seja mais uma história sobre a disputa de um pai e uma mãe pela guarda do filho, o longa guarda surpresas que prendem e mantém o espectador preso até o final.

Dirigido e roteirizado por Xavier Legrand, "Custódia" tem Léa Drucker e Denis Ménochet ("Bastardos Inglórios", "7 dias em Entebbe") nos papéis de Miriam Besson e Antoine Besson, mãe e pai do pequeno Julien Besson, encantadoramente interpretado pelo ator mirim Thomas Gioria, uma promessa. Em papel difícil, de poucas palavras, o menino se sai muito bem como a criança tímida, atormentada e rebelde que, de repente, se vê no meio de uma guerra de adultos da qual não gostaria de participar.

Destaque também para a jovem atriz Mathilde Auneveux, que faz Josephine Besson, a irmã mais velha de Julien, prestes a fazer 18 anos e, portanto, pelo menos a princípio, menos impactada do que ele com a disputa dos pais.

Talvez o grande mérito de "Custódia" seja a forma, lenta e gradual, com que os personagens vão se revelando ao público. É devagar que o espectador vai descobrindo nuances da personalidade de cada um, pois nada é escancarado. Isso, de certa forma, ajuda a manter e aumentar a expectativa.

A festa de 18 anos de Josephine é um exemplo claro de como o clima de tensão e quase falta de ar pode ser mantido e aumentado de forma sutil e inteligente. Enquanto os convidados bebem, comem e dançam, o espectador não sabe o que os envolvidos estão conversando, pois a música está deliberadamente em alto volume a ponto de impedir que os diálogos sejam ouvidos. Mas todos sentem que algo grave está por acontecer.
Classificação: 14 anos
Duração: 1h33


Tags: #Custodia, #suspense, #drama, #XavierLegrand, #LéaDrucker, #DenisMénochet, #CinemanoEscurinho

quarta-feira, 18 de julho de 2018

"A Freira" ganha arte e dá sequência à franquia "Invocação do Mal" no dia 6 de setembro



A Warner Bros. Pictures divulgou a nova arte de "A Freira", o mais recente filme da franquia “Invocação do Mal” com estreia prevista para 6 de setembro. A imagem mostra a Irmã Irene (Taissa Farmiga) sobreposta pela da Freira. Produzido pelo cineasta James Wan (diretor de “Invocação do Mal” e “Invocação do Mal 2") e dirigido por Corin Hardy (“A Maldição da Floresta”), o longa revela a origem da freira que aterrorizou uma família e o casal Warren em nos dois filmes.


Quando uma jovem freira que vive enclausurada em um convento na Romênia comete suicídio, um padre com um passado assombrado e uma noviça prestes a fazer seus votos finais são enviados ao Vaticano para investigar o caso. Juntos, eles desvendam o segredo profano da ordem. Arriscando não só suas vidas, mas também sua fé e suas almas, eles confrontam a força malévola que assume a forma da mesma freira que aterrorizou o público em “Invocação do Mal 2”, à medida que o convento se torna um horripilante campo de batalha entre os vivos e os amaldiçoados.


"A Freira" é estrelado pelo indicado ao Oscar Demian Bichir (“Uma Vida Melhor”) no papel do padre Burke, Taissa Farmiga (da série de TV “American Horror Story” ) como a Irmã Irene e Jonas Bloquet (“Elle”) como o habitante local Frenchie. Taissa é a irmã na vida real da atriz Vera Farmiga, intérprete de  Lorraine Warren. Ela e Patrick Wilson, no papel do marido Ed, foram os investigadores paranormais nos dois filmes da franquia. Ambos já estão escalados para "Invocação do Mal 3", previsto para estrear em 2019.


O elenco de "A Freira" inclui ainda Charlotte Hope (da série de TV “Game of Thrones”) como a Irmã Victoria, que vive no convento; Ingrid Bisu (“Toni Erdmann”) como a irmã Oana; e Bonnie Aarons, reprisando seu papel em “Invocação do Mal 2” no papel-título.



Tags: #AFreira, #TheNun, #TaissaFarmiga, #OscarBichir, #JamesWan, #InvocacaoDoMal, #terror, #WarnerBrosPictures, #espaçoZ, #CorinHardy, #CinemanoEscurinho

segunda-feira, 16 de julho de 2018

"Ilha dos Cachorros", animação sobre amizade e lealdade que encanta

História de jovem e seu cão é dividida em capítulos, como num livro, que narração e dublagens de atores famosos (Fotos: 20th Century Fox/Divulgação)

Maristela Bretas


Feito em stop motion, "Ilha dos Cachorros" ("Isle of Dogs") é uma animação de arte, roteirizada, dirigida e produzida por Wes Anderson, também responsável por "O Grande Hotel Budapeste" (2014). A história, apesar de simples, explora essencialmente o lado emocional - a relação de um garoto órfão de 12 anos que tenta encontrar o melhor amigo, seu cão. Narrado como uma obra literária, o filme é dividido em capítulos, com os animais falando em inglês e os seres humanos em japonês.


O cachorro, como outros milhares de sua espécie, é abandonado numa ilha que serve de depósito de lixo da cidade de Megasaki, administrada pelo corrupto prefeito Kobayashi, pai adotivo de Atari, dono do animal. O jovem, inconformado com a separação, rouba um pequeno jato e vai procurá-lo. Na ilha, Atari (voz do ator mirim nipo-britânico Koyu Rankin) descobre uma realidade totalmente diferente da que foi apresentada aos demais donos de cães quando o prefeito resolveu bani-los de sua cidade, alegando que transmitiam para os humanos uma doença incurável.


Animais maltratados, sujos, famintos, disputando restos de comida, alguns já descrentes de seus donos, outros ainda esperançosos de que um dia serão resgatados e voltarão para suas rotinas caseiras. A chegada de Atari, único ser humano na Ilha dos Cachorros depois de um longo tempo, desencadeia uma série de reações e emoções em seus habitantes. Mas é em Chief (dublado por Bryan Cranston), líder de uma das matilhas, que acontece a maior mudança. Arredio, descrente e se sentindo traído pelos amigos que passam a ajudar Atari a encontrar seu cão Spots (Liev Schreiber), Chief aos poucos começa a redescobrir sentimentos há muito esquecidos.


E são nos momentos entre ele e Atari durante as buscas, que a emoção e a união se sobressaem. Já os diálogos e cenas divertidas ficam por conta da turma de amigos caninos - Boss, Rex, Duke e King, dublados por Bill Murray, Edward Norton, Jeff Goldblum e Bob Balaban, respectivamente. O elenco de dubladores ainda conta com a participação de outros famosos de Hollywood - Frances McDormand, Greta Gerwig, Scarlett Johansson, F. Murray Abraham, Harvey Keitel, Tilda Swinton e até mesmo Yoko Ono, emprestando a voz à assistente de um cientista japonês.


"Ilha dos Cachorros" é uma animação com um traço bem diferente das produções de outros estúdios. Os desenhos são feitos à mão, o que dá encanto e beleza especial à produção. O filme também é faz duras críticas aos maus-tratos a animais e à corrupção por trás das medidas adotadas pelo prefeito que, como muitos políticos, também legisla em causa própria. Contestador e com uma bela mensagem, "Ilha dos Cachorros" é uma bela história de amizade e lealdade.



Ficha técnica:
Direção, roteiro e produção: Wes Anderson
Produção: American Empirical Pictures / Indian Paintbrush
Distribuição: Fox Film do Brasil
Duração: 1h42
Gêneros: Animação / Aventura
Países: Alemanha / EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #IlhadosCachorros, #IsleOfDogs, #Animacao, #Aventura, #20thCenturyFox, #FoxFilmdoBrasil, #CinemanoEscurinho

quinta-feira, 12 de julho de 2018

"Arranha-Céu: Coragem Sem Limite" - para o impossível chame Dwayne Johnson

Incêndio no prédio mais alto do mundo é pano de fundo para mais um blockbuster de muita ação (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Até o próprio Dwayne Johnson, que novamente incorpora os papéis de ator principal e produtor executivo, concorda que seu novo blockbuster "Arranha-Céu: Coragem Sem Limite" ("Skyscraper"), que estreia hoje nos cinemas, é uma mistura de dois sucessos do passado - "Inferno na Torre" (1974), com Steve McQueen e Paul Newman, e "Duro de Matar" (1988), que consagrou Bruce Willis. Com um acessório a mais - a força descomunal do protagonista, que não mede esforços (nem efeitos especiais) para ser o herói querido e aplaudido por todos.

Seja pulando de um edifício gigantesco para outro, a quase um quilômetro de altura do chão, enfrentando rajadas de metralhadora, segurando uma ponte de ferro que ameaça cair ou ficando pendurado na janela do arranha-céu, a estrela do filme é Dwayne "The Rock" Johnson. E seu personagem faz tudo isso com uma perna mecânica. Ele é "o cara"!

O ator, que nos últimos tempos também é o produtor executivo de seus longas, tem investido pesado nos estilos filme-catástrofe e arrasa-quarteirão, recheados de muita ação, tiro, porrada, bomba, como "Terremoto - A Falha de San Andreas" (2015) e "Rampage:Destruição Total" (2018).

Em "Arranha-Céu", ele é novamente o cara grandalhão certinho, regido por bons princípios, pai e marido amoroso, amigo fiel, que tenta levar uma vida correta, mas acaba sendo jogado numa situação que coloca sua vida e a de sua família em perigo. Ele é contratado para avaliar a segurança do edifício mais alto do mundo, o "Pérola", em Hong Kong, obra de um bilionário excêntrico com complexo de Deus.

O especialista em segurança, veterano de guerra americano e ex-líder da operação de resgate do FBI, Will Sawyer (Dwayne Johnson) vê sua vida virar de cabeça para baixo quando o descomunal prédio pega fogo e ele é acusado de ser o responsável. Para piorar, sua esposa e dois filhos estão presos no edifício, juntamente com o empresário que o construiu. Will terá de enfrentar o fogo, a altura e os terroristas responsáveis pelo incêndio para salvar sua família e provar sua inocência.

As cenas contínuas de ação fazem o público esquecer-se da história comum do filme. Mal dá tempo para respirar entre um salto, um elevador caindo ou alguém sendo atirado pela janela. E Dwayne Johnson sabe como cativar o público que curte seus filmes (prova disso são as milionárias bilheterias).

Mas se o protagonista tem carisma e cara de paizão, não se pode dizer o mesmo do vilão Kores Botha (interpretado por Roland Moller), que recebeu um papel bem fraco e clichê, sem nada de novo. Talvez para valorizar o dono da bola. 


Destaque para Neve Campbell como Sarah Sawyer, mulher de Will, que não se contenta em ser apenas aquela que deixa o marido resolver tudo. Ela põe a mão na massa, é boa de briga e troca uns bons tapas com os bandidos.

"Arranha-Céu: Coragem Sem Limite" é um filme para quem gosta do ator e do gênero. Não adianta sair do cinema xingando e dizendo que é exagerado do início ao fim. Ele é exatamente isso e cumpre muito bem o que propõe: entregar aos fãs uma produção muito movimentada, com excelentes efeitos especiais e cenas impossíveis que desafiam as leis da física. Vale conferir.



Ficha técnica:
Direção: Rawson Marshall Thurber
Produção: Legendary Pictures / Universal Pictures
Distribuição: Universal Pictures
Duração: 1h43
Gênero: Ação
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #ArranhaCéuCoragemSemLimite, #Skyscraper, #DwayneJohnson, #NeveCampbell, acao, LegendaryPictures, #UniversalPictures, #espaçoz, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

terça-feira, 10 de julho de 2018

Balada, amor e muita diversão em "Hotel Transilvânia 3 - Férias Monstruosas"

Drácula dá uma parada na rotina para curtir um cruzeiro com a família e os amigos (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Boas gargalhadas, trilha sonora pra sacudir o esqueleto e fazer qualquer monstro se apaixonar e, como nos dois filmes anteriores, a família em primeiro lugar. Mas agora de férias. Esta é a divertida animação "Hotel Transilvânia 3 - Férias Monstruosas" ("Hotel Transylvania 3: Summer Vacation"), que entra em cartaz nos cinemas nesta quinta-feira nos cinemas, com tudo para ser um sucesso de bilheteria.

Drácula continua o paizão que vive para sua família, se dá bem com o genro Johnny e tenta se divertir com os amigos. Mas todos são casados. E mesmo sem querer admitir, já são 100 anos de solidão (quase um filme) e um vampirão como ele precisa de uma companheira. 

Wayne, Frank e Griffin tentam ajudar, mas arrumar uma namorada para o lorde das trevas não é nada fácil. A tristeza do pai chama a atenção de Mavis que resolve juntar todos do hotel e tirar merecidas férias "perto do Caribe". A aventura começa aí, com direito a um cruzeiro luxuoso, cassino, muita balada e o amor. Sim, chegou a vez de Drácula ser fisgado pelo "tchan".

Entre mergulhos, passeios na praia, surf e um vilão que há séculos tenta por fim à existência do mais famoso dos vampiros, "Hotel Transilvânia 3" é divertido principalmente nos minutos finais, graças à trilha sonora e às trapalhadas dos amigos, em especial Wayne e sua prole infinita de lobos, e Frank com sua obsessão por jogos. O pequeno Dennis também dá sua contribuição, agora com um cachorro gigante, presentinho do vovô babão que, por onde passa, deixa um rastro de destruição e baba.

Blobby, o "cãozinho", é dublado pelo diretor Genndy Tartakovsky, que ainda divide o roteiro da animação com Michael McCullers. Também Adam Sandler, que faz a voz original de Drácula desde a primeira animação, acumula a função de produtor executivo. 

Outros atores que participaram de "Hotel Transilvânia" (2012) e "Hotel Transilvânia 2" (2015) voltaram a emprestar suas vozes aos personagens: Selena Gomez, como Mavis; Andy Samberg é Johnny; Kevin James faz Frank; Mel Brooks dubla o vovô Vlad; Steve Buscemi é Wayne; David Spade repete a voz do invisível Griffin e Molly Shannon é Wanda, mulher de Frank.

"Hotel Transilvânia 3 - Férias Monstruosas" é diversão garantida para todas as idades e uma boa lição de amor em família e amizade sincera. E para agitar esta turma, nada como Pitbull, com o sucesso "Shake Senora ft. T-Pain", e DNCE, com "Cake By The Ocean", que compõem a trilha sonora da animação. Vale conferir, sem vergonha de dar gargalhadas com a disputa de DJs e as escapadas de Wayne e Eunice.



Ficha técnica:
Direção e roteiro: Genndy Tartakovsky
Produção: Sony Pictures Animation
Distribuição: Sony Pictures 
Duração: 1h38
Gêneros: Animação / Aventura / Família / Comédia
País: EUA
Classificação: Livre
Nota: 3.8 (0 a 5)

Tags: #HotelTransilvania3FériasMonstruosas, #HotelTransilvania, #Dracula, #GenndyTartakovsky, #animacao, #aventura, #comedia, #SonyPicturesAnimation, #EspaçoZ, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

domingo, 8 de julho de 2018

Efeitos especiais e ligação com "Vingadores 4" sustentam "Homem-Formiga e a Vespa"

Paul Rudd e Evangeline Lilly formam uma boa dupla, com muitos truques de encolher e esticar no combate aos fracos vilões (Fotos: Marvel Studios/Divulgação)

Maristela Bretas

Quando foi lançado em julho de 2015, "Homem-Formiga" surpreendeu e até agradou ao público que estava cético com um filme sobre um dos heróis de segunda linha da Marvel. E agora, para dar um gás no personagem que encolhe e aumenta de tamanho, ele volta, com uma companheira com poderes semelhantes em "Homem-Formiga e a Vespa" ("Ant-Man and The Wasp"). 

A produção chega com uma grande responsabilidade: a de dar sequência a "Vingadores 4", depois do estrondoso sucesso de "Vingadores: Guerra Infinita". Para entender onde este super-herói entra na guerra contra Thanos, só assistindo a primeira cena no início dos créditos.

Paul Rudd interpreta novamente Scott Lang/Homem-Formiga (e ainda é um dos roteiristas desta continuação) e ganhou uma nova parceira, Evangeline Lilly, que retona como Hope Van Dyne, filha do cientista Dr. Hank Pym (Michael Douglas). Só que agora ela usa traje e armamento pesado criados pelo pai e se transformou na super-heroína Vespa.

A parceria deu certo, a dupla tem uma boa química e deixa o filme mais leve, característica do personagem de Rudd, que reforça a relação afetiva entre pai e filha. O mesmo acontece com Hope e Hank, que se unem para resgatar a mãe, Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), a Vespa original, perdida há 30 anos no Reino Quântico durante suas pesquisas.

"Homem-Formiga e a Vespa" explora o lado cômico de Scott Lang e a ação contínua sustentada pelos excelentes efeitos especiais de encolhe e estica dos heróis. As cenas de perseguições de carros, com direito a balinha de Hello Kitty gigante, ficaram ótimas, assim como as lutas, com a dupla levando grande vantagem sobre seus adversários.

Fraca, inexpressiva, com cara de cachorro que caiu da mudança, a "vilã" Fantasma (papel de Hannah John-Kamen) não impõe medo, nem respeito, entra sem sentido e sai como se não tivesse participado. Até mesmo o bandidão Sonny Burch (interpretado por Walton Goggins) tem mais presença que ela. E para piorar, contracena com Laurence Fishburne (Dr. Bill Foster), que aparece mais que ela. Ambos foram mal aproveitados.

A história começa dois anos após Scott ter lutado ao lado do Capitão América na batalha do aeroporto em "Guerra Civil". Ele é condenado à prisão domiciliar, com tornozeleira de monitoramento, por ter quebrado o Tratado de Sokovia e obrigado a se afastar de todos os super-heróis e parceiros que lhe ajudaram. Scott aproveita para dedicar mais tempo à filha e sua empresa de segurança com Luiz (Michael Peña).

Restando apenas três dias para terminar a prisão, ele é procurado pelo Dr. Hank Pym e a dele filha Hope para ajudá-los a recuperar Janet, que mantém fortes ligações mentais com Scott e está presa no Reino Quântico. Mas o trio vai enfrentar bandidos que querem roubar o laboratório miniaturizado do cientista, além de Fantasma, que tem o poder de se desmaterializar e atravessar paredes.

Divertido, feito pra família, "Homem-Formiga e a Vespa" tem cara de sessão da tarde e mantém a mesma linha do primeiro filme - sem grandes pretensões, explorando efeitos especiais, a simpatia de Paul Rudd e reforçando o universo dos Vingadores, com citações constantes ao que aconteceu em "Capitão América:Guerra Civil". O filme deixa a entender que a salvação para o que aconteceu em Guerra Infinita pode estar no Reino Quântico, onde somente Scott consegue entrar. Resta saber se consegue também sair. Mas isso fica para o tão esperado "Vingadores 4", previsto para 26 de abril de 2019.



Ficha técnica:
Direção: Peyton Reed
Produção: Marvel Studios
Distribuição: Disney/Buena Vista
Duração: 1h58
Gêneros: Ação / Aventura / Ficção
País: EUA
Classificação: 12 anos
Nota: 3 (0 a 5)

Tags: #HomemFormigaeaVespa, #PaulRudd, #EvangelineLilly, #MichaelDouglas, #acao, #aventura, #MarvelStudios, #DisneyBuenaVista, #cinemas.cineart, #CinemanoEscurinho

sexta-feira, 6 de julho de 2018

"Berenice procura": suspense nacional que não doura a pílula

Cláudia Abreu é a protagonista deste drama nacional dirigido por Allan Fiterman (Fotos H20 Films/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Talvez nem haja parâmetro para comparações. Mas como são dois filmes que tratam, digamos, do submundo de inferninhos, com seus shows de travestis e amores proibidos, dá para arriscar alguma semelhança entre "Paraíso Perdido", que esteve em cartaz até pouco tempo, e "Berenice procura", que está em exibição nos cinemas de Belo Horizonte. 


Entre as afinidades, pode-se dizer também, que ambas são produções nacionais de qualidade. Mas a diferença que os separa é razoável, principalmente porque, enquanto o primeiro é lúdico, lânguido, romântico, o segundo é cru, realista e duro, embora não seja literalmente violento.

Resumo da história: Berenice é uma taxista moradora de Copacabana e vive mal, muito mal, com o marido Domingos, que é um daqueles repórteres policiais que adoram espetacularizar a violência. Ocupados demais com seus trabalhos e suas vidas, ambos não têm tempo para enxergar como o filho Thiago, que acaba de sair da adolescência, está descobrindo e vivendo a própria sexualidade. 


Berenice é vivida pela tarimbadíssima Cláudia Abreu, que imprime tanta naturalidade ao seu vai-e-vem no próprio apartamento que quase esquecemos que está representando um papel. Domingos é Eduardo Moscovis, igualmente tarimbado, perfeito no papel de um típico homem machista e moralista. E o jovem Thiago é interpretado pelo excelente Caio Manhente, que não fica atrás na competência ao revelar um jovem inseguro, tímido e carente. O elenco traz ainda Emílio Dantas como o malandro Russo, Vera Holtz como a cafetina Greta e Fábio Herford como Jaime, um assíduo cliente do táxi de Berenice.

Mas quem rouba a cena mesmo em "Berenice procura" é a atriz trans Valentina Sampaio, que faz o travesti Isabelle, um dos destaques do inferninho de Copacabana onde os shows e os fatos acontecem. Muitos a têm considerado a grande revelação da arte da interpretação, depois de se destacar como modelo e capa de revistas famosas. Bonita, sensual e com uma voz quente, Isabelle é o personagem chave nesta história baseada no livro homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, respeitado por seus romances policiais. 

Merecem elogios também os roteiristas Flávia Guimarães e José Carvalho, além é claro, da direção segura de Allan Fiterman. Graças a eles, o espectador vai acompanhando atentamente os caminhos de Berenice, que é apaixonada por páginas policiais e que decide, por conta própria, investigar uma misteriosa morte numa praia de Copacabana. O suspense é mantido até o final.

Enquanto "Paraíso Perdido" é sensual e melódico, "Berenice procura" quase exagera no realismo das cenas de sexo, que nada têm de eróticas e os ângulos escolhidos pelo diretor parecem fortalecer essa ideia. Se, por um lado, essa opção deixa claras as intenções do filme de não querer dourar a pílula, por outro, pode causar certo distanciamento. Afinal, muita gente vai ao cinema em busca também de um refresco para a vida. Ainda assim, vale a pena ver e prestigiar mais essa produção nacional.
Classificação: 14 anos
Duração: 1h28



Tags: #Bereniceprocura, #ClaudiaAbreu, #EduardoMoscovis, #VeraHoltz, #ValentinaSampaio, #CaioManhente, #AllanFiterman, #EmilioDantas, #drama, #suspense, #H20Films, #CinemanoEscurinho