sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

"Dolittle" - um filme para quem curte bichos e um grande balde de pipoca

Robert Downey Jr. repete a clássica história do médico que conversa com os animais (Fotos: Universal Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Uma retomada ao clássico infanto-juvenil "Dr. Dolittle" com grandes estrelas e muitos efeitos especiais. Este é "Dolittle", a nova versão em cartaz no cinema que tem como protagonista Robert Downey Jr., após sucessos como Homem de Ferro, na franquia "Vingadores", ou como Sherlock Holmes. O longa usa e abusa da computação gráfica, superando os anteriores (1998 e 2001) que tiveram Eddie Murphy no papel do médico veterinário que conversa com os animais. O que era esperado.


Na nova versão, os bichos têm mais desenvoltura, os sentimentos deles ficam mais sinceros nos olhares e nos diálogos. E eles passam mais vida e carisma que os personagens de "Rei Leão", apesar da alta tecnologia usada na live-action da Disney. Faltou apostar mais na aventura. O filme fica morno em alguns momentos, mas os animais logo tratam de mudar isso. Além da ótima interpretação de Robert Downey Jr., que ajuda a salvar a produção de US$ 175 milhões.


O ator tenta ser o mais divertido possível, mas ainda mantém cacoetes de seu personagem de super-herói, inclusive a prepotência de sempre achar que não precisa de ninguém. Ele conduz bem seu papel e as cenas divididas com os animais são muito boas. Principalmente suas brigas com a arara Polly (voz original de Emma Thompson), que chama Dolittle na responsabilidade quando ele passa dos limites. Ou com o medroso gorila Chee-Chee (voz de Rami Malek) e o urso polar Yoshi (John Cena).

Um dos destaques do filme é a trilha sonora, especialmente a canção "Original", interpretada por Sia, e a versão épica para a clássica "What a Wonderful World", de Louis Armstrong, feita por Reuben and The Dark e AG, que emociona.


O elenco animal conta com vozes de outros nomes famosos do cinema: a pata Dab-Dab (Octavia Spencer), o cão Jip (Tom Holland), o tigre neurótico Barry (Ralph Fiennes), a raposa Tutu (Marion Cotillard) e a girafa Betsy (Selena Gomez). Já entre os humanos, destaque para Antonio Banderas (Rei Rassouli), Michael Sheen (o invejoso Dr. Blair Müdfly, que não aceita o dom de Dolittle) e Jim Broadbent (como lorde Thomas Badgley, que deseja tomar o trono da jovem rainha Vitória, papel de Jessie Buckley).


Apesar do elenco de peso de dubladores, a versão em português deixa os diálogos mais engraçados. As falas de Dolittle também ganham mais sarcasmo na voz do dublador brasileiro de Downey Jr. As crianças vão se divertir com as aventuras do físico, que também é médico veterinário, seu assistente Tommy Stubbins (Harry Collett) e a bicharada da reserva animal mantida pelo excêntrico Doutor Dolittle.  Vivendo em total isolamento do mundo humano após uma tragédia, ele recebe um chamado urgente da rainha da Inglaterra e precisará da ajuda de todos os seus amigos animais para realizar sua missão.


"Dolittle" é um bom entretenimento e tinha todos os recursos para bater os filmes anteriores. Mas pecou se perdeu ao entregar um filme de pouca ação, apesar dos diálogos engraçados, do colorido de passar boas lições de amizade, respeito aos animais e fidelidade. Mas ainda indico como uma boa opção para levar as crianças numa sessão de fim de semana.


Ficha técnica:
Direção: Stephen Gaghan
Produção: Universal Pictures / Perfect World Pictures / Team Downey
Distribuição: Universal Pictures do Brasil
Duração: 1h42
Gêneros: Comédia / Aventura / Família
País: EUA
Classificação: 10 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #Dolittle, @RobertDowneyJr, @AntonioBanderas, @UniversalPicturesBR, #drama, #aventura, #familia, #doutordosanimais, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

domingo, 23 de fevereiro de 2020

"Minha Mãe é Uma Peça 3" - uma ótima opção para quem não curte o Carnaval mas quer se divertir

Paulo Gustavo se supera e apresenta uma Dona Hermínia mais emotiva e estressada (Fotos: Downtown Filmes/Divulgação)

Maristela Bretas


Está sem ideia de um bom filme para se divertir neste carnaval. Então fica aqui a dica do @cinemanoescurinho. A ótima comédia "Minha Mãe é Uma Peça 3" é tão boa ou até melhor que a primeira. Este terceiro filme de Paulo Gustavo é sucesso em tudo: mais divertido, mais emocionante e mais ousado na abordagem de alguns temas. O longa-metragem se tornou a maior bilheteria da história do cinema nacional em ingressos vendidos a um público real, que lotou as salas por todo o país -11 milhões de espectadores e arrecadação de mais de R$ 180 milhões até a primeira quinzena de fevereiro. Ao contrário do filme que ocupa o "primeiro" lugar, cujas entradas foram adquiridas pela produtora, para garantir liderança no ranking de bilheterias, mas com salas vazias de público. 


Além de bater o tal filme no quesito lugares preenchidos, em dezembro "Minha Mãe é Uma Peça 3" também ultrapassou dois dos sucessos mais esperados da Disney para 2019 - "Star Wars: A Ascensão Skywalker" e "Frozen 2" - na semana de seus lançamentos. Passados dois meses, a comédia nacional continua firme em cartaz, ao contrário destes e do intitulado "líder", atraindo um bom público para as salas. 

Algumas pessoas estão assistindo até mais de uma vez as peripécias de Dona Hermínia, personagem criado e consagrado por Paulo Gustavo. O ator é também roteirista do filme, além de multitarefas na vida real. Novamente, ele é dirigido por Suzana Garcia, com quem trabalhou nas comédias "Os Homens são de Marte... e é Pra Lá Que Eu Vou" (2014) e "Minha Vida em Marte" (2018), tendo dividido a tela com Mônica Martelli.


Apresentada em 2013, Dona Hermínia caiu nas graças do público brasileiro, como uma mãe superprotetora, completamente estressada com os filhos Marcelina (Mariana Xavier) e Juliano (Rodrigo Pandolfo), a irmã Iesa (Alexandra Richter), a diarista Waldeia (vivida pela ótima Samantha Schmütz) e ainda ter que aguentar a atual namorada do ex-marido Carlos Alberto (Herson Capri). Até que resolve fugir de casa para dar um tempo e encontrar um objetivo na vida.

Três anos depois, ela retorna para um novo sucesso com "Minha Mãe é Uma Peça 2", agora como apresentadora de um programa de TV. Apesar de ter ficado rica, continua sofrendo com os filhos que saíram de casa para seguirem suas vidas. Para seu desespero, a irmã Lúcia Helena (Patrícia Travassos), ovelha negra da família, retorna ao Brasil para criar mais confusão.


Dona Hermínia não tem sossego e vai enfrentar duas mudanças radicais neste terceiro longa - Marcelina grávida e Juliano casando com Thiago (Lucas Cordeiro), um antigo namorado e Carlos Alberto tentando uma reconciliação. O coração não aguenta tanta emoção. E é exatamente aí que "Minha Mãe é Uma Peça 3" se destaca. Paulo Gustavo passa para seu personagem o amor e a emoção que está vivendo na vida real de ter filhos pela primeira vez. Os lindos bebês são mostrados numa das cenas, levados num carrinho pelo marido do ator. A mãe de Paulo, como nos outros dois filmes, volta com carga total no final, brigando muito com ele e se mostrando uma avó bem coruja.


Susana Garcia ousou na abordagem de alguns temas sérios pouco tratados em comédias nacionais: o casamento gay de Juliano, aceito e abençoado pelas famílias; a escolha de Marcelina em viver com o marido uma vida mais saudável no campo e ter o filho de parto normal; e a coragem de uma mulher em sair de um casamento de conveniência, recheado de dinheiro e traições, e iniciar uma nova vida. Bons exemplos para muitas pessoas.


Mas o lado engraçado ainda é o forte em "Minha Mãe é Uma Peça 3". Difícil não dar boas gargalhadas com Dona Hermínia, que está cada vez mais histérica, sarcástica e estressada, proporcionando ótimos momentos durante todo o filme. Uma das melhores comédias nacionais dos últimos tempos. Se ainda não assistiu, não sabe o que está perdendo. O longa está em exibição em várias salas das redes Cineart e Cinemark em BH, Betim e Contagem, Cinépolis no Shopping Estação BH e Cinesercla no Big Shopping, em Contagem.


Ficha técnica:
Direção: Susana Garcia
Produção: Migdal Filmes/ coprodução Globo Filmes / Telecine / Universal Pictures International/ Paramount Pictures Corporation
Distribuição: Downtown Filmes /co-distribuição Paris Filmes
Duração: 1h45
Gênero: Comédia 
País: Brasil
Classificação: 12 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: "MinhaMaeEUmaPeca3, #DonaHerminia, @PauloGustavo, @MigdalFilmes, @ParisFilmes, @DowntownFilmes, @SusanaGarcia, #comedia, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

"História de um Casamento" ou: quando os tribunais se sobrepõem ao afeto

Scarlet Johansson e Adam Driver protagonizam o longa dirigido por Noah Baumbach ganhador de vários prêmios (Fotos: Netflix/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


O fracasso de um romance, com o consequente rompimento do relacionamento costuma resultar em ótimos e comoventes roteiros. Tanto a comédia quanto o drama já se ocuparam do tema, tão universal e, ao mesmo tempo, tão íntimo. Talvez resida aí, nesse paradoxo, o interesse do público, mais curioso sobre a forma do desgaste que parece inevitável do que propriamente sobre o conteúdo do fracasso.

Pois é exatamente esse o caso de "História de um Casamento", celebrado longa de Noah Baumbach produzido pela Netflix, que colecionou muitos prêmios neste ano: no Globo de Ouro faturou Melhor Filme Dramático, Melhor Ator (Adam Driver), Melhor Atriz (Scarlet Johansson) e Melhor Roteiro. No Oscar, levou a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante para Laura Dern, fora as indicações de Melhor Filme, Melhor Ator e Melhor Atriz.


"História de um Casamento" é, sem dúvida, um bom filme, mas que ninguém espere dele a profundidade de "Cenas de um Casamento", de Ingmar Bergman, que encantou plateias mundo afora no início da década de 70. Frequentemente, sites especializados e cinéfilos não resistem à comparação, quase inevitável. Acontece que o tempo passou, a fila andou e, agora, trata-se de um filme tipicamente norte-americano. Saem os toques humanos, sensíveis e filosóficos daquele tempo e, em seu lugar, entram disputas jurídicas entre advogados que brigam não só pelo dinheiro e pelas propriedades, mas também pela guarda do filho do casal e - acreditem - até pela comarca onde o processo todo deve se desenrolar: Los Angeles (onde ela mora), ou Nova York (onde ele vive)?


Os fatos: o filme já começa com Charlie (Adam Driver) e Nicole (Scarlet Johansson) em crise que, tudo indica, não é grave. Os dois, que parecem ter vivido relativamente felizes e cheios de planos para eles e para o filho Henry (Azhy Robertson), dão sinais, desde o início da história, de que tentam melhorar a relação. Frequentam psicoterapias, procuram fazer o que mandam os psicólogos e, principalmente, falam sobre o desgaste que, a princípio, parece pequeno e perfeitamente contornável.


Como pessoas modernas que são - ele diretor de teatro e cinema, e ela atriz -, o casal segue no diálogo civilizado mesmo quando decide se separar, até que entra em cena a figura de um advogado. Mais precisamente, de uma advogada, Nora Fanshaw, papel magistralmente feito por Laura Dern. É praticamente a partir daí que o filme começa a esquentar, tudo dentro do mais típico cenário norte-americano, onde a grana fala mais alto do que qualquer sentimento, onde o jurisdiquês predomina sobre o amor, impregnando e distorcendo o que pudesse restar de afeto e boas intenções.


Muitos acham o longa arrastado, o que é verdade. Mas talvez seja o caso de perguntar: não é realmente arrastada, lenta e inócua a burocracia da Justiça? Por que falar estritamente da guarda de um filho se o que importa é o tipo de escola que ele vai frequentar - em Los Angeles ou Nova York? Por que promover o diálogo se a ideia é exatamente opor o homem à mulher, numa disputa de gênero que parece nunca ter fim? Típico filme de tribunais, "História de um Casamento" talvez não caiba no rol das histórias que falam sobre relacionamento afetivo.



Ficha técnica:
Direção: Noah Baumbach
Distribuição: Netflix Brasil
Duração: 2H17
Gênero: Drama

Tags: #HistoriaDeUmCasamento, #MarriageStory, @ScarlettJohansson, @AdamDriver, #drama, @NetflixBrasil, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

"Jojo Rabitt" - a guerra pelo olhar puro de uma criança

Taika Waititi e Roman Griffin Davis formam a dupla de amigos improváveis que proporcionam momentos bem divertidos (Fotos: 20th Century Fox / Divulgação)

Maristela Bretas


Com uma abordagem lúdica e ao mesmo tempo satírica sobre a guerra, "Jojo Rabitt", do diretor Taika Waititi ("Thor: Ragnarok" - 2017) é uma história que mexe com as emoções. Ganhador do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, o filme é ambientado na Segunda Guerra Mundial e critica de forma bem debochada, a ascensão de Adolf Hitler e do nazismo na Alemanha, sem deixar de mostrar a crueldade imposta pelo regime. 

O conflito é apresentado pela ótica de Jojo Betzler (Roman Griffin Davis), um garoto tímido de 10 anos, que vive a fase de transição para a adolescência, mora com a mãe solteira, é fanático com o nazismo e tem apenas dois amigos: um real, o fofo, mas trapalhão Yorki (Archie Yates) e um imaginário, o lunático Adolf Hitler, interpretado pelo próprio Taika Waititi (está excelente).


Pode parecer estranho, mas o líder nazista é o "grilo falante" na cabeça de Jojo, que sonha em participar do grupo pró-nazista Juventude Hitlerista. Ele, assim como milhares de crianças alemãs, é doutrinado com informações distorcidas e mentirosas sobre os inimigos e as crueldades que eles cometem. Em acampamentos, as crianças vestem uniformes, fazem a saudação a Hitler e recebem treinamento militar, que inclui queimar livros e matar judeus Mas, ao contrário dos colegas, Jojo acha errado pegar em armas ou fazer mal a qualquer ser, humano ou animal.


Na cabeça do pequeno soldado, Adolf é um amigo invisível com quem pode brincar, ter aventuras e dividir a rotina cruel da guerra. Taika Waititi mescla comédia e drama para contar a história de Jojo "Rabitt". Sempre ao som da bela trilha sonora de Michael Giacchino ("Homem-Aranha: Longe de Casa" - 2019; "Os Incríveis 2" - 2018; "Jurassic World: Reino Ameaçado" - 2018). 

Na contramão dos ideais nazistas está a mãe do garoto, Rosie (papel de Scarlett Johansson), que ama o filho e respeita suas crenças, apesar de ser contrária à ditadura imposta à Alemanha. Mãe e filho são inseparáveis, até surgir uma pessoa na casa que mudará a vida do menino. Ele descobre que Rosie está escondendo no sótão de sua casa a linda jovem judia, Elsa (Thomasin McKenzie). Depois de várias tentativas frustradas para expulsá-la, o garoto começa a ter fortes sentimentos pela nova hóspede.


Jojo passa a questionar até que ponto é correto o que Adolf prega e como isso afetou sua família e amigos. O menino é a imagem da pureza, do tipo que sente borboletas voando no estômago quando se apaixona. Mas também é vítima do sistema que defende. Graças à bela interpretação de Roman Griffin Davis, o público recebe um personagem que faz a gente querer colocá-lo no colo.

Além do diretor (que também é o roteirista e produtor), o elenco conta com coadjuvantes bem conhecidos que ajudam a dar um tom ameno à narrativa: Sam Rockwell (capitão Klenzendorf), Rebel Wilson (monitora Rahm), Alfie Allen (Finkel, ajudante do capitão), Stephen Merchant, como o capitão nazista Herman Deertz. Destaque para o fofo Archie Yates, como Yorki, amigo fiel de Jojo que não entende muito bem o por quê de estar ali e que acha que a guerra é uma grande brincadeira. 


Apesar de ter como pano de fundo o grande conflito mundial, que dizimou milhares de judeus e combatentes, "Jojo Rabitt" é um filme de emoções, boas e ruins. Waititi, que é judeu, optou por ironizar de forma bem escrachada o nazismo e seu líder maior. Criou um personagem divertido, desengonçado e bem histérico, que sempre surge quando Jojo tem dúvidas. 

Além das ótimas atuações, "Jojo Rabitt" tem também uma bela fotografia e um bom figurino, que ajudaram a compor bem a reconstituição de época. Trata-se de um filme sobre uma criança que soube criar e desfazer ídolos e ideais e amadurecer em tempos de guerra. Trata-se de um filme com um belo roteiro, muito próximo à realidade atual de muitos países. "Jojo Rabitt" pode ser conferido no Cineart Paragem, Net Cineart Ponteio e Cinemark Diamond Mall, em versão 2D legendada.



Recomendo

Segundo maior vencedor com estatuetas do Oscar (Melhor Fotografia, Melhor Mixagem de Som e Melhores Efeitos Visuais), além de Globo de Ouro e outras premiações deste ano, "1917", do diretor Sam Mendes, é outra ótima opção para quem gosta de filmes de guerra. Ele se passa na Primeira Guerra Mundial e foi filmado com poucas cenas de corte, o que dá uma maior realidade à produção, que ainda está em cartaz no cinema. 

Outra dica é o ótimo "O Zoológico de Varsóvia", ambientado durante a invasão alemã à Polônia, na Segunda Guerra Mundial, quando os donos do referido zoo passam a esconder judeus dos nazistas. Em breve sairá uma crítica desta produção, que eu indico muito e pode ser conferida no catálogo da Netflix.


Ficha técnica:
Direção, roteiro e produção: Taika Waititi
Produção:  Fox Searchlight Pictures / TSG Entertainment 
Distribuição: Fox Film do Brasil
Duração: 1h48
Gêneros: Guerra / Drama / Comédia
País: EUA
Classificação: 14 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #JojoRabitt, #TaikaWaititi, @ScarlettJohansonn, @RomanGriffinDavis, @20thCenturyFox, #guerra, #comédia, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

"Parasita" é eleito quatro vezes o melhor do Oscar 2020

Produção do diretor sul-coreano Bong Joon Ho venceu como Melhor Filme e Melhor Filme Internacional (Foto: The Jokers / Les Bookmakers)

Maristela Bretas


A 92ª edição do Oscar, que aconteceu neste domingo em Los Angeles teve um grande vencedor, principalmente por ser estrangeiro. "Parasita", de Bong Joon Ho, faturou quatro estatuetas e foi uma surpresa para o diretor sul-coreano. Ele comemorou muito com sua equipe a conquista de quatro grandes categorias - Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme Estrangeiro. Uma prova de que existe cinema de ótima qualidade fora de Hollywood. Confira a ótima critica da colaboradora Mirtes Helena Scalioni, no blog @cinemanoescurinho.

Coringa
A segunda colocação em premiações ficou para "1917", do diretor Sam Mendes, com três estatuetas, entre as dez a que foi indicado. A maior surpresa ficou para "Coringa", indicado a 11 prêmios, mas que só levou duas - de Melhor Ator, para Joaquin Phoenix (que já era esperado), e Melhor Trilha Original. Também saíram com dois troféus os filmes "Ford vs Ferrari" e "Era Uma Vez em... Hollywood". Outro que não se deu bem e saiu apenas com aplausos e elogios de outros vencedores foi "O Irlandês", do diretor Martin Scorsese. Nas principais categorias, os vencedores já eram esperados, como para Melhores Atores Coadjuvantes, Melhor Atriz e alguns troféus técnicos.

A solenidade do #Oscar2020 foi aberta com uma bela apresentação musical de Janelle Monae. Na primeira fileira Tom Hanks, Brad Pitt, Charlize Theron e Margot Robbie se destacaram. Steve Martins e Chris Rock brincaram e fizeram piadas com os convidados, inclusive com Martin Scorsese sobre a duração de "O Irlandês". E lembraram que faltaram mulheres e negros entre as indicações.

Era Uma vez em... Hollywood

Regina King subiu ao palco e foi a primeira a chamar o vencedor de Melhor Ator Coadjuvante, confirmando o favoritismo de Brad Pitt. Ele faturou todas as premiações anteriores ao Oscar com seu papel em "Era Uma Vez em... Hollywood", filme de Quentin Tarantino.

Para Melhor Animação, a escolha foi bem difícil, todas muito boas. A estatueta foi para o mais cotado - "Toy Story 4". Na sequência foi anunciado o vencedor de Melhor Curta de Animação, prêmio que saiu para "Hair Love".  Aurora e Idina Menzel, cantando com outras intérpretes de Elsa pelo mundo, apresentaram a música-tema de "Frozen 2" - "Into the Unknown".

Keanu Reeves e Diane Keaton se reencontram e relembram quando atuaram juntos em "Alguém Tem que Ceder" (2003). Comentaram o filme e se divertiram no palco para, em seguida, anunciarem o vencedor de Melhor Roteiro Original. A estatueta foi entregue a Bong Jooh Ho e Han Jin Won por "Parasita". Pela primeira vez um filme sul-coreano conquista um Oscar.

Jojo Rabitt
Natalie Portman e Timothée Chalamet anunciaram "Jojo Rabbit", de Taika Waititi, como vencedor do prêmio de Melhor Roteiro Adaptado. O diretor fez um discurso que começou agradecendo à mãe dele. Na sequência, o Oscar de Melhor Curta-Metragem saiu para “The Neighbors’ Window”.

As comediantes Kristen Wiig e Maya Rudolph subiram ao palco, fizeram piadas e pediram papéis aos diretores presentes. Elas entregaram a estatueta de Melhor Design de Produção para "Era Uma Vez em... Hollywood".  As atrizes anunciaram, cantando, o vencedor de Melhor Figurino. A estatueta saiu para "Adoráveis Mulheres".

Adoráveis Mulheres

Mark Ruffalo apresentou o vencedor de Melhor Documentário da noite. A estatueta foi para "Indústria Americana". Não foi desta vez que um filme brasileiro levou o Oscar, apesar da grande torcida por "Democracia em Vertigem". Ruffalo entregou também o prêmio ao vencedor 'de Melhor Curta Documentário, estatueta entregue a "Learning to Skateboard in a Warzone".

O prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante foi entregue por Mahershala Ali a Laura Dern, por seu papel em "História de Um Casamento", que lhe garantiu também outras premiações, como aconteceu com Brad Pitt. Ela agradeceu a todos que participaram do filme e principalmente a seus pais, que ela chamou de suas lendas e heróis.

 Eminem deu um show surpresa ao interpretar "Lose Yourself", que fez a plateia aplaudi-lo de pé. O rapper não compareceu ao Oscar de 2003, quando deveria ter cantado esta mesma música, vencedora do troféu de Melhor Canção Original.

Ford vs Ferrari

Oscar Isaac e Salma Hayek anunciaram os vencedores dos prêmios de Melhor Edição de Som, que saiu para Donald Sylvester por "Ford vs Ferrari", e Melhor Mixagem de Som, estatueta merecidamente entregue a Mark Taylor e Stuart Wilson por  "1917",  que garantiu também a  Roger Deakins o prêmio de Melhor Fotografia. . Em seguida, Michael McCusker e Andrew Buckland faturaram a segunda estatueta da noite, a de Melhor Edição, para "Ford vs Ferrari", filme dirigido por James Mangold.

Os atores de "Cats", usando suas fantasias do filme, anunciaram para "1917", mais um troféu, de Melhores Efeitos Visuais, desbancando "Vingadores: Ultimato" que era o favorito. Para Melhor Maquiagem e Penteado, "O Escândalo" levou a premiação pelo trabalho de maquiagem feito em Charlize Theron. A atriz ficou praticamente idêntica à jornalista que denunciou o assédio sexual abordado no filme.

O Escândalo

Seguindo um roteiro esperado, "Parasita" conquistou a segunda estatueta da solenidade, a de Melhor Filme Internacional. O diretor Bong Joon Ho agradeceu a todos e ao elenco e disse que após este troféu já estava preparado para tomar seu primeiro drink da noite.

Brie Larson, Gal Gadot e Sigourney Weaver se uniram no palco e celebraram que pela primeira vez, em 92 anos da história do Oscar, uma maestrina iria reger as trilhas originais que disputavam o troféu deste ano nesta categoria. Coube a Eímear Noone comandar as apresentações da orquestra, começando por "Adoráveis Mulheres", seguido por "1917", "História de Um Casamento", "Coringa", "Star Wars - Ascensão Skywalker". A trilha vencedora foi a do filme "Coringa" .(I’m gonna) love me again”, de  Elton John e Bernie Taupin, do filme “Rocketman”, ficou com a estatueta de  Melhor Canção Original, como já era esperado.

Rocketman

Para Melhor Diretor, grandes nomes estavam na disputa, mas foi Bong Joon Ho, por seu trabalho em "Parasita" quem levou o troféu, atropelando Quentin Tarantino e Martin Scorsese, a quem ele homenageou citando uma de suas famosas frases. Com muita humildade, agradeceu também a Tarantino, que foi uma inspiração no seu trabalho. E finalizou afirmando que depois daquela vitória já poderia beber a noite inteira. Era a terceira estatueta da noite do filme sul-coreano.

Parasita

Steven Spielberg anunciou a homenagem aos que já morreram, ao som de "Yesterday", dos Beatles, cantada por Billie Eilish e arranjo de Finneas. Entre os nomes estavam atores, diretores, produtores e até o jogador de basquete Kobe Bryant, falecido recentemente num acidente de helicóptero.

Olivia Colman, vencedora do Oscar de Melhor Atriz no ano passado, foi a responsável por chamar Joaquin Phoenix para lhe entregar a estatueta de Melhor Ator do Oscar de 2020, por sua fantástica atuação como "Coringa". Ele fez um discurso com fortes críticas ao sistema e cobrando que a sociedade se envolva mais nas questões sociais e ambientais. Rami Malek confirmou o nome de Renée Zellweger como a ganhadora de Melhor Atriz, por seu papel como Judy Garland, em  “Judy - Muito Além do Arco-Íris". O Oscar se junta a várias premiações recebidas por elas neste ano.

E finalmente, o prêmio mais esperado da noite, o de Melhor Filme foi entregue por Jane Fonda, aplaudida de pé por seu trabalho e sua postura ativista. Ela abriu seu discurso falando sobre conscientização e o impacto que o cinema pode exercer sobre as vidas das pessoas. E anunciou a quarta e mais cobiçada estatueta de Hollywood a "Parasita", uma produção da Coreia do Sul.

                                    VENCEDORES

MELHOR FILME - "Parasita", do diretor Bong Joon Ho


MELHOR ATOR - Joaquim Phoenix - "Coringa"

MELHOR ATRIZ - Renée Zellweger - “Judy - Muito Além do Arco-Íris"

MELHOR DIRETOR - Bong Joon Ho - "Parasita"

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE - Laura Dern - "História de um Casamento"

MELHOR ATOR COADJUVANTE - Brad Pitt - "Era Uma Vez em... Hollywood"


MELHOR ROTEIRO ADAPTADO - "Jojo Rabbit" - Taika Waititi

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL - "Parasita" - Bong Jooh Ho e Han Jin Won

MELHOR DOCUMENTÁRIO - "Indústria Americana"

MELHOR EDIÇÃO - "Ford vs Ferrari"

MELHOR FOTOGRAFIA - Roger Deackins - "1917"

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO - "O Escândalo"

MELHOR EDIÇÃO DE SOM - "Ford vs Ferrari"


MELHOR MIXAGEM DE SOM - "1917"

MELHOR CURTA-METRAGEM - “The Neighbors’ Window”

MELHOR DESIGN DE FIGURINO - “Adoráveis Mulheres”

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL - “(I’m gonna) love me again” - Elton John e Bernie Taupin (“Rocketman”)

MELHOR TRILHA ORIGINAL - "Coringa" - Hildur Guadnotóttir


MELHOR ANIMAÇÃO - "Toy Story 4"

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO - "Hair Love"

MELHOR CURTA DOCUMENTÁRIO - "Learning to Skateboard in a Warzone"

MELHOR FILME INTERNACIONAL - "Parasita" - Coreia do Sul

MELHOR DESIGN  DE PRODUÇÃO - "Era Uma Vez... em Hollywood"

MELHORES EFEITOS VISUAIS - "1917"


Tags: #Oscar2020, #Parasita, #1917Filme, #EraUmaVezEmHollywood, #Coringa, #BongJoohHo, #JojoRabbit, #ToyStory4, #drama, #ação, #guerra, #melhoresdocinema, @CinemaEscurinho, @cinemanoescurinho,

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

"Aves de Rapina" consagra Margot Robbie como a Arlequina dos quadrinhos

Margot Robbie é a alma do filme, que tem tudo para ser mais um sucesso de bilheteria (Fotos: Warner Bros. Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Divertido, com muita ação e já provocando polêmica por entregar um filme baseado nas HQs, mas com uma visão feminina, "Aves de Rapina e sua Emancipação Fantabulosa" ("Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn") estreia nesta quinta-feira nos cinemas e é ótimo. Novamente, os vilões da DC Comics entregam uma boa produção que tem tudo para ocupar a liderança nas bilheterias. Sem contar que vem embalada pelo sucesso estrondoso de "Coringa", que faturou prêmios em vários festivais e disputa a categoria de Melhor Filme do Oscar 2020.


Apostar num filme solo da namorada do maior inimigo do Batman foi um risco que os estúdios resolveram apostar. Especialmente porque Arlequina e a trilha sonora foram os únicos pontos que mereceram elogios do esquecível "Esquadrão Suicida" (2016). Tanto que a nova película nem toca na história do antecessor, quando a vilã foi apresentada ao público que não a conhecia dos quadrinhos. 

Um grupo de mulheres foi responsável por criar a arrasadora vilã  e dar à produção uma visão feminina a Aves de Rapina. A começar por sua intérprete, novamente Margot Robbie (que também é uma das produtoras). Ela está espetacular e muito melhor que no filme anterior. A atriz entrega uma Arlequina muito louca, multicolorida, que luta muito e com estilo, mas é uma pessoa solitária. Ela não se preocupa com ninguém e deixa um rastro de inimigos por onde passa. Temida por todos por ser a namorada do Coringa, o maior vilão de Gotham City, ela perde seu poder com o fim do relacionamento. 



Desde os primeiros minutos de exibição, a vilã precisa se redescobrir e criar seu próprio caminho. Com a notícia da separação, ela também terá de fugir daqueles que agora querem se vingar dela. Toda a história é contada por Arlequina, que usa flashbacks para explicar sua vida e a de outros personagens que vão surgindo ao longo da história. Ela não tem amigos em sua vida e seus animais de estimação são uma hiena e um castor de pelúcia, Ou seja, Harley Quinn não tem muito a perder. 

Margot Robbie está mais solta no papel de Arlequina e pode ousar como vilã. A atriz parece se divertir com sua personagem, que usa roupas extravagantes, fala o que bem entende e não precisa expor o corpo com generosos decotes para mostrar que tem força e poder. É na briga e na forma de enfrentar seus inimigos que a vilã se impõe.

Para um enredo sobre uma mulher forte e ensandecida, nada melhor que outra mulher para escrever o roteiro. Coube a Christina Hodson esta parte. Completando o trio, a ótima direção do longa está nas mãos de Cathy Yan, que deverá colocar "Aves de Rapina" como um dos ótimos filmes de super-heróis da DC deste ano. A diretora faz sua estreia no cinema já em grande estilo.



O elenco também conta com outras mulheres, algumas com interpretações medianas como Mary Elizabeth Winstead (Caçadora) e Rosie Perez, (a policial Renée Montoya). Outras já sabem resolver um problema no grito (e que grito!), como Jurnee Smollett-Bell (Canário Negro/Dinah Lance), que também tem um vozeirão para cantar. Destaque para Ella Jay Basco, que faz a jovem Cassandra Cain, uma batedora de carteira que será a pivô de toda uma perseguição e também o principal motivo para reunir este quinteto diferenciado. 

Além do elenco, roteiro, direção e produção formados por mulheres, "Aves de Rapina" conta ainda com uma trilha sonora, composta por Daniel Pemberton, que reúne uma boa seleção de vozes femininas, como Megan Thee Stallion e Normani interpretando a música-tema, "Diamonds". Além de Jurnee Smollett-Bell, que empresta sua bela voz a "It's A Man's Man's Man's World". Até mesmo "Barracuda", sucesso da banda Heart de 1977, entra na lista, num momento de muita pancadaria.



Na ala masculina estão as ótimas atuações de Ewan McGregor, como o vilão Roman Sionis, mais conhecido como Máscara Negra, e Chris Messina, no papel de Victor Zsasz, o cruel e psicopata braço direito de Sionis. É esta dupla que fará com que as cinco mulheres se unam para defender a cidade.

"Aves de Rapina" é um filme "purpurinado coberto de lantejoulas", com muita ação, como sua vilã, que sabe também a hora de pegar uma arma e matar seus inimigos sem dó, usando golpes de pernas ou um taco de beisebol. É também Arlequina quem proporciona as melhores cenas de ação, sarcasmo e diálogos engraçados. Uma produção imperdível.


Ficha técnica:
Direção: Cathy Yan
Produção: DC Entertainment/ Warner Bros. Pictures
Distribuição: Warner Bros. Pictures
Duração: 1h49
Gêneros: Ação / Aventura
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 4 (0 a 5)

Tags: #AvesDeRapina, #Arlequina, @DCComics, @WarnerBrosPictures, #ação, #aventura, #quadrinhos, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

"Bad Boys Para Sempre" soube amadurecer junto com a dupla principal sem perder o pique

Os policiais Mike Lowrey (Will Smith) e Marcus Burnett (Martin Lawrence) estão agora cinquentões e retornam para uma última missão (Fotos: Sony Pictures/Divulgação)

Maristela Bretas


Dezessete anos depois, a barulhenta dupla Will Smith (também um dos produtores) e Martin Lawrence está de volta e surpreende novamente em "Bad Boys Para Sempre" ("Bad Boys For Life"). O filme, em cartaz nos cinemas, é o terceiro episódio da franquia e traz os policiais para uma última missão, que mais parece um trampolim para futuras produções. Talvez não com os dois astros cinquentões, que mostram que a química entre eles ainda funciona muito bem, mas pode perder a graça se não contar com Lawrence, responsável pelos momentos divertidos.



A franquia soube amadurecer bem com a dupla e deixou o estilo de Michael Bay, que dirigiu "Bad Boys" (1995) e "Bad Boys II" (2003). Os diretores belgas de origem marroquina Adil El Arbi e Bilall Fallah deram uma nova roupagem, mais emotiva sem perder as principais características de muita ação da série. Os cabelos brancos e uma barriguinha mais saliente já são parte da realidade de Mike Lowrey (Smith) e Marcus Burnett (Lawrence). Apesar de amigos inseparáveis, eles querem destinos diferentes. O primeiro não se vê fora da ação policial e não aceita a aposentadoria do amigo, que agora só quer curtir o neto e a família, um sofá macio e o controle remoto da TV. 



Lawrence está ótimo, ainda mais divertido, tentando ser mais zen e contra a violência. Apesar de já ter uma postura de "aposentado de chinelinho", ele se recusa a usar óculos para conseguir ter pontaria, enquanto Smith pinta a barba para não parecer mais velho. A agilidade também não é mais o forte do policial Mike, que agora apanha mais que bate. "Bad Boys Para Sempre" explora este "envelhecimento", mas de uma forma bem tranquila e emotiva, criando situações corriqueiras. Mostra que os heróis dos filmes de ação também ficam velhos, desejam parar de correr perigo, querem descansar junto à família, se aposentar e encontrar alguém para uma nova vida. 


Na nova trama, os policiais Mike Lowery e Marcus Burnett partem para uma última missão na tentativa de prender um traficante e assassino que está eliminando em Miami todos aqueles que foram responsáveis pela morte do pai dele. Mike está nesta lista e precisará contar com o leal amigo e também aprender a trabalhar com um novo grupo de elite do Departamento de Polícia, que usa a tecnologia no combate ao crime, usando métodos bem diferentes aos dele.


Além da dupla principal, o elenco conta com a ótima atuação de Joe Pantoliano, como o capitão Howard, chefe de Mike e Marcus, Vanessa Hudgens (ex-High School Musical), Alexander Ludwig, Charles Melton e Paola Nünez, que formam o grupo de elite. Na turma dos vilões estão Jacob Scipio, como o traficante Armando Armas, e Kate Del Castilho, como a mãe dele que comanda o cartel mexicano que atua em Miami. Até Michael Bay faz uma ponta. Destaque também para a ótima trilha sonora, a cargo de Lorne Balfe, responsável por sucessos como "13 Horas: Os Soldados Secretos" - 2016, "Lego Batman: O Filme" - 2017, "Missão Impossível - Efeito Fallout" - 2018 e "Projeto Gemini" - 2019.


Por enquanto, para quem gosta da  do estilo dos bad boys Will Smith e Martin Lawrence de atuar, vale conferir a nova produção, que abriu com R$ 7 milhões no primeiro final de semana no Brasil desde a sua estreia. O filme já é a maior bilheteria da franquia, acumulando mais de US$ 290 milhões e, apesar de seguir a mesma linha dos anteriores, tem uma pegada mais emotiva que agrada bastante e oferece uma boa diversão. Ao mesmo tempo, coloca a Sony Pictures no topo do ranking pela terceira semana consecutiva. As outras duas foram lideradas por “Jumanji: Próxima Fase” que já tem acumulado mais de R$ 45 milhões.


Ficha técnica:
Direção: Adil El Arbi e Bilall Fallah
Produção: Sony Pictures
Distribuição: Sony Pictures Brasil
Duração: 2h04
Gêneros: Ação / Comédia
País: EUA
Classificação: 16 anos
Nota: 3,5 (0 a 5)

Tags: #BadBoysParaSempre, @SonyPicturesBrasil, @WillSmith, @MartinLawrence, #BadBoys, #ação, #comédia, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

"Terremoto", de John Andreas Andersen, tem estreia remarcada para 12 de março

Produção norueguesa levanta a polêmica de um novo abalo sísmico de grandes proporções que poderá atingir Oslo e arredores (Fotos: Califórinia Filmes/Divulgação)

Da Redação


Um abalo sísmico de magnitude de 5,4 na escala Richter atingiu a região de Oslo-Graben em 1904, abrindo uma fenda que cruza a capital norueguesa. De acordo com geólogos e cientistas, um novo terremoto com uma potência muitas vezes maior pode acontecer a qualquer momento, mas ninguém consegue prever quando. No entanto, sabe-se que a densidade populacional e a infraestrutura em Oslo é bem mais vulnerável hoje do que no início do século. Essa é a premissa do filme-catástrofe, "Terremoto" ("Skjelvet"), primeiro longa do diretor John Andreas Andersen, produzido em 1918, mas somente agora tem previsão de estreia nos cinemas brasileiros para 12 de março, com distribuição da Califórnia Filmes.


Andersen conta que no início achou um pouco absurdo um filme sobre um terremoto em Oslo, mas que aos poucos percebeu que registros históricos tornavam a trama viável: “a Noruega é a área sísmica mais ativa no norte da Europa. Em 1904 realmente houve um grande terremoto na região e esse tipo de incidente acontecerá novamente”. 

O diretor se utilizou dos personagens para levar o público a sentir o que eles estavam passando. De acordo com ele, essa empatia é fundamental para o filme. “Porque se você não está vivenciando, não importa o quão espetaculares são as cenas, você não vai se envolver”. 


Além dos efeitos especiais e muita ação, o roteiro contempla o drama familiar de Kristian Eikjord (Kristoffer Joner), sua filha Julia, que busca desesperadamente a atenção do pai, e Idun Karlsen (Ane Dahl Torp), a mulher que foi a grande paixão de Kristian. “E todos eles estão prestes a ter suas vidas completamente mudadas por essa impiedosa e brutal força da natureza”, explica Andersen. 

Com "Terremoto", o diretor espera colocar o público no meio de toda a ação e o drama de uma cidade sendo destruída e sentindo o impacto da força desse fenômeno natural. "Espero que o filme leve o espectador a uma viagem emocionalmente e visualmente fascinante, com muita ação”, afirma Andersen. 


Ficha técnica: 
Direção: John Andreas Andersen 
Produção: Fante Film
Distribuição: California Filmes
Gêneros: Drama / Ação / Suspense 
País: Noruega 
Duração: 1h48

Tags: #Terremoto, #Skjelvet, #CaliforniaFilmes, #ação, #drama, #suspense, #Noruega, #JohnAndreasAndersen,  #filme-catastrofe, #Oslo, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho

sábado, 1 de fevereiro de 2020

"Velozes e Furiosos 9" apresenta artes e primeiro trailer com muita ação e emoções


Da Redação



A Universal Pictures acaba de lançar o primeiro trailer de “Velozes e Furiosos 9” ("Fast and Furious 9"),  que chega repleto de ação, novos personagens e surpresas para os amantes da franquia. A estréia nos cinemas brasileiros está marcada para 21 de maio.

Além dos velhos conhecidos da saga, como Toretto (Vin Diesel), Tej (Ludacris) e Roman (Tyrese Gibson), o longa terá a maior representatividade feminina já vista nos filmes da série. Entre as atrizes, estão Michelle Rodriguez, Helen Mirren, a volta de Charlize Theron, Jordana Brewster e Nathalie Emmanuel, além da participação da rapper Cardi B. 

O novo capítulo da série – que se iniciou em 2001 - ainda resgata o tom da “Família Velozes” com o inesperado retorno de Han (Sung Kang) e a entrada do ator John Cena, como o irmão de Dominic Toretto.

Com direção de Justin Lin, que esteve à frente de “Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio” (2006), “Velozes e Furiosos 4” (2009), “Velozes e Furiosos 5: Operação Rio” (2011) e “Velozes e Furiosos 6” (2013), o filme conta com roteiro de Daniel Casey, sob a história criada por Chris Morgan. 


Tags: #VelozesEFuriosos9, #Fast&Furious9, @VinDiesel, @Ludacris, @MichelleRodriguez, @TyreseGibson, @JohnCena, @UniversalPictures, @cinemaescurinho, @cinemanoescurinho