Mostrando postagens com marcador #Globoplay+. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #Globoplay+. Mostrar todas as postagens

10 janeiro 2022

Os favoritos do Cinema no Escurinho de 2021 no cinema e plataformas de streaming

"Mare of Easttown", minissérie policial dramática com Kate Winslet (Crédito: HBO Max)


Maristela Bretas

Seguindo a tradição de anos passados, o blog Cinema no Escurinho pediu novamente a seus colaboradores que indicassem filmes e séries lançados em 2021, no cinema ou plataforma de streaming.

Na telona, o destaque ficou em dezembro com o tão esperado "Homem Aranha: Sem Volta Para Casa", produzido em parceria pela Sony Pictures e Marvel Studios. O filme ainda está em exibição em várias salas do país.

Já o drama policial "Mare of Easttown", produzido pela HBO, foi o mais indicado pelo blog entre as séries exibidas em canais de streaming.

"Homem Aranha: Sem Volta Para Casa" (Crédito: Marvel Studios/Divulgação)

Aqui vão as dicas destas produções, algumas com links para as críticas feitas por essa turma que curte a sétima arte. E se quiser enviar alguma sugestão de filme ou série que não conste nesta relação (e são muitos), mande até o dia 16 de janeiro para o blog..

Vamos fazer uma seleção dos 20 favoritos indicados por nossos seguidores para uma nova postagem. O e-mail é cinemanoescurinho@gmail.com. Basta colocar o nome e onde a produção pode ser conferida - no cinema ou plataforma de streaming.

"Mentes Extraordinárias" (Crédito: Festival Varilux)

Carol Cassese
FILMES
A Mão de Deus (Netflix)
Mentes Extraordinárias (Cinema - assistido no Festival Varilux)
A Crônica Francesa (Aguardando entrar na plataforma de streaming)
Mães Paralelas (Aguardando entrar na plataforma de streaming)
Duna (HBO Max)

SÉRIES
Mare of Easttown (HBO Max)
White Lotus (HBO Max)
Hacks (HBO Max)
Missa da Meia-Noite (Netflix)
Maid (Netflix)

"Duna" (Crédito: HBO Max)

Jean Piter Miranda

SÉRIES
Mare of Easttown (HBO Max)
WandaVision (Disney+)
Arcane (Netflix)
Falcão e Soldado Invernal (Disney+)
Gavião Arqueiro (Disney+)

"Não Olhe para Cima" (Crédito: Netflix)

Marcos Tadeu
FILMES
Noite Passada em Soho (Cinema)
Duna (HBO Max)
Marighella (Globoplay)
Maligno (HBO Max)

SÉRIES
WandaVision (Disney+)
Solos (Amazon Prime Video)
Clickbait (Netflix)
Lupin (Netflix)
Round 6 (Netflix)

"WandaVision" (Crédito: Disney+)

Maristela Bretas
FILMES
Marighella (Globoplay)
Ghostbusters - Mais Além (My Family Cinema)
Cruella (Disney+)
Luca (Disney+)

SÉRIES
WandaVision (Disney+)
O Homem das Castanhas (Netflix)
Lupin (Netflix)
Gavião Arqueiro (Disney+)

"Marighella" (Crédito: Factoria Comunicação)

Mirtes Helena Scalioni

FILMES

Ataque dos Cães (Netflix)
O Festival do Amor (Cinema)
A Filha Perdida (Netflix)
Veneza (Star+)
Druk: Mais Uma Rodada (Telecine)

SÉRIES
A Caminho do Céu (Netflix)
Manhãs de Setembro (Amazon Prime Video)
Maid (Netflix)
O Paraíso e a Serpente (Netflix)
Round 6 (Netflix)


13 novembro 2021

“Lacuna”, suspense nacional produzido durante a pandemia, estreia na Globoplay

Longa-metragem aborda a relação entre uma jovem e sua mãe, interpretadas por Lorena Comparato e Kika Kalache (Fotos: Rodrigo Lages/Cosmo Cine)


Da Redação


Já está em cartaz no catálogo exclusivo da Globoplay o filme “Lacuna”, um thriller embasado num intrigante drama familiar cercado de suspense. Produzido pela WeSayNo e Cosmo Cine, marca a estreia de Rodrigo Lages na direção de logas. Ele também escreveu o roteiro. O filme aborda a conturbada relação entre Sofia (Lorena Comparato) e sua mãe, Helena (Kika Kalache). 


Após um grave acidente, Helena passa a apresentar comportamentos estranhos. Ela e a filha passam a viver em um ambiente denso e fragmentado, tomado pela culpa que envolve um misterioso passado familiar. O elenco conta ainda com Laila Zaid, Guilherme Prates, Priscila Maria e Charles Fricks.


Segundo os sócios da produtora, fazer cinema é um esforço. “A gente preza muito que o coletivo esteja bem, que todo mundo se sinta incluído no processo. Assim, as pessoas se entregam mais e fazem acontecer, se lembram que filmar, além de ser trabalho sério, também é um prazer e um privilégio. Não importa o escopo ou o tamanho do projeto, nós tentamos imprimir esse clima no set e no produto final."

           

Projetos futuros 
Entre os novos projetos da Cosmo Cine que estão em andamento “Transe”, longa-metragem de Carol Jabor, um filme de ficção rodado durante as eleições de 2018, com previsão de lançamento em 2022 e “Cozinha”, longa de Johnny Massaro (uma coprodução com a Hipérbole Filmes), com previsão de ser lançado também no ano que vem. Outra novidade será a série “Só Sei Que Foi Assim”, uma coprodução com a Baracoa Filmes para o Canal Brasil, que acompanha a história de acontecimentos folclóricos da cultura pop brasileira.

Videoclipe no Grammy Latino
No próximo dia 18 de novembro o videoclipe brasileiro "Visceral", de Fran, Carlos do Complexo & Bibi Caetano, com produção da Cosmo Cine e da Sentimental Filmes, estará entre os indicados ao Grammy Latino. A premiação irá acontecer em Las Vegas, de forma presencial.

            

Ficha técnica
Direção: Rodrigo Lages
Produção: WeSayNo e Cosmo Cine
Duração: 1h31
Gêneros: Drama / Suspense 
País: Brasil

30 agosto 2021

Engraçado e propositalmente besteirol, “Amigas de Sorte” tem elenco estelar que merecia mais originalidade

Arlete Salles, Susana Vieira e Rosi Campos formam o divertido trio da comédia em exibição no canal Globoplay (Fotos: Divulgação)


Mirtes Helena Scalioni

 
Quando morre uma integrante do grupo de quatro amigas paulistas inseparáveis, as três que restaram ficam ainda mais unidas. Nina, dona de uma típica cantina italiana no bairro do Bexiga; Nelita, proprietária de uma loja de antiguidades, e Rita, professora aposentada, são mulheres maduras, beirando os 70 anos, e levam uma vida simples, de dinheiro curto e muita resignação. 

Mas o destino delas começa a mudar quando as três ganham uma bolada na Mega-Sena. Essa é a sinopse de “Amigas de Sorte”, comédia em cartaz no Globoplay que traz no elenco três estrelas da nossa televisão: Arlete Salles (79), Susana Vieira (78) e Rosi Campos (67).


Há quem chame de comédia feminina produções como essa, em que os homens presentes na trama são meros coadjuvantes. Pode ser. Embora não seja nenhuma obra-prima, “Amigas de Sorte” pode cumprir seu papel de provocar riso fácil como convém ao gênero. 

Besteirol popular na acepção da palavra, o filme tem, no elenco brilhante, seu maior mérito. O resto são piadinhas de sexo, estereotipadas velhotas assanhadas, confusões, brigas, desencontros, mentiras, correrias e coincidências nem sempre verossímeis.


Além das três, estão no elenco, em ótimas atuações, entre outros, Klebber Toledo como o galã Gabriel, Otávio Augusto como o marido de Nina e, para quem estava com saudade, até Luana Piovani, que reaparece como uma delegada uruguaia. Em papéis menores, entram Júlio Rocha, Bruno Fagundes e Fernando de Paula.

Quando se descobrem ganhadoras, Nina, Nelita e Rita decidem passear, mas escondem das famílias tanto o prêmio quanto o real destino da viagem. Animadíssimas, vão para Punta Del Este, no Uruguai, onde se hospedam no Conrad, luxuoso hotel cassino, sonho de nove entre dez brasileiros da elite, com suas suítes superconfortáveis, com direito a spa, massagens, champanhe, discoteca. E, claro, não faltam alusões e experiências com a maconha legalizada do Uruguai.


Pela ficha técnica, “Amigas de Sorte” cria certa expectativa. E embora não decepcione totalmente, podia ter menos clichês. Afinal, o argumento é do tarimbado casal Fernanda Young e Alexandre Machado, responsável, entre outras pérolas, pela criação de “Os Normais”. A direção é de Homero Olivetto (“Bruna Surfistinha”, “Reza a Lenda”), o roteiro de Lusa Silvestre, a fotografia de lugares maravilhosos é perfeita e a produção é da Globo Filmes. Ou seja: tudo parece ter sido pensado para fazer sucesso. Deve até fazer.


Só que a pegada, nitidamente comercial, talvez tenha exagerado nos estereótipos. Não que o longa não seja engraçado. Há cenas impagáveis como, por exemplo, quando as três passam pela alfândega e revelam suas maletas repletas de remédios típicos da terceira idade. O elenco, experiente e brilhante, certamente merecia mais originalidade.


Ficha técnica:
Direção:
Homero Olivetto
Exibição: Globoplay
Produção: Globo Filmes / Popcon
Distribuição: Downtown Filmes
Duração: 1h28
Classificação: 14 anos
País: Brasil
Gênero: Comédia

02 maio 2021

“Proibido Nascer no Paraíso" mostra o impedimento de partos e cirurgias em Fernando de Noronha

Documentário de Joana Nin estreia na plataforma Globoplay e no canal GNT (Fotos: Sambaqui Cultural/Divulgação)

Da Redação


Sabia que nascer em Fernando de Noronha é proibido? Entenda mais sobre esta polêmica questão no famoso arquipélago brasileiro no documentário “Proibido Nascer no Paraíso", em cartaz na plataforma Globoplay e com estreia prevista no canal GNT no próximo dia 5 de maio. 

Dirigido por Joana Nin, o documentário foi rodado entre 2017 e 2019 e acompanha três gestantes de famílias tradicionais da ilha, cujo desejo é dar à luz no local onde moram, perto de seus familiares. Há décadas, Ione, Harlene e Babalu são obrigadas a se deslocar para o continente para realizarem seus partos.  A ideia do projeto surgiu a partir da primeira visita dela à ilha quando ouviu a frase: “Aqui é proibido nascer”.


Ao investigar isso, descobriu que as grávidas são obrigadas a ir para Recife 12 semanas antes dos seus partos, que devem ser feitos na capital. Na ilha até existe hospital, mas que não realiza procedimentos obstétricos há quase 20 anos. Há muitos anos a comunidade acredita que os nascimentos foram suspensos para evitar que estes bebês reivindiquem direitos no futuro. 

Como as terras são públicas, os terrenos não podem ser oficialmente vendidos. Eles são concedidos por meio de um Termo de Permissão de Uso – TPU, um documento muito cobiçado. Moradores permanentes – com mais de dez anos de ilha – podem pôr o nome em uma lista e esperar pelo recebimento de um terreno, ou uma casa, já que oficialmente não há compra e venda de imóveis. E disputam espaço com os empresários do turismo.


Para a diretora, o tema é de interesse de todos os moradores e moradoras locais, e, por isso, todo mundo a ajudou muito fornecendo informações. Para realizar o filme, ela também explica que foi preciso conhecer a ilha, suas peculiaridades administrativas. 

Fernando de Noronha, um lugar dentro do Brasil com uma lógica própria, não é um município, é um distrito estadual de Pernambuco. O administrador é um cargo nomeado pelo governador, assim como todo pessoal de apoio. 

A única instância local com eleição democrática é o Conselho Distrital, que não tem função legislativa. A ilha até hoje funciona, de certa forma, como um presídio ou um quartel, a população é tutelada. Tudo é controlado pelo “Palácio”, como os moradores chamam a sede da administração na ilha. 


Em “Proibido Nascer no Paraíso", de acordo com a cineasta, a mulher sequer é considerada, parece ser propriedade de terceiros. Isso tem a ver com um movimento iniciado na década de 1940, quando a gestação passou a ser um tema médico, equiparado a uma doença, e não mais um assunto feminino familiar, como era até então.

"As condições precárias do hospital local, o São Lucas, afetam não apenas as gestantes, mas também os turistas, pois a instituição não está preparada para qualquer intervenção que dependa de um centro cirúrgico, anestesista, banco de sangue, UTI ou qualquer outro tipo de atendimento para além do básico", afirma Nin. 


Joana aponta que um dos objetivos do filme é “fazer o turista entender que a ele também faltará atendimento emergencial, caso precise. É triste pensar isso, mas os visitantes tem muito mais poder de barganha do que as mulheres da comunidade”. 

“Proibido Nascer no Paraíso" tem o poder de sensibilizar e transformar. "O fato de as mulheres não poderem escolher onde e como querem ter seus bebês foi tornado permanente há 17 anos, embora não exista nenhuma lei determinando nada disso. É revelador sobre o quanto ainda teremos que lutar para fazer valer nossos direitos, para ver respeitados nossos desejos. Espero que o filme contribua para essa reflexão e ajude, de alguma forma, em um processo de transformação desta realidade. Para que gestar e parir sejam atos mais respeitosos com as mulheres no futuro, não apenas em Fernando de Noronha, mas em todos os lugares”, conclui a diretora.


Campanha de impacto

O lançamento de “Proibido Nascer no Paraíso" foi planejado para acontecer na sequência de uma campanha de impacto. Desde maio de 2020, a produtora Sambaqui Cultural vem realizando sessões fechadas online com públicos estratégicos ligados diretamente ao tema gravidez e parto, ou ao direito da mulher, sempre seguidas de debate com a diretora e equipe. 

Foram mobilizados parceiros como OAB Mulher, Grupo Curumim, Rehuna, Instituto Aurora, CLAM (Centro Latino Americano em Sexualidade e Direitos Humanos) entre outros, atingindo um público qualificado.

Para o lançamento em maio, a equipe de produção está preparando um "barrigaço do mês das mães" com templates e convites para mulheres de todo o Brasil contarem sobre como tiveram, ou não, suas escolhas de parto respeitadas – a ser postada nas redes sociais do filme. Para saber como foi esse trabalho, acompanhe as redes sociais do filme listadas em https://linktr.ee/proibidonascernoparaiso.


Ficha Técnica
Produção, direção e roteiro - Joana Nin, Ade Muri, Sandra Nodari e Julia Lea de Toledo
Produção: Sambaqui Cultural
Distribuição: Boulevard Filmes
Duração: 1h18 minutos
Gênero: Documentário
Classificação: Livre

20 abril 2021

Triste, mas real e necessário, “Agente Duplo”, faz o espectador esquecer que se trata de um documentário

Sérgio Chamy é o simpático idoso contratado para bisbilhotar uma casa de repouso na capital chilena (Fotos Globoplay/Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Único filme latino-americano indicado ao Oscar – concorre a Melhor Documentário de Longa Metragem – “Agente Duplo” ("The Mole Agent" / "El Agente Topo") é dessas produções que prendem o espectador do início ao fim, mesmo que o público saiba que não se trata de ficção. É tão carismática a atuação de Sérgio Chamy, um senhor de 83 anos contratado para bisbilhotar uma casa de repouso, que, por vezes, pode-se confundi-lo com um ator.

A direção é da chilena Maite Alberti, mas como há outras pessoas de nacionalidades diferentes envolvidas na produção, “Agente Duplo” acaba por se tornar um filme universal. O tema – a velhice e suas questões – também ajuda a tornar o longa fácil de assistir por pessoas de todas as idades.


A sinopse: o detetive chileno Rômulo coloca anúncio num jornal para contratar um idoso para se infiltrar na Casa de Repouso San Francisco, em Santiago do Chile. A ideia é que ele ateste – ou não – se uma tal senhora moradora do asilo está recebendo maus-tratos. Entre os muitos candidatos, o escolhido é Sergio Chamy, que mora meses na casa para espionar com a única obrigação de fazer um relatório diário para o escritório.


A dedicação de Sergio, a seriedade com que ele leva adiante sua missão e, principalmente, seu cavalheirismo e gentileza o tornam uma espécie de galã, cortejado por quase todas as velhinhas. Se, no início, as dificuldades do espião com o uso do celular, as filmagens e mensagens de WhatsApp fazem rir, aos poucos o espectador vai se envolvendo com o que verdadeiramente ele vai descobrindo: a solidão e o abandono de muitos daqueles moradores. “A vida é cruel”, diz, a certa altura, um dos internos.


Segundo contou a diretora em entrevistas, os moradores da Casa de Repouso San Francisco foram avisados de que alguém estaria, naqueles dias, gravando um documentário sobre o asilo. Mas os idosos não pareciam se incomodar com isso. Na verdade, nada parecia incomodá-los. Com raras exceções, o que prevalece é a desesperança. Sem dúvida, “Agente Duplo” é um filme muito triste.


Ficha técnica:
Direção e roteiro: Maite Alberdi
Exibição: Globoplay
Duração: 1h24
Classificação: 12 anos
País: Chile
Gênero: Documentário

19 abril 2021

"Unguarded" retrata metodologia que humaniza o sistema carcerário

Documentário aborda o trabalho desenvolvido nas Apacs do país sob a perspectiva do recuperando (Fotos: Camino Productions/Divulgação)


Flávia Carneiro
Jornalista e colaboradora


Foi lançado oficialmente nesta segunda-feira (19) para um público especial, o documentário "Unguarded" (em português, desarmados). A produção cinematográfica aborda particularidades da aplicação da metodologia da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) em comarcas mineiras. 

Dirigido pela cineasta italiana e professora universitária nos EUA, Simonetta D´Italia-Wiener, o documentário foi exibido online e reuniu mais de 300 conexões simultâneas com o público que cumpre pena em diversas Apacs de Minas Gerais, do Brasil (mais de seis mil pessoas) e de outros países, como a Itália, além de funcionários e voluntários. O documentário completo estará disponível em breve no canal Globoplay.


Desenvolvido em parceria com a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), a produção contou com o apoio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais e tem sido difundida mundialmente, recebendo vários prêmios do cinema internacional.

Simonetta D'Italia-Wiener explicou que "Unguarded", de 2020, é fruto de visitas às unidades das Apacs de Itaúna e São João del-Rei em 2018. A filmagem retrata a experiência da aplicação da metodologia apaquiana, sob a perspectiva do recuperando. 


"O documentário nos leva para dentro dos muros das Apacs, o revolucionário sistema carcerário brasileiro voltado para a plena recuperação e reabilitação da pessoa. A partir de 1970, o advogado Mário Ottoboni foi voluntário em algumas das piores prisões do Brasil. Vendo homens e mulheres frequentemente retornarem à vida do crime depois de serem libertados da prisão, ele decidiu fundar seu próprio sistema de justiça restaurativa”, destacou a diretora. 

Os resultados têm sido extraordinários: enquanto o índice de criminalidade e reincidência é alto nas prisões públicas brasileiras, dentro do sistema Apac tem diminuído constantemente, constatou. 


O documentário conta com depoimentos de recuperandos como o de Bruno Adriano Bacelar, que mostrou como é a rotina dos internos, com atividades de trabalho e estudo. Saiba mais sobre a produção  clicando aqui

O juiz Luiz Carlos Rezende e Santos, coordenador-executivo do programa Novos Rumos do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, é um dos entrevistados. Ele fala sobre a proposta da produção e a metodologia Apac e a relação na qual a segurança social se alcança mais com trabalhos de recuperação do infrator do que com a simples punição.


Valdeci Antônio Ferreira, diretor-executivo da FBAC, acredita que o documentário pode ser encarado como um marco para a expansão das Apacs não só no Brasil, mas em outros países, diante do aumento da visibilidade da iniciativa. O que aumenta a responsabilidade, uma vez que as Apacs passam a ser mais observadas e monitoradas.



Sobre a diretora

Simonetta D´Italia-Wiener, natural de Florença (Itália), é diretora e produtora de filmes e professora de Língua Italiana, Literatura e Cinema no St. Francis College, em Nova York. Na mesma cidade ela também é codiretora do programa de estudos da School of Visual Arts. Foi curadora de vários eventos cinematográficos, entre eles, o Centro Cultural Crossroads.


Por oito anos, ela foi a organizadora americana do Rimini Film Festival Meeting. Foi consultora de produção de curtas e, mais recentemente, fundou a produtora de filmes Camino Productions NYC, LLC. Em 2015-2016, ela codirigiu e coproduziu o premiado documentário "The Awakened Heart". Assina como diretora os documentários "The Awakened Heart "(2016) e "Unguarded" (2020).


Ficha técnica:
Direção: Simonetta D´Italia-Wiener
Exibição: Globoplay
Duração: 47 minutos
País: Brasil
Gênero: Documentário

22 março 2021

Apesar dos senões, “Filhas de Eva” cumpre, com talento e beleza, seu papel de celebrar o mês das mulheres

Giovana Antonelli, Renata Sorrah e Vanessa Giácomo estão nos papéis principais da nova série da Globoplay (Fotos: Divulgação)

Mirtes Helena Scalioni


Ao assistir, exibidos num telão, aos vídeos antigos da sua própria vida na celebração das Bodas de Ouro, Stella, que é casada com um homem muito rico, se descobre insatisfeita. E, cheia de coragem, aos 70 anos de idade, decide ali mesmo acabar com a festa e pedir o divórcio. 
 
É esse o pontapé inicial do roteiro escrito por Adriana Falcão, Jô Abdu, Martha Mendonça e Nelito Fernandes para “Filhas de Eva”, série de 12 episódios em cartaz no Globoplay. A partir daí, entrelaçam-se outras tantas histórias de mães, amantes, esposas, amigas e namoradas em diferentes fases da vida, todas buscando espaço, independência, reconhecimento e liberdade.

 
 
Lançada com algum estardalhaço para celebrar o Dia Internacional da Mulher, “Filhas de Eva” faz jus tanto ao alarde quanto à data que almejou celebrar. Dirigida por Leonardo Nogueira, a série traz Renata Sorrah como Stella, Giovana Antonelli como sua filha Lívia, e Vanessa Giácomo como Cléo nos papéis principais. E como se trata de um tema fundamentalmente feminino, outras grandes atrizes brilham no elenco, como as veteranas Cecília Homem de Melo e Analu Prestes, além da jovem Débora Ozório, que interpreta a adolescente feminista Dora.



Apresentada como uma comédia dramática, “Filhas de Eva” procura dar leveza a temas normalmente ligados às mulheres, como a dependência financeira ou afetiva, virgindade, amamentação, traição, envelhecimento, solidão. E mostra também o outro lado da história, quando fala de amor na maturidade, amizade e, principalmente, do que se convencionou chamar hoje de sororidade – a solidariedade entre mulheres. 
 
 Os personagens são ricos, da corajosa Stella, feita sob medida para Renata Sorrah, à Lívia e sua psicologia de almanaque, em atuação também certeira de Giovana Antonelli. Fora da família, Vanessa Giácomo, que só entra na história por um desses acasos do destino, se sai muito bem como a suburbana Cléo, que vive na corda bamba entre um irmão malandro e uma mãe demente. A estreante Débora Ozório, como Dora, mereceria um troféu revelação tamanha a graça.


Embora não cheguem a comprometer, dois senões tiram o brilho total de “Filhas de Eva”. O primeiro deles: com honrosas exceções, os personagens masculinos são fora da curva. Tem covarde, mesquinho, invejoso, aproveitador, mentiroso, mau-caráter, bandido. Fica parecendo que, para falar bem da luta das mulheres, é preciso falar mal dos homens. 
 
Cacá Amaral (Ademar), Erom Cordeiro (Júlio), Stenio Garcia (o deputado Sampaio), Dan Stulbach (Kleber), Jean Pierre Noher (o vizinho argentino) e Marcos Veras (o jornalista Fábio) se viram como podem para não cair no estereótipo da vilania. Legal mesmo, no rol dos machos, só Juliano Lobreiro, que faz o maduro e compreensivo adolescente Gui.


O segundo senão da série fica por conta de uma cena linda, em que todas as mulheres da história se encontram numa manifestação feminista contra, entre outras coisas, a objetificação do corpo feminino. A certa altura, a mulherada levanta ou tira suas blusas e exibe os seios. Todas as coadjuvantes e figurantes ficam com os peitos à mostra porque isso faz parte do discurso. Menos as três protagonistas, que se abraçam para despistar, deixando aparecer apenas as costas nuas. Por que? Atrizes consagradas não podem se despir mesmo que o gesto tenha significado imprescindível para a obra? Pareceu incoerência.


Ficha técnica:
Direção:
Leonardo Nogueira
Exibição: Globoplay
Duração: 1ª temporada (12 episódios)
Classificação: 14 anos
País: Brasil
Gênero: Drama

01 março 2021

Globo de Ouro 2021 confirma favoritismo de "Nomadland" e da série de TV "The Crown"

 


Maristela Bretas


Com uma apresentação online das humoristas Tina Fey (de Nova York) e Amy Poehler (de Los Angeles), ambas de pretinho nada básico e muito lindas, a 78ª edição do Globo de Ouro de 2021 confirmou o filme "Nomadland", dirigido por Chloé Zhao, que também conquistou o prêmio de Melhor Diretora. A série "The Crown" faturou quatro estatuetas, entre elas, a de Melhor Série Dramática de TV.


Os vencedores vão receber seus prêmios por videoconferência, como prevenção ao contágio pelo Covid-19, uma vez que a pandemia atinge números elevados nos Estados Unidos. No palco, apenas os trabalhadores em mesas separadas, todos com máscaras, acompanharam a transmissão.

Dos indicados, 14 filmes estão no catálogo das plataformas disponíveis no Brasil e alguns com estreias previstas no Brasil para março e abril e outros sem previsão de lançamento no país. Como em outras edições, também foi entregue o prêmio Cecil B. de Mille, que desta vez coube à atriz Jane Fonda por sua carreira excepcional.


Para o prêmio Carol Burnett, o homenageado foi o produtor de TV e roteirista Norman Lear, de 98 anos, que agradeceu virtualmente a todos, especialmente à comediante Carol Burnett.

Laura Dern entregou o primeiro prêmio da noite para Daniel Kaluuya - "Judas e o Messias Negro", como Melhor Ator Coadjuvante em Cinema. Na sequência, Angela Basset anunciou John Boyega por seu papel em "Small Axe" como Melhor Ator Coadjuvante em série. O prêmio de Melhor Animação ficou para "Soul", como já era esperado.

Veja abaixo a lista dos vencedores (em destaque) e saiba também onde a maioria dos concorrentes pode ser assistidos.

FILMES



Melhor Filme Dramático
"Nomadland" - 15 de abril nos cinemas
"Mank" (Netflix)
"Bela Vingança" ("Promising Young Woman") - 18 de marços nos cinemas
"Meu Pai" ("The Father") - 11 de março nos cinemas
"Os 7 de Chicago" - Netflix

Melhor Filme Estrangeiro
"Minari" - Em Busca da Felicidade - EUA

Melhor Diretor
Chloé Zhao - "Nomadland"


Melhor Filme Cômico ou Musical
"Borat: Fita de Cinema Seguinte" - Amazon Prime Video
"Music" - Sem previsão para o Brasil
"A Festa de Formatura" ("The Prom") - Netflix
"Hamilton" - Disney+
"Palm Springs" - Sem previsão para o Brasil


Melhor Ator em Filme Dramático

Chadwick Boseman - "A Voz Suprema do Blues" - Netflix

Melhor Atriz em Filme Dramático
Andra Day - "The United States vs. Billie Holiday"

Melhor Ator em Comédia ou Musical
Sacha Baron Cohen - "Borat: Fita de Cinema Seguinte"



Melhor Atriz em Comédia ou Musical

Rosamund Pike - "Eu Me Importo" ("I Care a Lot")

Melhor Ator Coadjuvante em Cinema
Daniel Kaluuya - "Judas e o Messias Negro" - em cartaz nos cinemas

Melhor Atriz Coadjuvante em Cinema
Jodie Foster - "The Mauritanian"

Melhor Canção Original
"Io sì (Seen)" - Laura Pausini, Diane Warren, Niccolò Agliardi

Melhor Trilha Sonora Original
"Soul" - Trent Reznor, Jon Batiste, Atticus Ross

Melhor Roteiro de Cinema
Aaron Sorkin - "Os 7 de Chicago"


Melhor Animação
"Soul"- Disney+
"Wolfwalkers" = AppleTV+
"Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica" - Disney+
"Os Croods 2: Uma Nova Era" = 25 de março nos cinemas
A Caminho da Lua - Netflix

SÉRIES



Melhor Série Dramática de TV
"The Crown"- Netflix
"O Mandaloriano" - Disney+
"Ratched" - Netflix
"Ozark" - Netflix
"Lovecraft Country" - Now / HBO Go

Melhor Série - Musical ou Comédia:
"Schitts Creek" - Now / Amazon Prime Video
"Emily em Paris" - Netflix
"The Flight Attendant" = HBO Max
"The Great" - Amazon Prime Video / Now
"Ted Lasso" - Apple TV+


Melhor Minissérie ou Filme para TV
"O Gambito da Rainha" - Netflix
"Small Axe" - Amazon Prime Video
"Pessoas Normais" - Amazon Prime Video / Now
"Nada Ortodoxa" - Netflix
"The Undoing"- HBO Go / Now

Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV:
Anya Taylor-Joy - "O Gambito da Rainha"

Melhor Ator em Série Dramática
Josh O'Connor - "The Crown"
Bob Odenkirk - "Better Call Saul" - Netflix
Jason Bateman - "Ozark"
Matthew Rhys - "Perry Mason" - HBO
Al Pacino - "A Caçada" ("Hunters") - Amazon Prime Video



Melhor Atriz em Série Dramática
Emma Corrin - "The Crown"
Olivia Colman - "The Crown"
Jodie Comer - "Killing Eve: Dupla Obsessão" - Globoplay
Laura Linney - "Ozark"
Sarah Paulson - "Ratched" - Netflix

Melhor Ator em Série TV – Comédia ou musical
Jason Sudeikis - "Ted Lasso" - AppleTV+
Nicholas Hoult - "The Great" - Amazon Prime Video
Don Cheadle - "Black Monday" - Netflix / Amazon Prime Video
Eugene Levy - "Schitt’s Creek" - Amazon Prime Video
Ramy Youssef - "Ramy" - Não disponível no Brasil

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical
Catherine O’Hara - "Schitt’s Creek"
Jane Levy - "Zoey e a sua Fantástica Playlist" - Globoplay
Kaley Cuoco - "The Flight Attendant" - HBO
Elle Fanning - "The Great"
Lily Collins - "Emily em Paris" - Netflix



Melhor Ator em Minissérie ou Filme para TV
Mark Ruffalo - "I Know This Much Is True" - HBO
Bryan Cranston  - "Your Honor" - Não disponível no Brasil
Jeff Daniels - "The Comey Rule" - Não disponível no Brasil
Hugh Grant  -"The Undoing" - HBO
Ethan Hawke -“The Good Lord Bird" - Não disponível no Brasil

Melhor Atriz Coadjuvante em Série
Gillian Anderson - "The Crown"

Melhor Ator Coadjuvante em Série
John Boyega - "Small Axe" - Disney+ / Globoplay